Construindo redes: os acompanhantes terapêuticos em Recife – PE

Ananda Kenney da Cunha Nascimento, Ana Carolina de Moraes Silva, Marcus Túlio Caldas

Resumo


Esta pesquisa objetivou compreender a ação clínica dos acompanhantes terapêuticos (Ats) nas redes sociais da cidade de Recife – PE. Realizou-se um estudo qualitativo, de cunho fenomenológico existencial com cinco Ats, utilizando a narrativa colaborativa como instrumento. Em um primeiro momento, individualmente, cada participante se expressou livremente. Após, realizou-se um encontro grupal com os mesmos participantes. Na análise das narrativas, fez-se uso da hermenêutica filosófica de Gadamer, compreendendo a clínica do Acompanhamento Terapêutico em suas diferentes possibilidades de ação clínica com as especificidades inerentes ao seu campo de atuação, a partir da experiência de quem a pratica. Nessa direção, percebeu-se que os Ats estão inseridos nos seguintes seguimentos: acompanhamento clínico com foco em saúde mental – particular ou institucional –, formação, supervisão e pesquisa. Contudo, constatou-se que eles estão operacionalizando ações segregadas. Em contrapartida, os Ats demonstraram almejar um lugar mais delimitado, o que inclui organização, institucionalização, formalização e profissionalização desta prática.


Palavras-chave


clínica; social; saúde mental; formação profissional; psicologiaicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Amarante, P. (2019). Saúde mental e atenção psicossocial (4ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz. (Trabalho original publicado em 2007).

Benjamin, W. (2012). Obras escolhidas volume – I. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (S. P. Rouanet, Trans., 8ª ed.). São Paulo, SP: Brasiliense. (Trabalho original publicado em 1985).

Bustos, G., & Frank, M.L. (Eds.). (2011). Acompañmiento Terapéutico. Innovaciones em la clínica. Inscripción institucional. Buenos Aires: Dunken.

Bleicher, J. (1980). Hermenêutica contemporânea. Lisboa: Edições 70.

Carvalho, S. S. (2004). Acompanhamento Terapêutico: Que clínica é essa? São Paulo, SP: Annablume.

Cunha, A. C., Pio, D. A. M., & Raccioni, T. M. (2017). Acompanhamento terapêutico: Concepções e possibilidades em serviços de saúde mental. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(3), 638-651. doi:10.1590/1982-3703000092016

Dametto, C. (2012). O psicótico e seu tratamento. Petrópolis, RJ: KBR. (Trabalho original publicado em 1976).

Ferro, L. F., Mariotti, M. C., Holanda, A. F., & Nimtz, M. A. (2018). Acompanhamento terapêutico em saúde mental: Estrutura, possibilidades e desafios para a prática no SUS. Revista da Abordagem Gestáltica, 24(1), 66-74. doi:10.18065/RAG.2018v24n1.7

Foucault, M. (1985). Microfísica do poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Gadamer, H. G. (2015). Verdade e método: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica (15ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1986).

Gruska, V., & Dimenstein M. (2015). Reabilitação psicossocial e acompanhamento terapêutico: Equacionando a reinserção em saúde mental. Psicologia Clínica, 27(1), 101-122. doi:10.1590/0103-56652015000100006

Gulassa, D. C. R. (2018). O acompanhamento terapêutico como multiplicador de egos auxiliares. Revista Brasileira de Psicodrama, 26(1), 76-85. doi:10.15329/2318-0498.20180003

Kalina, E. (1988). Tratamento de adolescentes psicóticos (2ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1986).

Lawn, C. (2011). Compreender Gadamer (3ª ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.

Mauer, S. K., & Resnizky, S. (2008). Acompanhantes terapêuticos: Atualização teórico-clínica (1ª ed. em português). Buenos Aires: Letra Viva. (Trabalho original publicado em 2003).

Mauer, S. K., & Resnizky, S. (2012). El acompañamiento terapêutico como dispositivo. Buenos Aires: Letra Viva.

Palombini, A. L. (2006). Acompanhamento Terapêutico: Dispositivo clínico-político. Revista Psychê, 10(18), 115-127.

Santos, M. A., Mishima-Gomes, F. K. T., Pillon, S. C., Zanetti, A. C. G., Souza, J., Miasso, A. I., & Peres, R. S. (2015). Produção científica sobre Acompanhamento Terapêutico (AT) na pós-graduação brasileira: Revisão da literatura. Psicologia: Teoria e prática, 17(2), 64-77.

Silva, A. S. T. (2016). Versões sobre o nascimento do AT: Práticas, nomes e cargo público. In A. S. T. Silva (Ed.), E-Book AT: Conexões clínicas no Acompanhamento Terapêutico (3ª ed.). Porto Alegre, RS: Edição do autor. Disponível em https://siteat.net/biblioteca/e-book-at/ (Trabalho original publicado em 2012).

Silveira, R. W. M. (2016). Relação entre acompanhante e acompanhado: Reflexões acerca do dispositivo amizade-clínica. Fractal: Revista de Psicologia, 28(3), 333-340. doi:10.1590/1984-0292/1228

Souza, A. M. S., & Pontes, S. A. (2017). Acompanhamento terapêutico (At) e reforma psiquiátrica: História de uma prática. Psicologia em Estudo, 22(3), 335-345. doi:10.4025/psicolestud.v22i3.35235

Thiollente, M. (1986). Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo, SP: Cortez.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p76

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)