Violência sexual infantojuvenil: contribuições e responsabilidades dos profissionais de psicologia

Fábio de Carvalho Mastroianni, Ângelo Augusto Rodrigues Alves, Anna Beatriz Andriati Fernandes, Andreza Marques de Castro Leão

Resumo


Objetivou-se conhecer e analisar a compreensão de psicólogas(os) acerca dos limites, desafios e contribuições da área da Psicologia na atuação com a violência sexual infantojuvenil. Trata-se de pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, descritiva e analítica, realizada por meio de entrevistas com nove participantes de três áreas distintas (saúde; assistência social; poder judiciário). Acolher e escutar constituem-se em importantes contribuições da Psicologia, área esta que pode colaborar com o tema de diversas maneiras, sobretudo no que tange a promoção da saúde e do cuidado. Todavia, imersos num cotidiano cuja violência sexual é denunciada corriqueiramente, os profissionais desta área por vezes não dão a devida relevância a prevenção deste fenômeno. Isso desvela a importância de se promover mecanismos voltados a interligar a rede de proteção, indo além da atenção especializada e do poder judiciário, incluindo uma atenção mais acurada à atenção básica e à educação escolar.


Palavras-chave


violência sexual; criança; adolescente; atuação do psicólogo; pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


Abranches, C. D., & Assis, S. G. (2011, maio). A (in)visibilidade da violência psicológica na infância e adolescência no contexto familiar. Cadernos de Saúde Pública, 27(5), 843-854. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000500003

Aded, N. L. O., Dalcin, B. L. G. S., Moraes, T. M., & Cavalcanti, M. T. (2006). Abuso sexual em crianças e adolescentes: Revisão de 100 de literatura. Revista de Psiquiatria Clínica, 33(4), 204-213. https://doi.org/10.1590/S0101-60832006000400006

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: Análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto e Contexto: Enfermagem, 15(4), 679-84. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

Cesca, T. B. (2004). O papel do psicólogo jurídico na violência intrafamilar: Possíveis articulações. Psicologia & Sociedade, 16(3), 41-46. https://doi.org/10.1590/S0102-71822004000300006

Conselho Federal de Psicologia (2010). A escuta de crianças e adolescentes envolvidos em situação de violência e a rede de proteção. Brasília, DF: CFP.

Conselho Federal de Psicologia (2019). Discussões sobre depoimento especial no sistema conselhos de psicologia. Brasília, DF: CFP.

Conselho Federal de Psicologia (2020). Referências Técnicas para a atuação de psicólogas(os) na rede de proteção às crianças e adolescentes em situação de violência sexual. (2a ed.). Brasília, DF: CFP.

Couto, M. C. V., Duarte, C. S., &; Delgado, P. G. G. (2008). A saúde mental infantil na saúde pública brasileira: Situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(4), 384-389. https://doi.org/10.1590/S1516-44462008000400015

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. (3a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008, janeiro). Amostragem por saturação em pesquisa qualitativa em saúde: Contribuições teóricas. Caderno de Saúde Pública, 24(1), 17-27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Franco, M. L. P. B. (2018). Análise de conteúdo. (5a ed.). Campinas, SP: Editora Autores Associados.

Froner, J. P., Ramires, V. R. R. (2008). Escuta de crianças vítimas de abuso sexual no âmbito jurídico: Uma revisão crítica da literatura. Paideia, 18(40), 267-278. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2008000200005

Gava, L. L., Pelisoli, C., & Dell’Aglio, D. D. (2013). A perícia psicológica em casos de suspeita de abuso sexual infanto-juvenil. Avaliação Psicológica, 12(2), 137-145.

Gomes, R. (2012). Análise qualitativa e interpretação de dados de pesquisa. In M. C. S. Minayo (Ed.), Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade (pp. 79-108). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Granjeiro, I. A. C. L., & Costa, L. F. (2008). O estudo psicossocial forense como subsídio para a decisão judicial na situação de abuso sexual. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24(2), 161-169. https://doi.org/10.1590/S0102-37722008000200005

Habigzang, L. F., Corte, F. D., Hatzemberger, R., Stroeher, F., & Koller, S. H. (2008). Avaliação psicológica em casos de abuso sexual na infância e adolescência. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(2), 338-344. https://doi.org/10.1590/S0102-79722008000200021

Habigzang, L. F., Koller, S. H., Azevedo, G. A., & Machado, P. X. (2005). Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: Aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(3), 341-348. https://doi.org/10.1590/S0102-37722005000300011

Libório, R. M. C. (2013). Violência sexual contra crianças e adolescentes: Contribuições da psicologia no processo de prevenção. Psicologia Ensino & Formação, 4(2), 119-139. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pef/v4n2/v4n2a08.pdf

Ministério da Justiça. (2002). Plano nacional de enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil. Brasília, DF: Ministério da Justiça. Secretaria de Estado de Direitos Humanos. Departamento da Criança e do Adolescente. Recuperado de http://www.andi.org.br/file/51341/download?token=XCI0_BT8

Ministério da Justiça. (2014). Plano nacional de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. Brasília, DF: Ministério da Justiça. Secretaria de Estado de Direitos Humanos. Departamento da Criança e do Adolescente.

Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico. (2018, junho). Análise epidemiológica da violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil, 2011 a 2017. Brasília, DF. Secretaria de Vigilância em Saúde. Recuperado de http://portalarquivos2.saude.gov.br/images /pdf/2018/junho/25/2018-024.pdf

Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde (2012). Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Brasília, DF. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Organização Mundial da Saúde. (2002). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Recuperado de https://www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf

Page, A., & Morrison, N. M. V. (2018). The effects of gender, personal trauma history and memory continuity on the believability of child sexual abuse disclosure among psychologists. Child Abuse & Neglect 80, 01-08. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2018.03.014

Pelisoli, C., & Dell'Aglio, D. D. (2014a). As contribuições da psicologia para o sistema de justiça em situações de abuso sexual. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(4), 916-930. https://doi.org/10.1590/1982-370001032013

Pelisoli, C., & Dell'Aglio, D. D. (2014b). Psicologia jurídica em situações de abuso sexual: Possibilidades e desafios. Boletim de Psicologia, 63(139), 175-192. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bolpsi/v63n139/v63n139a06.pdf

Pelisoli, C., Gava, L. L., & Dell´Aglio, D. D. (2011). Psicologia jurídica e tomada de decisão em situações envolvendo abuso sexual infantil. Psico-USF, 16(3), 327-338. https://doi.org/10.1590/S1413-82712011000300009

Penso, M. A., Costa, L. F., Ribeiro, M. Al., Almeida, T. M. C., & Oliveira, K. D. (2008). Profissionalização de psicólogos para atuação em casos de abuso sexual. PSICO, 39(8), 211-218. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/1528/3042

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos (2017). Lei n° 13.431, de 04 de abril de 2017. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Diário Oficial da União, Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13431.htm

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos (1990). Lei n° 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (2014). Resolução n° 162, de 28 de janeiro de 2014. Aprova o Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças de Adolescentes. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Recuperado de http://www.lex.com.br/legis_25257036_RESOLUCAO_N_162_DE_28_DE_JANEIRO_DE_2014.aspx

Rudas, M. M., Valencia, S. B., Crissien, T. J., García, I. P., & Oliver, J. S. P. (2018). Sentencia judicial, delito sexual y pericial psicológica: Enfoque transcultural. Universitas Psychologica, 17(2), 01-11. https://doi.org/10.11144/Javeriana.upsy17-2.sjds

Saffioti, H. I. B. (1987). O poder do macho. São Paulo, SP: Moderna.

Sanderson, C. (2005). Abuso sexual em crianças: Fortalecendo pais e professores para proteger crianças contra abusos sexuais e pedofilia. São Paulo, SP: M. Books do Brasil.

Santos, S. S., Pelisoli, C., & Dell’Aglio, D. D. (2012). Desvendando segredos: Padrões e dinâmicas familiares no abuso sexual infantil. In L. F. Habigzang, & S. H. Koller, (Eds.), Violência contra crianças e adolescentes: Teoria, pesquisa e prática (pp. 69-79). Porto Alegre, RS: ArtMed.

Santos, V. A., & Costa, L. F. (2011). A violência sexual contra crianças e adolescentes: Conhecer a realidade possibilita a ação protetiva. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(4), 529-537. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000400013

Santos, V. A., Costa, L. F., & Granjeiro, I. A. C. L. (2009). Intervenção no abuso sexual intrafamiliar: Ingerência invasiva ou proteção devida?. PSICO, 40(4), 516-524. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/4009/4939

Schaefer, L. S., Rossetto, S., & Kristensen, C. H. (2012). Perícia psicológica no abuso sexual de crianças e adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(2), 227-234. https://doi.org/10.1590/S0102-37722012000200011

Silva, J. V., & Corgozinho, J. P. (2011). Atuação do psicólogo, SUAS/CRAS e psicologia social comunitária: Possíveis articulações. Psicologia & Sociedade, 23(spe), 12-21. https://doi.org/10.1590/S0102-71822011000400003

Strauss, A., & Corbin, J. (1998). Basics of qualitative research: Techniques and procedures for developing grounded theory (2a ed.). London: Sage Publications Editor.

United Nations Children’s Fund. (2017). A Familiar Face: Violence in the lives of children and adolescents. New York, NY: UNICEF. Recuperado de https://www.unicef.org/publications/index_101397.html

Yamada, L. T., Garcia, J., & Uziel, A. P. (2015). Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes: A Psicologia e o Estado Penal. Psicologia em Estudo, 20(2), 177-188. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v20i2.24458

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre, RS: Penso.

Zavaschi, M. L. S., Estrella, C., Jardim, F. C., & Driemeier, F. M. (2011). A avaliação da criança vítima de violência sexual. In M. R. F. Azambuja & M. H. M. Ferreira (Eds.), Violência sexual contra crianças e adolescentes (pp.136-149). Porto Alegre, RS: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2021v12n1suplp40

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)