Aproximações entre E. Husserl e C. G. Jung: da crítica à fundação de uma nova psicologia

Carolina Rodrigues Oliveira, Tommy Akira Goto

Resumo


Pode-se encontrar aproximações entre a proposta fenomenológica de Edmund Husserl (1859-1938) com algumas ideias da Psicologia Analítica de C. G Jung (1875-1961), principalmente no que se refere à crítica que ambos promoveram em relação à Psicologia científica e à concepção de uma Psicologia mais humana. Esse estudo, seguindo o procedimento da pesquisa qualitativa teóricobibliográfica, teve o objetivo de explicitar e, em seguida, aproximar as duas propostas epistemológicas e metodológicas, trazendo os conceitos e estruturações da Fenomenologia e da Psicologia Analítica, correlacionando os pontos de convergência nos quais se equiparam e/ou complementam. Como resultado, observou-se que, tanto Husserl quanto Jung, elaboraram outra concepção filosófica, reagindo ao materialismo e naturalismo positivista; ampliaram o conceito de experiência (empiria); desenvolveram um método de investigação que considera a subjetividade pura; e, por fim, fundaram uma nova Psicologia.


Palavras-chave


fenomenologia; psicologia analítica; experiência; método fenomenológico; inconsciente

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, S. F. (2013). O manifesto dos filósofos alemães contra a psicologia experimental: introdução, tradução e comentários. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(1), 298-311. Rio de Janeiro. Recuperado em 20 de janeiro de 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v13n1/v13n1a18.pdf.

Bello, A. A. (2004). Fenomenologia e ciências humanas: Psicologia, história e religião. Bauru, SP: Edusc.

Bello, A. A. (2017). Introdução à Fenomenologia. Belo Horizonte, BH: Spes Editora.

Brooke, R. (2005). Pathways into the Jungian world: Phenomenology and analytical psychology. Londres: Routledge.

Camolesi, M. E. D. (1993). A unilateralidade da razão: A crítica junguiana (Dissertação de mestrado). Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Castañon, G. A., & Cormanich, E. L. (2018). O conceito de psicologia fenomenológica na obra husserliana e suas implicações para a psicologia. Revista Nufen: Phenomenology and Interdisciplinarity 10(3), 143-165. doi:10.26823/RevistadoNUFEN.vol10.n03artigo41

Clarke, J. J. (1993). Em busca de Jung: Indagações históricas e filosóficas. Rio de Janeiro, RJ: Ediouro.

Costa, I. I. D., Goto, T. A., & Holanda, A. F. (2018). Fenomenologia transcendental e a psicologia fenomenológica de Edmund Husserl. Revista Nufen: Phenomenology and Interdisciplinarity 10(3), 38-53. doi:10.26823/RevistadoNUFEN.vol10.n03artigo35

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2006). Introdução: A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Eds.), O planejamento da pesquisa qualitativa: Teorias e abordagens. (2a ed). Porto Alegre, RS: Artmed.

D. Romanyshyn, R. (2005). Alchemy and the subtle body of metaphor: Soul and cosmos. In R. Brooke (Ed.), Pathways into the Jungian world: Phenomenology and analytical psychology. Londres: Routledge.

Goto, T. A. (2007). A (Re)constituição da Psicologia Fenomenológica em Edmund Husserl. São Paulo, SP: PUC Campinas.

Goto, T. A. (2013). Introdução à fenomenologia de Edmund Husserl e à psicologia fenomenológica. Belo Horizonte (MG): Fundação de Saúde Integral Humanística. [Arquivo de vídeo]. Recuperado em 04 de outubro de 2019, de: https://www.youtube.com/watch?v=_RR9dHtF3e4.

Goto, T. A. (2015). Introdução à psicologia fenomenológica: A nova psicologia de Edmund Husserl. São Paulo, SP: Paulus.

Hall, C., & Nordby, V. (2014). Introdução à psicologia junguiana. São Paulo, SP: Cultrix. (Trabalho original publicado em 1980).

Henry, J. (1998). A revolução científica e a historiografia da ciência. In Revolução científica e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed.

Hoffman, E. (Ed.). (2005). A sabedoria de Carl Jung. São Paulo, SP: Palas Athenas.

Husserl, E. (1965). A Filosofia como ciência de rigor. Coimbra: Atlantida. (Trabalho original publicado em 1910).

Husserl, E. (2006). Ideias para uma fenomenologia pura e uma filosofia fenomenológica. Aparecida: Ideias e Letras. (Trabalho original publicado em 1913).

Husserl, E. (2012). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: Uma introdução à filosofia fenomenológica. Rio de Janeiro, RJ: Editora Forense Universitária. (Trabalho original publicado em 1954).

Jung, C. G. (1983). The Zofingia lectures. In The Collected Works Suplementary. Londres: Routledge & Kegan Paul. (Trabalho original publicado em 1896).

Jung, C. G. (1987) Psicologia e religião. Petrópolis, RJ: Vozes (Trabalho original publicado em 1939).

Jung, C. G. (1991). Psicologia analítica e cosmovisão. In Natureza da Psique. Petrópolis, RJ: Vozes: Vozes. (Trabalho original publicado em 1931).

Jung, C. G. (2000). Os arquétipos e o inconsciente coletivo. (6a ed.) Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1976).

Jung, C. G. (2001). Cartas de C. G. Jung: 1906-1945. (vol. I). Petrópolis, RJ: Vozes.

Jung, C. G. (2016). O homem e seus símbolos (3a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Harper Collins. (Trabalho original publicado em 1964).

Jung, C. G. (2019). Memórias, sonhos, reflexões. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (Trabalho original publicado em 1961).

Lima, T. C. S. & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: A pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, 10(spe), 37-45. doi:10.1590/S1414-49802007000300004

Martinelli, A. V. (2018). As origens do pensamento de Edmund Husserl: Do psicologismo à fenomenologia. Revista Peri, 10(1), 36-57.

Mook, B. (2005). Phenomenology, analytical psychology, and play therapy. In R. Brooke (Ed.), Pathways into the Jungian world: Phenomenology and analytical psychology. Londres: Routledge.

San Martín, J. (1987). La fenomenología de Husserl como utopía de la razón. Barcelona: Anthropos.

Schenk, R. (2005). Spirit in the tube: The life of television. In R. Brooke (Ed.), Pathways into the Jungian world: Phenomenology and analytical psychology. Londres: Routledge.

Spiegelberg, H. (1972). Phenomenology in Psychology and Psychiatry. Evanston: Northwestern University Press.

Tourinho, C. D. C. (2011). A crítica da Fenomenologia de Husserl à visão positivista nas ciências humanas. Revista da Abordagem Gestáltica, 17(2), 131-136.

Tourinho, C. D. C. (2013). A crítica de Husserl ao positivismo. Revista Virtual EnFil: Encontros com a Filosofia, 1, 1-12.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p153

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)