Significados atribuídos ao comportamento suicida por adolescentes do sexo feminino

Adriane Oss-Emer Soares Alpe, Alexandra Machado Alf

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar o comportamento suicida de adolescentes acolhidas em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de um município no interior Estado do Rio Grande do Sul. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o período da adolescência mostra-se cada vez mais vulnerável a esse fenômeno, observando um crescimento gradativo do número de mortes por suicídio neste período do desenvolvimento, o que ressalta a importância de investigar a temática. Esta pesquisa qualitativa contou com a participação de treze adolescentes do sexo feminino, os dados foram coletados através de uma entrevista semiestruturada e analisados pela Análise de Conteúdo. Os resultados estão apresentados em duas categorias: a categoria I verifica a percepção dos adolescentes sobre o comportamento suicida, métodos prevalentes utilizados nas tentativas de suicídio; já a categoria II, apresenta significados associados ao desejo de morrer e fatores de risco e proteção a este público-alvo.


Palavras-chave


adolescentes; mulheres; comportamento; suicídio

Texto completo:

PDF

Referências


Alves Junior, C. A. S., Nunes, H. E. G., Gonçalves, E. C. A., & Silva, D. A. S. (2016). Comportamentos suicidas em adolescentes do sul do Brasil: Prevalência e características correlatas. Journal of Human Growth and Development, 26(1), 88-94. doi:10.7322/jhgd.113733.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Botega, N. J. (2015). Crise Suicida: Avaliação e manejo. Porto Alegre, RS: Artmed.

Botega, N. J., Werlang, B. S. G., Cais, C. F. S., & Macedo, M. M. K. (2006). Prevenção do comportamento suicida. PSICO, 37(3), 213-220.

Bronk, C, K. (2014). Purpose in life. A critical component of optimal youth development. Amsterdam, NED: Springer.

Cassorla, R. M. S. (2005). O que é o suicídio (5ª ed.). São Paulo, SP: Brasiliense. (Trabalho original publicado em 1977).

Costa, C. R. B. S. F., & Assis, S. G. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em conflito com a lei no contexto socioeducativo. Psicologia & Sociedade, 18(3), 74-81. doi:10.1590/S0102-71822006000300011

Davim, R. M. B., Germano, R. M., Menezes, R. M. V., & Carlos, D. J. D. (2009). Adolescente/adolescência: Revisão teórica sobre uma fase crítica da vida. Revista Rene, 10(2), 131-140.

Deslandes, S. F. (2011). O projeto de pesquisa como exercício científico e artesanato intelectual. In M. C. S. Minayo (Ed.), Pesquisa social: Teoria, método e criatividade (pp. 31-60). Petrópolis, RJ: Vozes.

Freire, V. C. R. (2017). Suicídio na adolescência: Reflexão sobre o mal-estar na atualidade. Psicologia. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0424.pdf

Freitas, G. V. S., & Botega, N. J. (2002). Gravidez na adolescência: Prevalência de depressão, ansiedade e ideação suicida. Revista da Associação Médica Brasileira, 48(3), 245-249. doi:10.1590/S0104-42302002000300039

Hawton, K., Saunders, K. E., & O'Connor, R. C. (2012). Self-harm and suicide in adolescents. Lancet, 379(9834), 2373-82. doi:10.1016/S0140-6736(12)60322-5

Henrique, V. V. D. C. (2017). Vínculos a pais e pares e comportamento suicida em adolescentes (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Henriques, B. D., Rocha, R. L., & Madeira, A. M. (2010). O Atendimento e acompanhamento de adolescentes na atenção primária à saúde: Uma revisão de literatura. Revista Mineira de Enfermagem, 14(2), 251-256.

Hepp, U., Stulz, N., Unger-Köppel, J., & Ajdacic-Gross, V. (2012). Methods of suicide used by children and adolescents. European Child & Adolescent Psychiatry, 21(2), 67–73. doi:10.1007/s00787-011-0232-y

Macedo, M. M. K., Fensterseifer, L., & Werlang, B. S. G. (2004). Adolescência: Um tempo de ressignificações. In M. M. K. Macedo (Ed.), Adolescência e psicanálise: Intersecções possíveis (pp. 65-83). Porto Alegre, RS: EdiPUCRS.

Mann J. J. (2003). Neurobiology of suicidal behaviour. Nature Reviews Neuroscience, 4(10), 819-828. doi:10.1038/nrn1220

McKinnon, B., Gariépy, G., Sentenac, M., & Elga, F. (2016). Adolescent suicide behaviours in 32 low-and middle income countries. Bulletin of the World Health Organization, 94, 340-350. doi:10.2471/BLT.15.163295

Minayo, M. C. S. (2002). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade (22ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério da Saúde. (2017a). Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/proteger_cuidar_adolescentes_atencao_basica.pdf

Ministério da Saúde. (2017b). Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Boletim Epidemiológico - Secretaria de Vigilância em Saúde, 48(30), 1-14. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/2017-025-Perfil-epidemiologico-das-tentativas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil-e-a-rede-de-atencao-a-saude.pdf

Moreira, L. C. O., & Bastos, P. R. H. O. (2015). Prevalência e fatores associado à ideação suicida na adolescência: Revisão de literatura. Psicologia Escolar e Educacional, 19(3), 445-453. doi:10.1590/2175-3539/2015/0193857

Organização Mundial de Saúde [OMS]. (2008). Child and adolescent health and development. Genebra, SWI: WHO. Disponível em https://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/9789241596497/en/

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (2014a). Country reports and charts available. Genebra, SWI: WHO. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/country_reports/en/%20index.html

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (2014b). Plan of action on mental health 2015-2020. Washington, DC: World Health Organization.

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (2019). Suicide in the world: Global health estimates. Genebra, SWI: WHO. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/326948/WHO-MSD-MER-19.3-eng.pdf?ua=1

Organização Pan-americana de Saúde [OPAS]. (2014). Prevención del suicidio: Un imperativo global. Washington, DC: OPS, 2014.

Rigo, C. S. (2013). Suicídio: Uma questão de saúde pública e um desafio para a psicologia clínica. In Conselho Federal de Psicologia (Ed.), Suicídio e os desafios para a psicologia. Brasília, DF: CFP.

Schlosser, A., Rosa, G. F. C., & More, C. L. O. O. (2014). Revisão: O comportamento suicida ao longo do ciclo vital. Temas em Psicologia, 22(1), 133-145. doi:10.9788/TP2014.1-11

Sehn, A. S., Porta, D. D., & Siqueira, A. C. (2015). “Tocar a vida para frente”: Possibilidades de planos para o futuro de adolescentes que cometem ato infracional. Adolescência & Saúde, 12(1), 28-34.

Stanley, B., Gameroff, M. J., Michalsen, V., & Mann, J. J. (2001). Are suicide attempters who self-mutilate a unique population?. The American Journal of Psychiatry, 158(3), 427-432. doi:10.1176/appi.ajp.158.3.427.

Viana, G. N., Zenkner, F. M., Sakae, T. M., & Escobar, B. T. (2008). Prevalência de suicídio no Sul do Brasil, 2001-2005. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 57(1), 38-43. doi:10.1590/S0047-20852008000100008




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p99

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)