Desafios da prática de estágio em psicologia no acolhimento institucional

Aline Cardoso Siqueira, Suane Pastoriza Faraj, Daiane Santos do Carmo Kemerich, Amanda Pereira da Silva, Daniela Porto Giacomelli

Resumo


Este artigo apresenta um relato de experiência de um estágio supervisionado em Psicologia realizado em uma instituição de acolhimento para crianças e adolescentes. Esse campo de estágio constitui-se em um espaço potente para a formação do estudante de Psicologia, bem como uma oportunidade de visualizar a efetivação dos direitos preconizados no ECA em 1990. Assim, objetiva-se problematizar os desafios dessa medida de proteção e apontar possibilidades para garantir os direitos da população infanto-juvenil nos 30 anos do ECA. Os resultados sinalizam desafios relacionados à garantia do direito à educação, lazer, atendimento especializado, convivência familiar e comunitária e tempo de permanência na instituição. Foram realizados atendimentos psicológicos, reuniões nas escolas, atendimentos psicossociais, oficinas para adolescentes, busca por atividades de lazer e esporte, etc. Conclui-se que o esforço para a efetivação do ECA deve ser tarefa constante, sendo potencializada com a relação acolhimento/universidade.


Palavras-chave


acolhimento institucional; estágio supervisionado; direitos das crianças e dos adolescentes; Estatuto da Criança e do Adolescente

Texto completo:

PDF

Referências


Abaid, J. L. W., Dell’Aglio, D. D., & Koller, S. H. (2010). Preditores de sintomas depressivos em crianças e adolescentes institucionalizados. Universitas Psychologica, 9(1), 199-212. https://doi.org/10.11144/Javeriana.upsy9-1.psdc

Acioli, R. M. L., Barreira, A. K., Lima, M. L. C., Assis, S. G., & Lima, M. L. L. T. (2019). Tempo de acolhimento e características dos adolescentes acolhidos por tipo de serviços institucionais. Recife, Brasil, 2009-2013. Ciência & Saúde Coletiva, 24(2), 553-562. https://doi.org/10.1590/1413-81232018242.06402017

Álvares, A. de M., & Lobato, G. R. (2013). Um estudo exploratório da incidência de sintomas depressivos em crianças e adolescentes em acolhimento institucional. Temas em Psicologia, 21(1), 151-164. http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.1-11

Assis, S. G., & Farias, L. O. P. (Eds.). (2013). Levantamento nacional das crianças e adolescentes em serviço de acolhimento. São Paulo, SP: Hucitec.

Batista, S. V., & Marturano, E. M. (2015). Intervenção para promover habilidades sociais e reduzir problemas de comportamento de crianças em um núcleo social. Pesquisa Prática Psicossociais, 10(2), 313-326. Recuperado em 29 de junho de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082015000200009&lng=pt&tlng=pt.

Bock, A. M. B. (2007). A adolescência como construção social: Estudo sobre livros destinados a pais e educadores. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 11(1), 63-76. https://doi.org/10.1590/S1413-85572007000100007

Bowlby, J. (2002). Apego e perda: Apego (A. Cabral, Trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes (Original publicado em 1969).

Cano, M. A. T., Ferriani, M. G. C., & Mendonça, M. L. (1999). Repetência e evasão escolar de adolescentes em Ribeirão Preto-SP: uma primeira abordagem. Revista Eletrônica de Enfermagem (online), 1(1), 1-10. Recuperado em 29 de junho de 2021 de https://revistas.ufg.br/fen/article/view/663/739.

Conselho Federal de Psicologia. (2009). Serviço de proteção social a crianças e adolescentes vítimas de violência, abuso e exploração sexual e suas famílias: Referências para a atuação do psicólogo. Brasília, DF: CFP.

Cruz, D. A., Cardoso, A. M., & Matos, E. P. (2018). Conviver é preciso: Reflexão acerca do direito à convivência comunitária de crianças e adolescente em acolhimento institucional. In L. I. C. Cavalcante, C. M. C. Magalhães, L. S. Corrêa, E. F. Costa, & D. A. Cruz (Eds.), Acolhimento institucional de criança e adolescente: Teoria e evidencia para boas práticas (pp. 101-112). Curitiba, PR: Juruá.

Da Silva, A. B., & Costa, A. V. (2019). Políticas e programas públicos que oportunizam a inserção do jovem no mercado de trabalho. Id On Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 13(43), 967-981. Recuperado em 29 de junho de 2021 de https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/download/1571/2317.

Faraj, S. P., Siqueira, A. C., & Arpini, D. M. (2016). O atendimento psicológico no centro de referência especializado da assistência social e a visão de operadores do direito e conselheiros tutelares. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(4), 757-766. https://doi.org/10.1590/1982-02752016000400018

Fonseca, H. R. R., & Koller, S. H. (2018). Acompanhamento familiar e cartilha da família com crianças e adolescente em acolhimento. In L. I. C. Cavalcante, C. M. C. Magalhães, L. S. Corrêa, E. F. Costa, & D. A. Cruz (Eds.), Acolhimento institucional de criança e adolescente: Teoria e evidencia para boas práticas (pp. 101-112). Curitiba, PR: Juruá.

Guisso, L., Bolze, S. D. A., & Viera, M. L. (2019). Práticas parentais positivas e programas de treinamento parental: Uma revisão sistemática da literatura. Contextos Clínicos, 12(1), 226-255. https://doi.org/10.4013/ctc.2019.121.10

Habigzang, L. F., Azevedo, G. A., Koller, S. H., & Machado, P. X. (2006). Fatores de risco e de proteção na rede de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 379-386. https://doi.org/10.1590/S0102-79722006000300006

Heumann, I. S., & Cavalcante, L. I. C. (2018). Rotinas de crianças e adolescentes em acolhimento institucional: Estudo descritivo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 70(2), 22-37.

Presidência da República (1990). Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Presidência da República (2009). Lei nº 12.010, de 3 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943; e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2009/ lei/l12010.htm.

Machado, M. S., Scott, J. B., & Siqueira, A. C. (2016). Crianças institucionalizadas e suas famílias de origem: As imagens sociais e seus reflexos na garantia de direitos. Revista Brasileira de Iniciação Científica, 3(6), 91-111. Recuperado em 29 de junho de 2021 de https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/IC/article/view/460/459.

Marin, I. S. K. (1998). Sujeito, Desamparo e Violência. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 2(3), 75-88. https://doi.org/10.1590/1415-47141999003005

Martinez, A. L. M., & Soares-Silva, A. P. (2008). O momento da saída do abrigo por causa da maioridade: A voz dos adolescentes. Psicologia em Revista, 14(2), 113-132. Recuperado em 29 de junho de 2021 de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v14n2/v14n2a08.pdf.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2009). Orientações técnicas para serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Ministério do Trabalho e Emprego (2014). Manual de Aprendizagem: O que é preciso saber para contratar o aprendiz (Ed. revista e ampliada). Recuperado de

zacesso.mte.gov.br/políticas_juventude/manualdeaprendizagem

Moré, C. L. O. O., & Sperancetta, A. (2010). Práticas de pais sociais em instituições de acolhimento de crianças e adolescentes. Psicologia & Sociedade, 22(3), 519-528. https://doi.org/10.1590/S0102-71822010000300012

Oliveira, R. C. S. (2007). Quero voltar para casa: O trabalho em rede e a garantia do direito à convivência familiar e comunitária para crianças e adolescentes que vivem em abrigo. São Paulo, SP: Associação de Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça de São Paulo – AASPTJ/SP.

Pasche, A. D., Vidal, J. L., Schott, F., Barbosa, T. P., & Vasconcellos, S. J. L. (2019). Treinamento de habilidades sociais no contexto escolar: Um relato de experiência. Revista de Psicologia da IMED, 11(2), 166-179. https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i2.2850

Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2006). Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília, DF: CNAS, CONANDA, SEDH, MDS.

Savegnago, S. D. O., Faraj, S. P., Arpini, D. M, & Siqueira, A. C. (2015). Oficinas com meninas em uma escola aberta: Espaço de diálogo, reflexão e reconhecimento da singularidade. Temas em Psicologia, 23(2), 467-480. http://dx.doi.org/10.9788/TP2015.2-17

Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2010). Crianças e adolescentes institucionalizados: Desempenho escolar, satisfação de vida e rede de apoio social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 407-415. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000300003

Villachan-Lyra, P., Queiroz, E. F. F., Moura, R. B., & Gil, M. O. G. (2018). Entendendo o desenvolvimento infantil: Contribuições das neurociências e o papel das relações afetivas para pais e educadores. Curitiba, PR: Appris.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2021v12n1suplp03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)