A experiência de rosa vermelha no contexto do alcoolismo paterno

Antonio Richard Carias, Tânia Mara Marques Granato

Resumo


Os filhos de alcoolistas sofrem o impacto de uma relação parental marcada pela violência e imprevisibilidade. O objetivo deste estudo é ilustrar a experiência emocional de filhos de alcoolistas com o relato emblemático de um dos 12 participantes de uma pesquisa psicanalítica empírica. Foi realizada uma entrevista psicanalítica com Rosa Vermelha por meio do uso de uma Narrativa Interativa sobre o drama de um filho que aguarda a chegada do pai alcoolizado. Rosa completou a narrativa expressando-se imaginativamente sobre a convivência com o progenitor. O material narrativo foi analisado à luz da psicanálise winnicottiana, resultando em quatro campos de sentidos que comunicam a experiência emocional de filhos de alcoolistas: “Marcas da Violência”; “Desejo Soberano”, “Sobrevivendo ao Caos” e "De volta à minha vida". O intenso sofrimento emocional desses filhos que precisam assumir responsabilidades precocemente enseja a produção de futuras pesquisas que subsidiem práticas no contexto do alcoolismo.


Palavras-chave


abuso de álcool; violência na família; psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


Aiello-Vaisberg, T. M. J., Machado, M. C. L., Ayouch, T., Caron, R., Beaune, D. (2009). Les récits transférentiels comme présentation du vécu clinique: Une proposition méthodologique. In D. Beaune (Ed.), Psychanalyse, Philosophie, Art: Dialogues (pp. 39-52). Paris: L'Harmattan.

Albuquerque, F. M. P., Heimerdinger, V. S., & Rodrigues, E. F. (2016). Implicações do uso de álcool no exercício das funções parentais na perspectiva do filho adolescente. Revista Contexto & Saúde, 16(31), 149-164. doi:10.21527/2176-7114.2016.31.149-164.

Benjamin, W. (1996). O narrador: Considerações sobre a obra de Nicolai Leskov. In W. Benjamin, Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 197-221). São Paulo, SP: Brasiliense. (Trabalho original publicado em 1936).

Bleger, J. (1984). Psicologia da Conduta. Porto Alegre, RS: Artmed. (Trabalho original publicado em 1963).

Colossi, P. M., Marasca, A. R., & Falcke, D. (2015). De geração em geração: A violência conjugal e as experiências na família de origem. Psico, 46(4), 493-502. doi:10.15448/1980-8623.2015.4.20979.

Feijó, M. R., Noto, A. R., Silva, E. A., Locatelli, D. P., Camargo, M. L., & Gebara, C. F. P. (2016). Álcool e violência nas relações conjugais: Um estudo qualitativo com casais. Psicologia em Estudo, 21(4), 581-592. doi:10.4025/psicolestud.v21i4.31556.

Ferraboli, C. R., Guimarães, A. N., Kolhs, M., Galli, K. S. B., Guimarães, A. N., & Schneider, J. F. (2015). Alcoolismo e dinâmica familiar: Sentimentos manifestos. Ciência, Cuidado e Saúde, 14(4), 1555-1563. doi:10.4025/cienccuidsaude.v14i4.27245.

Flick, U. (2013). Introdução à metodologia de pesquisa: Um guia para iniciantes. Porto Alegre, RS: Penso.

Fulgêncio, L. (2015). Apontamentos para uma análise da influência do existencialismo moderno na obra de Winnicott. Ciência e Cultura, 67(1), 36-39. doi: 10.21800/2317-66602015000100013.

Furtado, E. F., Laucht, M., & Schmidt, M. (2002). Estudo longitudinal prospectivo sobre o risco de adoecimento psiquiátrico na infância e alcoolismo paterno. Revista Psiquiatria Clínica, 29(2), 71-80.

Granato, T. M. M., & Aiello-Vais Berg, T. M. J. A. (2013). Narrativas Interativas sobre o cuidado materno e seus sentidos afetivo-emocionais. Psicologia Clínica, 25(1), 17-35.

Hagstöm, A. S., & Forinder, U. (2019). ‘If whistled in her ear she'd wake up': Children's narration about their experiences of growing up in alcoholic families. Journal of Family Studies. Advance online publication. doi:10.1080/13229400.2019.1699849.

Haverfiel, M. C., Theiss, J. A., Leustek, J. (2015). Characteristics of communication in families of alcoholics. Journal of Family Communication, 16(2), 111-127. doi:10.1080/15267431.2016.1146284.

Hermel, J. S., & Drehmer, L. B. R. (2013). Repercusões da violência intrafamiliar: Um estudo com mulheres em acompanhamento psicológico. Psicologia Argumento, 31(74), 437-446. doi:10.7213/psico.argum.31.074.DS07

Herrmann, F. (2001). Andaimes do real: O método da psicanálise. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. (Trabalho original publicado em 1979).

Lopes, A. P. A. T., Marcon, S. S., & Deceraso, M. N. (2015). Abuso de bebida alcoólica e sua relação no contexto familiar. Estudos de Psicologia, 20(1), 22-30. doi:10.5935/1678-4669.20150004

Lopes, R. F. F., Maia, L. H. C., & Lopes, M. C. F. F. (2019). Tríade cognitiva e crenças centrais no Children Apperception Test (CAT) em filha de pai alcoolista. Perspectivas em Psicologia, 23(1), 03-28. doi:10.14393/ppv23n1a2019-50598

Mangueira, S. O., & Lopes, M. V. O. (2014). Família disfuncional do contexto do alcoolismo: análise de conceito. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(1), 149-154. doi:10.5935/0034-7167.20140020

Ordem, T. (2018). Esta arte da Psicanálise: Sonhando sonhos não sonhados e gritos interrompidos. Porto Alegre, RS: Artmed.

Pereira, V. C. L. S., Pimentel, L. F., Espínola, L. L., Azevedo, E. B., & Filha, M. O. F. (2015). Sofrimento psíquico em adolescentes que vivenciam alteração da dinâmica familiar em consequência do alcoolismo. Revista de Enfermagem da UERJ, 23(6), 838-844. doi:10.12957/reuerj.2015.21629

Politzer, G. (1998). Crítica dos fundamentos da psicologia: A psicologia e a psicanálise. Piracicaba, SP: Editora Unimep. (Trabalho original publicado em 1928).

Ricoeur, P. (1991) O si-mesmo como um outro. Campinas, SP: Papirus.

Santos, A. M., Silva, M. R. S., & Silva, P. A. (2012). O cotidiano dos filhos que convivem com a mãe alcoolista. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(4), 697-703. doi:10.4025/cienccuidsaude.v11i4.16897

Silva, A. I. M. (2016). Crianças filhas de pais alcoólicos: Prevenção de comportamentos de risco. In M. M. S. Rocha, N. Ramos, S. M. M. Santos, & M. D. H. Costa (Eds.), Seguridade social, interculturalidades e desigualdade na contemporaneidade (pp.271-308). Fortaleza, CE: EDUFRN. Disponível em http://hdj.handle.net/10400.2/6374

Silva, M. E. L. (1993). Investigação e psicanálise. Campinas, SP: Papirus.

Silva, P. A., Silva, M. R. S., & Vaz, M. R. C. (2013). Características pessoais de filhos de alcoolistas: Um estudo na perspectiva da resiliência. Avances en Enfermería, 31(2), 92-100.

Singh, A. (2017). Self-efficacy and well-being in adolescent children of alcoholic parents. Indian Journal of Health & Wellbeing, 8(7), 619-621.

Souza, J., & Carvalho, A. M. P. (2012). Filhos adultos de pais alcoolistas e seu relacionamento na família de origem. Saúde & Transformação Social, 3(2), 43-51.

Stake, R. E. (2011). Pesquisa qualitativa: Estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre, RS: Editora Penso.

Stefanini, J. R., Juan-Marínez, B., Silva, D. T. G., & Farinha, M. G. (2019). Violência intrafamiliar e as repercussões para a saúde da mulher: Compreendendo a história de Antônia. Revista da NUFEN: Fenomenologia e Interdisciplinariedade, 11(1), 122-136. doi:10.26823/revistadoNUFEN.vol11.nº01artigo49

Teixeira, E. P., Hoepers, N. J., Correa, S. M., Dagostin, V. S., & Soratto, M. T. (2015). O enfrentamento da família diante do alcoolismo. Revista Saúde e Comunicação, 11(3), 1-14.

Tinnfält, A., Fröding, K., Larsson, M., & Dalal, K. (2018). "I feel it my heart when my parents fight": Experiences of 7-9-year-old children of alcoolics. Child & Adolescent Social Work, 5, 531-540. doi: 10.1007/s10560-018-0544-6.

Winnicott, D. W. (1975a). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott, O Brincar & a Realidade (pp. 10-47). Rio de Janeiro, RJ: Editora Imago. (Trabalho original publicado em 1971).

Winnicott, D. W. (1975b). A criatividade e suas origens. In D. W. Winnicott, O Brincar & a Realidade (pp. 108-138). Rio de Janeiro, RJ: Editora Imago. (Trabalho original publicado em 1971).

Winnicott, D. W. (1971). Therapeutic consultations in child psychiatry. New York, NY: Basic Books.

Winnicott, D. W. (1990). Distorção do ego em termos de verdadeiro e falso self. In D. W. Winnicott, O Ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 128-139). Porto Alegre, RS: Artmed. (Trabalho original publicado em 1960).

Winnicott, D. W. (1990). Provisão para a criança na saúde e na crise. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 62-69). Porto Alegre, RS: Artmed. (Trabalho original publicado em 1962).

Winnicott, D. W. (1993). A construção da confiança. In D. W. Winnicott, Conversando com os pais (pp. 139-152). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1969).

Winnicott, D. W. (1994). O medo do colapso. In D. W. Winnicott, Explorações Psicanalíticas (pp. 70-76). Porto Alegre, RS: Artmed. (Trabalho original publicado em 1963).

Winnicott, D. W. (2000). Preocupação materna primária. In D. W. Winnicott, Da pediatria à psicanálise, (pp.399-405). Rio de Janeiro: Imago (Trabalho original publicado em 1956).

Woodside, M. (1988). Children of alcoholics: Helping a vulnerable group. Public Health Reports, 103(6), 643-648.

Zanello, V., & Martins, F. (2010). O reencontro da clínica com a metáfora. Psicologia em Estudo (Maringá), 15(1), 189-196. doi: 10.1590/S1413-73722010000100020




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p116

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)