Docência na universidade pública: a saúde dos trabalhadores da educação

Franciele Ariene Lopes Santana, Ilidio Roda Neves

Resumo


Este estudo aborda a saúde docente na educação superior pública brasileira. Objetivou-se, por meio de revisão integrativa da literatura: (1) analisar a relação entre situações de trabalho e possível desgaste na saúde; (2) levantar tipos frequentes de adoecimento em docentes descritos nas publicações; e (3) descrever e analisar as cargas de trabalho relatadas. Cruzando descritores, buscaram-se produções científicas em dez bases de dados. Foram encontradas 2.892 publicações, das quais apenas 76 se enquadravam dentro dos critérios de seleção. O desgaste foi manifesto, sendo com maior frequência de problemas psíquicos ligados às cargas internas de trabalho como pressão por produtividade. As situações de trabalho relatadas nas experiências subjetivas frente às condições, gestão, política econômico-social e reestruturação da universidade, permeadas pelo produtivismo e sobrecarga, evidenciam importante relação das situações de trabalho e no adoecimento e desgaste laboral.


Palavras-chave


condições de trabalho; professores universitários; licença médica

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, A. G. (2013). Relação entre condições de trabalho e saúde vocal de professores no ensino superior (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Vitória de Santo Antão.

Alves, L. A. (2007). Parâmetros vocais e percepção vocal de professores universitários (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Andrade, L. V. V. de. (2014). Trabalho docente e saúde ocupacional na Universidade Federal de Uberlândia. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Antunes, R., & Praun, L. (2015). A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Revista Serviço Social & Sociedade, (123), 407-427. doi: 10.1590/0101-6628.030

Araújo, G. L. (2013). A nova geração de professores universitários: Profissionalização, condições de trabalho e sua relação com a produtividade científica na UFRGS (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Araújo, J. P. (2012). Afastamento do trabalho: Absenteísmo e presenteísmo em uma instituição federal de ensino superior (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Araújo, T. M. D., & Martins, F. C. (2009). Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educação & Sociedade, 30(107), 427-449. doi: 10.1590/S0101-73302009000200007

Araújo, T. M. de., Sena, I. P., Viana, M. A., & Araújo, E. M. (2005). Mal-estar docente: avaliação de condições de trabalho e saúde em uma instituição de ensino superior. Revista Baiana de Saúde Pública, 29(1), 6-21. doi: 10.22278/2318-2660.2005.v29.n1.a108.

Arbex, A. P. S., Souza, K. R., & Mendonça, A. L. O. (2013). Trabalho docente, readaptação e saúde: A experiência dos professores de uma universidade pública. Physis, 23(1), 263-284. doi: 10.1590/S0103-73312013000100015

Ávila, S. de F. O. de. (2011, outubro). As transformações do trabalho docente através da produção escrita da Anped (1996-2009). Anais da 34º Reunião Anual da Anped. Natal, RN: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Ax Wilhelm, F., & Zanelli, J. C. (2013). Características das situações estressantes em gestores universitários no contexto do trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(2), 704-723. doi: 10.12957/epp.2013.8432

Bachion, M. M., Abreu, L. de O., Godoy, L. F., & Costa, E. C. (2005). Vulnerabilidade ao estresse entre professores de uma universidade pública. Revista de Enfermagem UERJ, 13(1), 32-37.

Bernardo, M. H. (2014). Produtivismo e precariedade subjetiva na universidade pública: O desgaste mental dos docentes. Psicologia & Sociedade, 26(n. esp.), 129-139. doi: 10.1590/S0102-71822014000500014.

Bianchetti, L., & Machado, A. M. N. (2007, outubro). “Reféns da produtividade” – Sobre produção do conhecimento, saúde dos pesquisadores e intensificação do trabalho na pós-graduação. Anais da 30º Reunião Anual da Anped. Caxambu, MG: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: Saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de Ensino Superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 81-100. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v15i1p81-100

Borsoi, I. F., & Pereira, C. F. S. (2013). Professores do ensino público superior: Produtividades, produtivismo e adoecimento. Universitas Psychologica, 12(4), 1211-1233.

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. A., & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão & Sociedade, 5(11); 121-136. doi: 10.21171/ges.v5i11.1220

Braga Júnior, F. V. (2013). Saúde vocal e docência no ensino superior. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Rural do Semi – Árido, Mossoró.

Campos, F. J. de S. (2011). Trabalho docente e saúde: Tensões da educação superior. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém.

Caran, V. C. S., Freitas, F. C. T. de., Alves, L. A., Pedrão, L. J., & Robazzi, M. L. do C. C. (2011). Riscos ocupacionais psicossociais e sua repercussão na saúde de docentes universitários. Revista de Enfermagem UERJ, 19(2), 255-261.

Caran, V. C. S., Secco, I. A. de O., Barbosa, D. A., & Robazzi, M. L. C. C. (2010). Assédio moral entre docentes de instituição pública de ensino superior do Brasil. Acta Paulista de Enfermagem, 23(6), 737-744. doi: 10.1590/S0103-21002010000600004

Cassandre, M. P. (2011). A saúde de docentes de pós-graduação em universidades públicas: Os danos causados pelas imposições do processo avaliativo. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 11(2), 779-816.

Christophoro, R., & Waidman, M. A. P. (2002). Stress: Condições de trabalho em docentes universitários. Revista Ciência, Cuidado e Saúde Maringá, 1(1),171-175. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v1i1.5692

Clot, Y. (2002). Clínica da atividade e repetição. Cliniques Méditerranéennes 66-2002.

Clot, Y. (2007). A função psicológica do trabalho (A. Sobral, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Clot, Y. (2010). Trabalho e poder e agir (G. J. de F. Teixeira & M. M. Z. Viana, Trad.). Belo Horizonte, MG: Fabrefactum.

Clot, Y. (2013). O ofício como operador de saúde. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 16( 1), 1-11. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v16ispe1p1-11

Corrêa, M. L.; & Pimenta, S. M. (2014). Teorias da administração e seus desdobramentos no âmbito escolar. In M. A. M. Oliveira (Ed.), Gestão educacional: Novos olhares, novas abordagens. (pp. 22-39). Petrópolis, RJ: Vozes.

Costa Júnior, W. R. (2011, outubro). Política de avaliação da pós-graduação e suas consequências no trabalho dos professores-pesquisadores. Anais da 34º Reunião Anual da Anped. Natal, RN: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Costa, E. C., Bachion, M. M., Godoy, L. F. de., & Abreu, L. de O. (2005). Percepções sobre o estresse entre professores universitários. RENE, 6(3), p. 39-47.

Cupertino, V. (2012). Prazer e sofrimento na prática docente no ensino superior: Estudo de caso em uma IFES Mineira. (Dissertação de Mestrado). Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Dini, N. C. C. (2013). Condições de saúde, trabalho e hábitos de vida de trabalhadores de um campus universitário. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Botucatu.

Fernandes, M. H., Porto, G. G., Almeida, L. G. D., & Rocha, V. M. da. (2009). Estilo de vida de professores universitários: Uma estratégia para a promoção da saúde do trabalhador. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 22(2), 94-99. doi:10.5020/18061230.2009.p94

Ferreira, A. C. M. (2011). Satisfação no trabalho de docentes de uma instituição pública de ensino superior: Reflexos na qualidade de vida. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Filho, O. C. de S., & Naujorks, M. I. (2005). O professor de medicina da UFSM no contexto do mal-estar docente. Revista Brasileira de Educação Médica, 29(1), 34-41. doi: 10.1590/S0100-55022011000100009

Forattini, C. D., & Lucena, C. A. (2015). Adoecimento e sofrimento docente na perspectiva da precarização do trabalho. Laplage em Revista, 1(2), 32-47. doi: 10.24115/S2446-622020151219p.32-47

Franco, T., Druck, G., & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(1), 229-248. doi: 10.1590/S0303-76572010000200006

Freitas, C. R. (2013). As relações existentes entre as atividades intensivas em conhecimento e o absenteísmo involuntário de professores universitários: O caso da Universidade Federal de Santa Catarina. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Freitas, N. Q. (2015). Adoecimento relacionado ao trabalho de docentes universitários da área da saúde. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Gasparini, S. M, Barreto, S. M., & Assunção, A. A. (2005). O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação & Pesquisa, 31(2), 189-199. doi: 10.1590/S1517-97022005000200003

Gradella Júnior, O. (2010). Sofrimento psíquico e trabalho intelectual. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 13(1), 133-148. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v13i1p133-148

Gueiros, M. G. (2005). Estresse ocupacional de professores: Seus indicadores, suas fontes e as estratégias utilizadas para combatê-lo um estudo de caso na Universidade Federal de Pernambuco. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Hashizume, C. M. (2010). Saúde e afeto na docência: A busca incessante pela vida - estudo com professores de uma universidade pública. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Heijmans, R. D. (2005). Universidade, produção do conhecimento e avaliação. Educação Unisinos, 9(3), 205-215.

Lago, R. R., Cunha, B. S., & Borges, M. F. de S. O. (2015). Percepção do trabalho docente em uma universidade da região norte do Brasil. Trabalho, Educação e Saúde, 13(2), 429-450. doi: 10.1590/1981-7746-sip00049

Laurell, A. C., & Noriega, M. (1989). Processo de produção de saúde. Trabalho e desgaste operário (A. Cohen, A. Pitta-Hoisel, A. I. Paraguay, & L. H. Barbosa, Trads.). São Paulo, SP: Editora Hucitec.

Léda, D. B. (2006, outubro). Trabalho docente no ensino superior sob o contexto das relações sociais capitalistas. Anais da 29º Reunião Anual da Anped. Caxambu, MG: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Léda, D. B. (2007, outubro). Universidade nova/plano de reestruturação e expansão das universidades federais: Mais uma dose da reforma universitária? Anais da 30º Reunião Anual da Anped. Caxambu, MG: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Presidência da República. Casa Civil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF.

Lemos, D. (2011). Trabalho docente nas universidades federais: Tensões e contradições. Caderno CRH, 24(n. esp. 1), 103-118. doi: 10.1590/S0103-49792011000400008

Lemos, J. C. (2005). Cargas psíquicas no trabalho e processos de saúde em professores universitários. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Liduário, E. de A. (2013). A mercantilização e privatização do ensino superior e seus rebatimentos sobre a saúde do docente. (Dissertação de Mestrado) Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Lima, A., Althaus, D. (2016). Formação docente continuada, desenvolvimento de práticas pedagógicas em sala de aula e promoção da saúde do professor: Relações necessárias. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 97(245), 97-116. doi: 10.1590/S2176-6681/366113867

Lima, M. de F. E. M., & Lima-Filho, D. de O. (2009). Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição, 14(3), 062-082.

Loyola, P. R. G. (2009). Valor e mais-valia: examinando a atualidade do pensamento econômico de Marx. Argumentos, 1(2), 130-138.

Magalhães, S. M. O. (2014). Proletarização e mal-estar docente nas universidades públicas: Uma perspectiva crítica. EccoS Revista Científica, 35, 211-226.

Marx, K. (1996). Processo de trabalho e processo de valorização. In K. Marx, O capital: Crítica da economia política (R. Enderle, Trad., pp. 255-275). São Paulo, SP: Nova Cultural.

Mattos, M. B. (2013). Uma greve, várias lições. A greve das universidades federais no Brasil em 2012. Revista Iberoamericana de Educación Superior, 4(10), 135-142.

Meguins, R. da C. (2015, outubro). O apelo ideológico ao fetichismo acadêmico: A moeda de troca das políticas neoliberais para a educação superior. Anais da 37ª Reunião Nacional da Anped. Florianópolis, SC: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Mendes, L., Chaves, C. J. A., Santos, M. C. dos., & Mello Neto, G. A. R. (2007). Da arte ao ofício: Vivências de sofrimento e significado do trabalho de professor universitário. Revista Mal-estar e Subjetividade, 7(2), 527-556.

Mota Júnior, W. P. da. (2011). Os impactos do sistema capes de avaliação sobre o trabalho docente na pós-graduação: O caso da UFPA. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém.

Mota, I. L., Quadros Júnior, M. C., Munaro, H. L. R., & Vilela, A. B. A. (2014). Sintomas osteomusculares de servidores de uma universidade pública brasileira: Um estudo ergonômico. Revista Brasileira de Promoção Saúde, 27(3), 341-348. doi: 10.5020/18061230.2014.p341

Mulato, S. C. (2008). O docente universitário em enfermagem e a síndrome de burnout: Uma questão de educação para a saúde. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Nascimento, D. de S. (2012). A expansão da educação superior e o trabalho docente - Um estudo sobre o plano nacional de formação de professores da educação básica (PARFOR) na UFPA. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém.

Neves, I. R. (2013). Políticas de saúde do trabalhador para o município de Corumbá: Práticas possíveis? (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Ministério do Trabalho. (1990). Norma Regulamentadora 17 – Ergonomia. Brasília, DF.

Nunes, M. F. O., Hutz, C. S., Pires, J. G., & Oliveira, C. M. (2014). Subjective well-beingand time use of brazilian PhD professors. Paidéia (Ribeirão Preto), 24(59), 387-387. doi: 10.1590/1982-43272459201412

Oliveira, M. das G. M., & Cardoso, C. L. (2011). Stress e trabalho docente na área de saúde. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(2), 135-141. doi: 10.1590/S0103-166X2011000200001

Paiva, K. C. M., & Saraiva, L. A. S. (2005). Estresse ocupacional de docentes do ensino superior. Revista de Administração – RAUSP, 40(2), 145-158.

Paparelli, R. (2010). Saúde mental relacionada ao trabalho: O caso de educadores da rede pública de ensino paulista. In E. Lourenço, V. Navarro, & R. S. Sant’ana (Ed.) Avesso do trabalho II: Trabalho, precarização e saúde do trabalhador (pp. 317-342). São Paulo, SP: Expressão Popular.

Pina, J. A., & Stotz, E. N. (2014). Intensificação do trabalho e saúde do trabalhador: uma abordagem teórica. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 39(130), 150-160. doi: 10.1590/0303-7657000074913

Pizzio, A., & Klein, K. (2015). Qualidade de vida no trabalho e adoecimento no cotidiano de docentes do Ensino Superior. Educação e Sociedade, 36(131), 493-513. doi: 10.1590/ES0101-73302015124201

Queiroz, V. da R. de F. (2014). O mal-estar e o bem-estar na docência superior: A dialética entre resiliência e contestação (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Resende, M. do R. S. (2005). Formação e autonomia do professor universitário: Um estudo na Universidade Federal de Goiás. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Rocha, L. de F. S., & Léda, D. B. (2015, outubro). Reflexões sobre o magistério superior no instituto federal de educação, ciência e tecnologia. Anais da 37º Reunião Anual da Anped. Florianópolis, SC: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Rodrigues, V. de S. (2012, outubro). O REUNI na UFF: O impacto no trabalho docente. Anais da 35º Reunião Anual da Anped. Porto de Galinhas, PE: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Rohde, C. L. C. (2012). Qualidade de vida no trabalho sob a perspectiva de professores de ensino superior. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Santos, E. J. V. (2012). Condições de trabalho e transtornos mentais comuns em professores universitarios. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Santos, G. B. (2013). Bem estar e condições de trabalho de professores do centro de ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Scherer, C. G. (2004). Estresse e estratégias de enfrentamento em professores universitarios. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Seabra, M. M. A., & Dutra, F. C. M. S. (2015). Intensificação do trabalho e percepção da saúde em docentes de uma universidade pública Brasileira. Ciencia y Trabajo, 17(54), 212-218. doi: 10.4067/S0718-24492015000300010.

Seligmann-Silva, E. (1988). Os vínculos entre condições de trabalho e saúde mental. Psicologia, Ciência & Profissão, 8(2), 13-17. doi: 10.1590/S1414-98931988000200006

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: O direito de ser dono de si mesmo. São Paulo, SP: Cortez.

Servilha, E. A. M., Leal, R. de O. F., & Hidaka, M. T. U. (2010). Riscos ocupacionais na legislação trabalhista brasileira: Destaque para aqueles relativos à saúde e à voz do professor. Revista Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 15(4), 505-513. doi: 10.1590/S1516-80342010000400006

Sguissardi, V., & Silva Júnior, J. dos R. (2009). Trabalho intensificado nas federais: Pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo, SP: Xamã.

Silva, E. P. (2015). Adoecimento e sofrimento de professores universitários: Dimensões afetivas e ético-políticas. Psicologia, Teoria e Prática, 17(1), 61-71. doi: 10.15348/1980-6906/psicologia.v17n1p61-71

Silva, J. L. L., & Souza, S. L. de. (2004). Fatores de risco para hipertensão arterial sistêmica versus estilo de vida docente. Revista Eletrônica de Enfermagem, 6(3), 330-335. doi: 10.5216/ree.v6i3.838

Silva, R. da. (2006). Características do estilo de vida e da qualidade de vida de professores do ensino superior público em educação física. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Silva Júnior, J. dos R., Lucena, C., & Ferreira, L. R. (2013). Mundialização e o trabalho do ser social professor pesquisador. Educação, 38(3), 483-494. doi: 10.5902/198464448985

Soares, R. J. de O., Zeitoune, R. C. G., Lisboa, M. T. L., & Mauro, M. Y. C. (2011). Fatores facilitadores e impeditivos no cuidar de si para docentes de enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 20(4), 758-765. doi: 10.1590/S0104-07072011000400015

Sousa, A. M. de. (2013). O perfil do adoecimento docente na Universidade de Brasília de 2006 a 2011. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Stehling, M. M. C. T., Rezende, L. do C., Cunha, L. M., Pinheiro, T. M. M., & Haddad, J. P. de A., Oliveira, P. R. de. (2015). Fatores de risco para a ocorrência de acidentes em laboratórios de ensino e pesquisa em uma universidade brasileira (2012). REME, 19(1), 101-106. doi: 10.5935/1415-2762.20150009

Tavares, J. P. (2010). Distúrbios psíquicos menores em enfermeiros docentes. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Tomé, A. C. N., Canello, T. B., Luna, E. J. de A., & Andrade Junior, H. F. de. (2013). Health problems awareness during travel among faculty members of a large university in Latin America. Preliminary report. Revista do Instituto de Medicina Tropical, 55(1), 55-59. doi: 10.1590/S0036-46652013000100010

Ursi, E. S. (2005). Prevenções de lesões na pele no perioperatório: Revisão integrativa de literatura (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Vilela, E. F., Garcia, F. C., & Vieira, A. (2013). Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: Estudo de caso em uma instituição pública. REAd - Revista Eletrônica de Administração, 19(2), 517-540. doi: 10.1590/S1413-23112013000200010.

Xavier, F. dos A., Barboza, L. F., Monteiro, A. M. P., Santos, L. C. dos., & Oliveira, D. R. de. (2010). Fatores de risco cardiovascular entre docentes de uma universidade pública de Minas Gerais. REME, 14(4), 465-472.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n3p03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)