Avaliação psicológica de crianças nas varas da infância e juventude: composição de possibilidades em organograma

Jênnyfer Cristina Almeida de Freitas, Maria Liliane Gomes dos Santos

Resumo


Este artigo objetiva fornecer um orientador gráfico para as práticas avaliativas desenvolvidas no contexto das Varas da Infância e Juventude, em especial aquelas realizadas com o público infantil, a partir do relato de uma experiência de estágio curricular supervisionado em avaliação psicológica. A metodologia de trabalho utilizada no estágio apresentou muitos déficits, representados na constante falta de recursos humanos, técnicos, materiais e na desconsideração das particularidades que envolvem a avaliação psicológica das crianças. Diante da carência de referencial teórico e instrumental para embasar a prática avaliativa com sujeitos em desenvolvimento foi construída uma proposta de organograma apoiada no contato direto com esta demanda e na consulta à literatura disponível, capaz de ilustrar e servir como orientadora na eleição de instrumentos que podem compor a avaliação infantil nas Varas da Infância de Juventude. Diante dos desafios e potencialidades identificadas, espera-se contribuir para o avanço e aperfeiçoamento da avaliação psicológica com crianças.


Palavras-chave


avaliação psicológica; criança; Vara da Infância e Juventude

Texto completo:

PDF

Referências


Araujo, I. C. C. D. A. (2017). Tornar-se filho na perspectiva de crianças adotadas tardiamente (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Espirito Santo.

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família. Rio de Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos Editora S. A.

Albornoz, A. C. G. (2011). Desenho da figura humana: Indicadores de abandono, abuso sexual e abuso físico em crianças (Tese de Doutorado). Universidade Federal Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul.

Barrera, M., Calderón, L., & Bell, V. (2013). The cognitive impact of sexual abuse and PTSD in children: A neuropsychological study. Journal Of Child Sexual Abuse, 22(6), 625-638. doi: 10.1080/10538712.2013.811141.

Benia, L. R. (2015). A entrevista de crianças com suspeita de abuso sexual. Estudos de Psicologia, 32(1), 27-35. doi: 10.1590/0103-166X2015000100003.

Boeckel, M. G., & Prati, L. E. (2016). Genograma familiar. Em C. Hutz, D. Bandeira, C. Trentini, & J. krug. Psicodiagnóstico (pp. 243-263). Porto Alegre, RS: Artmed.

Borsa, J. C., & Muniz, M. (2016). Testagem psicológica com crianças e adolescentes. Em C. Hutz, D. Bandeira, C. Trentini, & J. krug. Psicodiagnóstico [recurso eletrônico] (pp. 434-446). Porto Alegre, RS: Artmed.

Brandão, E. P. (2015). Laudos e pareceres psicológicos e práticas de poder. Psicologia Argumento, 33(82), 364-377.

Carlos, K. A., Fonseca, J. F., & Gonçalves, C. M. T. D. S. (2007). Técnica do desenho livre no diagnóstico psicológico em conjunto com o Rorschach: Um relato de experiência na monitoria de TEP IV. Anais do x Encontro de Iniciação à Docência. Paraíba, PB. Recuperado em 20 de janeiro de 2019, de http://www.prac.ufpb.br/anais/IXEnex/iniciacao/documentos/catalogoresmo/6.SAUDE/6CCHLADPMT06.pd.

Cecílio, M. S., & Scorsolini-Comin, F. (2018). Avaliação de candidatos pretendentes no processo de habilitação para adoção: Revisão da Literatura. Psico-USF, 23(3), 497-511. doi: 10.1590/1413-82712018230309.

Conselho Federal de Psicologia. (2010). Referências técnicas para a atuação do psicólogo em Varas de Família. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Conselho Federal de Psicologia. (2013). Cartilha Avaliação Psicológica. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Resolução Nº 009 de 25 de Abril de 2018. Estabelece diretrizes para a realização de avaliação psicológica no exercício profissional da psicóloga e do psicólogo, regulamenta o sistema de avaliação de testes psicológicos - SATEPSI e revoga as resoluções n° 002/2003, n° 006/2004 e n° 005/2012 e notas técnicas n° 01/2017 e 02/2017. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Nota Técnica nº 1/2018/GTEC/CG, de 25 de janeiro de 2018. Nota técnica sobre os impactos da Lei nº 13.431/2017 na atuação das psicólogas e dos psicólogos. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Conselho Federal de Psicologia. (2019). Avaliação psicológica: Área em expansão. Revista Diálogos, 15(10), 1-75.

Correia, P. C., Zamora, M. H. R. N., Bicalho, P. P. (2018). Em nome da proteção de crianças, adolescentes e seus direitos violados. Revista Polis e Psique, 8(3), 180-209.

Fängström, K., Sarkadia, A., Lucas, S., Calam, R., & Eriksson, M. (2017). “And they gave me a shot, it really hurt” – Evaluative content in investigative interviews with young children. Children and Youth Services Review, 82, 434–443. doi: 10.1016/j.childyouth.2017.10.017.

Fermann, I. L., Chambart, D. I., Foschiera, L. N., Bordini, T. C. P. M., & Habigzang, L. F. (2017) Perícias psicológicas em processos judiciais envolvendo suspeita de alienação parental. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(1), 35-47. doi: 10.1590/1982-3703001202016.

Ferreira, K. C. G., & Chalhub, A. (2014). Contribuições da psicologia em relação à adoção de crianças por casais homoafetivos: Uma revisão de literatura. (Inter)subjetividades, 2(1), 29-49.

Fonseca, A. R. D., & Capitão, C. G. (2006). Abuso sexual na infância: Um estudo de validade de instrumentos projetivos. Revista de Psicologia da Vetor Editora, 6(1), 27-34.

Gava, L. L. (2012) Pericia psicológica no contexto criminal em casos de suspeita de abuso sexual infanto-juvenil (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul.

Gonçalves, J. C. R. (2017). Abuso Sexual de adolescentes: Caracterização e impacto das perícias psicológicas forenses nas decisões judiciais. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho, Minho.

Jacquemin, A., & Martins, M. A. (1976). Estudo comparativo do CAT-A e CAT-H em crianças de 7 e 8 anos. Arquivo Brasileiro de Psicologia Aplicada, 28(1), 37-47.

Jung, F. H. (2014). Avaliação psicológica pericial: Áreas e instrumentos. Revista Especialize IPOG, 8(1), 01-17.

Katz, C., Klages, A., Hamama, L. (2018). Forensic interviews with children: Exploring the richness of children's drawing and the richness of their testimony. Children and Youth Services Review, 94, 557–562. doi: 10.1016/j.childyouth.2018.08.034.

Kuehnle, K., Sparta, S. N., Kirkpatrick, H. D., & Epstein, M. (2013). Special issues in the forensic assessment of children and adolescents. In D. Saklofske, C. Reynolds, & V. Schwean (Eds.), The oxford handbook of child psychological assessment (pp. 735-749). New York, NY: Oxford University Press.

Malgarim, B. G., & Benetti, S P. C (2011). O abuso sexual: Estudos de casos em cenas incestuosas. Estudos de Psicologia, 28(4), 511-519. doi: 10.1590/S0103-166X2011000400011.

Marques, N. M. (2015). Fatores clínicos e de risco associados ao desempenho cognitivos em crianças vítimas de abuso sexual (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Melo, A. T., & Alarcão, M. (2015). Instrumentos para a avaliação de capacidade parental e familiar em situações de risco. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 31(1), 73-85. doi: 10.1590/0102-37722015010753073085.

Muniz, C. M. D. S., Anache, A. A., & Santos, A. M. D. (2015). Avaliação psicológica de crianças com deficiência intelectual, vítimas de violência sexual. Psicologia Argumento, 33(82), 378-392. doi: 10.7213/psicol.argum.33.082.AO04.

Muller, L. C., Schlottfeldt, C. G., & Malloy-Diniz, L. F. (2018). Escala de Maturidade Mental Columbia: Medida de inteligência geral ou de funções executivas?. Revista Neuropsicologia Latinoamericana, 10(1), 16-23. doi: 10.5579/rnl.2016.0375.

Pelisoli, C. D. L., & Dell’Aglio, D. D. (2015). Práticas de profissionais de Psicologia em situações de abuso sexual. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 67(1), 51-67.

Reppold, C. T., Serafini, A. J., Ramires, D. A., & Gurgel, L. G. (2017). Análise dos manuais psicológicos aprovados pelo SATEPSI para avaliação de crianças e adolescentes no Brasil. Avaliação Psicológica, 16(1), 11-28. doi: 10.15689/ap.2017.1601.03.

Rosário, A. B. D., Souza, J. M. P., & Neto, F. K. (2017). Considerações sobre o fazer do psicólogo nos processos jurídicos: O lugar da subjetividade nas varas da infância e juventude. Interação em Psicologia, 21(3), 213-221. doi: 10.5380/psi.v21i3.49191.

Rovinski, S. L. R., & Cruz, R. M. (2009). Psicologia jurídica: Perspectivas teóricas e processos de intervenção. São Paulo, SP: Vetor.

Rovinski, S, L. R. (2011). A avaliação psicológica no contexto jurídico. In Conselho Federal de Psicologia. Ano da avaliação psicológica - textos geradores (pp. 95-101). Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Sani, A. I. (2017). Perícias psicológicas em casos de conflito interparental: Recomendações para a prática. Temas em Psicologia, 25(2), 427-436. doi: 10.9788/TP2017.2-02Pt.

Silva, V. S. F. D. (2013). Proposta de roteiro para investigação de comprometimentos psicológicos em crianças vítimas de violência (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.

Sparta, S. N., & Koocher, G. P. (2006). Forensic Mental health assessment of children and adolescents. New York. NY: Oxford University Press.

Tardivo, L. S. P. C. (2017). O Desenho da Figura Humana em crianças e adolescentes vítimas de violência doméstica. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 37(92), 63-78.

Vilela, R. V. (2017). Avaliação psicológica forense do abuso sexual de crianças: Caracterização/Impacto nas decisões judiciais. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho, Portugal.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n1p257

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)