A preparação de crianças e adolescentes para a adoção: o lugar do estudante de psicologia

Isabel Cristina Gomes, Lidia Levy

Resumo


Esse artigo tem como objetivo refletir acerca da participação do estudante de Psicologia, incluído em programa de estágio supervisionado, na preparação de crianças, adolescentes e grupo de irmãos para a inserção em família adotiva. Numa revisão de literatura, propostas interventivas voltadas à preparação tanto no âmbito da adoção nacional quanto da internacional são apresentadas. Por meio de vinhetas clínicas e de um enfoque psicanalítico, discutimos a importância de um diálogo interdisciplinar entre a academia, o judiciário e as instituições de acolhimento voltados para a consolidação dos vínculos entre crianças/adolescentes e os adotantes. Abordamos, ainda, o lugar do terapeuta/estagiário e os limites de sua atuação, constituindo-se em experiência rica para seu desenvolvimento pessoal e profissional, bem como para a construção de conhecimento para a área.


Palavras-chave


Formação profissional do psicólogo; Adoção; Psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


Aguirre, A. M. B., Herzberg, E., Pinto, E. B., Becker, E., Carmo, H. M. S., & Santiago, M. D. E. (2000). A formação da atitude clínica no estagiário de psicologia. Psicologia USP, 11(1), 49-62. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642000000100004.

Albuquerque, C. M. M., & Ribeiro, P.M. (2018). A adoção e a preparação para a filiação adotiva em Recife: o olhar da psicologia. In C. M. S. B. Dias, L. V. C. Moreira, (Orgs.). Adoção, família e institucionalização; interfaces psicossociais e jurídicas, (pp. 63–79). Curitiba: Editora CRV.

Bento, R. (2010). A história de vida de crianças e adolescentes como mediadora da reintegração no contexto familiar. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Bernardi, D. C. F. (2010). A voz das crianças em situação de acolhimento. In: Bernardi, D. C. F. (Org.). Cada caso é um caso: a voz das crianças e dos adolescentes em acolhimento institucional (pp. 49-60). São Paulo: Associação Fazendo História. Disponível em: https://www.neca.org.br/wp-content/uploads/Livro5.pdf.

Carvalho, F. A., Gomes, I. C., Pizzitola, J. M.; Santos, M., & Yshara, Y. (2017). Grupos reflexivos com pretendentes a adoção: alcances e limites. In M.Y. Okamoto, T. S. Emídio (Orgs.). Perspectivas psicanalíticas atuais para o trabalho com grupos e famílias na Universidade (pp. 48–67). 1 ed. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Contente, S. R., Cavalcanti, L. I. C., & Silva, S. S. C. (2013). Adoção e preparação infantil na percepção dos profissionais do juizado da infância e juventude de Belém/PA. Temas em Psicologia, 21(2), 317-333. https://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-02

Corrêa, T. B., & Souza, J. S. (2012). Metodologia de Intervenção no Processo de Preparação para a Adoção Internacional – a prática da Comissão Distrital Judiciária de Adoção – CDJA. Brasília. TJDFT. Disponível em http://www.tjdft.jus.br.

Crine, A. M., & Nebinger, S. (2004). La mise en relation de l'enfant et de ses futurs parents dans l'adoption internationale. In O. Ozoux-Teffaine (org.), Enjeux de l'adoption tardive – Nouveaux fondements pour la clinique (pp. 169-188). Ramonville Saint-Agne: Editions Ères.

De Conti, L., & Sperb, T. M. (2009). A composição de narrativas pela dupla terapeuta-paciente: uma análise da sua organização e da sua sequência de ações. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 119-127. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722009000100016

De Fillippo, T. M. (2008). Como alguém pode tornar-se psicanalista? Fractal: Revista de Psicologia, 20(2), 409-420. https://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922008000200008

Freud, S. (1912/1980). Recomendações aos médicos que exercem a Psicanálise. In Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud (ESB), Vol. XII. Rio de Janeiro: Imago.

Gomes, I. C. (2005). A formação clínica do estagiário de psicologia em atendimento a casais e famílias na abordagem psicanalítica. In T. Féres-Carneiro (Org.), Família e Casal: efeitos da contemporaneidade (pp. 304–316). Rio de Janeiro: Editora PUC/RJ.

Gomes, I. C., & Levy, L. (2016). A psicanálise vincular e a preparação de crianças para a adoção: uma proposta terapêutica e interdisciplinar. Contextos Clínicos, 9(1), 109-117. https://dx.doi.org/10.4013/ctc.2016.91.09

Gomes, I. C., Marques, R. T. & Yshara, Y. (2018). Encontros e desencontros na adoção: o paradoxo da ilusão. In G. K. Levinzon, A. D. Lisondo (Orgs.). Adoção: Desafios da contemporaneidade (pp.221-234). São Paulo: Edgard Blücher Ltda.

Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990, 16 jul.). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União. Recuperado em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Lei nº 12.010/2009, de 3 de agosto de 2009. (2009, 04 ago.). Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992. Diário Oficial da União. Recuperado em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/ lei/l12010.htm

Levy, L., & Gomes, I. C. (2017). Grupos de preparação à adoção: dos pretendentes às crianças. In T. Féres-Carneiro (Org.), Casal e família: teoria, pesquisa e clínica (pp.157-174). Rio de Janeiro: Editora PUC/RJ.

Levy, L. (2014). Construindo Histórias. In C. Ladvocat (Org.), Guia da adoção: No jurídico, no social, no psicológico e na família (pp.353- 360). São Paulo, SP: Roca.

Marcos, C. M. (2011). Reflexões sobre a clínica-escola, a psicanálise e sua transmissão. Psicologia Clínica, 23(2), 205-220. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652011000200013

Meira, C. H. M. G., & Nunes, M. L. T. (2005). Psicologia clínica, psicoterapia e o estudante de psicologia. Paidéia (Ribeirão Preto), 15(32), 339-343. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2005000300003

Menezes, K. F. L., & Dias, M. C. de S. B. (2018). Adoção: a construção de uma nova família. In C. M. S. B. Dias, L. V. C. Moreira, (Orgs.), Adoção, família e institucionalização; interfaces psicossociais e jurídicas, (pp. 21-39). Curitiba: Editora CRV.

Ozoux-Teffaine, O. (1987). Adoption tardive – D'une naissance à l'autre. Paris, Éditons Stock.

Paiva, L. D. (2014). Escuta e preparação da Criança para construção de uma nova família na Adoção internacional. In C. Ladvocat (Org.), Guia da adoção: No jurídico, no social, no psicológico e na família (pp. 331-341). São Paulo: Roca.

Peiter, C. (2011). Adoção – Vínculos e rupturas: Do abrigo à família adotiva. São Paulo: Zagodoni Editora.

Queiroz, E., & Passos, M. C. (2012) Apresentação. In E. Queiroz, M. C. Passos (Orgs.). A clínica da adoção (pp. 17-21). Recife: Editora Universitária da UFPE.

Rossetti-Ferreira, M. C., Sólon, L. A. G., & Almeida, I. G. (2010). A delicada arte da conversa e da escuta. In D. C. F. Bernardi (Org.), Cada caso é um caso: a voz das crianças e dos adolescentes em acolhimento institucional (pp.61- 73). São Paulo: Associação Fazendo História. Disponível em: https://www.neca.org.br/wp-content/uploads/Livro5.pdf.

Sandler, J., Dare, C., & Holder, A. (1977). O paciente e o analista: fundamentos do processo psicanalítico. Rio de Janeiro: Imago.

Sei, M. B., & Gomes, I. C. (2017). Caracterização da clientela que busca a psicoterapia psicanalítica de casais e famílias. Psicologia: teoria e prática, 19(3), 70-83. https://dx.doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v19n3p70-83

Silva, P. S., Cassarino-Perez, L., Sarriera, J. C., & Frizzo, G. B. (2017). A Equipe Psicossocial na Colocação da Criança nos Processos de Adoção. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(3), 608-623. https://dx.doi.org/10.1590/1982-3703000382016

Sólon, L. A. G. (2008). Conversando com crianças sobre adoção. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Trindade-Salavert, I. (2010) Subjetividades que se interligam. In I. Trindade-Salavert (Org.), Os novos desafios da adoção - interações psíquicas, familiares e sociais (pp.15-43). Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Zanetti, S. A. S., & Gomes, I. C. (2016). Grupo terapêutico de mediação e a formação clínica em casais e famílias. Psicologia Clínica, 28(3), 53-72. Recuperado em 27 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652016000300004&lng=pt&tlng=pt

Zuanazzi, A. C. (2015). Terapia psicanalítica familiar: um estudo investigativo sobre o processo terapêutico de casos atendidos por estudantes de psicologia em um serviço-escola (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Zuanazzi, A. C., & Gomes, I. C. (2018). Atendimento psicanalítico a famílias e casais nos serviços-escola: a importância da supervisão na formação do aluno/estagiário. In M. L. T. Moretto, D. Kupermann (Orgs). Supervisão: A formação clínica na Psicologia e na Psicanálise (pp. 55-68). São Paulo: Zagodoni Editora Ltda e Fapesp.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3suplp157

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)