“As professoras falam que eu sou lenta”: o autoconceito na interface educação e saúde

Mariana Inés Garbarino

Resumo


Durante a infância a escola constitui o principal espaço social onde as habilidades e limitações individuais ficam publicamente expostas. O estigma do “déficit escolar” leva a sentimentos de fracasso, incapacidade, e a um autoconceito empobrecido. Considerando a importância dos colegas e dos educadores nesse processo de co-construção, o estudo visou indagar o papel dessas relações interpessoais em crianças com queixa escolar no contexto de um atendimento clínico. Foram analisados, qualitativamente, registros de rodas de conversa e questionários de anamnese. Os resultados evidenciaram que para as crianças resultam significativas as provocações e zoações dos pares referentes a características físicas ou da personalidade. O olhar dos educadores expressou-se em atributos e elogios sobre o desempenho acadêmico. Ambos os olhares apresentaram tonalizações de gênero. Verificou-se, ademais, a fecundidade das rodas de conversa como um dispositivo metodológico e de intervenção favorável à tomada de consciência do autoconceito e dos sentimentos atrelados à autopercepção.


Palavras-chave


autoconceito; queixa escolar; rodas de conversa.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, M. T. G., & Soares, J. F. (2013). Contexto escolar e indicadores educacionais: Condições desiguais para a efetivação de uma política de avaliação educacional. Educação e Pesquisa, 39(1), 177-194. doi: 10.1590/S1517-97022013000100012

Antunes, M. E. S., & Falcke, D. (2010). Contexto familiar e escolar de adolescentes com dificuldades de aprendizagem. Cadernos de Psicopedagogia, 8(14), 53-69.

Arbisio, C. (2007). L'enfant de la période de latence. Paris: Ed. Dunod.

Asbahr, F. S. F. & Lopes, J. S. (2006). A culpa é sua. Psicologia USP, 17(1), 53-73.

Bordignon, N. A. (2007). O desenvolvimento psicossocial do jovem adulto em Erik Erikson. Revista Lasallista de Investigación, 4(2), 7-16.

Borlido, C. R., & Martins, A. P. L. (2011). Perspectivas dos pais sobre dificuldades de aprendizagem específicas: Um inquérito por questionário realizado no norte de Portugal. Revista Brasileira de Educação Especial, 17(3), 363-372. doi: 10.1590/S1413-65382011000300002

Branco, P. I. & Pan, M. A. G. S. (2016). Rodas de conversa: Uma intervenção da psicologia educacional no curso de medicina. Psicologia: Teoria e Prática, 18(3), 156-167. doi: 10.5935/1980-6906/psicologia.v18n3p156-167

Bzuneck, J. A. & Sales, K. F. S. (2011). Atribuições interpessoais pelo professor e sua relação com emoções e motivação do aluno. Psico-USF, 16(3), 307-315. doi: 10.1590/S1413-82712011000300007

Cabanach, R. G. & Arias, A. V. (1998). Características afectivo-motivacionales de los estudiantes con dificultades de aprendizaje. In V. Bermejo & J. A. B. Llera (Eds.). Dificultades de aprendizaje. España: Editorial Síntesis, pp. 261-278.

Carneiro, G. R., Martinelli, S. C., & Sisto, F. F. (2003). Autoconceito e dificuldades de aprendizagem na escrita. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 427-434. doi: 10.1590/S0102-79722003000300002

Castro, T. G., Abs, D., & Sarriera, J. C. (2011). Análise de conteúdo em pesquisas de Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(4), 814-825. doi: 10.1590/S1414-98932011000400011

Fialho, L. M., Santana, J. R., & Brandenburg, C. (2015). La calidad de vida infantil y sus dimensiones: Percepción de escolares.

Barbarói, 45, 227-241. doi: 10.17058/barbaroi.v0i0.5065

Freud, S. (1996). Psicologia de grupo e análise do ego. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., vol. 23, pp. 79-159). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1921).

Garbarino, M. I. (2017) Construção do prazer de pensar e desenvolvimento: Um estudo teórico-clínico com crianças em dificuldade escolar. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Golse, B. (2009). Le développement affectif et intellectuel de l’enfant. Paris: Médecine et Psychothérapie.

Gutton, P. (2009). Le jeu chez l’enfant. Paris: Larousse. (Trabalho original publicado em 1973).

Jacob, A. Loureiro, S. R., Marturano, E. M., Linhares, M. B. M., & Machado, V. L. S. (1999). Aspectos afetivos e o desempenho acadêmico de escolares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 15(2), 153-162. doi: 10.1590/S0102-37721999000200008

Macedo, L., Petty, A. L., & Passos, N. C. (2005). Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre, Rs: Artmed.

Mazer, S. M., Bello, A. C. D., & Bazon, M. R. (2009). Dificuldades de aprendizagem: Revisão de literatura sobre os fatores de risco associados. Psicologia da Educação, (28), 7-21.

Melo, R. H. V., Felipe, M. C. P, Cunha, A. T. R., Vilar, R. L. A., ... , Diniz Júnior, J. (2016). Roda de conversa: Uma articulação solidária entre ensino, serviço e comunidade. Revista Brasileira de Educação Médica, 40(2), 301-309. doi: 10.1590/1981-52712015v40n2e01692014

Mijolla-Mellor, S. (2006). Le plaisir de pensée (Une lecture de l’ouvre de Piera Aulagnier). Paris: PUF.

Monteiro, V. (2012). Promoção do autoconceito e autoestima através de um programa de leitura a par. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(1), 147-155. doi: 10.1590/S0102-79722012000100018

Muniz, M., & Fernandes, D. C. (2016). Autoconceito e ansiedade escolar: Um estudo com alunos do ensino fundamental. Psicologia Escolar e Educacional, 20(3), 427-436. doi: 10.1590/2175-3539/2015/0203874

Ochoa, M. P. & Orbeta, C. T. (2017). Discursos sobre clase social y meritocracia de escolares vulnerables en Chile. Cadernos de Pesquisa, 47(164), 496-518. doi: 10.1590/198053143752

Osti, A. & Brenelli, R. (2013). Sentimentos de quem fracassa na escola: Análise das representações de alunos com dificuldades de aprendizagem. Psico-USF, 18(3), 417-426. doi: 10.1590/S1413-82712013000300008

Paín, S. (2010). Diagnóstico y tratamiento de los problemas de aprendizaje. Buenos Aires: Nueva Visión.

Patto, M. H. S. (1997). Para uma Crítica da Razão Psicométrica. Psicologia USP, 8(1). doi: 10.1590/S0103-65641997000100004

Paula, F. S. & Tfouni, L. V. (2009). A persistência do fracasso escolar: Desigualdade e ideologia. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(2), 117-127.

Piaget, J. (1977). O raciocínio na criança. Rio de Janeiro, RJ: Record. (Trabalho original publicado em 1924).

Piaget, J. (2000). La equilibración de las estruturas cognitivas. Problema central del desarrollo. México: Siglo XXI. (Obra original publicada em 1975).

Piaget, J. (2005). Inteligencia y afectividad. Buenos Aires: Aique. (Trabalho original publicado em 1954).

Polydoro S., & Azzi, G. R. (2008). Auto-regulação: Aspectos introdutórios. In A. Bandura, R. G. Azzi, & S. Polydoro, Teoria social cognitiva: Conceitos básicos. Porto Alegre, RS: Artmed

Ribeiro, M. L. (2010). A afetividade na relação educativa. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(3), 403-412. doi: 10.1590/S0103-166X2010000300012

Rosa, M. D. (2013) Imigração Forçada: A dimensão sócio-política do sofrimento e a transmissão da história. In M. D. Rosa, T. T. Carignato, & S. L. S. Alencar (Eds.), Desejo e política: Desafios e perspectivas no campo da imigração e refúgio. São Paulo, SP: Max Limonad.

Rosenthal, G. (1974). El período de latencia. Revista de Psicoanálisis da Asociación Psicoanalítica Argentina, XXXII.

Sabina R., B., Saéz, Z., & Roméu E., M. (2010). Factores de riesgo asociados a transtornos en el aprendizaje escolar: Un problema sociomédico. MediSur, 8(4), 30-39.

Sadalla, A. M. F. A. (1998). Com a palavra a professora: Suas crenças, suas ações. Campinas, SP: Editora Alínea

Sampaio, J., Santos, G. C., Agostini, M., & Salvador, A. S. (2014). Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: Uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface, 18(2), 1299-1311. doi: 10.1590/1807-57622013.0264

Santos, C. C., & Ortega, A. C. (2012). Relações entre aspectos cognitivos e afetivos em idosas. SCHEME, Revista Eletrônica de psicologia e epistemologia genéticas, 4(1), 109-148.

Schlemenson, S. (2009). La clínica en el tratamiento psicopedagógico. Buenos Aires: Editorial Paidós.

Shure, M. B. (2006). Eu posso resolver problemas. Educação infantil e ensino fundamental: um programa de solução cognitiva para problemas interpessoais. Petrópolis, RJ: Vozes

Sisto, F., & Martinelli, S. (Eds.) (2006). Afetividade e dificuldades de aprendizagem: Uma abordagem psicopedagógica. São Paulo, SP: Vetor.

Souza, A. S. L. (2014). Re-visitando a latência: Reflexões teórico-clínicas sobre os caminhos da sexualidade. Psicologia USP, 25(2), 155-161. doi: 10.1590/0103-656420130003

Steibel D., Hallberg A. E., Sanchotene, B., Campezatto P. V. M., Silva M. R., & Nunes M. L. T. (2011). A latência na atualidade: Considerações sobre crianças encaminhadas para psicoterapia. Aletheia, (35-36 ), 51-68.

Stevanato, I., Siqueira, L., Sonia R., Linhares, M. B. M., & Marturano, E. M. (2003). Autoconceito de crianças com dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento. Psicologia em Estudo, 8(1), 67-76. doi: 10.1590/S1413-73722003000100009

Urribarri, R. (2012). Estruturação psíquica e subjetivação da criança em idade escolar. São Paulo, SP: Escuta.

Voltolini, R. (2001). Do contrato pedagógico ao ato analítico: Contribuições à discussão da questão do mal-estar na educação. Estilos da Clínica, 6(10), 101-111.

Winnicott, D. (1993). El análisis del niño en el período de latencia. In D. Winnicott, Los procesos de maduración y el ambiente facilitador (pp. 149-160). Buenos Aires: Paidós.

Zequinão, M. A., Medeiros, P., Pereira, B., & Cardoso, F. L. (2016). Association between spectator and other roles in school bullying. Journal of Human Growth and Development, 26(3), 352-359. doi: 10.7322/jhgd.122819




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n1p98

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)