Estresse ocupacional em professores moçambicanos da educação inclusiva

Gildo Aliante, Abacar Mussa, Angelina Mualaquia Pereira

Resumo


Este estudo objetivou avaliar o estresse ocupacional e as estratégias de enfrentamento em professores da Educação Inclusiva. Participaram do estudo 15 professores moçambicanos que trabalham num Centro de Recursos de Educação Inclusiva na província de Nampula. Os dados foram coletados por meio de um questionário misto, no qual incluía dados sociodemográficos e profissionais, Inventário de Sintomas de Estresse para Adultos de Lipp e algumas questões abertas. A análise de conteúdo categorial das respostas mostrou que os professores perceberam o seu trabalho como estressante. A sintomatologia de estresse foi predominantemente de ordem física. As principais fontes de estresse dos professores foram de natureza situacional. Para fazer face às situações de estresse no trabalho, os professores recorrem essencialmente às estratégias focalizadas na emoção. Sugere-se a modificação do ambiente laboral causador de estresse e a educação e formação dos professores em estratégias de coping.

Palavras-chave: educação inclusiva; saúde mental; estresse ocupacional.


Palavras-chave


educação inclusiva; saúde mental; estresse ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Abacar, M. (2011). Stress ocupacional e o bem-estar de professores do ensino básico em escolas moçambicanas. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto.

Abacar, M. (2015). Burnout em docentes do ensino básico em escolas moçambicanas e brasileiras. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Abacar, M., & Amade, F. T. (2018). Trabalho, prazer e colapso do professor: Stress ocupacional e estratégias de enfrentamento em profissionais do ensino primário público em Moçambique. In J. N. Bastos & M. Abacar (Eds.). Educação em Moçambique: Políticas, concepções e práticas (pp. 271-284). Maputo: Educar-UP.

Abacar, M., Roazzi, A., & Bueno, J. M. H. (2017). Estresse ocupacional: Percepções dos professores. Revista Amazônica, 19(1), 430-472.

Al-Fudail, M., & Mellar, H. (2008). Investigating teacher stress when using technology. Computers & Education, 5, 1103-1110. doi: 10.1016/j.compedu.2007.11.004

Aliante, G. (2018). Síndrome de Burnout e Trabalho: Um estudo junto a professores moçambicanos do ensino fundamental das escolas da rede pública na cidade de Nampula. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Aliante, G. & Abacar. M. (2019a, setembro). Fontes de estresse em professores moçambicanos do ensino primário. In Anais do XVI Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos de Trabalho. Salvador/BA.

Aliante, G. & Abacar. M. (2019b, novembro). Fontes de estresse em professores moçambicanos do ensino primário público. In Anais do VII Seminário sobre Prevenção Assedio Moral no Trabalho e II Congresso sobre Riscos Psicossociais e Saúde nas Organizações e no Trabalho. Florianópolis/SC.

Aliante, G., & Tittoni, J. (2017, novembro). Fatores de risco psicossocial no trabalho docente: Concepção de professores moçambicanos do ensino básico. In Anais do XIX Encontro Nacional da ABRAPSO (p.787). Uberlândia/MG.

Allemand, M., Schaffhuser, K., & Martin, M. (2015). Long-term correlated change between personality traits and perceived social support in middle adulthood. Personality and Social Psychology Bulletin, 41(3), 420-432. doi: 10.1177%2F0146167215569492

Antoniou, A. S., Polychroni, F., & Kotroni, C. (2009). Working with students with special educational needs in Greece: Teachers’ stressors and coping strategies. International Journal of Special Education, 24(1), 100-111.

Bastos, R. V., & Sancevero, M. S. (2014). Estresse e inclusão escolar: influências e reflexos na prática docente. In VI Seminário Nacional de Educação Especial e V Encontro de Pesquisadores em Educação Especial e Inclusão Escolar. Uberlândia/MG, 8 a 12 de dezembro.

Bardin, L. (2011). Análise do conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Botou, A., Mylonakou-Keke, I., Kalouri, O., & Tsergas, N. (2007). Primary School Teachers’ Resilience during the Economic Crisis in Greece. Scientific Research Publishing Psychology, 8, 131-159.

Carlotto, M. S., Câmara, S. G., Diehl, L., Ely, K., Freitas, I. M., & Schneider, G. A. (2018). Estressores ocupacionais e estratégias de enfrentamento. Revista Subjetividades, 18(1), 92-105. doi: 10.5020/23590777.rs.v18i1.6462

Carver, C. S., & Connor-Smith, J. (2010). Personality and coping. Annual Review of Psychology, 61(1), 679-704. doi: 10.1146/annurev.psych.093008.100352

Chaves, L. B., Souza, T. F., Silva, M. V. C., Oliveira, C. F., Lipp, M. E. N., & Pinto, M. L. (2016). Estresse em universitários: Análise sanguínea e qualidade de vida. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 12(1), 20-26. doi: 10.5935/1808-5687.20160004

Cooper, C. (1998). Theories of organizational stress. New York, NY: Oxford University Press.

Cooper, C., Sloan, S., & William, S. (1988). Occupational stress indicator: Test sources of pressure in job. England: Windsor.

Duek, V. P. (2007, outubro). Professores diante da inclusão: superando desafios. In IV Congresso Brasileiro Multidisciplinar de Educação Especial. Londrina.

Faiad, C., Souza, V., Matsunaga, L. H., Rodrigues, C. M. L., & Rosa, H. R. (2018). Propriedades psicométricas do ISSL no contexto da segurança pública. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 9(3), 54-72. doi: 10.5433/2236-6407.2018v9n3suplp54

Frango, M. H. (1995). Stress nos profissionais de saúde em meio hospitalar. (Dissertação de Mestrado). Instituto Superior de Serviço Social de Coimbra, Coimbra.

Gonçalves Câmara S., Carlotto, M. S., & Bedin, L. M. (2019). Evidências de Validade da Versão Reduzida do Coping Orientation to Problems Experienced Inventory (COPE) com Trabalhadores Brasileiros. Psicogente, 22(41), 1-18. doi: 10.17081/psico.22.41.3301

Goulart Júnior, E. & Lipp, M. E. N. (2008). Estresse entre professoras do ensino fundamental de escolas públicas Estaduais. Psicologia em Estudo, 13(4), 847-857.

Hassard, J., Teoh, K. R. H., Visockaite, G., Dewe, P., & Cox, T. (2018). O custo do estresse relacionado ao trabalho para a sociedade: Uma revisão sistemática. Jornal de Psicologia da Saúde Ocupacional, 23(1), 1-17. doi: 10.1037/ocp0000069

Kyriacou, C. (2001). Teacher stress: Directions for future research. Educational Review, 53(1), 27-35.

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. New York, NY: Springer.

Lipp, M. E. N. (2004). Stress emocional: Esboço da teoria de "Temas de Vida". In M. E. N. Lipp (Ed.), O stress no Brasil: Pesquisas avançadas. Campinas, SP: Papirus.

Lipp, M. E. N. (2016). O Stress do professor frente ao mau comportamento do aluno. In D. C. Fava (Ed.), A Prática da Psicologia na Escola (pp. 351-372). Belo Horizonte, MG: Editora Artesâ.

Lipp, M. E. N., Costa, K. R. S. N., & Nunes, V. O. (2017). Estresse, qualidade de vida e estressores ocupacionais de policiais: Sintomas mais frequentes. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 17(1), 46-53. doi: 10.17652/rpot/2017.1.12490

Marras, J. P., & Veloso, H. M. (2012). Estresse ocupacional. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Mark, G. M., & Smith, A. P. (2008). Stress models: A review and suggested new direction. Occupational Health Psychology, 3, 111-144.

McShane, S. L., & Von Glinow, M. A. (2014). Comportamento organizacional: Conhecimento emergente, realidade global, (6.ª ed.). Porto Alegre, RS: AMGH.

Melo L. P., Carlotto M. S., Rodriguez S. Y. S., & Diehl L. (2016). Estratégias de enfrentamento (coping) em trabalhadores: Revisão sistemática da literatura nacional. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 68(3), 125-144.

Ministério da Educação de Moçambique. (2013). Plano Estratégico de Educação 2012-2106. Maputo: MINED.

Ministério da Educação de Moçambique (2018). Lei nº 18/2018 de 28 de dezembro – estabelece o regime jurídico do Sistema Nacional de Educação. Boletim da República I, 254(3748), 19-25.

Mokdad, M. (2005). Occupational stress among Algerian teachers. Afican Newsletter on Occupational Health and Safety, 15, 46-47.

Naujorks, M. I. (2002). Stress e Inclusão: indicadores de stress em professores frente à inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Cadernos de Educação Especial, 20, 1-6.

Naujorks, M. I., & Barasuol, E. B. (2004). Burnout no trabalho docente com a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Cadernos de Educação Especial, 22, 1-5.

Olaitan, O. L. (2009). Prevalence of job stress among primary school teachers in South West, Nigeria. African Journal of Microbiology Research, 3(8), 1-4.

Ribeiro, T. A. (2015). Estresse em professores do ensino fundamental: Estudo em uma escola social no sul do estado de Minas Gerais. (Dissertação de Mestrado). Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Rodrigues, A., Assmar, E. M. L., & Jablonski, B. (2008). Psicologia Social, (18ª. ed.). Petrópolis, Rj: Vozes.

Selye, H. (1980). Selye's guide to stress research: Volume I. New York, NY: Van Nostrand.

Servilha, E. A. M. (2005). Estresse em professores universitários na área de fonoaudiologia. Revista Ciências Médicas, 14(1), 43-52.

Silva, G. A. C. (2017). Estratégias de enfrentamento do estresse docente em escolas municipais. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Taubaté-SP, Taubaté.

Silveira, K. A, Enumo, S. R. F., & Batista, E. P. (2014). Indicadores de estresse e estratégias de enfrentamento em professores de ensino multisseriado. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 18(3), 457-465.

Silveira, K. A., Enumo, S. R. F., Pozzattto, R. N., & Paula, K. M. P. (2014). Indicadores de estresse e coping no contexto da educação inclusiva. Educação em Pesquisa, 40(1), 127-142.

Souza, R. G., Santana, E. B., Pedra, R., Dias, D., Henrique, E., & Dantas, M. (2015). A relevância dos instrumentos de avaliação de ansiedade, estresse e depressão. Ciências Biológicas e de Saúde, 3(1), 37-57.

Sowmya, K. R. (2010). Stress level: Assessment and alleviation. SCMS Journal of Indian Management, 7(1), 76-83.

Taylor, S. E., Seeman, T. E., Eisenberger, N. I., Kozanian, T. A., Moore, A. N., & Moons, W. G. (2010). Effects of a supportive or an unsupportive audience on biological and psychological responses to stress. Journal of Personality and Social Psychology, 98(1), 47-56.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n1p162

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)