A transição para a conjugalidade em noivas e noivos católicos

Lorena Daniela Rodrigues da Silva, Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


Este estudo teve como objetivo compreender as repercussões dos cursos de preparação matrimonial na conjugalidade de noivos católicos. Foram entrevistados 18 nubentes que realizaram há menos de cinco meses um curso de preparação para o matrimônio em paróquias de cidades do interior dos Estados de Minas Gerais e São Paulo. Foi aplicado um roteiro de entrevista e realizada análise de conteúdo na modalidade temática. Os resultados apontaram para uma caracterização mais objetiva do casamento, que se configura como um momento de transição e reafirmação de fé. Apesar das mudanças do catolicismo em relação à sexualidade, por exemplo, observa-se que esses casais ainda mantêm valores essencialmente tradicionais em termos de constituição familiar e da inequívoca associação entre conjugalidade e parentalidade. Os cursos de noivos podem ser espaços potencializadores de importantes reflexões no processo de transição para a conjugalidade, o que ainda deve ser melhor compreendido a partir de pesquisas vindouras. 


Palavras-chave


Matrimônio; Relações conjugais; Catolicismo.

Texto completo:

PDF

Referências


Aboim, S. (2006). Conjugalidade, afectos e formas de autonomia individual. Análise Social, 41(180), 801-825.

Almeida, M. A. M. (2010). Rompendo os vínculos, os caminhos do divórcio no Brasil: 1951-1977. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Goiás, Goiás.

Alves-Silva, J. D., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2017). Bodas para uma vida: Motivos para manter um casamento de longa duração. Temas em Psicologia, 25(2), 487-501. doi:10.9788/TP2017.2-05

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.). São Paulo, SP: Edições 70.

Berger, P., & Kellner, H. (1970). Marriage and the construction of reality. In P. H. Dreiazel (Ed.), Recent sociology (pp. 220-229). New York, NY: The Mac Millow Company.

Bettega, M. L. (2007). O casamento como manifestação de uma cultura: O caso de Nova Palmira. Dissertação de Mestrado, Instituto de Letras, Universidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.

Blank, C. (2010). Casal, matrimônio e família na integração com a sociedade atual. Vida Pastoral, 25-31. Recuperado de http://www.vidapastoral.com.br/artigos/etica-crista/casal-matrimonio-e-familia-na-integracao-com-a-sociedade-atual/

Caetano, C., Martins, M. S., & Motta, R. C. (2016). Família contemporânea: Estudo de casais sem filhos por opção. Pensando Famílias, 20(1), 43-56.

Campos, S. O., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2017). Transformações da conjugalidade em casamentos de longa duração. Psicologia Clínica, 29(1), 69-89.

Costa, C. B., & Mosmann, C. P. (2015). Relacionamentos conjugais na atualidade: Percepções de indivíduos em casamentos de longa duração. Revista da SPAGESP, 16(2), 16-31.

Costa, J. F. (1983). Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Coutinho, R. Z, & Ribeiro, P. M. (2014). Religião, religiosidade e iniciação sexual na adolescência e juventude: Lições de uma revisão bibliográfica sistemática de mais de meio século de pesquisas. Revista Brasileira de Estudos da População, 31(2), 333-365. doi:10.1590/S0102-30982014000200006

Falcke, D., & Zordan, E. (2010). Amor, casamento e sexo: Opinião de adultos jovens solteiros. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(2), 1-13.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: O difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2), 379-394. doi:10.1590/S0102-79721998000200014

Fonseca, S. A., & Neves Duarte, C. M. (2014). Do namoro ao casamento: Significados, expectativas, conflito e amor. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30(2), 135-143. doi:10.1590/S0102-37722014000200002

Freire, S. E. A., Sousa, B. R., Santos, M. D., Alburquerque, R. A., & Gouveia, V. V. (2013). In A. Garcia & J. Fitzpatrick (Eds.), Relações românticas conjugais e parassociais (pp.17-29). Vitória, ES: Editora da UFES.

Galeazzi, I. M. S., Garcia, L., Driemeier, M. M., De Toni, M., Kreling, N. H., & Follador, P. (2011). Mulheres trabalhadoras: 10 anos de mudanças no mercado de trabalho atenuam desigualdades. Mulher e Trabalho, 3, 9-35.

Garcia, A., & Maciel, M. G. (2008). A influência da religião na busca do futuro cônjuge: Um estudo preliminar em comunidades evangélicas. Psicologia: Teoria e Prática 10(1), 95-112.

Grizólio, T. C., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2015). The perception of parenting couples engaged in long term marriages. Psicologia em Estudo, 20(4), 663-674. doi:10.4025/psicolestud.v20i4.29536

Heckler, V. I., & Mosmann, C. (2014). Casais de dupla carreira nos anos iniciais do casamento: Compreendendo a formação do casal, papéis, trabalho e projetos de vida. Barbarói, 41(n. spe), 119-147.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2013). Estatística do Registro Civil 2013. Rio de Janeiro. Disponível em: http://loja.ibge.gov.br/estatisticas-do-registro-civil-2013.html.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2010). Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_religiao_deficiencia/default_caracteristicas_religiao_deficiencia.shtm.

Libaneo, J. B. (2002). Igreja contemporânea - Encontro com a modernidade. São Paulo: Edições Loyola.

Machado, J. S. A., & Penna, C. M. M. (2016). Reprodução feminina e saúde sob os olhares de mulheres sem filhos. Revista Mineira de Enfermagem, 20(1), 1-7.

Magalhães, A. S. (2009). Conjugalidade e parentalidade na clínica com famílias. In T. Féres-Carneiro (Ed.), Casal e família: Permanências e rupturas (pp. 205-217). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Magalhães, A. S., & Féres-Carneiro, T. (2003). A conjugalidade na série identificatória: Experiência amorosa e recriação do eu. Pulsional Revista de Psicanálise, 16(176),41-50.

Menezes, C. C., & Lopes, R. D. (2007). A transição para o casamento em casais coabitantes e em casais não-coabitantes. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(1), 52-63. doi:10.7322/jhgd.19814

Morris, M. L., & Carter, S. A. (1999). Transition marriage: A literature review. Journal of Family and Consumer Sciences Education, 17(1), 1-24.

Norgren, M. B. P., Souza, R. M., Kaslow, F., Hammerschmidt, H., & Sharlin, S. A. (2004). Satisfação conjugal em casamentos de longa duração: Uma construção possível. Estudos em Psicologia, 9(3) 575-584. doi:10.1590/S1413-294X2004000300020

Perlin, G., & Diniz, G. (2005). Casais que trabalham e são felizes: mito ou realidade? Psicologia Clínica, 17(2), 15-29. doi:10.1590/S0103-56652005000200002

Ponzetti, J. (2003). International Encyclopedia of Marriage and Family. Nova York: Thomson Gale.

Porreca, W. (2004). Famílias recompostas: Casais católicos em segunda união. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Psicologia e Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ribeiro, L. M., & Scorsolini-Comin, F. (2017). Relações entre religiosidade e homossexualidade em jovens adultos religiosos. Psicologia e Sociedade, 29, e162267. doi:10.1590/1807-0310/2017v29162267

Rios, M. G., & Gomes, I. C. (2009). Estigmatização e conjugalidade em casais sem filhos por opção. Psicologia em Estudo, 14(2), 311-319. doi:10.1590/S1413-73722009000200012

Risch, G. S., Riley, L. A., & Lawler, M. G. (2003). Problematic issues in the early years of marriage: Content for premarital education. Journal of Psychology and Theology, 31(3), 253- 269. doi:10.1177/009164710303100310

Romera, L. (2012). A fé cristã diante dos desafios da cultura contemporânea. Synesi, 4(2), 117-144.

Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2016). Construir, organizar, transformar: Considerações teóricas sobre a transmissão psíquica entre gerações. Psicologia Clínica, 28(1), 141-159.

Silva, J. C. R., Assis, Y. G., & Wada, E. K. (2010). A oferta de serviços para casamentos em São Paulo. Retirado em 09 de outubro de 2013, de http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/10/saw.htm.

Souza, C. M. (2012). Preparando para matrimônio: Curso de noivos e noivado em uma paróquia de Belém. Educamazônia, 9(2), 126-142.

Torppa, C. B. (2009). Preparing adolescents and young adults for marriage: Developing realistic expectations for family communication. Family and Consumer Sciences. Retrieved from http://ohioline.osu.edu/flm00/pdf/fs04.pdf.

Turato, E. R. (2003). Tratado de metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Vainfas, R. (1986). Casamento, amor e desejo no ocidente cristão. São Paulo, SP: Editora Ática.

Ziviani, C., Féres-Carneiro, T., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2015). Avaliação dos relacionamentos amorosos na contemporaneidade: O construto percepção dos filhos sobre a conjugalidade dos pais. In S. M. Barroso, F. Scorsolini-Comin, & E. Nascimento (Eds.), Avaliação psicológica: Da teoria às aplicações (pp. 154-186). Petrópolis, RJ: Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3p206

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)