Produção de conhecimentos sobre o CAPSI entre 2002 e 2017: revisão integrativa da literatura

Iagor Brum Leitão, Teresinha Cid Constantinidis, Luziane Zacché Avellar

Resumo


Este estudo objetivou discutir as principais questões que atravessam o Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSi) e a forma em que é produzido o conhecimento sobre esse serviço. Trata-se de uma revisão integrativa de artigos frutos de pesquisas realizadas em unidades CAPSi, publicados entre 2002 e 2017 e indexados nas bases dedados PePSIC e SciELO. Utilizou-se a palavra-chave “CAPSi” como termo de pesquisa. O levantamento final resultou em 29 artigos. Identificou-se a prevalência do método qualitativo; entrevistas como técnica de coleta de dados mais utilizada; prevalência de pesquisas realizadas na região Sudeste; número expressivo de pesquisas desenvolvidas por Universidades Federais e Estaduais e as principais questões se colocam diante à atenção psicossocial infanto-juvenil. A revisão também aponta alto índice de encaminhamento de casos ao CAPSi que se referem à questões de aprendizagem e conduta, assim como o desconhecimento da população sobre os serviços oferecidos pelos CAPSi.


Palavras-chave


Serviços de saúde mental; CAPSi; Criança; Adolescente; Revisão.

Texto completo:

PDF

Referências


Ayres, J. R. M. (2004). Cuidado e reconstrução das práticas de Saúde. Interface (Botucatu), 8(14), 73-92. doi:10.1590/S1414-32832004000100005.

Barreto, M. (2004). O conhecimento científico e tecnológico como evidência para políticas e atividades regulatórias em saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 9(2), 329-338. doi:10.1590/S1413-81232004000200010

*Beltrame, M. M., & Boarini, M. L. (2013). Saúde mental e infância: Reflexões sobre a demanda escolar de um CAPSi. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(2), 336-349. doi:10.1590/S1414-98932013000200007

*Bernardi, A. B., & Kanan, L. A. (2015). Características dos serviços públicos de saúde mental (CAPSi, CAPSad, CAPS III) do estado de Santa Catarina. Saúde Debate, 39(107), 1105-1116. doi:10.1590/0103-110420151070533

Bezerra Júnior, B. (2004). O cuidado nos CAPS: os novos desafios. In P. Albuquerque, M. Libério (orgs.). O cuidado em saúde mental: Ética, clínica e política (pp. 3-11). Rio de Janeiro, RJ: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Bontempo, V. L. (2009). A assembleia de usuários e o CAPSI. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(1), 184-189.

Brandão Junior, P. M. C. (2009). Um bebê no CAPSi: Uma clínica possível. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(2), 345-355.

Bulcão, I. (2002). A produção de infâncias desiguais: Uma viagem na gênese dos conceitos "criança" e "menor". In M. Nascimento (org.), Pivetes: A produção de infâncias desiguais (pp. 61-73). Niterói, RJ: Intertexto.

Caeran, J., & Dias, H. Z. (2015). Saúde e saúde mental na percepção de trabalhadores de um CAPSi. Trabalho, Educação e Saúde, 13(Suppl. 1), 115-133. doi:10.1590/1981-7746-sip00017

Cavalcante, C., Jorge, M., & Santos, D. (2012). Onde está a criança?: Desafios e obstáculos ao apoio matricial de crianças com problemas de saúde mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22(1), 161-178. doi:10.1590/S0103-73312012000100009

Cervo, M. D. R., & Silva, R. D. (2014). Um olhar sobre a patologização da infância a partir do CAPSI. Revista Subjetividades, 14(3), 442-453.

Cordeiro, L., Oliveira, M., & Souza, R. (2012). Produção científica sobre os Centros de Atenção Psicossocial. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(1), 119-123. doi:10.1590/S0080-62342012000100016

Couto, M. C. V. (2003). Trilhando novos caminhos: A política pública de saúde mental para crianças e adolescentes. In A. Guerra, & L. Lima (Eds.), A clínica de crianças com transtornos no desenvolvimento: Uma contribuição no campo da psicanálise e da saúde mental (pp. 191-198). Belo Horizonte, MG: Autêntica/FUMEC

Couto, M. C. V. (2004). Por uma política pública de saúde mental para crianças e adolescentes. In M. Couto (Ed.), A criança e a saúde mental: Enlaces entre a clínica e a política (pp. 61-74). Belo Horizonte: Autêntica/FUMEC.

Couto, M. C. V., Duarte, C. S., & Delgado, P. G. G. (2008). A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: Situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatra, 30(4), 390-8. doi:10.1590/S1516-44462008000400015

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3.ed. Porto Alegre, RS: Artmed.

Delfini, P. S., Dombi-Barbosa, C., Fonseca, F. L., Tavares, C. M., & Reis, A. O. A. (2009). Perfil dos usuários de um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil da grande São Paulo, Brasil. Journal of Human Growth and Development, 19(2), 226-236.

Delfini, P., & Reis, A. (2012). Articulação entre serviços públicos de saúde nos cuidados voltados à saúde mental infanto-juvenil. Cadernos de Saúde Pública, 28(2), 357-366. doi:10.1590/S0102-311X2012000200014

Delgado, A., & Müller, F. (2005). Em busca de metodologias investigativas com as crianças e suas culturas. Cadernos de Pesquisa, 35(125), 161-179. doi:10.1590/S0100-15742005000200009

Delgado, P. G. (2015). Limites para a inovação e pesquisa na reforma psiquiátrica. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 25(1), 13-18. doi:10.1590/S0103-73312015000100002

Dombi-Barbosa, C., Bertolino Neto, M. M., Fonseca, F. L., Tavares, C. M., & Reis, A. O. A. (2009). Condutas terapêuticas de atenção às famílias da população infanto-juvenil atendida nos centros de atenção psicossocial infanto-juvenis (CAPSI) do estado de São Paulo. Journal of Human Growth and Development, 19(2), 262-268.

Elia, L. (2005). A rede de atenção na saúde mental: Articulações entre CAPS e ambulatórios In Brasil, Ministério da Saúde, Caminhos para uma política de saúde mental infanto-juvenil. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ercole, F. F., Melo, L. S. D., & Alcoforado, C. C. (2014). Revisão integrativa versus revisão sistemática. Revista Mineira de Enfermagem, 18(1), 9-12. doi:10.5935/1415-2762.20140001

Farias, C., Lima, P., Ferreira, L., Cruzeiro, A., & Quevedo, L. (2014). Sobrecarga em cuidadores de usuários de um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil no sul do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 9(12), 4819-4827. doi:10.1590/1413-812320141912.19182013

Fernandes, A. A., & Matsukura, T. S. (2016). Adolescentes inseridos em um CAPSi: Alcances e limites deste dispositivo na saúde mental infanto-juvenil. Temas em Psicologia, 24(3), 977-990. doi:10.9788/TP2016.3-11

Ferreira, T. (2004). Sob o manto da deficiência. In T. Ferreira (Ed.), A criança e a saúde mental: Enlaces entre a clínica e a política (pp. 13-38). Belo Horizonte, MG: Autêntica/FCH – FUMEC.

Graeff, R. L., & Vaz, C. E. (2006). Personalidade de crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) por meio do Rorschach. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(3), 269-276. doi:10.1590/S0102-37722006000300003

Hoffmann, M. C. L., Santos, D. N., & Mota, E. L. A. (2008). Caracterização dos usuários e dos serviços prestados por Centros de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil. Cadernos de Saúde Pública, 24(3), 633-642. doi:10.1590/S0102-311X2008000300017

Leitão, I. B., Figueiredo, D. D., Marbach, M. A., & Martins, K. S. (2017). Caracterização dos transtornos psiquiátricos diagnosticados no CAPS I, em Jaguaré, ES, no período de janeiro a outubro de 2014. Revista Psicologia e Saúde, 9(1), 19-35. doi:10.20435/pssa.v9i1.430

Lima, R., Couto M. C., Delgado, P., & Oliveira, B. (2014). Indicadores sobre o cuidado a crianças e adolescentes com autismo na rede de CAPSi da região metropolitana do Rio de Janeiro. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(3), 715-739. doi:10.1590/S0103-73312014000300004

Lima, R., Couto, M., Solis, F., Oliveira, B., & Delgado, P. (2017). Atenção psicossocial a crianças e adolescentes com autismo nos CAPSi da região metropolitana do Rio de Janeiro. Saúde e Sociedade, 26(1), 196-207. doi:10.1590/s0104-12902017168443

Machineski, G., Schneider, J., & Camatta, M. (2013). O tipo vivido de familiares de usuários de um centro de atenção psicossocial infantil. Revista Gaúcha de Enfemagem, 34(1), 126-132. doi:10.1590/S1983-14472013000100016

*Maia, C., & Avellar, L. Z. (2013). Concepções de saúde e doença mental para profissionais de um CAPSi. Psicologia em Estudo, 18(4), 725-735. doi:10.1590/S1413-73722013000400014

Ministério da Saúde, Brasil. (2002). Portaria n. 336/GM, de 19 de fevereiro de 2002. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde, Brasil. (2004). Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde, Brasil. (2009). Programa de volta para minha casa: cartilha de monitoria. Brasília, DF: Ministério da Saúde Editora

Ministério da Saúde, Brasil. (2014). Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde, Brasil (2015). Saúde Mental em Dados – 12, ano 10, nº 12, outubro de 2015. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Monteiro, A. R., Teixeira, L. A., Silva, R. S., Rabelo, K. S., Tavares, S. V., & Távora, R. O. (2012). Sofrimento psíquico em crianças e adolescentes: A busca pelo tratamento. Escola Anna Nery, 16(3), 523-529. doi:10.1590/S1413-73722013000400014

Muylaert, C. J., Delfini, P. S., & Reis, A. O. A. (2015). Relações de gênero entre familiares cuidadores de crianças e adolescentes de serviços de saúde mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 25(1), 41-58. doi:10.1590/S0103-73312015000100004

Noronha, A., Folle, D., Guimarães, A., Brum, M., Schneider, J., & Motta, M. (2016). Percepções de familiares de adolescentes sobre oficinas terapêuticas em um centro de atenção psicossocial infantil. Revista Gaúcha de Enfemagem, 37(4), 1-8. doi:10.1590/1983-1447.2016.04.56061

Nunes, C. K., Kantorski, L. P., & Coimbra, V. C. (2016). Interfaces entre serviços e ações da rede de atenção psicossocial às crianças e adolescentes. Revista Gaúcha de Enfemagem, 37(3), 1-8. doi:10.1590/1983-1447.2016.03.54858

Oliveira, A. B., & Miranda, L. (2015). Práticas clínicas e o cuidado possível no CAPSi: Perspectivas de uma equipe interdisciplinar. Contextos Clínicos, 8(1), 99-112. doi:10.4013/ctc.2015.81.10

Oliveira, T. G. P., Muylaert, C. J., & Reis, A. O. A. (2012). Crianças como sujeitos na pesquisa: Uma revisão integrativa. Psicologia Hospitalar, 10(2), 02-16.

Pereira, A. S., & Wurfel, R. F. (2011). O uso de maconha como estratégia de redução de danos em dependentes de crack. Aletheia, (34), 163-174.

Pitta, A. M. F. (1992). Avaliação como processo de melhoria da qualidade de serviços públicos de saúde. Revista de Administração Pública, 26(2), 44-61.

Pontes, P. A. R., Souza, A. M. A., & Fraga, M. N. O. (1995). Reforma psiquiátrica no Ceará: Tópicos de caracterização dos novos serviços. Revista Brasileira de Enfermagem, 48(3), 297-303. doi:10.1590/S0034-71671995000300011

Reis, A. O. A., Dombi-Barbosa, C., Bertolino Neto, M. M., Prates, M. M. L., Delfini, P. S. S., Fonseca, F. L., & Oliveira, A. Q. D. (2009). Prontuários, para que servem? Representação dos coordenadores de equipe dos CAPSi a respeito do valor e da utilidade dos prontuários. Journal of Human Growth and Development, 19(3), 383-392.

Ronchi, J. P., & Avellar, L. Z. (2010). Saúde mental da criança e do adolescente: A experiência do CAPSi da cidade de Vitória-ES. Psicologia: Teoria e Prática, 12(1), 71-84.

Ronchi, J. P., & Avellar, L. Z. (2015). Ambiência no atendimento de crianças e adolescentes em um CAPSi. Psicologia em Revista, 21(2), 379-397. doi:10.5752/P.1678-9523.2015V21N2P378

Rosa, L. (2011). Transtorno mental e o cuidado na família. São Paulo, SP: Cortez.

Salvador, D., & Pio, M. (2016). Apoio Matricial e CAPSi: Desafios do cenário na implantação do matriciamento em saúde mental. Saúde em Debate, 40(111), 246-256. doi:10.1590/0103-1104201611119

Scandolara, A. S., Rockenbach, A., Sgarbossa, E. A., Linke, L. R., & Tonini, N. S. (2009). Avaliação do centro de atenção psicossocial infantil de Cascavel-PR. Psicologia e Sociedade, 21(3), 334-342. doi:10.1590/S0102-71822009000300006

Shimizu, V. T., & Miranda, M. C. (2012). Processamento sensorial na criança com TDAH: Uma revisão da literatura. Revista Psicopedagogia, 29(89), 256-268.

Silva, A. L. A., & Fonseca, R. M. G. (1995). Repensando o trabalho em saúde mental: a questão da interdisciplinaridade. Revista Brasileira de Enfermagem, 48(3), 212-217. doi:10.1590/S0034-71671995000300004

Silva Júnior, A. G., Merhy, E. E., & Carvalho, L. C. (2003). Refletindo sobre o ato de cuidar da saúde. In R. Pinheiro, & R. Mattos (Eds.). Construção da integralidade: Cotidiano, saberes e práticas em saúde (pp.113-28). Rio de Janeiro, RJ: IMS/UERJ-Abrasco.

Taño, B. L., & Matsukura, T. S. (2015). Saúde mental infanto-juvenil e desafios do campo: Reflexões a partir do percurso histórico. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 23(2), 439-447. doi:10.4322/0104-4931.ctoAR0479

Thiengo, D., Fonseca, D., Abelha, L., & Lovisi, G. (2015). Satisfação de familiares com o atendimento oferecido por um Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil (CAPSi) da cidade do Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Coletiva, 23(3), 298-308. doi:10.1590/1414-462X201500030172

Tomm, E., & Roso, A. (2013). Adolescentes e crack: Pelo caminho das pedras. Fractal: Revista de Psicologia, 25(3), 675-692. doi:10.1590/S1984-02922013000300016

Vorcaro, A. M. R. (2011). O efeito bumerangue da classificação psicopatológica na infância. In A. Jerusalinsky, & S. Fendrik (Eds.), O livro negro da psicopatologia contemporânea (pp. 219-229). São Paulo, SP: Via Lettera.

Wielewicki, A. (2011). Problemas de comportamento infantil: Importância e limitações de estudos de caracterização em clínicas-escola Brasileiras. Temas em Psicologia, 19(2), 379-389.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3p181

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)