Vivências emocionais e estratégias de regulação emocional de psicólogos clínicos: um estudo qualitativo

Marina da Silva de Matos, Sílvia Batista Von Borowski

Resumo


A regulação emocional em intervenções psicoterapêuticas pode ser eficaz para lidar com situações, como o desconforto, não permitindo que o estado emocional afete a qualidade dos atendimentos. O intuito deste estudo é abordar o estado emocional dos psicoterapeutas em situações intensas do trabalho clínico. Para isso, recorreu-se à pesquisa de cunho descritivo e exploratório, em dados qualitativos. Foram realizadas cinco entrevistas, seguindo um roteiro de entrevistas semiestruturadas com perguntas abertas. Na sequência, o material foi transcrito e submetido à análise de conteúdo de Bardin (1977). Apesar de a regulação emocional fazer parte da rotina dos entrevistados, o uso das estratégias advém das experiências do cotidiano e, em menor proporção, das aprendizagens de formação. Considera-se que ampliar a compreensão do impacto da regulação emocional na prática clínica é necessário para a criação de estratégias de enfrentamento que cuidem da saúde mental do psicoterapeuta e do usuário do serviço. 

 


Palavras-chave


Psicoterapia; Psicoterapeuta; Regulação emocional.

Texto completo:

PDF

Referências


American Psychological Association. (1996). APA Practice Organization, Promoting supporting practicing psychologists, occupational vulnerability for psychologists. New York, Norton: Karen Saakvitne.

Alexandroff, M. C. (2012). O papel das emoções na constituição do sujeito. Construção psicopedagógica, 20(20), 35-56. doi:10.1590/S1415-69542012000100005.

Almeida, F. J. R., & Sobral, F. J. B. A. (2005). Emoções, inteligência e negociação: Um estudo empírico sobre a percepção dos gerentes portugueses, Revista de Administração Contemporânea, 9(4), 09-30. doi:10.1590/S1415-655520050000400002.

Augusto, M. M., Freitas, L. G., & Mendes, A. M. (2014). Vivências de prazer e sofrimento no trabalho de profissionais de uma fundação pública de pesquisa. Psicologia em Revista, 20(1), 34-35. doi:10.5752/P-1678-9523.2014v20n1p34.

Bardin, L. (1977). L’ analyse de contenu (L.A. Reto e A. Pinheiro, Trads.). Presses Universitaries de France: Persona.Campos, C. J. G., & Turato, E. R. (2009). Análise de conteúdo em pesquisas que utilizam metodologia clínico-qualitativa: aplicações e perspectivas. Revista Latino-Americana, 17(2), 259-264. doi:10.1590/S0104-116920090020019.

Cavalcante, R. B., Calixto, P., & Pinheiro, M. M. K. (2014). Análise de conteúdo: Considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Informação & Sociedade: Estudos, 24-(1), 13-18.

Cobêro, C., Primi, R., & Muniz, M. (2006). Inteligência emocional e desempenho no trabalho: Um estudo com MSCEIT, BRP-5 e 16PF. Paidéia, 16(35), 337-348. doi:10.1590/S0103-863x2006000300005.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto (M. Lopes, Trad.). 3ª ed. Porto Alegre, RS: Artmed Editora.

Cruvinel, M., & Boruchovitch, E. (2010). Regulação emocional: A construção de um instrumento e resultados iniciais. Revista em Estudo, 15(3), 537-545. doi:10.1590/S1413-73722010000300011.

Faleiros, E. A. (2004). Aprendendo a ser psicoterapeuta. Revista Psicologia Ciência e Profissão, 24(1), 14-27. doi:10.1590/S1414-98932004000100003.

Filho, A. A., & Moreira, M. C. G. B. (1997). Saúde, trabalho e formação profissional. Fiocruz, p.138. doi:10.7476/9788575412787.

Franco, M. G. S. E. C., & Santos, N. N. (2015). Desenvolvimento da compreensão emocional. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, 31(3), 339-348. doi:10. 1590/0102-037722015032099339348.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas Editora.

James, W. (2008). As emoções. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental, 11(4), 669-674. doi:10.1590/S1415-47142008000400013.

Leahy, R. L., Tirch, D., & Napolitano, L. A. (2013). Regulação emocional em psicoterapia: Um guia para o terapeuta cognitivo-comportamental. (I. Haun de Oliveira, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Lima, M. J., & Cerveny, C. M. O. (2012). A competência social do psicólogo: Estudo com profissionais que atuam em instituições. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, 2(32), 284-303. doi:10.1590/S1414-9893201200200003.

Machado, P., Veríssimo, M., Torres, N., Peceguina, I., Santos, A. J., & Rolão, T. (2008). Relações entre o conhecimento das emoções, as competências académicas, as competências sociais e a aceitação entre pares. Análise Psicológica, 26(3), 463-478. doi:10.1590/S0870-82312008000300008.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2005). Fundamentos de metodologia científica (6ª ed, p. 315). São Paulo, SP: Atlas Editora.

Mocaiber, I., Oliveira, L. Pereira, M. G., Machado-Pinheiro, W., Ventura, P. R., Figueira, I. V., & Volchan, E. (2008). Neurobiologia da regulação emocional: Implicações para a terapia cognitivo-comportamental. Revista Psicologia em Estudo, 13(3), 531-538. doi:10.1590/S1413-73722008000300014.

Miguel, F. K. (2015). Psicologia das emoções: Uma proposta integrativa para compreender a expressão emocional. Revista Psico-usf, 20-(1), 153-162.

Miguel, F. K., & Noronha, A. P. P. (2009). Estudo da relação da inteligência emocional e estresse no ambiente de trabalho. Avaliação Psicológica, 8(2), 219-228. doi:10.1590/S1677-04712009000200008.

Pinto, F. E. M. (2005). Introdução a psicologia da emoção. Psicologia da Educação, 21(2), 183-185. doi:10.1590/S1414-697520050000200009.

Reis, A. H., Oliveira, S. E. S., Bandeira, D. R., Andrade, N. C., Abreu, N., & Sperb, T. M. (2016). Emotion regulation checklist (ERC): Estudos preliminares da adaptação e validação para a cultura brasileira. Temas em Psicologia, 24(1), 77-96. doi:10.9788/TP2016.1-6.

Rodriguez, S. Y. S., & Carlotto, M. S. (2017). Predictors of burnout syndrome in psychologists. Revista Estudos de Psicologia, 34(1), 141/150. doi:10.1590/1982-02752017000100014.

Rodrigues, A. P. G., & Gondim, S. G., (2014). Expressão e regulação emocional no contexto de trabalho: Um estudo com servidores públicos. Revista de Administração Mackenzie, 15-(2), 38-65. doi:10.1590/S1678-69712014002003.

Silva, P. C., & Merlo, A. R. C. (2007). Prazer e sofrimento de psicólogos no trabalho em empresas privadas. Revista Psicologia Ciência e Profissão, 27(1) 132-147. doi:10.1590/S1414-98932007000100011.

Silvestre, R. L., & Vandenberghe, L. (2013). Os benefícios das emoções positivas. Revista Contextos Clínicos, 6(1), 50-57. doi:10.4013/ctc.2013.61.06.

Soto, E. (2002). Comportamento organizacional: O impacto das emoções (J. Pierre Marras, Trad.). São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada (L. Oliveira da Rosa, Trad.) 2ª ed. Porto Alegre, RS: Artmed.

Vandenberghe, L. (2004). Relatar emoções transforma as emoções relatadas? Um questionamento do paradigma de pennebaker com implicações para a prevenção de transtorno de estresse pós-traumático. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 6(1), 39-48. doi:10.1590/1517-554520040000100005.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Revista Temáticas, 22(44), 203-220. doi:10.1590/S0103-863X1997000100005.

Wittig, A. (1981). Psicologia geral (A. Berrance, Trad.). São Paulo, SP: Mc Graw-Hill.

Woyciekoski, C., & Hutz, C. S. (2008). Inteligência emocional: Teoria, pesquisa, medida, aplicações e controvérsias. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 1-11. doi:10.1590/S0102-79722009000100002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3p160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)