O estatuto da autoconservação na primeira Teoria Pulsional Freudiana

Érico Bruno Viana Campos, Vinicius Martinucho Godeguezi, João Gabriel Bertucci Lima

Resumo


Este ensaio teórico discorre sobre o estatuto da pulsão de autoconservação no âmbito da teoria de Freud, com o objetivo de analisar os referenciais organicistas e funcionalistas como fundamento epistemológico da psicanálise. A teoria das pulsões sofre transformações substanciais ao longo da obra freudiana, sendo sujeita a diversas interpretações que, em geral, relegam a um segundo plano ou mesmo excluem as pulsões de autoconservação do campo da psicanálise. Apresentam-se os fundamentos dessa teorização nos textos freudianos sobre a primeira teoria pulsional e a complexidade de sua caracterização, em especial as questões de sua fonte e sua filiação a funções biológicas, a labilidade de seu objeto, o seu papel na dinâmica defensiva e no desenvolvimento psicossexual. Discutem-se as interpretações desse legado a partir de sua dupla filiação: humanista e naturalista. Conclui-se que essa problemática é um ponto de tensão importante na caracterização da heterogeneidade epistemológica da psicanálise como campo de saber.


Palavras-chave


psicanálise; pulsão; autoconservação; Sigmund Freud (1856-1939).

Texto completo:

PDF

Referências


Alberti, S., & Elia, P. (2008). Psicanálise e ciência: O encontro dos discursos. Mal-estar e Subjetividade, 8(1), 779-802.

Assoun, P.-L. (1983) Introdução à epistemologia freudiana. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Birman, J. (1991). A constituição da clínica psicanalítica. In J. Birman, Freud e a interpretação psicanalítica (pp. 135-166). Rio de Janeiro, RJ: Relume-Dumará.

Campos, E. B. V. (2014). Limites da representação na metapsicologia freudiana. São Paulo, SP: EDUSP.

Campos, E. B. V. (2013). Considerações sobre o estatuto epistemológico da psicanálise: A teoria das pulsões e a problemática da representação na contemporaneidade. In C. C. E. Mouammar, & E. B. V. Campos (Eds.), Psicanálise e questões da contemporaneidade: v. I, (pp. 13-30). Curitiba, PR: CRV, São Paulo, SP: Cultura Acadêmica.

Foucault, M. (1980). O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária. (Trabalho original publicado em 1963).

Freud, S. (2004). Três ensaios para a teoria da sexualidade. In S. Freud, Obras psicológicas de Sigmund Freud: Escritos sobre a psicologia do inconsciente, v. I (pp. 137-162). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Freud, S. (1996). A concepção psicanalítica da perturbação psicogênica da visão. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, v. XI (pp. 134-140). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1910).

Freud, S. (2004). Introdução ao narcisismo. In S. Freud, Obras psicológicas de Sigmund Freud: Escritos sobre a psicologia do inconsciente, v. I (pp. 95-119). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).

Freud, S. (2004). Pulsões e destinos das pulsões. In S. Freud, Obras psicológicas de Sigmund Freud: Escritos sobre a psicologia do inconsciente, v. I (pp.137-162). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1915).

Freud, S. (1996). O ego e o id. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, v. XIX (pp. 13-80). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1923).

Freud, S. (1996). Novas conferências introdutórias de psicanálise, Conferência XXXII: A ansiedade e a vida instintual. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, v. XXII (pp. 4-121). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1933)

Fulgêncio, L. (2008). O método especulativo em Freud. São Paulo, SP: EDUC.

Garcia-Roza, L. A. (1990). O mal radical em Freud. (4ªed.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor.

Garcia-Roza, L. A. (1995). Introdução à metapsicologia freudiana: Artigos de metapsicologia, v. III (pp. 79-120). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor.

Hanns, L. A. (1996). Dicionário comentado do alemão de Freud. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Kaufmann, P. (1996). Dicionário enciclopédico de psicanálise: O legado de Freud e Lacan (pp. 436-441). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editora.

Lacan, J. (1963-64). Seminário XI: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro, RJ, Jorge Zahar Editora, 1979.

Laplanche, J. (1985). Vida e morte em psicanálise. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Laplanche, J, & Pontalis, J.-B. (1992). Vocabulário de psicanálise. (3ª ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1960)

Mezan, R. (2001) Freud: A trama dos conceitos. (4ª ed.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Mezan, R. (2002). Sobre a epistemologia da psicanálise. In: R. Mezan, Interfaces da psicanálise (pp. 437-519), São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Mezan, R. (2007). Que tipo de ciência é, afinal, a Psicanálise? Natureza Humana, 9(2), 319-359.

Mezan, R. (2014). O tronco e os ramos: Estudos sobre história da psicanálise. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Michaelis. Dicionário de alemão online. Recuperado em 10 jun. 2016, de http://michaelis.uol.com.br/escolar/alemao/index.php?lingua=alemao-portugues&palavra=Trieb.

Monzani, L. R. (1989). Freud: O movimento de um pensamento. (2ª ed.). Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

Simanke, R. (2009). A psicanálise freudiana e a dualidade entre ciências naturais e ciências humanas. Scientiae Studiae 7(2), 321-235. doi:10.1590/S1678-31662009000200004.

Simanke, R. (2013). Instinto, humanidade e natureza na teoria freudiana das pulsões. In C. C. E. Mouammar, & E. B. V. Campos (Eds.), Psicanálise e questões da contemporaneidade (volume I, pp. 31-63). Curitiba, PR: CRV, São Paulo, SP: Cultura Acadêmica.

Souza, P. C. (1999). As palavras de Freud: O vocabulário freudiano e suas versões. São Paulo, SP: Ática.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n1p49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)