Potencialidades de um curso em saúde mental: a lógica psicossocial em uma experiência ativa de ensino

Tatiane Guimarães Pereira, Patrícia Santos de Souza Delfini, Isabella Teixeira Bastos, Camila Junqueira Muylaert, Alberto Olavo Advíncula Reis

Resumo


O artigo objetiva apresentar e discutir a experiência de um curso de difusão científica em Saúde Mental realizado na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. O público participante foi composto por profissionais de saúde atuantes em diferentes áreas em todo território brasileiro. O curso visou contextualizar o panorama atual da saúde mental coletiva, apresentando a rede de atenção psicossocial, tendo em vista alcances e desafios presentes nas práticas nesse campo. A metodologia ativa embasou todo seu processo de planejamento e execução. Além da parte teórica, visitas em serviços de saúde mental foram realizadas, o que se mostrou ferramenta potente de conhecimento da realidade e permitiu a reflexão sobre avanços e dificuldades vivenciadas no território a partir do compartilhamento e confronto de realidades. A realização desse curso deixou clara a importância de oferecer espaços de discussão do trabalho que possam promover o protagonismo dos profissionais de saúde mental.


Palavras-chave


ensino; saúde mental; saúde pública

Texto completo:

PDF

Referências


Amarante, P. (2003). A (clínica) e a Reforma Psiquiátrica. Archivos de Saúde Mental e Atenção Psicossocial, 1, 45-65.

Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Bastos, I. T. (2013). Os processos de trabalho na construção do cuidado: Casos emblemáticos atendidos em Centro de Atenção Psicossocial para Álcool e Drogas da Infância e Adolescência (CAPS ADi). (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Basaglia, F., Ongaro, F. B., & Giannichedda, M. G. (2000). Conferenze brasiliane. Milano: Raffaello Cortina Editore.

Berbel, N. A. N. (1998). A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: Diferentes termos ou diferentes caminhos?. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2, 139-154. doi: 10.1590/S1414-32831998000100008

Boleiz Junior, F. (2012). Freinet e Freire: Processo pedagógico como trabalho humano (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bollela, V. R., Senger, M. H., Tourinho, F. S. V., & Amaral, E. (2014). Aprendizagem baseada em equipes: Da teoria à prática. Medicina Ribeirão Preto Online, 47(3), 293-300.

Campos, G. W. S. (2003). A clínica do sujeito: Por uma clínica reformulada e ampliada. In G. W. S. Campos (Ed.), Saúde Paidéia. São Paulo, SP: Hucitec.

Ceccim, R. B., & Feuerwerker, L. (2004). O quadrilátero da formação para a área da saúde: Ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Revista de saúde coletiva, 14, 41-65.

Costa-Rosa, A. D. (2000). O modo psicossocial: Um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In P. Amarante (Ed.). Ensaios: Subjetividade, saúde mental e sociedade (pp. 141-168). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Costa-Rosa, A., Luzio, C. A., & Yasui, S. (2003). Atenção psicossocial: Rumo a um novo paradigma na saúde mental coletiva. Archivos de Saúde Mental e Atenção Psicossocial, 1, 13-44.

Cunha, G. T. (2004). A construção da clínica ampliada na atenção básica. São Paulo, SP: Hucitec.

Delfini, P. S. D. S. (2010). Centro de atenção psicossocial infantojuvenil e estratégia de saúde da família: Articulação das ações voltadas à saúde mental de crianças e adolescentes (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Delgado, P. G. G. (2015). The challenge of production of knowledge on the Brazilian psychiatric reform process. Ciência & Saúde Coletiva, 20(2), 312-312. doi: 10.1590/1413-81232015202.17692014

Diesel, A., Baldez, A. L. S., & Martins, S. N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: Uma abordagem teórica. Revista Thema, 14(1), 268-288. doi:10.15536/thema.14.2017.268-288.404

Freire, P. (1999). Educação como prática da liberdade (23ª ed.) Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra. (Trabalho original publicado em 1967).

Freinet, C. (1998). A Educação do trabalho. São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1947).

Godoy, C. B., & de Souza, N. A. (2001). Construindo uma nova proposta pedagógica no Curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 22(1), 25-31.

Iochida, L. C. (2004). Metodologias problematizadoras no ensino em saúde. In N. A.Batista, & S.H. Batista, (Eds.), Docência em saúde: Temas e experiências. São Paulo, SP: Senac.

Minayo, M. C. S., & Gualhano, L. (2015). Rede de cuidados em saúde mental. Revista de Ciências e Saúde Coletiva, 20(2), Press Release.

Ministério da saúde. (2001). Lei n.º 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF: Brasil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Ministério da Saúde. (2004). Política de educação e desenvolvimento para o SUS: Caminhos para a educação permanente em saúde. Brasília, DF: Brasil. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pol_formacao_desenv.pdf

Ministério da Saúde. (2011). Portaria Nº 2488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília, DF. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Muylaert, C. J. (2013). Formação, vida profissional e subjetividade: Narrativas de trabalhadores de Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pereira, A. L. D. F. (2003). As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cadernos de Saúde Pública, 19, 1527-1534. doi: 10.1590/S0102-311X2003000500031.

Prado M. L., Velho M. B., Espíndola D. S., Sobrinho S. H., Backes V. M. S. (2012). Arco de Charles Maguerez: Refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Escola Anna Nery, 16(1), 172-177. doi: 10.1590/S1414-81452012000100023.

Reis, A. O. A., Marazina, I. V., Delfini, P. S. S., Bertolino-Neto, M. M., Bastos, I. T., & Muylaert, C. J. (2013). Saúde mental e saúde pública. In A. A. Rocha, C. L. G. Cesar, & H. Ribeiro (Eds.), Saúde pública: Bases conceituais. São Paulo, SP: Atheneu.

Sampaio, J., Santos, G. C., Agostini, M., & Salvador, A. D. S. (2014). Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: Uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 18(2). doi: 10.1590/1807-57622013.0264.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n1p243

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)