Psicologia e ruralidade: reflexões para formação em psicologia

Kátya de Brito e Silva, João Paulo Macedo

Resumo


Os contextos rurais constituem um novo campo de atuação para as/os psicólogas/os. Porém, a relação entre Psicologia e rural ainda não se dá de forma estreita. O lugar das/os psicólogas/os nesse campo ainda está por se configurar. Diante dessa realidade, este ensaio desenvolvido por meio de uma pesquisa teórica visa debater mais amplamente sobre as possibilidades de inserção de rural na formação em Psicologia. Entende-se que o desafio é construir formações em Psicologia implicadas com a clareza das bases teóricas e práticas que norteiam o fazer técnico e ético no contexto das ruralidades, entendendo que a qualificação para esse campo não envolve apenas o campo técnico, mas o compromisso ético-político.


Palavras-chave


Formação do psicólogo; Ambientes rurais; Interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovay, R. (2000). Funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento contemporâneo. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA).

Albuquerque, F. J. B. (2001). Aproximación metodológica desde la psicología social a la investigación en zonas rurales. Estudios Agrosociales y Pesqueros, (191), 225-233.

Albuquerque, F. J. B. (2002). Psicologia social e formas de vida rural no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 18(1), 037-042. doi:10.1590/S0102-3772200200010000510.1590/S0102-37722002000100005

Almeida, M. W. (2007). Narrativas agrárias e morte do campesinato. RURIS, 1(2), 157-188.

Bernardes, J. S. (2012). A formação em psicologia após 50 anos do primeiro currículo nacional da psicologia – alguns desafios atuais. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(num. esp.), 216-231. doi:10.1590/S1414-98932012000500016

Blume, R. (2004). Território e ruralidade: A desmistificação do fim do rural. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Brumer, A., & Santos, J. V. T. (2006). Estudos agrários no Brasil: Modernização, violência e lutas sociais (desenvolvimento e limites da Sociologia Rural no final do século XX). Revista Nera, (9), 49-72.

Calegare, M. G. A. (2015). Rural-urbano, estudos rurais e ruralidades: Saberes necessários à Psicologia Social. In A. F. Lima, D. C. Antunes, & M. G. A. Calegare (Eds.), A Psicologia Social e os atuais desafios ético-políticos no Brasil, (pp. 437-457). Porto Alegre, RS: ABRAPSO.

Camargo, R. A. L., & Oliveira, J. T. A. (2012). Agricultura familiar, multifuncionalidade da agricultura e ruralidade: Interfaces de uma realidade complexa. Ciência Rural, 42(9), 1707-1714. doi:10.1590/S0103-84782012005000068

Campos, R. H. F. (2015). Introdução: A Psicologia Social Comunitária. In R. H. F. Campos (Ed.), Psicologia Social Comunitária: Da solidariedade à autonomia (pp. 09-14). Petrópolis, RJ: Vozes.

Candiotto, L. Z. P., & Corrêa, W. K. (2008). Ruralidades, urbanidades e a tecnicização do rural no contexto do debate cidade-campo. Campo-território: Revista de geografia agrária, 3(5), 214-242.

Cardoso, P. F. (2013). Ética e projetos profissionais: Os diferentes caminhos do serviço social no Brasil. Campinas, SP: Papel Social.

Carneiro, M. J. (1998). Ruralidade: Novas identidades em construção. Estudos Sociedade e Agricultura, (11), 53-75.

Carneiro, M. J. (2005). Apresentação. In R. J. Moreira (Ed.), Identidades sociais: Ruralidades no Brasil contemporâneo (pp. 07-13). Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Carneiro, M. J. (2008). “Rural” como categoria de pensamento. Rurais, 2(1), 09-38.

Carneiro, M. J. (2012). Do “rural” como categoria de pensamento e como categoria analítica. In M. L. Carneiro (Ed.), Ruralidades contemporâneas: Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira (pp. 23-66). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Carneiro, M. J., & Teixeira, V. L. (2012). Da terra de plantação à terra de lazer. In M. J. Carneiro (Ed.), Ruralidades Contemporâneas: Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira (pp. 67-100). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Cavalcanti, J. S. B. (2004). “Globalização e ruralidade”. In M. N. B. Wanderley (Ed.), Globalização e desenvolvimento sustentável: Dinâmicas rurais no Nordeste (pp. 17-32). São Paulo, SP: Polis.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. (2013). Referências Técnicas para Atuação das(os) Psicólogas(os) em Questões Relativas a Terra. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Ceolin, G. F. (2014). Crise do capital, precarização do trabalho e impactos no Serviço Social. Serviço Social & Sociedade, (118), 239-264. doi:10.1590/S0101-66282014000200003

Coelho, M. (2013). Imediaticidade na prática profissional do Assistente Social. Rio de Janeiro, RJ: Lumen Juris.

Conti, S. Territorio y Psicología Social y Comunitaria, trayectorias/implicaciones políticas y epistemológicas. Psicologia & Sociedade, 28(3), 484-493.

Costa, J. P., Costa, A. L. F., Lima, F. C., Seixas, P. S., Pessanha, V. C., & Yamamoto, O. H. (2012). A produção científica sobre a formação de psicólogos no Brasil. Psicologia em Pesquisa, 6(02), 130-138. doi:10.5327/Z1982-12472012000200006

Dimenstein, M., Leite, J., Macedo, J. P., & Dantas, C. (2017). Condições de vida e saúde mental em contextos rurais. Serviço Social & Saúde, 16(1), 151-158. doi:10.20396/sss.v16i1.8651478

Dimenstein, M., Siqueira, K., Macedo, J. P., Leite, J., & Dantas, C. (2017). Determinação social da saúde mental: Contribuições à psicologia no cuidado territorial. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 69(2), 72-87.

Do Carmo, R. M. (2009). A construção sociológica do espaço rural: Da oposição à apropriação. Sociologias, (21), 252-280.

Domingues, E. (2007). Vinte anos do MST: A psicologia nesta história. Psicologia em Estudo, 12(3), 573-582.

Favareto, A. S. (2006). Paradigmas do desenvolvimento rural em questão: Do agrário ao territorial. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Favareto, A., Kleeb, S., Galvanese, C., Magalhães, C., Moralez, R., Seifer, P., ... Cardoso, R. (2015). Territórios importam: Bases conceituais para uma abordagem relacional do desenvolvimento das regiões rurais ou interioranas no Brasil. Revista em Gestão, Inovação e Sustentabilidade, 1(1), 14-46.

Fernandes, B. M., Welch, C. A., & Gonçalves, E. C. (2013). Políticas fundiárias no Brasil: Uma análise geo-histórica da governança da terra no Brasil. In B. M. Fernandes (Ed.), Construindo um estilo de pensamento na questão agrária: O debate paradigmático e o conhecimento geográfico (pp. 67-151). Presidente Prudente, SP: Universidade Estadual Paulista.

Ferreira, M. C. (2010). A psicologia social contemporânea: Principais tendências e perspectivas nacionais e internacionais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(n. especial), 51-64.

Freitas, M. F. Q. (1998). Inserção na comunidade e análise de necessidades: Reflexões sobre a prática do psicólogo. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(1), 175-189. doi:10.1590/S0102-79721998000100011

Froehlich, J. M. (2012). Identidades e tradições reinventadas: O rural como tema e cenário. In M. J. Carneiro (Ed.), Ruralidades contemporâneas: Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira (pp. 201-226). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Furtado, O. (2000). Psicologia e compromisso social: Base epistemológica de uma psicologia crítica. Revista Psicologia Social e Institucional, 2(2), 217-229.

Guareschi, P. (2015). Relações comunitárias: Relações de dominação. In R. H. F. Campos (Ed.), Psicologia Social Comunitária: Da solidariedade à autonomia (pp. 66-81). Petrópolis, RJ: Vozes.

Guzzo, R. S. L. Apresentação (2015). In A. Accorssi, A. B. S. Bousfiel, H. S. Gonçalves, K. Aguiar, & R. S. L. Guzzo (Ed.), Distintas faces da questão social: Desafios para a Psicologia, (pp. 03-07). Florianópolis, SC: ABRAPSO.

Guzzo, R. S. L. (2016). A quem a Psicologia serve? Sobre a importância da Psicologia Comunitária. In V. M. Ximenes, J. C. Sarriera, Z. A. C. Bonfim, & J. A. I. (Ed.), Psicologia Comunitária no mundo atual: Desafios, limites e fazeres, (pp. 139-152). Fortaleza, CE: Expressão Gráfica e Editora.

Iamamoto, M. V. (2008). O Serviço Social na contemporaneidade: Trabalho e formação profissional. São Paulo, SP: Cortez.

Kayser, B. (1990). La renaissancerurale. Sociologie des campagnes du monde occidental. Paris, FR: Armand Colin.

Landini, F. (2015). La noción de psicología rural y susdesafíosenel contexto latinoamericano. In F. Landini (Ed.), Hacia una psicología rural latinoamericana. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO.

Lane, S. T. M. (2007). Histórico e fundamentos da Psicologia Comunitária no Brasil. In R. H. F. Campos (Ed.), Psicologia Social Comunitária (pp. 54-80). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lane, S. T. M. (2015). Histórico e fundamentos da Psicologia Comunitária no Brasil. In R. H. F. Campos (Ed.), Psicologia Social Comunitária: Da solidariedade à autonomia (pp. 15-28). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lane, S. T. M., & Sawaia, B. B. (1995). Novas veredas da Psicologia Social. São Paulo, SP: Brasiliense.

Leão, S. M., Oliveira, I. M. F. F., & Carvalho, D. B. (2014). O Psicólogo no campo do bem-estar social: Atuação junto às famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade e risco social no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(1), 264-289.

Leite, J. F., & Dimenstein, M. (2006). Subjetividade em movimento: O MST no Rio Grande do Norte. Psicologia & Sociedade, 18(1), 21-30. doi:10.1590/S0102-71822006000100004.

Leite, J. F., & Dimenstein, M. (2010). Movimentos sociais e produção de subjetividade: O MST em perspectiva. Psicologia & Sociedade, 22(2), 269-278. doi:10.1590/S0102-71822010000200007

Leite, J. F., Macedo, J. P. S., Dimenstein, M., & Dantas, C. (2013). A formação em Psicologia para a atuação em contextos rurais. In J. F. Leite, & M. Dimenstein (Eds.), Psicologia e contextos rurais (pp. 27-55). Natal, RN: EDUFRN.

Lemos, F. C. S., & Galindo, D. C. G. (2013). Massacre e Resistência Kaiowá e Guarani: Interrogações às Psicologias nos Traçados do Intolerável. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(4), 976-987. doi:10.1590/S1414-98932013000400015

Lima, A. F., Ciampa, A. C., & Almeida, J. A. M. (2009). Psicologia Social como psicologia política? A proposta de Psicologia Social Crítica de Sílvia Lane. Psicologia Política, 9(18), 223-236.

Lindner, M., Alves, F. D., & Ferreira, E. R. (2009). Presença da ruralidade em municípios gaúchos: O exemplo de Silveira Martins, RS. In XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária (pp. 01-15). São Paulo, SP.

Little, P. E. (2002). Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia nº 322. Brasília, DF: Universidade de Brasília.

Lopes, J. R. (2007). A questão social da terra como desafio para a psicologia. Psicologia em Estudo, 12(3), 583-592.

Martins, A. M. (2010). A formação em psicologia e a percepção do meio rural: Um debate necessário. Psicologia: Ensino & Formação, 1(1), 83-98.

Martins, S. T. F. (2007). Psicologia social e processo grupal: A coerência entre fazer, pensar e sentir em Sílvia Lane. Psicologia & Sociedade, 19, 76-80. doi:10.1590/S0102-71822007000500022

Matos, E. A. C., & Medeiros, R.M.V. (2011). A relação campo-cidade e as “novas” ruralidades. ParaOnde!?, 5(1), 01-15.

Montaño, C., & Duriguetto, M. L. (2010). Estado, classe e movimento social. São Paulo, SP: Cortez.

Moraes, M. D. C. (2014). Ruralidades no Brasil: Qual o lugar das políticas de cultura? Rede de estudos rurais, Campinas, SP.

Moraes, M. D. C., & Vilela, S. L. O. (2013). Trilhas de um debate contemporâneo: Ruralidades, campesinato, novo nominalismo. Revista FSA, 10(1), 59-85.

Moreira, R. J. (2005a). Ruralidades e globalizações: Ensaiando uma interpretação. In: R. J. Moreira (Ed.), Identidades sociais: Ruralidades no Brasil contemporâneo (pp. 15-40). Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Moreira, R. J. (2005b). Identidades sociais em territórios rurais fluminenses. In: R. J. Moreira (Ed.), Identidades sociais: Ruralidades no Brasil contemporâneo (pp. 65-88). Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Moreira, R. J. (2009). Terra, poder e território. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Netto, J. (2001). Cinco notas a propósito da questão social. Revista Temporalis, 2(3). Brasília, DF: ABEPSS.

Rechtman, R. (2015). O futuro da Psicologia brasileira: Uma questão de projeto político. Revista psicologia, diversidade e saúde, 4(1), 69-77. doi:10.17267/2317-3394rpds.v4i1.578

Rosa, L. A., & Silva, A. P. S. (2015). Sujeito político dramático: Mudanças vivenciadas por uma militante do MST. Psicologia & Sociedade, 27(1), 47-57. doi:10.1590/1807-03102015v27n1p047

Sawaia, B. B. (1995). Psicologia Social: Aspectos epistemológicos e éticos. In B. B. Sawaia, & S. T. M. Lane (Eds.), Novas veredas da Psicologia Social (pp. 45-53). São Paulo, SP: Brasiliense.

Sawaia, B. B. (2007). Comunidade: A apropriação cientifica de um conceito tão antigo quanto a humanidade. In R. H. F. Campos (Ed.), Psicologia Social comunitária (pp. 54-80). Petrópolis, RJ: Vozes.

Scarparo, H. B. K., & Guareschi, N. M. F. (2007). Psicologia social comunitária e formação profissional. Psicologia & Sociedade, 19(Edição Especial 2), 100-108. doi:10.1590/S0102-71822007000500025

Schneider, S. (1997). Da crise da sociologia rural à emergência da sociologia da agricultura: Reflexões a partir da experiência norte-americana. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 14(2), 225-256.

Silva, C. A., & Rocha, F. G. (2011). Contribuições da sociología rural norte-americana e europeia aos conceitos de rural, urbano e suas relações. Cuadernos de Geografía, Revista Colombiana de Geografía, 20(2), 09-19.

Silva, J. G. (1980). O que é questão agrária. São Paulo, SP: Brasiliense.

Silva, J. G. (1982). A modernização dolorosa: Estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores.

Silva, J. G. (1996). A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas.

Silva, J. G. (2001). Velhos e novos mitos do rural brasileiro. Estudos avançados, 15(43), 37-50. doi:10.1590/S0103-40142001000300005

Vasconcelos, E. M. (2011). Os psicólogos e sua inserção no SUAS: Da sensação inicial de perda de identidade ao reconhecimento de uma nova profissionalidade e de suas bases teóricas. In R. Morgado, E. M. Vasconcelos, & J. Garcia (Eds.), Cadernos de Assistência Social, volume 1: contribuições para a proteção básica e proteção especial. Resende, RJ: Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos.

Vasquez, G. C. F. (2009). A Psicologia na área rural: Os assentamentos da reforma agrária e as mulheres assentadas. Psicologia Ciência e Profissão, 29(4), 856-867.

Veiga, J. E. (2001). O Brasil rural ainda não encontrou seu eixo de desenvolvimento. Estudos Avançados, 15(43), 101-119.

Wanderley, M. N. B. (2000). A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas: O “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedade e Agricultura, (15), 87-145.

Wanderley, M. N. B. (2001). A ruralidade no Brasil moderno. Por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In N. Giarracca (Ed.), Una nueva ruralidad en America Latina? (pp. 31-44). Buenos Aires, AR: Clocso.

Wanderley, M. N. B. (2011). Um saber necessário: Os estudos rurais no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Wanderley, M. N. B. (2012). Prefácio. In M. J. Carneiro (Ed.), Ruralidades Contemporâneas: Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira (pp. 15-17). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Williams, R. (2011). O campo e a cidade. Na história e na literatura. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Ximenes, V. M., Nepomuceno, B.B., & Cidade, E.C. (2016). Pobreza: Um problema para a Psicologia Comunitária? In V. M. Ximenes, J. C. Sarriera, Z. A. C. Bonfim, & J. A. I. (Eds.), Psicologia Comunitária no mundo atual: Desafios, limites e fazeres, (pp. 175-195). Fortaleza, CE: Expressão Gráfica e Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3p97

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)