Sintomas depressivos, autorregulação emocional e suporte familiar: um estudo com crianças e adolescentes.

Lisandra Borges Lima, Janaína Thais Barbosa Pacheco

Resumo


A depressão infantil acarreta prejuízos em diferentes contextos da vida, tanto das crianças quanto de seus familiares. O objetivo do estudo foi verificar a prevalência de sintomas depressivos para uma amostra de escolares e buscar a relação entre descritores de depressão, autorregulação emocional e percepção do suporte familiar. Como objetivos secundários, buscou-se diferenças entre sexo e idade. Participaram 546 crianças e adolescentes, sendo a maioria (n=276; 50,5%) meninos, com idades entre 8 a 18 anos (M=12,65; DP=1,84). Os instrumentos utilizados foram a Escala Baptista de Depressão Infantil, Bateria de Indicadores de Depressão Infantojuvenil, Escala de Autorregulação Emocional e Inventário de Percepção de Suporte Familiar. Os resultados indicaram prevalência de sintomatologia leve (4,8%), moderada (20,3%) e severa (15%). A depressão mostrou-se associada a dificuldades de autorregulação emocional e percepção do suporte familiar. Conclui-se que o entendimento acerca da expressão da sintomatologia depressiva pode contribuir para diagnóstico e intervenção precoces.


Palavras-chave


depressão infantil; avaliação psicológica; saúde mental infantil

Texto completo:

PDF

Referências


American Psychiatric Association [APA] (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5ª ed. Porto Alegre, RS: Artmed.

Argimon, I. I., Terroso, L. B., Barbosa, A. S., & Lopes, R. M. F. (2013). Intensidade de sintomas depressivos em adolescentes através da escala de depressão de Beck (BDIII) Boletim Academia Paulista de Psicologia, 33(85), 354-372.

Avanci, J. Q., Assis, S. G., & Oliveira, R. V. (2008). Depressive symptoms during adolescence: A study on psychosocial factors in a sample of teenage students in a city in Rio de Janeiro State, Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 24(10), 2334-2346. doi:10.1590/S0102-311X2008001000014

Baptista, M. N. (2009). Inventário de Percepção do Suporte Familiar – IPSF: manual. São Paulo, SP: Vetor.

Baptista, M. N. (2017). Escala Baptista de Depressão - Versão Infanto-Juvenil (EBADEP-IJ). São Paulo, SP: HOGREFE.

Baptista, M. N., Baptista, A. S. D., & Dias, R. R. (2001). Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes. Psicologia Ciência e Profissão, 21(2), 52- 61. doi:10.1590/S1414-98932001000200007

Baptista, M. N., Borges, L., & Serpa, A. L. L. (2017). Gender and age-related differences in depressive symptoms among Brazilian children and adolescents. Paideia, 27(68), 46-53. doi:10.1590/1982-43272768201706

Baptista, M.N., Carneiro, A.M., & Sisto, F.F. (2010). Estudo psicométrico de Escalas de Depressão (EDEP e BDI) e o Inventário de Percepção de Suporte Familiar (IPSF). Psicologia em Pesquisa, 4(1), 65-73.

Baptista, M. N., Souza, M. S., & Alves, G. A. (2008). Evidências de validade entre a Escala de Depressão (EDEP), o BDI e o Inventário de Percepção de Suporte Familiar (IPSF). PsicoUSF, 13(2), 211-220. doi:10.1590/S1413-82712008000200008

Beck, A. T., Rush, A. J., Shaw, B. F., & Emery, G. (1997). Terapia Cognitiva da Depressão. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Borges, L. (2015). Construção da Bateria de Avaliação de Indicadores de Depressão Infantojuvenil – BAID-IJ. (Tese de doutorado). Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

Borges, L. & Baptista, M. N., 2015. Construção e estudos psicométricos da Bateria de Avaliação de Indicadores de Depressão Infantojuvenil (BAID-IJ). (Tese de doutorado). Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

Borges, L., Baptista, M. N., & Serpa, A. L. O. (2017). Structural analysis of depression indicators scale-children and adolescents (BAID-IJ): A bifactor-ESEM approach. Temas em Psicologia, 25(2), 545-552. doi:10.9788/TP2017. 2-08.

Burwell, R. A., & Shirk, S.R. (2007). Subtypes of rumination in adolescence: Associations between brooding, reflection, depressive symptoms, and coping. Journal Clinical Child and Adolescent Psychololy, 36(1), 56-65. doi:10.1080/15374410709336568.

Coutinho, J., Ribeiro, E., Ferreirinha, R., & Dias, P (2010). Versão portuguesa da Escala de Dificuldades de Regulação Emocional e sua relação com sintomas psicopatológicos. Revista de Psiquiatria clínica 37(4), 144-151. doi:10.1590/S0101-60832010000400001

Couto, I. S. L., Reis, D. M. L., & Oliveira, I. R. (2016). Prevalência de sintomas de depressão em estudantes de 11 a 17 anos da rede pública de ensino de Salvador. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, 15(3), 370-374. doi:http://dx.doi.org/10.9771/cmbio.v15i3.18205

Cruvinel, M., & Boruchocitch, E. (2011). Regulação emocional em crianças com e sem sintomas de depressão. Estudos em Psicologia (Natal), 16(3), 219-226.

Dancey, C. P., & Reid, J. (2013). Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre, RS: Artmed.

Dessen, M. A. (2010). Estudando a família em desenvolvimento: Desafios conceituais e teóricos. Psicologia: Ciência e Profissão, 30, 202-219.

Ferster, C. B., Culbertson, S., & Boren, C. P. (1977). Princípios do comportamento. (M. I. R. Silva, M. A. C. Rodrigues, & M. B. L. Pardo, Trad.). São Paulo, SP: Hucitec.

Girgus, J. S., & Yang, K. (2015). Gender and depression. Current Opinion in Psychology, 4, 53-60. doi:10.1016/j.copsyc.2015.01.019

Gonçalves, M., Baptista, M. N., & Farcas, D. (2016). IPSF: análise da estrutura interna em uma amostra de jovens adultos portugueses. Avaliação Psicológica, 15(1), 115-123. doi:10.15689/ap.2016.1501.12

Gratz, K. L., & Roemer, L. (2004). Multidimensional assessment of emotion regulation and dysregulation: Development, factor structure, and initial validation of the difficulties in emotion regulation scale. Journal Of Psychopathology and Behavioral Assessment, 26(1), 41-54. doi:10.1007/s10862-008-9102-

Howell, A. J., Digdon, N. L., & Buro, K. (2010). Mindfulness predicts sleep-related self-regulation and well-being. Personality and Individual Differences, 48(4), 419-424. doi:10.1016/j.paid.2009.11.009

Joormann, J., & Gotlib, I. H. (2010). Emotion regulation in depression: Relation to cognitive inhibition. Cognition Emotional, 24(2), 281-298. doi.org/10.1080/02699930903407948

Luby, J. L., Gaffrey, M. S., Tillman, R., Abril, L. M., & Belden, A. C. (2014). Trajectories of preschool disorders to full DSM depression at school age and early adolescence: Continuity of preschool depression. The American Journal of Psychiatric, 171(7), 768-776. doi:10.1176/appi.ajp.2014.13091198

Nelis, D., Quoidbach, J., Hansenne, M., & Mikolajczak, M. (2011). Measuring individual differences in emotion regulation: The Emotion Regulation Profile-Revised (ERP-R). Psychologica Belgica, 51(1), 49-91. doi:10.5334/pb-51-1-49

Noronha, A. P. P., & Baptista, M. N. (2016). Escala de Avaliação da Autorregulação Emocional – EARE. (Relatório técnico não publicado). Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

Organização Mundial de Saúde [OMS] (2000). Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Character strengths and virtues: A handbook and classification. New York, NY: Oford University Press/Washington, DC: APA

Porro, M.L., Andres, M.L. & Rodriguez-Espinola, S. (2012). Regulación emocional y cáncer: utilización diferencial de la expresión y supresión emocional en pacientes oncológicos. Avances en Psicología Latinoamericana, 30(2), 341-355.

Rigotto, D. M. (2006). Evidência de validade entre suporte familiar, suporte social e autoconceito. (Dissertação de mestrado). Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

Santos, T. M. M. (2006). Evidência de Validade entre Percepção de Suporte Familiar e Traços de Personalidade. (Dissertação de mestrado). Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

Thiengo, D. L., Cavalcante, M. T., & Lovisi, G. M. (2014). Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: Uma revisão sistemática. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 63(4), 360-372. doi.org/10.1590/0047-2085000000046

Weinberg, W. A.; Rutman, J.; Sullivan, L.; Penick, E. C., & Dietz, S. G. (1973). Depression in children referred to an education diagnostic center. Journal of Pediatrics, 83, 1065-1072.

Weiss, N. H., Gratz, K. L., & Lavender, J. M. (2015). Factor structure and initial validation of a multidimensional measure of difficulties in the regulation of positive emotions: The DERS-Positive. Behavior Modification, 39(3), 431-453. doi:10.1177/0145445514566504

World Health Organization [WHO] (2017). Depression. Recuperado de: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs369/en/




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n3suplp132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)