Bem-estar psicológico e meditação: um estudo associativo

Guilherme Gonçalves Votto, Hudson Cristiano Wander de Carvalho

Resumo


A meditação budista é amplamente estudada devido aos benefícios percebidos pelos meditadores. Todavia, quando o tema é bem-estar psicológico em relação à prática de meditação budista a literatura ainda é escassa. Essa pesquisa verificou a associação entre o bem-estar psicológico e indicadores de envolvimento com a meditação (tempo, frequência de prática e sentidos da prática para a vida do meditador) em dois centros de meditação budista Vajrayana. Foram avaliados 50 meditadores, maiores de 18 anos (M = 41,2 anos, DP=13,7) e que praticavam há pelo menos um mês completo. Os dados foram coletados por meio de três instrumentos de autorrelato e submetidos a análises descritivas e inferenciais. Percebeu-se a relação positiva entre o tempo de meditação e o domínio autoaceitação da escala de bem-estar utilizada, indicando que os anos de prática meditativa parecem estar relacionados a um maior autoconhecimento e uma maior atitude positiva em relação a si mesmo.


Palavras-chave


meditação; budismo; psicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Aveline, R. (2011). As transformações históricas do budismo e suas implicações ético-sociais (Tese de Doutorado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo

Brazier, A., Mulkins, A., & Verhoef, M. (2006). Evaluating a yogic breathing and meditation intervention for individuals living with HIV/AIDS. American Journal of Health Promotion, 20(3), 192-195. doi:10.4278/0890-1171-20.3.192

Canever, V. (2015). Contribuição do budismo para a autoconstrução do ser humano na perspectiva de uma educação para a inteireza. (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Cardoso, R., Souza, E., Camano, L., & Roberto, L. J. (2004). Meditation in health: An operational definition. Brain Research Protocols, 14(1), 58-60. doi:10.1016/j.brainresprot.2004.09.002

Chödron, T. (2006). O que é Budismo: Prefácio de Sua Santidade, o XIV Dalai Lama (4. ed.). Rio de Janeiro, RJ: Nova Era.

Ekman, P., Davidson, R. J., Ricard, M., & Wallace, B. A. (2005). Buddhist and psychological perspectives on emotions and well-being. Current Directions in Psychological Science, 14(2), 59-63. doi:10.1111/j.0963-7214.2005.00335.x

Gouveia, A. M. (2016). O filosofar budista: Breves reflexões sobre o fazer filosófico e as suas motivações. Kriterion: Revista de Filosofia, 57(133), 189-205. doi:10.1590/0100 512X2016N13309anp

Lazar, S. W., Kerr, C. E., Wasserman, R. H., Gray, J. R., Greve, D. N., Treadway, M. T., … Fischl, B. (2005). Meditation experience is associated with increased cortical thickness. Neuroreport, 16(17), 1893–1897.

Lutz, A., Greischar, L. L., Rawlings, N. B., Ricard, M., & Davidson, R. J. (2004). Long-term meditators self-induce high-amplitude gamma synchrony during mental practice. Proceedings of the National Academy of Sciences, 101(46), 16369-16373. doi:10.1073/pnas.0407401101

Machado, W. L., & Bandeira, D., R. (2012). Bem-estar psicológico: Definição, avaliação e principais correlatos. Estudos de Psicologia (Campinas), 29(4), 587-595. doi:10.1590/S0103-166X2012000400013

Machado, W. L. (2010). Escala de bem-estar psicológico: Adaptação para o português brasileiro e evidências de validade. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Machado, W. L., Bandeira, D., R., & Pawlowski, J. (2013). Validação da Psychological Well-being Scale em uma amostra de estudantes universitários. Avaliação Psicológica, 12(2), 263-272.

Menezes, C. B. (2009). Por que meditar? A relação entre o tempo de prática de meditação, o bem-estar psicológico e os traços de personalidade. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre).

Menezes, C., B., & Dell’Aglio, D. D., & Bizarro, L. (2011). Meditação, bem-estar e a ciência psicológica: Revisão de estudos empíricos. Interação Psicologia, 15(2), 239-248. doi:10.5380/psi.v15i2.20249

Menezes, C., B., & Dell’Aglio, D. D. (2009a). Os efeitos da meditação à luz da investigação científica em Psicologia: Revisão de literatura. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(2), 276-289. doi:10.1590/S1414-98932009000200006

Menezes, C., B., & Dell’Aglio, D. D. (2009b). Por que meditar? A experiência subjetiva da prática de meditação. Psicologia em Estudo, 14(3), 565-573. doi:10.1590/S1413-73722009000300018

Paschoal, T. (2008). Bem-estar no trabalho: Relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Ricard, M. (2007). Felicidade: A prática do bem-estar. São Paulo, SP: Palas Athena.

Rinpoche, C. T. (2012). O caminho budista: Uma breve introdução. Três Coroas, RS: Makara.

Ryff, C.D., & Keyes, C. L. (1995). The structure of psychological well-being revisited. Journal of Personality and Social Psychology, 69, 719-727. doi:10.1037//0022-3514.69.4.719

Ryff, C. D., & Singer, B. H. (2008). Know thyself and become what you are: A eudaimonic approach to psychological well-being. Journal of Happiness Studies, 9, 13-39. doi:10.1007/s10902-006-9019-0

Stroppa, A., & Moreira, A. A. (2008). A Religiosidade e saúde. In M. I. Salgado, & G. Freire (Eds.), Saúde e espiritualidade: Uma nova visão da medicina (pp. 427-443). Belo Horizonte, MG: Inede.

Usarski, F. (2008). Declínio do budismo "amarelo" no Brasil. Tempo Social, 20(2), 133-153. doi:10.1590/S0103-20702008000200007

Walsh, R., & Shapiro, S., L. (2006). The meeting of meditative disciplines and western psychology: A mutually enriching dialogue. American Psychologist, 61, 227-239. doi:10.1037/0003-066X.61.3.227




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3p60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)