O trabalho do psicólogo com grupo de adolescentes em privação de liberdade

Giulia Oliva Grassi, Beatriz Pires Coltro, Andréia Isabel Giacomozzi, Tathiana Reche Santa Rosa

Resumo


Nas políticas de atendimento aos adolescentes em conflito com a lei, evidencia-se a presença obrigatória do psicólogo nas equipes multidisciplinares de atendimento socioeducativo, cabendo a esses profissionais diferentes formas de atuar e, sobretudo a reflexão sobre o seu papel nesse sistema. Assim, este artigo discute a intervenção psicológica com grupos de adolescentes nas unidades de privação de liberdade a partir de um relato de experiência. Notou-se a necessidade entre os adolescentes de compartilharem as suas experiências com drogas, violência e tráfico, aspectos que constituem o que chamam de “mundo do crime”. Assim, entende-se fundamental para a coordenação de grupo com adolescentes em privação de liberdade o reconhecimento de suas histórias e experiências, considerando a postura ética que o profissional psicólogo deve assumir ao conduzir o trabalho grupal, cujo objetivo central é proporcionar um espaço de acolhida para discussão e reflexão coletivas. 


Palavras-chave


Grupo; Adolescentes em conflito com a lei; Medidas socioeducativas.

Texto completo:

PDF

Referências


Andaló, C. (2006). Mediação grupal: Uma leitura histórico-cultural. São Paulo, SP: Agora.

Azevedo, M. R. D. & Mello, V. M. R. M. (2009). Trabalhando em grupo com adolescentes. São Paulo, SP: Atheneu.

Bazon, M. R., Silva, J. L., & Ferrari, R. M. (2013). Trajetórias escolares de adolescentes em conflito com a lei. Educação em Revista, 29(2), 175-199. doi:10.1590/S0102-46982013000200008

Beiras, A. (2009). Grupos de homens autores de violência: Possibilidades de intervenção diante das recomendações propostas na Lei Maria da Penha. In S. L. R. Rovinski & R. M. Cruz. (Eds.), Psicologia Jurídica: Perspectivas teóricas e processos de intervenção (pp.129-144). São Paulo, SP: Vetor.

Brasil. (1990). Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF.

Brasil. (2012). Lei Nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional e dá outras providências. Brasília, DF.

Brasil. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos (SDH). (2017). Levantamento Anual SINASE 2014. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos. Recuperado em 02 de janeiro de 2018, de http://www.sdh.gov.br/noticias/pdf/levantamento-sinase-2014

Carvalho, V. A. & Silva, M. R. F. (2011). Política de segurança pública no Brasil: Avanços, limites e desafios. Revista Katálysis, 14(1), 59-67. doi:10.1590/S1414-49802011000100007

Castel, R. (1997) A dinâmica dos processos de marginalização: Da vulnerabilidade à “desfiliação”. Cadernos CRH, 26, 19-40. Recuperado em 02 de janeiro de 2018, de https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/view/18664

Conceição, M. I. G, Penso, M. A., Costa, L. F., & Carreteiro, T. C. O. (2016). Uma intervenção com adolescentes em conflito com a lei a partir da construção do método de história de vida. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(55), 46-63. Recuperado em 01 de janeiro de 2018, de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/135

Conselho Federal de Psicologia (2010). Referências técnicas para atuação de psicólogos no âmbito das medidas socioeducativas em unidades de internação. 36 p. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Costa, J. F. C. (2016). O trabalho de grupo como contexto de promoção de cooperação na Educação Pré-Escolar. (Dissertação de mestrado). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Ferrão, I. S., Santos, S. S., & Dias, A. C. G. (2016). Psicologia e Práticas Restaurativas na Socioeducação: Relato de Experiência. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 354-363. doi:10.1590/1982-3703000122014

Frota, A. M. M. C. (2007). Diferentes concepções da infância e adolescência: a importância da historicidade para sua construção. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 7(1), 147-160.

Gallo, A. E. (2008). Atuação do psicólogo com adolescentes em conflito com a lei: A experiência do Canadá. Psicologia em Estudo, 13(2), 327-324.

Gomes, C. C. & Conceição, M. I. G. (2014). Sentidos da trajetória de vida para adolescentes em medida de liberdade assistida. Psicologia em Estudo, 19(1), 47-58. doi:10.1590/1413-7372189590005

Guareschi, N. M. F., Reis, C. D., Huning, S. M., & Bertuzzi, L. D. (2007). Intervenção na condição de vulnerabilidade social: Um estudo sobre a produção de sentidos com adolescentes do programa do trabalho educativo. Estudos e pesquisas em Psicologia, 7(1), 20-30.

Mourão, A. N. M. & Silveira, A. M. (2014). Controle social informal e a responsabilização de jovens infratores. Caderno CRH, 27(71), 393-413. doi:10.1590/S0103-49792014000200011

Nardi. F. L., & Dell’Aglio, D. D. (2014). Trajetória de adolescentes em conflito com a lei após cumprimento de medida socioeducativa em meio fechado. Psico, 45(4), 541-550.

Pereira, M. R., & Gurski, R. (2014). A adolescência generalizada como efeito do discurso do capitalista e da adultez erodida. Psicologia & Sociedade, 26(2), 376-383.

Perfeito, D. M. (2005). Adolescentes infratores: Uma aprendizagem e uma luz na psicoterapia - relato de prática profissional. Psicologia para América Latina, (4).

Rosário, A. B. (2010). Grupo com adolescentes em privação de liberdade: Circulação da palavra como possibilidade de ressignificação do ato infracional. Revista SPAGESP, 11(1), 66-76.

Santos, M. N., & Menandro, M. C. S. (2017). Atuação profissional junto aos adolescentes em medida socioeducativa de internação: Um estudo com psicólogos. Interação em Psicologia, 21(2). doi:10.5380/psi.v21i2.34081

Silva, M. P., & Murta, S. (2009). Treinamento de habilidades sociais para adolescentes: uma experiência no programa de atenção integral à família (PAIF). Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 136-143. doi:10.1590/S0102-79722009000100018

Silva, R. (2015). A eficácia sociopedagógica da pena de privação de liberdade. Educação e Pesquisa, 41(1), 33-48. doi:10.1590/S1517-97022015011381

Schmitt, A. A., Nascimento, D. M., & Schweitzer, L. (2016). Grupo com adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de liberdade assistida: Relato da experiência em um centro de referência especializado em assistência social. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(2), 399-411.

Tomasi, L. O. & Macedo, M. M. K. (2015). Adolescência em conflito com a lei: A intensidade da história de vida em ato. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 31(1), 53-63. doi:10.1590/0102-37722015011723053063

Véras, M. P. B (2001). Exclusão Social - um problema brasileiro de 500 anos (notas preliminares). In B. Sawaia (Ed.), As artimanhas da exclusão (pp. 27-50). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Waiselfisz, J. J. (2014). Mapa da violência 2014: Os jovens do Brasil. Brasília, DF: Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americano.

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da violência 2015: Adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil. Brasília, DF: Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americano.

Winck, G. E., & Strey, M. N. (2009). “Palavra de pulso firme”: A coordenação de grupos com homens acusados de violência de gênero enquanto agente reflexivo e transformador. In: S. L. R. Rovinski & R. M. Cruz. (Eds.), Psicologia Jurídica: Perspectivas teóricas e processos de intervenção. (pp.145-158). São Paulo, SP: Vetor.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3p228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)