”Espelho, espelho meu”: reflexos do narcisismo na publicidade

Bruna Rabello de Moraes, Christiane Maria Sagebin Albuquerque de Miranda

Resumo


Este artigo discute a relação entre publicidade e narcisismo, a partir da teoria psicanalítica, visando problematizar a questão do sofrimento narcísico na atualidade. Pretende compreender a influência do contexto social na promoção ou perpetuação do sofrimento psíquico e o papel da publicidade nesse contexto.  Para ilustrar o que é “vendido” além do real produto na publicidade foram utilizados nove slogans. Conclui-se que a constante imposição de ideais narcísicos inalcançáveis pela publicidade, somados a uma sociedade com sujeitos que se utilizam de defesas narcísicas, como forma de se protegerem da instabilidade e da insegurança, gera um crescente desinvestimento narcísico dos objetos e um incremento das pulsões libidinais voltadas ao próprio ego, resultando no que Green (1988) denomina “narcisismo de morte”.


Palavras-chave


Narcisismo; Publicidade; Sociedade; Sofrimento Psíquico

Texto completo:

PDF

Referências


Alexander, F. (1984). The medical value of psychoanalysis. New York: International Universities Press.

Baudrillard, J. (1995). Para uma crítica da economia política do signo. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Baudrillard, J. (2001). O objeto. In J. Baudrillard, Senhas (pp. 9-12). Rio de Janeiro, RJ: Difel.

Bauman, Z. (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Bauman, Z. (2007). Tempos Líquidos. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Bauman, Z. (2010). Capitalismo Parasitário: E outros temas contemporâneos. (E. Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Bauman, Z., & Donskis, L. (2014). Cegueira Moral: A perda da sensibilidade na modernidade liquida. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Bergman, S. M., Fearrington, M. E., Davenport, S. W., & Bergman, J. Z. (2011). Millennials, narcissism, and social networking: What narcissists do on social networking sites and why. Personality and Individual Differences, 50(5), 706–711. doi:10.1016/j.paid.2010.12.022

Birman, J. (Ed.). (2009). Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Brandão, E. R., & Moraes, A. M. (2006). Publicidade on-line, ergonomia e usabilidade: o efeito de seis tipos de banner no processo humano de visualização do formato do anúncio na tela do computador e de lembrança da sua mensagem. Dissertação de Mestrado, Departamento de Artes & Design, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Caniato, A. M. P., & Nascimento, M. L. V. (2010). A subjetividade na sociedade de consumo: Do sofrimento narcísico em tempos de excesso e privação. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(2), 25-37.

Coca-Cola. (2009). Abra a felicidade. [Propaganda]. Recuperado de http://cargocollective.com/betinanilsson/Abra-a-felicidade-Coca-Cola-Sequencial-Midia-externa.

Costa, Â. B., & Hennigen, I. (2009). Psicologia e publicidade: Velhos e novos encontros. Revista FAMECOS, 1(40), 117-123. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/6327/4603

Debord, G. (2003). A sociedade do espetáculo. Belo Horizonte, MG: Coletivo Acrático Proposta.

Dessuant, P. (1992). O narcisismo. Rio de Janeiro: Imago.

Enriquez, E. (1991). Psicologia das massas e análise do ego. In E. Enriquez, Da Horda ao Estado: Psicanálise do vínculo social (pp. 47-79). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Fontenelle, I. A. (2002). O mundo de Ronald MCDonald: Sobre a marca publicitária e a sociedade midiática. Educação e Pesquisa, 28(1), 137-149.

Ford. (2008). A cidade está em suas mãos. [Propaganda]. Recuperado de https://artedesign.wordpress.com/2008/06/04/ford-fusion-a-cidade-em-suas-maos/

Ford. (2015). Aqui é liberdade, aqui é Ecosport. [Propaganda]. Recuperado de

Freud, S. (1974). Mal-estar da civilização. In S. Freud, Obras completas (Vol. 21, pp. 81-174). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1930).

Freud S. (1974). Sobre o narcisismo: Uma introdução. In S. Freud, Obras completas (Vol. 14, pp. 85-122). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1914).

Gobbi, A. S. (2008). O narcisismo na clínica contemporânea. Contemporânea - Psicanálise e Transdisciplinaridade, 06, 24-35. Recuperado de http://www.revistacontemporanea.org.br/site/wp-content/artigos/artigo186.pdf

Green, A. (1988). Narcisismo de vida, narcisismo de morte. São Paulo, SP: Escuta.

Guareschi, P. (2004). Psicologia Social Crítica: Como prática de libertação. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Hornstein, L. (2009). Narcisismo: Autoestima, identidade, alteridade. São Paulo, SP: Via Lettera: Centro de Estudos Psicanalíticos.

Khel, M. R. (2004). A publicidade e o mestre do gozo. Comunicação, mídia e consumo, 1(2), 77-91. doi:10.18568/cmc.v1i2.14

Kibon. (2013). Compartilhe felicidade. [Propaganda]. Recuperado de http://www.kibon.com.br/Brand/Brandslist.aspx

Lacan, J. (2008). O Seminário, Livro 7. A Ética da Psicanálise. (A. Quinet, Trad.) Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor. (Original publicado em 1960).

Laplanche, J. & Pontalis, J.B. (2001). Vocabulário da Psicanálise. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Lasch, C. (1983). A cultura do narcisismo: A vida americana numa era de esperança em declínio. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal – Ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Lipovetsky, G. (2004). Os tempos Hipermodernos. São Paulo, SP: Barcarolla.

Monti, M. R. (2008). Contrato narcisista e clínica do vazio. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(2), 239-253. doi:10.1590/S1415-47142008000200006

Newsom, C. R., Archer, R. P., Trumbetta, S., & Gottesman, I. I. (2003). Changes in adolescent response patterns on the MMPI/MMPI-A across four decades. Journal of Personality Assessment, 81, 74–84.

Nike. (2012). Grandeza não precisa de sorte, só de suor. [Propaganda]. Recuperado de http://www.comunique9.com.br/2012/12/grandeza-nao-precisa-de-sorte-so-de-suor_3.html

O Boticário. (2005). Use O Boticário e ponha o lobo mal na coleira. [Propaganda]. Recuperado de http://pubandmarketing.blogspot.com.br/2012/06/ponha-o-lobo-mau-na-coleira.html

Pão de Açúcar. (2014). Lugar de gente feliz. [Propaganda]. Recuperado de http://www.freewords.com.br/o-poder-do-slogan-nas-propagandas/

Retondar, A. M. (2003). O império do hedonismo: Sociedade de consumo e publicidade na era do globalismo. Doutorado, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Rocha, Z. (2014). A perversão dos ideais no fundamentalismo religioso. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, 17(Suppl.), 761-774. doi:10.1590/1415-4714

Rouanet, S. P. (Ed.). (1986). Teoria crítica e psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro.

Sales, L. S. (2005). Posição do estágio do espelho na teoria lacaniana do imaginário. Revista do Departamento de Psicologia – UFF, 17(1), 113-127. doi:10.1590/S0104-80232005000100009

Semi, A. A. (2011). O narcisismo: Necessário quando é sadio, ofuscante quando apaga os outros. São Paulo, SP: Loyola.

Severiano, M. F. V. (2001). Narcisismo e publicidade: Uma análise psicossocial do consumo na contemporaneidade. São Paulo, SP: Annablume.

Severino, E. F., Gomes, N. M., & Vicentini, S. (2011). A história da publicidade brasileira. Revista Eletrônica de Comunicação, 6(1), 2-19. Recuperado de http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rec/article/view/468.

Smirnoff. (2014). Liberte-se. [Propaganda]. Recuperado de: http://ar7e.com.br/2014/08/19/smirnoff-e-dona-da-campanha-umbrindeavidareal/

Storolow, R. (1975). Toward a functional definition of Narcissism. International Journal of Psycho-Analysis, 56(2), 179-186.

Tavares, L. A. T. (2010). A depressão como "mal-estar" contemporâneo: medicalização e (ex)-sistência do sujeito depressivo. São Paulo: Cultura acadêmica.

Twenge, J. M., & Campbell, W. K. (2009). The Narcissism Epidemic: Living in the age of entitlement. New York: Atria Paperback.

Twenge, J. M., Konrath S., Foster, J. D., Campbell, W. K., & Bushman, B.J. (2008). Egos inflating over time: A cross-temporal meta-analysis of the Narcissistic Personality Inventory. Journal of Personality, 76, 875–902.

Visa. (2009). Mais pessoas vão com Visa. [Propaganda]. Recuperado de: https://www.visa.com.br/site/redirects/mais-visa/imprensa/maispessoasvaocomvisa.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n1p126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)