Reflexões para a prática clínica ética-estética-política a partir da arte de Ernesto Neto

Fernando Silva Teixeira Filho, Murilo Galvão Amancio Cruz

Resumo


Este artigo propõe uma articulação entre arte contemporânea e clínica psicológica a partir da obra de Ernesto Neto. Auxiliados pelas perspectivas feministas e filosóficas pós-estruturalistas, problematizamos a clínica a fim de propor uma prática ética-estética-política voltada às interrupções dos modos de produção de subjetividade que normatizam a existência, e substituí-los pela produção de estados de arte que estimulam as diferenças e singularizações. Assim, abordaremos quatro pilares de problematização: a) arte e clínica; b) arte e estudos feministas; c) arte e filosofia; d) arte e corporeidade. A obra de arte contemporânea possibilita aos sujeitos repensarem sua relação com o mundo, mostrando um espaço de fuga do cotidiano, em que o sujeito deixa de pensar para respirar a própria vida pela via da sensação e não mais pela razão. Assim, o sujeito é convidado a forçar o pensamento a pensar pelo sentir e não pelo representar.


Palavras-chave


Clínica; Arte Contemporânea; Subjetividade; Sensação; Corporeidade

Texto completo:

PDF

Referências


Bergson, H. (1979). A evolução criadora. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1907).

Bergson, H. (1990). Matéria e memória: Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1896).

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira. (Trabalho original publicado em 1990).

Braga, E. C. (2004). Arte e sensação: A natureza sintética da sensação na experiência artística segundo Gilles Deleuze. Revista Digital Art &, 2(1), 1-9.

Crizel, A. P. (2015). Por uma pedagogia das sensações. In A. V. Munhoz, & C. B. Costa (Eds.), Francis Bacon e nós: Corpo, diagrama, sensação (pp. 42-45). Lajeado, RS: Editora da Univates.

Deleuze, G. (2006). Proust e os signos. Rio de Janeiro, RJ: Forense-Universitária. (Trabalho original publicado em 1964).

Deleuze, G. (2007). Lógica do Sentido. São Paulo, SP: Editora perspectiva. (Trabalho original publicado em 1969).

Deleuze, G. (2009). Diferença e repetição. São Paulo, SP: Graal. (Trabalho original publicado em 1968).

Deleuze, G., & Guattari, F. (1992). O que é a filosofia? Rio de Janeiro, RJ. (Trabalho original publicado em 1991).

Diamond, M. (1990). Sensation rising. Art Forum, 28(1), 122-125.

Feix, T. A. (2007). A inscrição do feminino/masculino na arte contemporânea. Revista Brasileira de Literatura Comparada, 10(1), 273-284.

Foster, H. (2001). El retorno de lo real: La vanguardia a finales de siglo. Madrid: Ediciones Akal. (Trabalho original publicado em 1996).

Guattari, F. (1992). O novo paradigma estético. In F. Guattari, Caosmose: Um novo paradigma estético (pp. 127-148). Rio de Janeiro, RJ: Ed. 34.

Gutierrez Perez, P. O. (2008). Orlan: Un cuerpo proprio. La ventana, 3(28), 270-293.

Levy, T. S. (2011). A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. São Paulo, SP: Civilização Brasileira.

Lopes, F. (2012). Ernesto Neto cria novas atmosferas em São Paulo. Blouinartinfo. Recuperado de http://br.blouinartinfo.com/news/story/817128/ernesto-neto-cria-novas-atmosferas-em-s%C3%A3o-paulo

Mezan, R. (2007). Que tipo de ciência é, afinal, a Psicanálise? Natureza Humana, 9(2), 319-359.

Molina, C. (2014). Carioca ocupa Guggenheim de Bilbao: Museu ganha retrospectiva do artista Ernesto Neto. O Estado de São Paulo. Recuperado de http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,carioca-ocupa-guggenheim-de-bilbao,1125390

Morin, E. (2003). A necessidade de um pensamento complexo. In C. Mendes (Ed.), Representação e complexidade (pp. 69-78). Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

Neto, E. (2008). A gente vai para o que ama – Entrevista. Arte & Ensaios, 16(1), 6-25. Recuperado de http://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-content/uploads/2012/01/ae16_entrevista_ernesto_neto.pdf

Pelbart, P. P. (1989). O pensamento do Fora. In P. P. Pelbart (Ed.), Da Clausura do Fora ao Fora da Clausura (pp.121-128). São Paulo, SP: Brasiliense.

Rivera, T. (2013). O avesso do imaginário: Arte contemporânea e psicanálise. São Paulo, SP: Cosaq-naif.

Rolnik, S. (1995). Subjetividade e História. Rua, 1(1), 49-61.

Rolnik, S. (1998). Por um estado de arte. A atualidade de Lygia Clark. In Fundação Bienal de São Paulo (Ed.), Núcleo Histórico: Antropofagia e Histórias de Canibalismos (pp. 456-467). São Paulo, SP: Editora da Fundação.

Rolnik, S. (2001). El arte cura? Quadernis Portatis, 2(1), 3-12.

Rolnik, S. (2015). Lygia Clark e o híbrido da arte/clínica. Concinnitas, 1(26), 104-112.

Sesc TV. (2014). “Museu Vivo: Ernesto Neto”. Youtube. Adicionado por Sesc TV em 5 de fevereiro de 2014. Recuperado de https://youtu.be/ZZmJchHWpDw

Teixeira-Filho, F. S. (2012). (Des)Articulações entre psicologia, arte e gêneros em busca da clínica das sensações. In G. H. Dionisio, & S. J. Benelli (Eds.), Políticas públicas e clínica crítica (pp. 101-121). São Paulo, SP: Cultura Acadêmica.

Trizoli, T. (2008). O Feminismo e a Arte Contemporânea – Considerações. Anais do 17º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas Panorama da Pesquisa em Artes Visuais (pp. 1495-1505). Florianópolis, SC: Anpap.

Ulpiano, C. (1996). Aula de 23/02/1996 – A vida criativa e a construção de um estilo. Recuperado de claudioulpiano.org.br.s87743.gridserver.com/?p=6884




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n2p126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)