Cuidar de idosos: um assunto de mulher?

Letícia Isaac, Camila Rafael Ferreira, Vanessa Santiago Ximenes

Resumo


O gênero é considerado por muitos pesquisadores um fator que influencia a escolha do cuidador de idosos. Essa revisão narrativa visa refletir sobre a ação da cultura como agente determinante na escolha da mulher como responsável pelo cuidar. Este artigo preconiza a redefinição do critério de escolha dos cuidadores, de forma a estabelecer o papel de cuidar para o familiar mais apto a realizá-lo, não sendo o gênero o seu determinante. Espera-se reforçar a necessidade de desenvolvimento de políticas sociais direcionadas à mulher, considerando a sobrecarga que acomete o cuidador. Discute-se o valor social atribuído à atividade de cuidado e a importância de torná-la mais favorável a quem a exerce. Conclui-se que debater sobre a influência da cultura nessa atividade predominantemente feminina é uma tarefa ardilosa, porém necessária quando se visa melhorias para os envolvidos no contexto do cuidar.


Palavras-chave


Cultura; Gênero; Mulheres; Cuidadores, Idosos

Texto completo:

PDF

Referências


Alisson, E. (2016, July 06). Brasil terá a sexta maior população de idosos do mundo em 2025. Agência FAPESP. Recuperado de http://agencia.fapesp.br/brasil_tera_sexta_maior_populacao_de_idosos_no_mundo_ate_2025/23513/

Angelo, M. (2009). Cultura e cuidado da família. In E. Nakamura, D. Martin, & J. F. Q. Santos (Eds.), Antropologia para enfermagem. São Paulo, SP: Manole.

Araújo, M. D. F. (2005). Diferença e igualdade nas relações de gênero: Revisitando o debate. Psicologia Clínica, 17(2), 41-52.

Barham, E. J., Pinto, F. N. F. R., Andrade. A. R., Lorenzini, M. F. J., & Ferreira, C. R. (2015). Fundamentos e estratégias de intervenção para a promoção de saúde mental em cuidadores de idosos. In S. G. Murta, C. Leandro-França, K. B. Santos, & L. Polejack (Eds.), Prevenção e promoção em saúde mental: Fundamentos, planejamento e estratégias de intervenção (pp. 844 – 862). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys Editora.

Bauab, J. P., & Emmel, M. L. G. (2014). Mudanças no cotidiano de cuidadores de idosos em processo demencial. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(2), 339-352.

Baum, W. M. (2006). Compreender o behaviorismo: Comportamento, cultura e evolução (M. T. A. Silva et al., Trans.). Porto Alegre, RS: Artmed (Trabalho original publicado em 1994).

Berg, J. A. & Woods, N. F. (2009). Global women’s health: A spotlight on caregiving. Nursing Clinics of North America, 44, 375–384. doi:10.1016/j.cnur.2009.06.003

Brasil, M. C., & Andrade, C. C. (2013). Reconfiguração de campo do familiar cuidador do portador de Alzheimer. Psicologia em Estudo, Maringá, 18(4), 713-723. doi:10.1590/S1413-73722013000400013

Braz, E., & Ciosak, S. I. (2009). O tornar-se cuidadora na senescência. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 13(2), 372-377. doi:10.1590/S1414-81452009000200019

Burlá, C., Py, L. & Scharfstein, E. A. (2010). Como estão sendo cuidados os idosos no final da vida? In A. A. Camarano (Ed.), Cuidados de longa duração para a população idosa: Um novo risco social a ser assumido (pp. 271-302). Rio de Janeiro, RJ: IPEA.

Cabral, F., & Díaz, M. (1998). Relações de gênero. In Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte/Fundação Odebrecht (Eds.), Cadernos afetividade e sexualidade na educação: Um novo olhar, (pp. 142-150). Belo Horizonte, MG: Editora Rona.

Camarano, A.A & Kanso, S. (2010). Como as famílias brasileiras estão lidando com idosos que demandam cuidados e quais as perspectivas futuras? A visão mostrada pelas PNADS. In A. A. Camarano (Ed.), Cuidados de longa duração para a população idosa: Um novo risco social a ser assumido? (pp. 93-122). Rio de Janeiro, RJ: IPEA.

Camargo, R. C. V. F. (2010). Implicações na saúde mental de cuidadores de idosos: Um necessidade urgente de apoio formal. Revista Eletrônica de Saúde Mental Álcool e Drogas, 6(2), 231-254.

Carvalho, A. M. A, Cavalcanti, V. R. S., Almeida, M. A. & Bastos, A. C. S (2008). Mulheres e cuidado: Bases psicobiológicas ou arbitrariedade cultural? Paidéia, 18(41), 431-444. doi:10.1590/S0103-863X2008000300002

Cunha, M. C. M. C. (2011). Impacto positivo do acto de cuidar no cuidador informal do doso: Um estudo exploratório nos domicílios do concelho de Gouveia. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Da Motta, A. B. (2015). As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Cadernos Pagu, (13), 191-221.

Debert, G. G. & Oliveira, A. M. (2015). A profissionalização da atividade de cuidar de idosos no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política, (18), 7-41. doi:10.1590/0103-335220151801

Ferreira, C. R., & Barham, E. J. (2016). Uma intervenção para reduzir a sobrecarga em cuidadores que assistem idosos com doença de Alzheimer. Revista Kairós Gerontologia, 19(4), pp. 111-130.

Frizzo, G. B., Kreutz, C. M., Schmidt, C. P., Piccinini, C. A., & Bosa, C. (2005). O conceito de coparentalidade e suas implicações para a pesquisa e para a clínica. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 15(3), 84-93.

Leite, C. D. S. M., Menezes, T. L. M., Lyra, E. V. V., & Araújo, C. M. T. (2014). Conhecimento e intervenção do cuidador na doença de Alzheimer: Uma revisão da literatura. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 63(1), 48-56. doi:10.1590/0047-2085000000007.

Karsch, U. M. (2003). Idosos dependentes: Famílias e cuidadores. Caderno de Saúde Pública, 19(3), 861-866.

Mafra, S. C. T. (2011). A tarefa do cuidar e as expectativas sociais diante de um envelhecimento demográfico: A importância de ressignificar o papel da família. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 14(2), 353-364. doi:10.1590/S1809-98232011000200015.

Malott, M. E. (1999). Creating lasting organizational changes. Performance improvement, 38(2), 33-36. doi:10.1002/pfi.4140380209

Martone, R. C., & Todorov, J. C. (2007). O desenvolvimento do conceito de metacontingência. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 3(2), 181-190. doi:10.18542/rebac.v3i2.830

Ministério do Trabalho (2016). Classificação Brasileira de Ocupações: CBO. Brasília, DF: MTE, SPPE. Recuperado de: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/saibaMais.jsf

Moreira, M. B. (2013). Comportamento e práticas culturais. Brasília, DF: Instituto Walden4.

Neri, A. L. (2014). Palavras-chave em gerontologia. Campinas, SP: Editora Alínea.

Oliveira, A. P. P., Caldana, R. H. L. (2012). As repercussões do cuidado na vida do cuidador familiar do idoso com demência de Alzheimer. Saúde e Sociedade, 21(3), 675-685. doi:10.1590/S0104-12902012000300013

Perracini, M. R., & Neri, A. L. (2012) Tarefas de cuidar: Com a palavra, mulheres cuidadoras de idosos de alta dependência. In A. L Neri (Ed.), Cuidar de idosos no contexto da família: Questões psicológicas e sociais (3a. ed., pp. 165-201). Campinas, SP: Alínea.

Pinquart, M. & Sörensen, S. (2003). Differences between caregivers and noncaregivers in psychological health and physical health: A meta-analysis. Psychology and Aging, 18(2), 250-267. doi:10.1037/0882-7974.18.2.250

Pinto, F. N. F. R, Barham, E. J., & Albuquerque, P. P. (2013). Idosos vítimas de violência: Fatores sociodemográficos e subsídios para futuras intervenções. Revista Estudos e Pesquisa em Psicologia, 13(3), 1159-1181.

Pinto, F. N. F. R., Barham, E. J., & Del Prette, Z. A. P. (2016). Interpersonal conflicts among family caregivers of the elderly: The importance of social skills. Paidéia, 26(64), 161-170. doi:10.1590/1982-43272664201605

Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos (2003). Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm

Seima, M. D., & Lenardt, M. H. (2011). A sobrecarga do cuidador familiar de idoso com Alzheimer. Textos & Contextos, 10(2), 388-398.

Scott, J. (1995). Gênero: Uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Silva, R. M. F. M., & Santana, R. F. (2014). Diagnóstico de enfermagem "tensão do papel de cuidador": Revisão integrativa. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(4), 887-896. doi:10.1590/1809-9823.2014.13069

Sinnott, J. D., & Shifren, K. (2001). Gender and aging: Gender differences and gender roles. In Birren, J. E.; Schaie, KW. (Eds.), Handbook of Psychology and Aging (5a ed., pp. 454-467). San Diego, CA: Academic Press.

Schneider, R. H. & Irigaray, T. Q. (2008). O envelhecimento na atualidade: Aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, 25(4), 585-593.

Skinner, B. F. (1981). Selection by consequences. Science, 213, 501-504. doi:10.1126/science.7244649

Skinner, B. F. (1983). O mito da liberdade (E. R. B. Rebelo, Trans.). São Paulo, SP: Summus. (Texto original publicado em 1971).

Skinner, B. F. (2003). Ciência e comportamento humano (J. C. Todorov & R. Azzi, Trans.) 11a ed. São Paulo, SP: Martins Editora (Trabalho original publicado em 1953).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n1p108

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)