O estranhamento do banal: a poética magritteana sob um olhar psicanalítico

Alan Ricardo Floriano Bigeli, Gustavo Henrique Dionisio

Resumo


O presente artigo pretende construir possíveis relações entre a psicanálise e algumas das obras mais inquietantes de René Magritte (1898 – 1967), mantendo consonância com a curadoria de uma exposição sobre o artista, chamada “Magritte: The Mystery of the Ordinary”. Para tanto, além de nos debruçarmos sobre materiais de comentadores e críticos da obra do pintor, investigamos também os textos produzidos pelo próprio Magritte, nos quais o pintor versa sobre conceitos fundamentais para a compreensão de seu pensamento artístico: emoção estética, poética, mistérios do cotidiano, estranhamento (ressoante ao Umheimlich freudiano). Tivemos aqui o cuidado de manter alguma distância de interpretações superficiais e reducionistas, que simplesmente aplicassem a psicanálise à obra de arte. Portanto, buscamos construir uma leitura crítica, atenta aos detalhes e atravessamentos que percorrem as obras de arte, evidenciando as implicações ali presentes e propondo aproximações entre a obra de Magritte e a teoria psicanalítica.


Palavras-chave


Psicanálise; Arte; Reflexões Estéticas.

Texto completo:

PDF

Referências


Breton, A. (1985). Manifestos do Surrealismo. São Paulo, SP: Editora Brasiliense.

Bradley, F. (2001). Surrealismo. São Paulo, SP: Cosac Naify.

Didi-Huberman, G. (1998) O que vemos, o que nos olha. São Paulo, SP: Ed. 34.

Dionisio, G. H. (2012). Pede-se abrir os olhos: Psicanálise e reflexão estética hoje. São Paulo, SP: Annablume.

Dolar, M. (1992) “I shall be with you on your wedding-night”: Lacan and the Uncanny. October, 58, 5-23. doi: 10.2307/778795

Draguet, M., & Goormans, C. (2013). Once the image is isolated. What happens to the mind? In A. Umland (Ed.), Magritte: The Mystery of the Ordinary, 1926–1938 (pp. 26-42). Nova York, NY: The Museum of Modern Art.

Freud, S. (1996). O “Estranho”. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 17, pp. 233-270). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1919).

Freud, S. (2013). Moisés de Michelangelo. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 11, pp. 373-412). São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1914).

Freud, S. (1930/2014). O mal-estar na civilização. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 13-122). São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1914).

Foucault, M. (2008). Isto não é um cachimbo. Rio de Janeiro, RJ: Paz e terra.

Gablik, S. (1985). Magritte. London: Thames and Hudson.

Helfenstein, J., & Elliott, C. (2013). A lightning flash is smoldering beneath the bowler hats. In A. Umland (Ed.), Magritte: The Mystery of the Ordinary (pp. 70-88). Nova York, NY: The Museum of Modern Art.

Jakobi, M. (2006). Jean Dubuffet et la fabrique du titre. Paris: CNRS Éditions.

Magritte, R. (1927a). La Fin des contemplations. Private collection. Recuperado de: https://www.menil.org/collection/objects/2329-an-end-to-contemplation-la-fin-des-contemplations

Magritte, R. (1927b). Le Double secret. Chicago, Art Institute of Chicago. Recuperado de: https://www.artsy.net/artwork/rene-magritte-the-secret-double-le-double-secret

Magritte, R. (1929a). La Trahison des images. Los Angeles, Los Angeles County Museum of Art. Recuperado de: https://collections.lacma.org/node/239578

Magritte, R. (1929b). Le Faux miroir. New York, Museum of Modern Art. Recuperado de: https://www.moma.org/explore/multimedia/audios/378/6536

Magritte, R. (1935). Le Portrait. New York, Museum of Modern Art. Recuperado de: https://www.moma.org/collection/works/79990?locale=en

Magritte R. (1954). L’Empire des lumières. Brussels, Musées Royaux des Beaux-Arts de Belgique Recuperado de: https://www.fine-arts-museum.be/fr/la-collection/rene-magritte-lempire-des-lumieres

Magritte, R. (2009). Écrits completes. France: Flammarion.

Magritte, R. (2010). Escritos. Madrid: Sintesis.

Merleau-Ponty, M. (2004). O olho e o espírito. São Paulo, SP: Cosac Naify.

Pareyson, L. (1997). Os problemas da estética. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Sousa, F. E. (2007). O estranho na obra de arte. Diálogos: Boletim do Ágora Instituto Lacaniano, (02), 20-23. Disponível em: http://agorainsti.dominiotemporario.com/doc/boletim_2_ano_2007[1].pdf#page=20.

Umland, A. (2013). “This is how marvels begin”. In A. Umland (Ed.). Magritte: The Mystery of the Ordinary, 1926–1938 (pp. 26-42). Nova York, NY: The Museum of Modern Art.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n1p26

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)