Conhecimento do diabetes tipo 2 e relação com o comportamento de adesão ao tratamento

Sandra Araújo da Silva, Sergio Henrique de Souza Alves

Resumo


O Diabetes Mellitus (DM) tipo 2 pode ser prevenido e controlado desde que a pessoa faça algumas adaptações em seu estilo de vida. O conhecimento do paciente frente a doença pode contribuir com a baixa adesão ao tratamento, ou seja, não seguir as recomendações passadas pela equipe de saúde. O objetivo deste estudo foi relacionar o conhecimento do participante sobre o DM tipo 2 e comportamento de adesão ao tratamento. Foi realizada uma pesquisa qualitativa com cinco diabéticos que responderam a uma entrevista semiestruturada. Após realizada uma análise de conteúdo observou-se que a comunicação do diagnóstico não foi considerada fator de não adesão. Os participantes conseguiram promover mudanças em costumes cristalizados há algum tempo sem alto custo de resposta e apresentaram comportamento de adesão para autocuidado, por exemplo: exercícios físicos e uso de medicação. Em contrapartida, observou-se baixa adesão para seguir dieta alimentar prescrita por profissional de saúde.

Palavras-chave


diabetes tipo 2; adesão ao tratamento; conhecimento da doença

Texto completo:

PDF

Referências


American Diabetes Association [ADA]. (2012). Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Diabetes Care, 35(1), S64-S71. doi:10.2337/dc12-s064

Almeida, H. O., Versiani, E. R., Dias, A. R., Novaes, M. R. C. G., & Trindade, E. M. V. (2007). Adesão a tratamentos entre idosos. Comunicação em Ciências da Saúde, 18(1), 57-67.

Araújo, G. R. (2014). Baixa adesão ao tratamento de diabetes: Plano de intervenção. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Minas Gerais, Governador Valadares.

Assunção T. S., & Ursine, P. G. S. (2008). Estudo de fatores associados à adesão ao tratamento não farmacológico em portadores de diabetes mellitus assistidos pelo Programa Saúde da Família, Ventosa, Belo Horizonte. Ciência & Saúde Coletiva, 13(2), 2189-2197. doi:10.1590/S1413-81232008000900024

Azevedo, R., & Paz, M. (2006). A prevalência de Hipertensão Arterial em idosos atendidos no centro de convivência para idosos em Cuiabá. Estudos Interdisciplinares Sobre o Envelhecimento, 9, 101-115.

Boas, L. C. G. V., Foss, M. C., Foss-Freitas, M. C., Torres, H. C., Monteiro, L. Z., & Pace, A. E. (2011). Adesão à dieta e ao exercício físico das pessoas com diabetes mellitus. Texto & Contexto – Enfermagem, 20(2), 272-279. doi:10.1590/S0104-07072011000200008

Ministério Saúde. (2006). Diabetes mellitus. Caderno de Atenção Básica, (16). Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus.PDF

Ministério da Saúde. (2011). Vigitel Brasil 2010: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. (Série G. Estatística e Informação em Saúde). Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_2010.pdf

Broadbent, E., Donkin, L., & Stroh, J. C. (2011). Illness and treatment perceptions are associated with adherence to medications, diet, and exercise in diabetic patients. Diabetes Care, 34(2), 338-40. doi:10.2337/dc10-1779

Casseb, M.S., Bispo, M.S.M., & Ferreira, E.A.P. (2008). Automonitoração e Seguimento de Regras Nutricionais em Diabetes: Dois Estudos de Caso. Interação em Psicologia, 12(2), 223-233. doi:10.5380/psi.v12i2.10392

Costa, J. A., Balga, R. S. M., Alfenas, R. C. G., & Cotta, R. M. M. (2011). Promoção da saúde e diabetes: Discutindo a adesão e a motivação de indivíduos diabéticos participantes de programas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 16(3), 2001-2009. doi:10.1590/S1413-81232011000300034

Costa, K. S., Barros, M. B. A., Francisco, P. M. S. B., César, C. L. G., Goldbaum, M., & Carandina, L. (2011). Utilização de medicamentos e fatores associados: Um estudo de base populacional no município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 27(4), 649-658. doi:10.1590/S0102-311X2011000400004

Espírito Santo, M. B., de Souza, L. M. E., de Souza, A. C. G., Ferreira, F. M., Silva, C. N. M. R., & Taitson, P. F. (2012). Adesão dos portadores de diabetes mellitus ao tratamento farmacológico e não farmacológico na atenção primária à saúde. Enfermagem Revista, 15(1), 88-101.

Gherman, A., Schnur, J., Montgomery, G., Sassu, R., Veresiu, I., & David, D. (2011). How are adherent people more likely to think? A meta-analysis of health Beliefs and diabetes self-care. The Diabetes EDUCATOR, 37(3), 392-408. doi: 10.1177/0145721711403012

Gil, G. P., Haddad, M. C. L., & Guariente, M. H. D. M. (2008). Conhecimento sobre diabetes mellitus de pacientes atendidos em programa ambulatorial interdisciplinar de um hospital universitário público. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 29(2), 141-154. doi:10.5433/1679-0367.2008v29n2p141

Gimenes, H. T., Zanetti, M. L., Otero, L. M., & Teixeira, C. R. S. (2006). O conhecimento do paciente diabético tipo 2 acerca dos antidiabéticos orais. Ciência, Cuidado e Saúde, 5(3), 317-325. doi:10.4025/cienccuidsaude.v5i3.5034

Gross, J. L., Silveiro, S. P., Camargo, J. L., Reichelt, A. J., & Azevedo, M. J. (2002). Diabetes Melito: Diagnóstico, classificação e avaliação do controle glicêmico. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, 46(1), 16-26. doi:10.1590/S0004-27302002000100004

Grillo, M. de F. F., & Gorini, M. I. P. C. (2007). Caracterização de pessoas com Diabetes Mellitus Tipo 2. Revista Brasileira de Enfermagem, 60(1), 49-59. doi:10.1590/S0034-71672007000100009

Grilo, M. R. M., Sousa, C., & Mcintyre, T. (2008). Conhecimento do diabético sobre a doença. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 21(4), 281-289.

Kluber-Ross, E. (2012) Sobre a morte e o morrer: O que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e a seus próprios parentes. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14.ed.). São Paulo, SP: Hucitec.

Pereira, J. G., Cardoso, M. I., & De Moraes, M. A. M. (2011). Práticas de autocuidado desenvolvidas por diabéticos tipo 2 em uma unidade de saúde da família. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 2(1), 277-290.

Péres, D. S., Santos, M. A., Zanetti, M. L., & Ferronato, A. A. (2007). Dificuldades dos pacientes diabéticos para o controle da doença: Sentimentos e comportamentos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15(6), 1105-1112. doi:10.1590/S0104-11692007000600008

Santos, L. A. S. (2008). O corpo, a comer e a comida: Um estudo sobre as práticas alimentares cotidianas a partir da cidade de Salvador – Bahia. Salvador, BA: EDUFBA.

Silveira, J. A. A., Resende, H. M. P., Filho, A. M. L., & Pereira, J. G. (2010). Características da assistência à saúde a pessoas com diabetes mellitus acompanhadas na unidade de saúde da Família Pedregal II, em Cuiabá em MT: reflexões para a equipe de saúde. O Mundo da Saúde, 34(1), 43-49.

Silva, I., Pais-Ribeiro, J., Cardoso, H. (2006). Adesão ao tratamento da diabetes mellitus: a importância das características demográficas e clínicas. Referência, 2(2), 33-41.

Sociedade Brasileira de Diabetes [SBD]. (2007). Tratamento e acompanhamento do Diabetes Mellitus: diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Rio de Janeiro, RJ: Diagraphic.

Sociedade Brasileira de Diabetes [SBD]. (2009). Diretrizes da sociedade brasileira de diabetes (3. ed.). Itapevi, SP: A. Araújo Silva Farmacêutica.

Tavares, B. C., Barreto, F. A., Lodetti, M. L., Silva, D. M. G. V., Lessmann, J. C. (2011). Resiliência de pessoas com diabetes mellitus. Texto & Contexto- Enfermagem, 20(4), 751-757. doi:10.1590/S0104-07072011000400014

Torres, H. C., Pace, A. E., & Stradioto, M. A. (2010). Análise sociodemográfica e clínica de indivíduos com diabetes tipo 2 e sua relação com o autocuidado. Cogitare Enfermagem, 15(1), 48-54. doi:10.5380/ce.v15i1.17144

World Health Organization (2003). Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva: World Health Organization.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n2p39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)