Ambivalências do ser mãe: um estudo de caso em psicologia hospitalar

Marina Nogueira de Assis Fonseca, Tamires Sousa Rocha, Evandro de Quadros Cherer, Daniela Scheinkman Chatelard

Resumo


A gestação, ainda que vivenciada por muitas mulheres, não se trata de uma experiência igual para todas. Diversos aspectos sociais e subjetivos influenciam esse período. Assim, as intervenções do profissional da psicologia se demonstram relevantes, pois atuam possibilitando o encontro da mulher com o exercício da maternidade à sua maneira. Este relato trata de um estudo de caso de uma mãe atendida na maternidade de um hospital público de Brasília. Particularmente, buscou-se refletir a respeito das ambivalências presentes na experiência da maternidade.  No caso investigado, o sentimento de culpa materno resultou em associar a rejeição atual do bebê com a recusa inicial da gestação. Assim, o lugar simbólico cedido ao bebê, bem como a história materna, foram elementos cruciais desenvolvidos nos atendimentos. A partir do caso investigado percebeu-se a importância de pôr em questão algumas ambivalências, conflitos e questionamentos que permeiam a maternidade, opondo-se a uma tendência social em idealizá-la.


Palavras-chave


gestação; maternidade; psicologia hospitalar

Texto completo:

PDF

Referências


American Psychological Association (2010). Dicionário de Psicologia APA. Porto Alegre, RS: Artmed.

Almeida, R. A. & Malagris, L. E. N. (2011). A prática da psicologia da saúde. Revista da SBPH, 14(2), 183-202.

Azevedo, K. R., & Arrais, A. R. (2006). O Mito da Mãe Exclusiva e seu Impacto na Depressão Pós-Parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(2), 269-276. doi:0.1590/S0102-79722006000200013

Baltazar, D. V. S., Gomes, R. F. S., & Cardoso, T. B. D. (2010). Atuação do psicólogo em unidade neonatal: Construindo rotinas e protocolos para uma prática humanizada. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 13(1), 2-18.

Bortoletti, F. F. (2007). Psicodinâmica do ciclo gravídico puerperal. In F. F. Bortoletti et al. (Eds), Psicologia na prática obstétrica: Abordagem interdisciplinar (pp. 21-31). São Paulo, SP: Manole.

Braga, M.C.C., Boas, L.M.V. & Chatelard, D.S. (2013). Escuta psicanalítica de gestantes no contexto ambulatorial: Uma experiência em grupos de fala. Psico Porto Alegre PUCRS, 1(44), 8-15.

Caldas, D B., Silva, A. L. R., Böing, E., Crepaldi, M. A., & Custódio, Z. A. O. (2013). Atendimento psicológico no pré-natal de alto-risco: A construção de um serviço. Psicologia Hospitalar, 11(1), 66-87.

Conselho Federal de Psicologia (2001). Resolução CFP Nº 02/01: Altera e regulamenta a Resolução CFP nº 014/00 que institui o título profissional de especialista em psicologia e o respectivo registro nos Conselhos Regionais. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Cunha, A. C. B., Santos, C. & Gonçalves, R. M. (2012). Concepções sobre maternidade, parto e amamentação em grupo de gestantes. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 64(1), 139-155.

Darchis, E. (2000). L’instauration de la parentalité et ses avatars. In F. Aubertel et al. (Eds), Le divan familial – blessures de la filiation (pp. 27-42). Paris: In Press Éditions.

Demes, J. R., Chatelard, D. S., Celes, L. A. M. (2011). O Feminino como metáfora do sujeito na Psicanálise. Revista Mal-estar e Subjetividade, 11(2), 645–667.

Ferrari, A. G., & Piccinini, C.A. (2010). Função materna e mito familiar: Evidências a partir de um estudo de caso. Ágora, 13(1), p. 243-257. doi:10.1590/S1516-14982010000200007

Franco, M. H. P. (2008). Cuidados paliativos. São Paulo, SP: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.

Freire, T. C. G., & Chatelard, D. S. (2009). O aborto é uma dor narcísica irreparável?. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 9(3), 1007-1022.

Grant, W. H. (2001). Colóquio do LEPSI: A maternidade, o trabalho e a mulher. São Paulo, SP: USP.

Lopes R. C. S., Donelli T. S., Lima C. M., & Piccinini C. A. (2005). O antes e o depois: Expectativas e experiências de mães sobre o parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(2), 247-254. doi:10.1590/S0102-79722005000200013

Maldonado, M. T. P. (1997). Psicologia da gravidez. Petrópolis, RJ: Vozes.

Milbradt, V. (2008). Afetividade e gravidez indesejada, os caminhos de vínculo mãe-filho. Revista Pensamento Biocêntrico, 9, 111-133.

Moraes L. L. (2010). Maternidade: o sonho de toda mulher?. In M. G. Carvalho (Ed.). Anais do VIII Congresso Iberoamericano em Ciência, Tecnologia e Gênero. Curitiba, Paraná.

Moro, M. R. (2005). Os ingredientes da parentalidade. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 8(2), 258-73. doi:10.1590/1415-47142005002005

Mota, R. A., Martins, C. G. M., & Véras, R. M. (2006). Papel dos profissionais de saúde na política de humanização hospitalar. Psicologia em Estudo – Maringá, 11(2), 323-330. doi:10.1590/S1413-73722006000200011

Motta L. A., Costa K. S., & Chatelard D. S. (2008). O diário do bebê: Relato de uma experiência em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Encontro: Revista de Psicologia 11(16), 167-174.

Mutarelli, A. (2015). O serviço de psicologia no hospital: Modelo assistencial de cuidado na busca pela promoção de saúde. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 18(1), 173-188.

Nunes, S. A. (2011). Afinal, o que querem as mulheres? Maternidade e mal-estar. Psicologia Clínica, 23(2), 101-115. doi:10.1590/S0103-56652011000200007

Porto, G., & Lustosa, M. A. (2010). Psicologia Hospitalar e Cuidados Paliativos. Revista da SBPH, 13(1), 76-93.

Rodulfo, R. (1990). O brincar e o significante: Um estudo psicanalítico sobre a constituição precoce. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Romano, B.W. (1999). Princípios para a prática clínica em hospitais. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Simas, F.B., Souza, L.V., & Scorsolini-Comin, F. (2013). Significados da gravidez e da maternidade: Discursos de primíparas e multíparas. Psicologia: Teoria e Prática, 15(1), 19-34.

Stellin, R. M. R., Monteiro, C. F. A., Albuquerque, R. A., & Marques, C. M. X. C. (2011). Processos de construção de maternagem. Feminilidade e maternagem: Recursos psíquicos para o exercício da maternagem em suas singularidades. Estilos da Clínica, 16(1), 170-185.

Taguchi, M. C. M., & Pio, D. A. M. (2014). Uma leitura psicanalítica da vivência da maternidade nos casos de aborto e prematuridade. Revista Psicologia e Saúde, 6(2), 56-61.

Winnicott, D. W. (2000). A preocupação materna primária. In D. W. Winnicott, Da pediatria à psicanálise: Obras escolhidas (pp. 309-405). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1956).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n2p141

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)