Das possibilidades de trabalho com a psicanálise no contexto de uma clínica-escola

Wânia Suely Santos da Silva, Luhilda Ribeiro Silveira, Gleiciane Mendes Costa, Luiza Adelaide Vieira Naue

Resumo


Este trabalho decorre da experiência docente e discente em relação à prática da psicanálise em uma clínica-escola de um curso de Psicologia. Situamos, primeiramente, a história da inclusão da psicanálise nos cursos de graduação de psicologia. Em seguida discutimos o ensino teórico e, sobretudo, os desafios que se impõem a uma prática de estágio em clínica psicanalítica frente às questões que circundam e regulamentam o próprio funcionamento da universidade. Nessa via, ressaltamos que a formação do analista não é acadêmica e as diferenças fundamentais entre psicanálise e psicoterapia. Assim, abrimos espaços para que sejam evidenciados os embaraços encontrados na experiência no que toca de perto o estágio em clínica psicanalítica, situado como uma das modalidades de formação em um curso de psicologia, apontando limites e possibilidades de um trabalho que possa se aproximar e abrir caminhos para os alunos que forem capturados pela psicanálise.


Palavras-chave


Psicanálise; Universidade; Clínica-Escola

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, M. A. P. (2005). A psicologia no Maranhão: Percursos históricos. São Luís, MA: EDUFMA.

Féres-Carneiro, T. (2013). Departamento de psicologia da PUC-Rio: 60 anos de formação e produção de conhecimento. Psicologia Clínica, 25(2), 233-241. doi:10.1590/S0103-56652013000200014

Figueiredo, A.C., & Vieira, M. A. (2002). Psicanálise e ciência: Uma questão de método. In W. Beividas (Org.), Psicanálise, pesquisa e universidade (p.13- 31). Rio de Janeiro, RJ: Contra Capa.

Freud, S. (1996). A dinâmica da transferência. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 12). São Paulo, SP: Imago. (Original publicado em 1912).

Freud, S. (1996). A questão da análise leiga. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 20), São Paulo, SP: Imago. (Original publicado em 1926).

Freud, S. (1996). O sentido do sintoma. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 16). São Paulo, SP: Imago. (Original publicado em 1916).

Freud, S. (1996). Sobre o ensino da psicanálise na universidade. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 17). São Paulo, SP: Imago. (Original publicado em 1919).

Freud, S. (1996). Um caso de histeria. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 7). São Paulo, SP: Imago. (Original publicado em 1905).

Góes, M. I. (2009). A regulamentação, a psicanálise e as psicoterapias. In S. Alberti (Org.), O ofício do psicanalista: Formação versus regulamentação (pp. 89-98). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Lacan, J. (1998). A direção do tratamento e os princípios do seu poder. In Escritos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Trabalho original publicado em 1958).

Lacan, J. (1998). O seminário: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. (Livro 11). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Original publicado em 1964).

Lacan, J. (1994). Variantes de um tratamento Padrão. In Escritos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Ed. (Original publicado em 1955).

Ministério da Educação. (2000). Padrões de qualidade para cursos de graduação em psicologia. Brasília, DF: MEC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/psicologia.pdf

Ministério do Trabalho e do Emprego. (2002). CBO – Classificação Brasileira de Ocupação. Portaria nº 397, de 09/10/2002. Recuperado de http://www.mtecbo.gov.br/

Oliveira. C. L. M. V. (2014). Psicanálise e universidade: A trajetória paulista. In Anais do Sexto Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental. Belo Horizonte, MG: PUC-MG. Recuperado de http://www.fundamentalpsychopathology.org/uploads/files/Anais%20Congresso%202014/Mesas%20Redondas/17.1.pdf

Presidência da República do Brasil. (1962). Lei 4.119 de 27 de agosto de 1962. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-969/L4119.htm

Presidência da República do Brasil. (2008). Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n1p143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)