Violência contra mulher: concepções e práticas de profissionais de serviços públicos

Tatiana Machiavelli Carmo Souza, Fernanda Ferreira Rezende

Resumo


A violência contra a mulher decorre da desigualdade de gênero e acarreta danos psicológicos, físicos, morais, patrimoniais e sexuais. Apesar da alta prevalência, ela ainda é pouco identificada nos serviços de saúde, constituindo-se em um problema para a efetivação de políticas públicas de enfrentamento da violência. O estudo investigou as concepções e práticas de profissionais de saúde acerca do fenômeno da violência contra mulher. Foi realizado estudo qualitativo, cuja amostra foi composta por 9 participantes (três médicas, três enfermeiras e três psicólogas) que atendiam mulheres nas unidades públicas de saúde de Jataí/GO. Para a obtenção de dados, foi utilizada entrevista individual e semiestruturada. Os dados foram interpretados à luz da análise de conteúdo. Averiguou-se fragilidades teórico-metodológicas das profissionais sobre a temática da violência contra a mulher, bem como dificuldades nas ações de prevenção, acolhimento e notificação dos serviços de saúde.

Palavras-chave


violência de gênero; políticas públicas; saúde pública

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, C. J. M. (2009). As equipes de saúde da família e a violência doméstica contra a mulher: um olhar de gênero. (Tese de Doutorado). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-22062009-145809/pt-br.php

Baraldi, A. C. P. (2009). O conhecimento dos profissionais médicos e enfermeiros das unidades básicas distritais de saúde de Ribeirão Preto - SP acerca da violência contra a mulher cometida por parceiro íntimo. (Dissertação de Mestrado). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-29102009-142008/pt-br.php

Boris, G. D. J. B., Moreira, V., & Venâncio, N. (2011). O estigma da violência sofrida por mulheres na relação com seus parceiros íntimos. Psicologia & Sociedade, 23(2), 398-406. doi:10.1590/S0102-71822011000200021

Borsoi, T. S., Brandão, E. R., & Cavalcanti, M. L. T. (2009). Ações para o enfrentamento da violência contra a mulher em duas unidades de atenção primária à saúde no município do Rio de Janeiro. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 13(28), 165-174. doi:10.1590/S1414-32832009000100014

Camos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: Ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614. doi:10.1590/S0034-71672004000500019

Carnassale, V. D. (2012). Notificação de violência contra a mulher: Conhecer para intervir na realidade. (Dissertação de Mestrado). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-22022013-124837/.

Cavalcante, L. F., Gomes, R., & Minayo, M. C. S. (2006). Representações sociais de profissionais de saúde sobre violência sexual contra a mulher: Estudo em três maternidades públicas municipais do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22(1), 31-39. doi:10.1590/S0102-311X2006000100004

Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação [CEPIA] (2013). Violência Contra a Mulher e Acesso à Justiça. Estudo comparativo sobre a aplicação da Lei Maria da Penha em cinco capitais. Relatório Final. Recuperado de http://www.cepia.org.br/pesquisa_out.pdf.

Facuri, C. O., Fernandes, A. M. S., Oliveira, K. D., Andrade, T. S., & Azevedo, R. C. S. (2013). Violência sexual: Estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 29(5), 889-898. doi: 10.1590/S0102-311X2013000500008

Ferrante, F. G. (2008). Violência contra a mulher: a percepção dos médicos das unidades básicas de saúde de Ribeirão Preto, São Paulo. (Dissertação de Mestrado). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-06032009-151551/.

Franzoi, N. M., Fonseca, R. M. G. S., & Guedes, R. N. (2011). Violência de gênero: Concepções de profissionais das equipes de saúde da família. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(3), 589-597. doi:10.1590/S0104-11692011000300019

Gadoni-Costa, L. M., Zucatti, A. P. N., & Dell'Aglio, D. D. (2011). Violência contra a mulher: Levantamento dos casos atendidos no setor de psicologia de uma delegacia para a mulher. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(2), 219-227. doi:10.1590/S0103-166X2011000200009

Gomes, N. P., Erdmann, A. L., Stulp, K. P., Diniz, N. M. F., Correia, C. M., & Andrade, S. R. (2014). Cuidado às mulheres em situação de violência conjugal: Importância do psicólogo na Estratégia de Saúde da Família. Psicologia USP, 25(1), 63-69. doi:10.1590/S0103-65642014000100007

Hanada, H., d'Oliveira, A. F. P. L., & Schraiber, L. B. (2010). Os psicólogos na rede de assistência a mulheres em situação de violência. Revista Estudos

Feministas, 18(1), 33-59. doi:10.1590/S0104-026X2010000100003

Hayeck, C. M. (2015). Refletindo sobre a violência. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 1-8. Recuperado de http://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/8/8.

Jaramillo, V. D. E., & Uribe J. T. M. (2001). Rol del personal de salud en la atención a las mujeres maltratadas. Investigación y Educación en Enfermería, 19(1), 38-45.

Kind, L., Orsini, M. L. P., Nepomuceno, V., Gonçalves, L., Souza, G. A., & Ferreira, M. F. F. (2013). Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cadernos de Saúde Pública, 29(9), 1805-1815. doi:10.1590/0102-311X00096312

León, M. (2001). El empoderamiento de las mujeres: encuentro del primer y tecer mundos em los estúdios de género. La Ventana, 2(13), 94-106.

Lettiere, A., Nakano, A. M. S., & Rodrigues, D. T. (2008). Violência contra a mulher: a visibilidade do problema para um grupo de profissionais de saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(3), 467-473. doi:10.1590/S0080-62342008000300008

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

Minayo, M. C. S. (2006). Violência e Saúde. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Ministério da Saúde. (2002). Violência intrafamiliar: Orientações para prática em serviço. Brasília, DF: Presidência da República do Brasil. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd05_19.pdf.

Ministério da Saúde. (2004). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e diretrizes. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf

Narvaz, M. G., & Koller, S. H. (2007). A marginalização dos estudos feministas e de gênero na psicologia acadêmica contemporânea. Psico, 38(3), 216-223.

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (2010). Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: Ação e produção de evidência. Recuperado de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44350/3/9789275716359_por.pd.

Pedrosa, C. M., & Spink, M. J. P. (2011). A violência contra mulher no cotidiano dos serviços de saúde: Desafios para a formação médica. Saúde e Sociedade, 20(1), 124-135. doi:10.1590/S0104-12902011000100015

Porto, M. (2006). Violência contra a mulher e atendimento psicológico: o que pensam os/as gestores/as municipais do SUS. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(3), 426-439. doi:10.1590/S1414-98932006000300007

Presidência da República do Brasil (2006). Lei Nº. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Brasília, DF: Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Saldanha Marinho, P. Al., & Gonçalves, H. S. (2016). Práticas de empoderamento feminino na América Latina. Revista de Estudios Sociales, (56), 80-90. doi:10.7440/res56.2016.06.

Saliba, O., Garbin, C. A. S., Garbin, A. J. I., & Dossi, A. P. (2007) Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Revista de Saúde Pública, 41(3), 472-477. doi:10.1590/S0034-89102007000300021

Santos, C. M. (2015). Curto-circuito, falta de linha ou na linha? Redes de enfrentamento à violência contra mulheres em São Paulo. Revista Estudos Feministas, 23(2), 577-600. doi:10.1590/0104-026X2015v23n2p577

Schraiber, L. B. (2012). Necessidades de saúde, políticas públicas e gênero: a perspectiva das práticas profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, 17(10), 2635-2644. doi:10.1590/S1413-81232012001000013.

Secretaria de Políticas para as Mulheres. (2010). Norma Técnica de Uniformização Centros de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência. Brasília, DF: Presidência da República do Brasil. Recuperado de http://www.spm.gov.br/lei-maria-da-penha/lei-maria-da-penha/norma-tecnica-de-padronizacao-das-deams-.pdf

Secretaria de Políticas para as Mulheres. (2011). Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres. Brasília, DF: Presidência da República do Brasil. Recuperado de http://www.spm.gov.br/sobre/publicacoes/publicacoes/2011/politica-nacional.

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. (2008). II Plano nacional de políticas para as mulheres. Brasília, DF: Presidência da República do Brasil. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/planonacional_politicamulheres.pdf.

Silva, L. L., Coelho, E. B. S., & Caponi, S. N. C. (2007). Violência silenciosa: Violência psicológica como condição da violência física doméstica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 11(21), 93-103. doi:10.1590/S1414-32832007000100009

Silva, E. B., Padoin, S. M. M., & Vianna, L. A. C. (2015). Violência contra a mulher e a prática assistencial na percepção dos profissionais da saúde. Texto Contexto Enfermagem, 24(1), 229-237.

Siqueira, A. C, Jaeger, F. P, & Kruel, C. S. (2013). Família e Violência: Conceitos, práticas e reflexões críticas. Curitiba, PR: Juruá Editora.

Souto, D. C., & Kruel, C. S. (2013). Quando mãe e bebê sofrem violência: Pensando sobre os serviços de saúde e o papel do psicólogo no contexto de violência contra a gestante. In A. C. Siqueira, F. P., Jaeger, & C. S. Kruel, Família e Violência: Conceitos, práticas e reflexões críticas (pp. 55-66). Curitiba, PR: Juruá Editora.

Souza, T. M. C, & Sabini, K. (2015). Mas o que é o amor? Representações sociais em mulheres em contexto de violência doméstica. Perspectivas em Psicologia, 30(1), 168-172.

Vieira, L. B., Padoin, S. M. M., Landerdahl, M. C. (2009). A percepção de profissionais da saúde de um hospital sobre a violência contra as mulheres. Revista Gaúcha de Enfermagem, 30(4), 609-616. doi:10.1590/S1983-14472009000400005




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n2p21

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)