Práticas parentais: reflexões sobre relatos de familiares de usuários de crack

Maria das Graças Rojas Soto, Verônica Fabíola Rozisca, Rivaldo Venâncio da Cunha

Resumo


As características na dinâmica familiar podem influenciar no consumo de drogas. O estudo objetivou compreender práticas parentais em famílias de usuários de crack. Este é um estudo qualitativo, realizado por meio de entrevistas individuais com 20 familiares de usuários de crack cadastrados em um serviço público de saúde mental de um município do Mato Grosso do Sul. A coleta de dados ocorreu entre novembro-dezembro/2014 e os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo. Na maioria das famílias, as regras são estabelecidas pela mãe e seu descumprimento acarreta punição física. Os filhos são descritos como muito obedientes, porém as ordens ditadas são vagas ou ambíguas, o que resulta na ausência de limites claros a serem seguidos. Conclui-se que tal dinâmica dificulta o desenvolvimento da regulação emocional, tolerância à contrariedade, resistência à frustração e habilidades de negociação e solução de problemas, que podem influenciar no consumo do crack.


Palavras-chave


crack; relações familiares; estilo parental

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo (6ª ed.). (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trads.). São Paulo, SP: Edições 70. (Trabalho original publicado em 1977).

Benchaya, M. C., Bisch, N. K., Moreira, T. C., Ferigolo, M., & Barros, H. M. T. (2011). Pais não autoritativos e o impacto no uso de drogas: a percepção dos filhos adolescentes. Jornal de Pediatria, 87(3), 238-244. doi: 10.1590/S0021-75572011000300010

Bernardy, C. C. F., & Oliveira, M. L. F. (2012). Uso de drogas por jovens infratores: perspectiva da família. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(supl.), 168-175. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v10i5.17072

Bolsoni-Silva, A. T., Marturano, E. M., & Manfrinato, J. W. S. (2005). Mães avaliam comportamentos socialmente "desejados" e "indesejados" de préescolares. Psicologia em Estudo, 10(2), 245-252. doi: 10.1590/S141373722005000200011

Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2007). Revisitando questões sobre lei, transgressão e família em suas interações com a psicologia, a psicanálise, o direito e a interdisciplinaridade possível. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23 (esp.), 89-96. doi: 10.1590/S0102-37722007000500017

Bueno, A. C. W, Santos, B. C., & Moura, C. B. (2010). Obediência infantil: conceituação, medidas comportamentais e resultados de pesquisas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 203-216. doi: 10.1590/S0102- 37722010000200002

Claro, H. G., Oliveira, M. A. F., Ribeiro, A. P. R., Fernandes, C. C., Cruz, A. S., & Santos, E. G. M. (2014). Perfil e padrão do uso de crack em crianças e adolescentes em situação de rua: uma revisão integrativa. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental, Álcool e Drogas, 10(1), 35-41. doi: 10.11606/issn.1806-6976.v10i1p-35-41

Costa, C. B., Cenci, C. M. B., & Spies, D. W. (2014). Conjugalidade e parentalidade diante da dependência de crack de um filho. Contextos Clínicos, 7(2), 182-191. doi:10.4013/ctc.2014.72.06

Costa, L. F. (2010). A perspectiva sistêmica para a clínica da família. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(esp.), 95-104. doi: 10.1590/S0102- 37722010000500008

Faller, S., Peuker, A. C., Sordi, A., Stolf, A., Souza-Formigoni, M. L., Cruz, M. S., … Kessler, F. (2014). Who seek public treatment for substance abuse in Brazil? Results of a multicenter study involving four Brazilian state capitals. Trends Psychiatry Psychotherapy, 36(4), 193-202. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/trends/v36n4/2237-6089-trends-36-04-00193.pdf

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas e, saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17-27. doi: 10.1590/S0102-311X2008000100003

Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde. (2014). Pesquisa nacional sobre uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro, RJ: ICICT/ FIOCRUZ.

Genovese, Z. K., & Genovese, T. A. (1997). Developing spousal relationship within stepfamilies. Families in Society, 78(3), 255-263. doi: 10.1606/1044-3894.773

Gottman, J. C., & Declaire, J. (1997). Inteligência emocional e a arte de educar nossos filhos (A. C. Silva, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.

Hart, C. (2013). High price: A neuroscientist’s journey oneself-discovery that challenges everything you know about drugs and society. New York, NY: HarperCollins.

Horta, R. L., Horta, B. L., Costa, A. W. N., Prado, R. R., Oliveira-Campos, M., & Malta, D. C. (2014). Uso na vida de substâncias ilícitas e fatores associados entre escolares brasileiros, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense 2012). Revista Brasileira de Epidemiologia, 17(1), 31-45. doi: 10.1590/1809-4503201400050004

Horta, R. L., Vieira, L. S., Balbinot, A. D., Oliveira, G. O., Poletto, S., & Teixeira, V. A. (2014). Influencia da família no consumo de crack. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 63(2), 104-112. doi: 10.1590/0047-2085000000013

Laranjeira, R., Madruga, C. S., Ribeiro, M., Pinsky, I., Caetano, R., & Mitsuhiro, S. S. (2012). II LENAD - Levantamento Nacional de Álcool e Drogas. São Paulo, SP: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas, Universidade Federal de São Paulo.

Lohr, S. S. (2001). Desenvolvimento das habilidades sociais como forma de prevenção. In H. J. Guilhardi, M. B. B. P. Madi, P. P. Queiroz, & M. C. Scoz (Orgs.). Sobre comportamento e cognição: Expondo a variabilidade (Vol. 8, Cap. 23, pp. 190-194). São Paulo, SP: ESETEC.

Longman-Mills, S., Williams, Y. M. G., Rodriguez, M. O. M., Baquero, M. R. G., Rojas, J. D. G., Amaya, C. J., … Tinoco, L. I. S. (2015). The association between adult drug abuse and childhood maltreatment in students attending seven universities in five countries in Latin America and one country in the Caribbean. Texto Contexto Enfermagem, 24(sp), 26-32. doi: 10.1590/0104-07072015001ESP026

Lubi, A. P. L (2003). Estilo parental e comportamento socialmente habilidoso da criança com pares. In M. Z. S. Brandão, V. M. Silva, & S. M. Oliane (Orgs.).Sobre comportamento e cognição: A história e os avanços, a seleção por consequências em ação (Vol. 11, Cap. 46, pp. 536-541). São Paulo, SP: ESETEC.

Marques, A. C. P. R., & Cruz, M. S. (2000). O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(2), 32-36. doi: 10.1590/S1516- 44462000000600009

Medeiros, K. T., Maciel, S. C., Souza, P. F., Tenório-Souza, F. M., & Dias, C. C. V. (2013). Representações sociais do uso e abuso de drogas entre familiares de usuários. Psicologia em Estudo, 18(2), 269-279. doi:10.1590/S1413-73722013000200008

Mondin, E. M. C. (2005). Interações afetivas na família e na pré-escola. Estudos de Psicologia, 10(1), 131-138. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v10n1/28016.pdf

Moreira, M. S. S. (2004). A dependência familiar. Revista da SPAGESP, 5(5), 83- 88. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677- 29702004000100015

Moreira, T. C., Figueiró, L. R., Fernandes, S., Justo, F. M., Dias, I. R., Barros, H. M. T., & Ferigolo, M. (2013). Qualidade de vida em usuários de substâncias psicoativas, familiares e não usuários por meio do WHOQOL-BREF. Ciência & Saúde Coletiva, 18(7), 1953-1962. doi:10.1590/S1413-81232013000700010

Moura, H. F., Benzano, D., Pechansky, F., & Kessler, F. H. P. (2014). Crack/cocaine users show more Family problems then other substance use. Clinics, 69(7), 497-499. doi: 10.6061/clinics/2014(07)10

Narvaez, J. C. M., Pechansky, F., Jansen, K., Pinheiro, R. T., Silva, R. A., Kapczinski, F., & Magalhães, P. V. (2015). Quality of life, social functioning, family structure, and treatment history associated with crack cocaine use in youth from the general population. Revista Brasileira de Psiquiatria, 37(3), 211-218. doi:10.1590/1516-4446-2014-1494

Orpinas, P., Ambrose, A., Maddaleno, M., Vulanovic, L., Mejia, M., Butrón, B., … Soriano, I. (2014). Lessons learned in evaluating the Familias Fuertes program in three countries in Latin America. Revista Panamericana de Salud Pública, 36(6), 383-390. Recuperado de http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020- 49892014001100005

Orth, A. P. S., & Moré, C. L. O. O. (2008). Funcionamento de famílias com membros dependentes de substâncias psicoativas. Psicologia Argumento, 26(55), 293-303. Recuperado de http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=2525&dd99=view&dd98= pb

Paula, M. L., Jorge, M. S. B., Albuquerque, R. A., & Queiroz, L. M. (2014). Usuário de crack em situações de tratamento: experiências, significados e sentidos. Saúde e Sociedade, 23(1), 118-130. doi: 10.1590/S0104- 12902014000100009

Paula, M. L., Jorge, M. S. B., Vasconcelos, M. G. F., & Albuquerque, R. A. (2014). Assistência ao usuário de drogas na atenção primária à saúde. Psicologia em Estudo, 19(2), 223-233. doi: 10.1590/1413-737222025006

Paz, F. M., & Colossi, P. M. (2013). Aspectos da dinâmica da família com dependência química. Estudos de Psicologia, 18(4), 551-558. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v18n4/a02v18n4.pdf

Piaget, J. (1994). O juízo moral na criança (4ª ed.). (E. Lenardon, Trad.). São Paulo, SP: Summus. (Trabalho original publicado em 1932).

Salvo, C. G., Silvares, E. F. M., & Toni, P. M. (2005). Práticas educativas como forma de predição de problemas de comportamento e competência social. Estudos de Psicologia, 22(2), 187-195. doi: 10.1590/S0103- 166X2005000200008

Sayago, C. B. W., Lucena-Santos, P., Horta, R. L., & Oliveira, M. L. (2014). Perfil Clínico e Cognitivo de usuários de crack internados. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(1), 21-28. doi: 10.1590/S0102-79722014000100003

Sayago, C. B., Lucena-Santos, P., Ribeiro, F., Yates, M. B., & Oliveira, M., S. (2013). Fatores protetivos e de risco para o uso de crack e danos decorrentes de sua utilização: revisão de literatura. Aletheia, 42(3), 164- 174. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n42/n42a14.pdf

Schenker, M., & Minayo, M. C. S. (2003). A implicação da família no uso abusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciência & Saúde Coletiva, 8(1), 299-306. doi: 10.1590/S1413-81232003000100022

Schenker, M., & Minayo, M. C. S. (2005). Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 707-17. doi: 10.1590/S1413-81232005000300027

Seleghim, M. R., & Oliveira, M. L. F. (2013). Influência do ambiente familiar no consumo de crack em usuários. Acta Paulista de Enfermagem, 26(3), 263- 68. doi: 10.1590/S0103-21002013000300010

Silva, C. C., Costa, M. C. O., Carvalho, R. C., Amaral, M. T. R., Cruz, N. L. A., & Silva, M. R. (2014). Iniciação e consumo de substâncias psicoativas entre adolescentes e jovens de Centro de Atenção Psicossocial Antidrogas/CAPSAD. Ciência & Saúde Coletiva, 19(3), 737-745. doi: 10.1590/1413- 81232014193.15922013

Wahler, R. G. (1997). On the origins of children compliance and opposition: family context, reinforcement, and rules. Journal of Child and Family Studies, 6(2), 191-208. doi: 10.1023/A:1025050724559

Walker, C., Ainette, M. G., Wills, T. A., & Mendonza, D. (2007). Religiosity and substance use: test of an indirect-effect model in early and middle adolescence. Psychology of Addictive Behaviors, 21(1), 84-96. doi: 10.1037/0893-164X.21.1.84

Wielewicki, A., Santos, B. C., & Costelini, C. P. (2011). Variáveis e procedimentos de controle do comportamento de obedecer em crianças: uma análise da literatura. Temas em Psicologia, 19(2), 541-562. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 389X2011000200016

Wills, T. A., & Yaeger, A. M. (2003). Family factors and adolescents substance use: models and mechanisms. Current Directions in Psychological Science, 12(6), 222-6. doi: 10.1046/j.0963-7214.2003.01266.x

Winnicott, D. W. (2011). A família e o desenvolvimento individual (4ª ed.). (M. B. Cipolla, Trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1958).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p100

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)