Considerações sobre o ofício de dirigir ônibus no Brasil: uma revisão de literatura

Thiago Drumond Moraes, Katia Santorum, Fátima Valéria Belo de Souza, Laís Rocha Ávila, Stefane Stolze Vieira

Resumo


Os efeitos do ofício de dirigir ônibus para a saúde dos condutores desses veículos têm sido investigados em estudos de abrangência nacional. Para contribuir no aprofundamento desse objeto de estudo, realizamos uma revisão de pesquisas nacionais sobre esse ofício, objetivando investigar processos de saúde-doença e subjetivação, delimitando as buscas entre 2000 a 2012, mediante verificação temática. Da análise das publicações configuramos dois eixos de análise: os efeitos desse ofício na saúde dos motoristas de ônibus e as condições e organização desse trabalho. A pesquisa foi realizada sob a abordagem teórica da Ergonomia da Atividade francófona e orientada pela perspectiva da Ergologia. As dimensões físicas da saúde são mais pesquisadas que as psicológicas. Concluímos que, a despeito de se investigar a saúde de trabalhadores, suas condições de trabalho e sua atividade não são suficientemente consideradas: propomos caminhos para novos estudos, sobretudo, referentes à atividade do trabalho, abordando-a, inclusive, em sua positividade.


Palavras-chave


atividade de trabalho; motoristas de ônibus; saúde; saúde mental; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, N. D. V. (2002). Contemporaneidade x trânsito reflexão psicossocial do trabalho dos motoristas de coletivo urbano. Psicologia: Ciência e Profissão, 22(3), 62-69. doi:10.1590/S1414-98932002000300010

Almeida, N. D. V. (2010). Considerações acerca da incidência do estresse em motoristas profissionais. Revista de Psicologia, 1(1), 75-84.

Alquimim, A. F., Barral, A. B. C. R., Gomes, K. C., & Rezende, M. C. (2012). Avaliação dos fatores de risco laborais e físicos para doenças cardiovasculares em motoristas de transporte urbano de ônibus em Montes Claros (mg). Ciência & Saúde Coletiva, 17(8), 2151-2158. doi:10.1590/S1413-81232012000800025

Alves, C. R. S., & Paula, P. P. (2009). Violência no trabalho: Possíveis relações entre assaltos e TEPT em rodoviários de uma empresa de transporte coletivo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12, 35-46. Balbinot, A., & Tamagna, A. (2002). Avaliação da transmissibilidade da vibração em bancos de motoristas de ônibus urbanos: Um enfoque no conforto e na saúde. Revista Brasileira de Engenharia Biomédica, 18(1), 31-38.

Battiston, M., Cruz, R. M., & Hoffmann, M. H. (2006). Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano. Estudos de Psicologia (Natal), 11, 333-343. doi:10.1590/S1413-294X2006000300011

Bendassolli, P. F. (2011). Mal estar no trabalho: Do sofrimento ao poder de agir. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(1), 65-99.

Benvegnú, L. A., Fassa, A. G., Facchini, L. A., & Breitenbach, F. (2008). Prevalência de hipertensão arterial entre motoristas de ônibus em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 33(118), 32-39. doi:10.1590/S0303-76572008000200004

Bezerra, S. M., Silva, E. F., Maribondo, J. d. F., & Pinto, F. d. M. (2011). A influência das condições e organização do trabalho sobre a saúde de motoristas. TEMA - Revista Eletrônica de Ciências, 11(16).

Bréder, V. F., Dantas, E. H. M., Silva, M. A. G., & Barbosa, L. G. (2006). Lombalgia e fatores psicossociais em motoristas de ônibus urbano. Fitness & Performance Journal, 5(5), 295-299. doi:10.3900/fpj.5.5.295.p

Bréder, V. F., Oliveira, D. F., Dantas, E. H. M., & Silva, M. A. G. (2006). Prevalência de lombalgia em motoristas de ônibus urbano. Fisioterapia Brasil, 7(4), 290-294.

Brito, J. (2004). Saúde do trabalhador: Reflexões a partir da abordagem ergológica. In M. Figueiredo, M. Athayde, J. Brito, & D. Alvarez (Orgs.), Labirintos do trabalho: Interrogações e olhares sobre o trabalho vivo (pp. 91-114). Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Brito, J. (2009). Trabalho prescrito. In I. B. Pereira, & J. C. F. Lima (Orgs.), Dicionário da educação profissional de saúde (pp. 440-453). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz, MS.

Brunoro, C., Sznelwar, L. I., Bolis, I., & Abrahão, J. (2012). Contributions of ergonomics to the construction of bus drivers health and excellence in public transport and at work. Work: A Journal of Prevention, Assessment and Rehabilitation, 41(0), 30-35. doi:10.3233/WOR-2012-0131-30

Caiafa, J. (2002). Jornadas urbanas: Exclusão, trabalho e subjetividade nas viagens de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Câmara, A. M., Bevilaqua, A. D., & Moraes, M. F. (2008). A influência do uso de um apoio para coluna lombar sobre a lombalgia e ciatalgia em motoristas de ônibus. Revista Terapia Manual, 6(24), 70-74.

Caponi, S. (2003). A saúde como abertura ao risco. In D. Czeresnia, & C. M. Freitas (Orgs.), Promoção da saúde: Conceitos, reflexões, tendências (pp. 55-77). Rio de Janeiro, RJ: Editora Fiocruz.

Carneiro, L. R. V., Coqueiro, R. S., Freire, M. O., & Barbosa, A. R. (2007). Sintomas de distúrbios osteomusculares em motoristas e cobradores de ônibus. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, 9(3), 277-283.

Cepinho, P. C., Corrêa, A., & Bernardi, A. P. A. (2003). Ocorrência de perda auditiva em motoristas de ônibus e caminhões de São Paulo. Revista CEFAC, 5, 181-186.

Chaves, D. B. R., Costa, A. G. de S., Oliveira, A. R. de S., Oliveira, T. C., Araujo, T. L., & Lopes, M. V. O. (2008). Fatores de risco para hipertensão arterial: Investigação em motoristas e cobradores de ônibus. Revista de Enfermagem da UERJ, 16(3), 370-376.

Corrêa Filho, H. R., Costa, L. S., Hoehne, E. L., Pérez, M. A. G., Nascimento, L. C. R., & Moura, E. C. (2002). Perda auditiva induzida por ruído e hipertensão em condutores de ônibus. Revista de Saúde Pública, 36, 693- 701. doi:10.1590/S0034-89102002000700006

Costa, L. B., Koyama, M. A. H., Minuci, E. G., & Fischer, F. M. (2003). Morbidade declarada e condições de trabalho: O caso dos motoristas de São Paulo e Belo Horizonte. São Paulo em Perspectiva, 17, 54-67. Doi:10.1590/S0102- 88392003000200007

Costa, M. M., Mastroeni, S. S. B. S., Reis, M. A. M., Erzinger, G. S., & Fabio, M. M. (2011). Excesso de peso em motoristas de ônibus da rede urbana. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 19(1), 42-51. doi:10.18511/rbcm.v19i1.1828

Cru, D., & Dejours, C. (1987). Saberes de prudência nas profissões da construção civil: Nova contribuição da psicologia do trabalho à análise da prevenção de acidentes na construção civil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 15(59), 30-34.

Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho (5. ed. rev.). São Paulo, SP: CortezOboré. Falzon, P. (Org.). (2007). Ergonomia. São Paulo: Edgar Blucher.

Faria, B. K., Amorim, G., & Vancea, D. M. M. (2007). Perfil alimentar e antropométrico dos motoristas de ônibus da empresa de transporte coletivo Jotur/Palhoça - SC. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, 1(1), 11-20.

Freitas, R. G. F., & Nakamura, H. Y. (2003). Perda auditiva induzida por ruído em motoristas de ônibus com motor dianteiro. Saúde em Revista, 5(10), 13-19.

Gianasi, L. B. S., & Borges, L. O. (2009). Síndrome de burnout no setor de transporte de Natal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25, 297-305. doi:10.1590/S0102-37722009000300003

Gonçalves, J., & Buaes, C. S. (2011). Sentidos do trabalho e do afastamento por problemas de saúde mental para motoristas de transporte coletivo urbano: Um estudo de caso. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 14(2), 195- 210. doi:10.11606/issn.1981-0490.v14i2p195-210

Guérin, F., Laville, A., Daniellou, F., Duraffourg, J., & Kerguelen, A. (2001). Compreender o trabalho para transformá-lo: A prática da ergonomia. São Paulo, SP: Edgar Blücher.

Guterres, A., Duarte, D., Siqueira, F. V., & Silva, M. C. (2011). Prevalência e fatores associados a dor nas costas dos motoristas e cobradores do transporte coletivo da cidade de Pelotas-RS. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 16(3), 240-245. doi:10.12820/RBAFS.V.16N3P240-245

Hirata, R. P., Sampaio, L. M., Leitao Filho, F. S., Braghiroli, A., Balbi, B., Romano, S., . . ., & Oliveira, L. V. (2012). General characteristics and risk factors of cardiovascular disease among interstate bus drivers. Scientific World Journal, 2012, 216702. doi:10.1100/2012/216702

Junior, É. A. S. (2003). De que adoecem e morrem os motoristas de ônibus? Uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 1(2), 138-147.

Lacerda, A., Figueiredo, G., Neto, J. M., & Marques, J. M. (2010). Achados audiológicos e queixas relacionadas à audição dos motoristas de ônibus urbano. Revista Brasileira da Sociedade de Fonoaudiologia, 15(2), 161-166. doi:10.1590/S1516-80342010000200003

Landim, M. B. P., & Victor, E. G. (2006). Escore de Framingham em motoristas de transportes coletivos urbanos de Teresina, Piauí. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 87, 315-320. doi:10.1590/S0066-782X2006001600014

Ledesma, R., Peltzer, R., & Poó, F. (2008). Análisis de la producción en psicología del tránsito mediante PsycINFO (2000-2006). Psic: Revista da Vetor Editora, 9(1), 11-24.

Macedo, C. S. G., & Battistella, L. R. (2007). Impacto da lombalgia na qualidade de vida de motoristas de ônibus urbanos. Arquivo de Ciências em Saúde Unipar, 11(3), 163-167.

Martins, A. L., Alvarenga, K. F., Bevilacqua, M. C., & Filho, O. A. C. (2001). Perda auditiva em motoristas e cobradores de ônibus. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, 67(4), 467-473.

Martins, P. J., D'Almeida, V., Vergani, N., Perez, A. B., & Tufik, S. (2003). Increased plasma homocysteine levels in shift working bus drivers. Occupational Environmental Medicine, 60(9), 662-666. doi:10.1136/oem.60.9.662

Mello, M. T., Santana, M. G., Souza, L. M., Oliveira, P. C. S., Ventura, M. L., Stampi, C., & Tufik, S. (2000). Sleep patterns and sleep-related complaints of Brazilian interstate bus drivers. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, 33(1), 71-77. doi:10.1590/S0100-879X2000000100010

Moraes, G. N., & Fayh, A. P. T. (2011). Avaliação nutricional e fatores de risco cardiovascular em motoristas de transporte coletivo urbano. Cadernos de Saúde Coletiva, 19(3), 334-340.

Moraes, T. D. (2011). Positividade do risco e saúde: Contribuições de estudos sobre trabalho para a saúde pública. Trabalho, Educação e Saúde, 9(3), 399-430. doi:10.1590/S1981-77462011000300004

Nascimento, I. B., & Gontijo, L. A. (2004). Evolução das condições ergonômicas no posto de trabalho do motorista de ônibus urbano. Fisioterapia Brasil, 66.

Neri, M., Soares, W. L., & Soares, C. (2005). Condições de saúde no setor de transporte rodoviário de cargas e de passageiros: Um estudo baseado na pesquisa nacional por amostra de domicílios. Cadernos de Saúde Pública, 21, 1107-1123. doi:10.1590/S0102-311X2005000400013

Neto, J. F., Barreto, A. C., Sá, V. W., & Maini, R. M. D. (2008). Análise comparativa da prevalência de lombalgia entre motoristas de ônibus de turismo e coletivo urbano. Novo Enfoque, 6(6), 1-13.

Oliveira, A. C. F., & Pinheiro, J. Q. (2007). Indicadores psicossociais relacionados a acidentes de trânsito envolvendo motoristas de ônibus. Psicologia em Estudo, 12, 171-178. doi:10.1590/S1413-73722007000100020

Paes-Machado, E., & Levenstein, C. (2002). Assaltantes a bordo: Violência, insegurança e saúde no trabalho em transporte coletivo de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 18(5), 1215-1227. doi:10.1590/S0102- 311X2002000500014

Paes-Machado, E., & Levenstein, C. (2004). I'm sorry everybody, but this is Brazil: Armed robbery on the buses in Brazilian cities. British Journal of Criminology, 44, 1-14. doi:10.1093/bjc/44.1.1

Pinto, F. d. M., & Neves, M. Y. (2009). A gestão da atividade do motorista de ônibus: Um olhar ergológico. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(2), 493- 511.

Prange, A. P. L. (2011). "Quem dá mais, cobra mais!" Uma análise das normas antecedentes do ofício de motorista de ônibus em um contexto específico. Estudos e Pesquisa em Psicologia, 11(2), 551-565.

Queiroga, M. R., & Ferreira, S. A. (2005). Ocorrência de dor na coluna vertebral em motoristas de ônibus e bombeiros militares. UNOPAR Científica, Ciências Biológicas e Saúde, 7(1), 21-26. doi:10.17921/2447-8938.2005v7n1p%25p

Querido, A., Nogueira, T., Gama, R., & Orlando, J. (2012). Ergonomic work analysis of urban bus drivers in Rio de Janeiro city. Work: A Journal of Prevention, Assessment and Rehabilitation, 41(0), 5956-5958. doi:10.3233/WOR-2012-0993-5956

Rosenbloom, T. (2011). Professional drivers. In B. E. Porter (Org.), Handbook of traffic psychology (pp. 389-399). San Diego, CA: Elsevier.

Sampaio, R. F., Coelho, C. M., Barbosa, F. B., Mancini, M. C., & Parreira, V. F. (2009). Work ability and stress in a bus transportation company in Belo Horizonte, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 287-296. doi:10.1590/S1413-81232009000100035

Santorum, K. (2006). Pelas fendas do trabalho vivo: Textos, contextos e atos na atividade de vigilância em saúde do trabalhador. (Doutorado), Fiocruz, Rio de Janeiro.

Santos, A. S., & Júnior, N. C. (2009). Audiometria de tronco encefálico em motoristas de ônibus com perda auditiva induzida pelo ruído. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, 75(5), 753-759. doi:10.1590/S1808- 86942009000500023

Santos, E. H. R., Mello, M. T., Pradella-Hallinan, M., Luchesi, L., Pires, M. L. N., & Tufik, S. (2004). Sleep and sleepiness among brazilian shift-working bus drivers Chronobiology International, 21(6), 881-888. doi:10.1081/CBI200035952

Schwartz, Y., & Durrive, L. (Orgs.). (2010). Trabalho e ergologia: Conversas sobre a atividade humana. Niterói, RJ: Eduff.

Silva, A. V., & Günther, H. (2005). Características de itinerário urbano e comportamentos inadequados de um motorista de ônibus. Psicologia: Pesquisa e Trânsito, 1, 33-43.

Silva, L. F., & Mendes, R. (2005). Exposição combinada entre ruído e vibração e seus efeitos sobre a audição de trabalhadores. Revista de Saúde Pública, 39(1), 9-17. doi:10.1590/S0034-89102005000100002

Siviero, A. B., Fernandes, M. J., Lima, J. A. C., Santoni, C. B., & Bernardi, A. P. A. (2005). Prevalência de perda auditiva em motoristas de ônibus do transporte coletivo da cidade de Maringá - PR. Revista CEFAC, 7(3), 376- 381.

Souza, N. R. M., & Silva, N. A. S. (2005). Exames admissionais e aposentadorias precoces em motoristas de ônibus: Influência da hipertensão arterial. Revista da SOCERJ, 18(2), 154-159.

Souza, N. R. M., & Silva, N. A. S. (2006a). Comparação das características de motoristas de ônibus em relação à realização dos exames de bioquímica: Quando o silêncio pode afetar as conclusões. Revista da SOCERJ, 19(4), 313-317.

Souza, N. R. M., & Silva, N. A. S. (2006b). Nível de atenção médica em uma população de motoristas de ônibus em relação a fatores de risco cardiovascular que tenham implicações trabalhistas. Revista da SOCERJ, 19(2), 148-155.

Souza, N. R. M., & Silva, N. A. S. (2006c). Sensibilidade, especificidade, valor preditivo negativo e positivo, para o conhecimento da condição de hipertenso frente à medida pressórica, em motoristas de ônibus. Revista da SOCERJ, 19(1), 54-59.

Teixeira, M. L. P., & Fischer, F. M. (2008). Acidentes e doenças do trabalho notificadas, de motoristas profissionais do estado de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, 22(1), 66-78.

Vellozo, D. P. M. (2010). Mulheres ao volante: Uma análise de gênero, saúde e trabalho em mulheres motoristas de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. (Doutorado Tese), Fiocruz, Rio de Janeiro.

Viegas, C. A. A., & Oliveira, H. W. (2006). Prevalência de fatores de risco para a síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de ônibus interestadual. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 32, 144-149. doi:10.1590/S1806-37132006000200010

Zamboni, J., & Barros, M. E. B. d. (2012). Paradoxo do motorista de ônibus como passageiro: Subjetividade, atividade, videografia. Ecos: Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 2(2), 319-331.

Zavanela, P. M., Crewther, B. T., Lodo, L., Florindo, A. A., Miyabara, E. H., & Aoki, M. S. (2012). Health and fitness benefits of a resistance training intervention performed in the workplace. The Journal of Strength and Conditioning Research, 26(3), 811-817. doi:10.1519/JSC.0b013e318225ff4d




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p76

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)