Família e nomeação na contemporaneidade: uma reflexão psicanalítica

Brunella Carla Rodriguez, Isabel Cristina Gomes, Danielly Passos De Oliveira

Resumo


O artigo pretende realizar uma reflexão acerca das novas formas de família na contemporaneidade e as possibilidades de nomeação destas, examinando as transformações de ordem simbólica nos sistemas de nomeação, filiação e relação entre os sexos. Tomando-se como base as teorias de Butler acerca das questões de gênero aliadas ao referencial psicanalítico vincular, põem-se em discussão os pontos de ruptura da norma, os momentos em que o ininteligível exige um nome para si, como uma afirmação da legitimidade da própria existência dos sujeitos. Por meio da análise de uma entrevista, com uma família homoparental masculina por adoção, são levantadas questões acerca dos lugares ocupados na família, do sistema de nomeação desta e de suas implicações vinculares, como efeito da ruptura da norma heterocêntrica. Tem-se assim a explicitação dos efeitos das reinvenções de gênero atrelados ao reconhecimento da alteridade dos sujeitos na relação conjugal e parental.


Palavras-chave


família; homossexualidade; relações de gênero; psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. R. (2012). Os processos subjetivos no acolhimento e na adoção de crianças por casal homoafetivo: um estudo de caso. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo.

Amazonas, M. C. L. A., & Braga, M. G. R. (2006, jul/dez). Reflexões acerca das novas formas de parentalidade e suas possíveis vicissitudes culturais e subjetivas. Ágora, 9(2), 177-191, doi: 10.1590/S1516- 14982006000200002. Recuperado em 23 de novembro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/agora/v9n2/a02v9n2.pdf.

Arán, M. (2003, julho/dezembro). Os destinos da diferença sexual na cultura contemporânea. Revista Estudos feministas, 11(2), 399-422. Arán, M. (2009, setembro/dezembro). A psicanálise e o dispositivo da diferença sexual. Revista Estudos Feministas, 17(3), 653-673.

Arán, M. (2011). Políticas do desejo na atualidade: a psicanálise e a homoparentalidade. Revista Psicologia Política, 11(21), 59-72.

Ayouch, T. (2015). Psicanálise e Homossexualidades: Teoria, clínica, biopolítica. Curitiba, SC: CRV. Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro, RJ: Editora Nova Fronteira.

Badinter, E. (1986). Um é o outro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Benghozi, P. (2010). Malhagem, Filiação e Afiliação. Psicanálise dos vínculos: casal, família, grupo, instituição e campo social. (E. D. Galery, trad.). São Paulo, SP: Vetor.

Berenstein, I. (2007). Del ser al hacer: Curso sobre vincularidad. Buenos Aires, Argentina, Barcelona, Espanha, México: Paidós.

Borges, C. C., & Coutinho, M. L. R. (2008). Família e Relações intergeracionais no Brasil hoje: Novas configurações, crises, conflitos e ambiguidades. In Gomes I. C. (Coord.) Família: diagnóstico e abordagens terapéuticas (pp. 45-59). Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.

Bourdieu, P. (2005). A dominação masculina. (4a ed., M. H. Kuhner, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Butler, J. (1990). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Butler, J. P. (2003). O parentesco é sempre tido como heterossexual? (V. A. da Ponte, trad., P. Dentzien, rev. tec.). Cadernos Pagu, 21, 219-260. (Trabalho original publicado em 2002).

Butler, J. P. (2004). Undoing gender. New York, EUA: Routledge.

Câmara dos Deputados (2014). Enquete: Você concorda com a definição de família a partir da união entre homem e mulher, prevista no projeto que cria o Estatuto da Família?. Brasília, DF: Autor. Recuperado em 06 de fevereiro de 2016, de http://www2.camara.leg.br/enquetes/votarEnquete/enquete/101CE64E8EC3-436C-BB4A-457EBC94DF4E.

Chodorow, N. (1990). Psicanálise da maternidade. Rio de Janeiro, RJ: Rosa dos tempos.

Corbett, K. (2009). O mistério da homossexualidade. Jornal de Psicanálise, 42(76), 159-176.

Derrida, J., & Roudinesco, E. (2004). De que amanhã: Diálogo. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. Dicionário Houaiss vai alterar definição do termo família (2016, 13 de abril) O Globo online. Recuperando em 20 de abril de 2016, de http://oglobo.globo.com/sociedade/dicionario-houaiss-vai-alterar-definicaodo-termo-familia-19074406.

Duchenne, S. (2012). Je ne sais pas ce que je serais sans “nanou”. Reflexion autor de l’adoption par les couples d’homosexuelles. La revue Lacanienne, 135-143.

Eiguer, A. (2010). Homoparentalidades, afiliación y vínculo filial. In Rotenberg, E., & Wainer, B. A. (Orgs.). Homoparentalidades: Nuevas familias (2a edic., pp.127-137). Buenos Aires, Argentina: Lugar Editorial.

Freud, S. (1976). O id e o ego. In Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 19, pp. 13-83). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1923).

Freud, S. (2010). O mal estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos. In Obras completas de Freud: Psicologia analítica (Vol. 18). São Paulo, SP: Companhia das letras. (Trabalho Original publicado em 1930).

Horkheimer, M. (2003). Autoridade e família. In Horkheimer, M. Teoria Crítica I (pp. 76-150). Buenos Aires, Argentina: Amorrortu.

Käes, R. (2011). Um singular plural: A Psicanálise à prova do grupo. São Paulo, SP: Edições Loyola Jesuítas.

Knudsen, P. P. P. S. (2007). Gênero, Psicanálise e Judith Butler – Do transexualismo à política. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lauriano, C., & Duarte, N. (2011, 29 de abril). Censo 2010 contabiliza mais de 60 mil casais homossexuais. G1. Recuperado em 28 de julho de 2016, de http://glo.bo/mzwP9X.

Legendre, P. (2004). Poder genealógico do Estado. In Altoé, S. (Org.) Sujeito do direito, sujeito do desejo: Direito e psicanálise (pp.79-87). Rio de Janeiro, RJ: Revinter.

Levy, L. (2011). A psicanálise e a homoparentalidade. Cadernos de Psicanálise, 27(30), 153-176.

Melman, C. (2003). O homem sem gravidade: Gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro, RJ: Cia de Freud.

Moscheta, M. S., & Santos, M. A. (2009). Relação conjugal homoafetiva: Revolução ou acomodação? In Cunha, M. V., Pasian, S. R., & Romanelli, G. (Orgs). Pesquisas em Psicologia: Múltiplas abordagens (pp. 129-152). São Paulo, SP: Vetor.

Parseval, G. D. (2008). Famille à tout prix. Paris: Éditions du Seuil. Petry, A. R., & Meyer, D. E. E. (2011). Transexualidade e heteronormatividade: Algumas questões para a pesquisa. Revista Textos e Contextos, 10(1), 193- 198.

Puget, J. (2015). Subjetivación discontinua y psicoanálisis. Incertidumbres y certezas. Buenos Aires, Argentina: Lugar editorial.

Puget, J., & Berenstein, I. (1993). Psicanálise do casal. Porto Alegre, RS: Artes médicas.

Rios, M. G. (2007). Casais em filhos por opção, análise psicanalítica através de entrevistas e TAT. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Roudinesco, E. (2003). A família em desordem. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. Santos, C. (2004). A parentalidade em famílias homossexuais com filhos: Um estudo fenomenológico de vivências de gays e lésbicas.Tese de Doutorado,Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

Schneider, M. (2006) Surimpressions sexuelles. Cliniques mediterranées, 74(2), 27-42.

Solis-Ponton, L. (Org.) (2004). Ser pai, ser mãe: Parentalidade: Um desafio para o Terceiro Milênio (M. C. P, Silva, rev. tec. trad.). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Spivacow, M. A. (2012). Clínica psicoanalitica con parejas: Entre la teoria y la intervencion. Buenos Aires, Argentina: Lugar Editorial.

Tort, M. (2001). O desejo frio: Procriação artificial e a crise dos referenciais simbólicos. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Uziel, A. P. (2007). Homossexualidade e adoção. Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

Vespucci, G. (2014). Una fórmula deseable: El discurso “somos famílias” como símbolo hegemônico de las reivindicaciones gay-lésbicas. Revista Latinoamericana: Sexualidad, Salud y Sociedade, 17, 30-35.

Zambrano, E. (2008). “Nós também somos família”: Estudo sobre a parentalidade homossexual,travesti e transsexual. Tese de Doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Winter, J. P. (2010). Homoparentalité et refus du réel. Études, 412(5), 607-615.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)