A memória nos textos iniciais de Freud

Wallace da Costa Brito, Fernanda Canavêz

Resumo


O artigo objetiva investigar a memória no pensamento freudiano, tomando por base alguns textos daquela que é considerada sua fase pré-psicanalítica. Postula-se a importância dessa temática dentro do conjunto mais amplo da sua inovadora concepção acerca da subjetividade. Trata-se de estudo teórico-conceitual que tem um caráter ensaístico e adota como procedimento a revisão bibliográfica. Notamos que para Freud, desde os primeiros anos de suas pesquisas, a memória se configurou como um elemento notável para a compreensão do psiquismo. Destaca-se, assim, a memória enquanto tema relevante em seu pensamento, bem como sua originalidade em compreendê-la como revestida e permeada pelo inconsciente.


Palavras-chave


memória; lembrança, esquecimento; subjetividade; pensamento freudiano

Texto completo:

PDF

Referências


Antonello, D. F., & Herzog, R. (2012). A memória na obra freudiana, para além da representação. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, 64 (1), 111-121.

Batista, W. J. (2007). A superfície inacessível: fundações do pensamento ocidental. Rio de Janeiro, RJ: Letra Capital.

Birman, J. (2006). Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Canavêz, F. (2012). Violência, trauma e resistência: sobre o múltiplo na psicanálise (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Canavêz, F. (2015). Entre Freud e Foucault: a resistência como afirmação de si. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, 27(1), 225-244. doi: 10.1590/0103- 56652015000100013.

Canavêz, F., & Herzog, R. (2007). A singularidade do sintoma: por uma crítica psicanalítica à idéia de origem. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, 19(1), 109-124. doi: 10.1590/S0103-56652007000100008.

Caropreso, F. (2006). A relação entre a memória, a percepção e a consciência na metapsicologia freudiana. AdVerbun, Campinas, 1(1), 12-22.

Coelho Jr., N. E. (2001). A noção de objeto na psicanálise freudiana. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, Rio de Janeiro, 4(2), 37-49. doi: 10.1590/S1516-14982001000200003.

Ferrarini, P. P. F. L., & Magalhães, L. D. R. (2014). O conceito de memória na obra freudiana: breves explanações. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, 5(1), 109-118. doi: 10.5433/2236- 6407.2014v5n1p109.

Freud, S. (1895/1996). Projeto para uma psicologia científica. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 1, pp. 333-443). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1950).

Freud, S. (1896/1996). Carta 52. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 1, pp. 281-287). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1950).

Freud, S. (1897/1996). Carta 69. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 1, pp. 350-351). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1950).

Freud, S. (1898/1996). O mecanismo psíquico do esquecimento. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 3, pp. 249-284). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1950).

Freud, S. (1899/1996). Lembranças encobridoras. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 3, pp. 285-306). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1950).

Freud, S. (1996). A interpretação dos sonhos. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 4-5). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1900).

Freud, S. (1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 7, pp. 163-195). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Freud, S. (1996). Leonardo da Vinci e uma lembrança da sua infância. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 11, pp. 73-142). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1910).

Freud, S. (1996). Recordar, repetir e elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 12, pp. 159-172). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).

Freud, S. (1996). Os instintos e suas vicissitudes. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 14, pp. 115-144). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1915).

Freud, S. (1996). Repressão. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 14, pp. 145-162). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1915).

Freud, S. (1996). O inconsciente. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 14, pp. 165-224). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1915).

Freud, S. (1996). Além do princípio do prazer. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 18, pp. 11-75). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920).

Freud, S. (1996). Uma nota sobre o bloco mágico. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 19, pp. 253-262). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1925).

Freud, S. (1996). Construções em análise. In: Obras Psicológicas de Sigmund Freud. (Vol. 23, pp. 271-287). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1937).

Garcia-Roza, L. A. (2008). Freud e o inconsciente (23. edição). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. Gondar, J. (2000). Lembrar e esquecer: desejo de memória. In: Costa, I. T. M. & Gondar, J. (orgs.). Memória e espaço (pp. 35-43). Rio de Janeiro, RJ: 7Letras.

Japiassú, H., & Marcondes, D. (2006). Dicionário básico de filosofia (4. edição). Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Santos, L. B. (2008). Sobre a memória em Freud: uma introdução. Língua, Literatura e Ensino, Campinas, (3), 491-497.

Zavaroni, D. M. L.; Viana, T. C. e Celes, L. A. M. (2007). A constituição do infantil na obra de Freud. Estudos de Psicologia, Natal, 12(1), 65-70. doi: 10.1590/S1413-294X2007000100008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2016v7n2p101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)