A corrupção no contexto atual da mídia

Ana Carolina Gonçalves Rossoni, Roberta Fin Motta

Resumo


O artigo teve o intuito de suscitar o debate acerca do fenômeno da corrupção na sociedade brasileira. Para tal, realizou-se uma análise de discursos veiculados em matérias do jornal Zero Hora/RS, destacando-se o que se produz a partir deles. Temos como base a Hermenêutica de Profundidade e se discorre acerca das influências ideológicas, das relações de poder e de dominação que se apresentaram. Percebeu-se a influência que a mídia exerce na produção de subjetividade contemporânea e na disseminação de algumas propostas. A pós-modernidade também traz atravessamentos que se acredita serem fundamentais para a compreensão do momento atual. Constatou-se que é necessário ter uma visão dialética acerca dos problemas, com a participação ativa de todos, relativizando opiniões e pensamentos distintos, mantendo um diálogo e troca entre os saberes. É necessário também um investimento na educação da população em geral, para que as pessoas possam pensar e questionar a realidade por si mesmas.

Palavras-chave


corrupção; meios de comunicação; política; psicologia social

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, T. (1993). Mínima Moralia. São Paulo: Ática.

Almeida, A. (2007). A cabeça do brasileiro. São Paulo, SP: Record.

Ballestrin, L. (2013, julho 8). Fim da corrupção: Opacidade, moralismo e hipocrisia. Carta Capital. Recuperado de http://www.cartacapital.com.br/politica/ 201cfim-da-corrupcao201dopacidade-moralismo-e-hipocrisia-2147.html

Bandeira, R. (2015, abril 10). A pauta que anima o Brasil. Zero Hora. Recuperado de http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/2015/04/10/artigo-apauta-que-anima-o-brasil/

Bauman, Z. (1999). Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Benjamin, W. (2000). Rua de mão única. (Obras escolhidas II). São Paulo, SP: Brasiliense.

Birman, J. (2006). Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Callegari, A. L. (2015, março 20). A falácia do pacote anticorrupção. Zero Hora. Recuperado de http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/2015/03/20/artigo-afalacia-do-pacote-anticorrupcao/

Campos, R. de O. (1967). A técnica e o riso (2. ed.). Rio de Janeiro, RJ: APEC.

Carvalho. J. (2008). Quem transgride o quê? In F. H. Cardoso, & M. M. Moreira (Orgs.), Cultura das transgressões no Brasil: Lições de história (2. ed.). São Paulo, SP: Saraiva.

Carrara, K. (1996). Psicologia e a construção da cidadania. Psicologia Ciência e Profissão, 16(1), 12-17. doi:10.1590/S1414-98931996000100003

Cavazza, N. (2008). Psicologia das atitudes e das opiniões. São Paulo, SP: Loyola.

Chauí, M. (1986). Conformismo e resistência. São Paulo, SP: Brasiliense

Chevitarese, L. (2001). As Razões da Pós-modernidade. Anais da I SAF-PUC. Rio de Janeiro, RJ: Booklink.

Cindra, J. L. (1995). Sobre uma visão dialética do mundo (39. ed., pp. 56-60). São Paulo, SP: Fundação Maurício Grabois.

Coletto, B. I. (2015, março 23). O que não estamos falando sobre a corrupção. Zero Hora. Recuperado de http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/03/bruno-irion-coletto-oque-nao-estamos-falando-sobre-a-corrupcao-4724318.html#

DaMatta, R. (1986). O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro, RJ: Rocco.

Fischer, R. & Vauclair, C. M. (2011). Influência social e poder. In C. V. Torres & E. R. Neiva (Orgs.). Psicologia Social: Principais temas e vertentes. Porto Alegre: Artmed

Fonseca, F. (2000). Democracia virtual: A mídia sem freios e contrapesos. In L. Ladislaw, O. Ianni, P. E. Resende, & H. Silva. (Orgs), Desafios da Comunicação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gramsci, A. (2001). Cadernos do cárcere: Temas de cultura, ação católica, americanismo e fordismo (Vol. 4, pp. 394). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Guareschi, P. (1994). A comunicação e o poder: A presença e o papel dos meios de comunicação de massa estrangeiros na América Latina (10. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Guareschi, P. (2007). Mídia e democracia: O quarto versus o quinto poder. Revista Debates, 1(1), 6-25.

Guareschi, P. (2012). Psicologia social crítica: Como prática de libertação. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Holanda, S. B. de. (1995). A criação do Instituto de Estudos Brasileiros. In S. B. de Holanda, Raízes do Brasil. São Paulo, SP: Cia das Letras.

Horkheimer, M. (2002). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Itaqui, L. G. & Iensen, S. A. L. (2014). A subjetividade do cidadão brasileiro: tessituras entre psicanálise, história e democracia. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 5(1), 64-79. doi:10.5433/2236- 6407.2014v5n1p64

Kerbs, R. (2002). A ética no pós-modernismo. Rio de Janeiro, RJ: Diálogo.

Lamachia, C. (2015, março 10). Corrupção sem precedentes. Zero Hora. Recuperado de http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/2015/03/10/artigocorrupcao-sem-precedentes/ Martín-

Baró, I. (1996). O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1), 7-27. doi:10.1590/S1413-294X1997000100002

Moreira, M. R. M. (2015, março 20). Corrupção, onde moras?. Zero Hora. Recuperado de http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/2015/03/20/artigocorrupcao-onde-moras/

Mourão, R. (2015). Celso Furtado e a questão do patrimonialismo no Brasil. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política, 24(1), 54-67. doi:http://dx.doi.org/10.4322/tp.24103

Novaes, J. (2009). Seminário nacional mídia e psicologia: Produção de subjetividade e coletividade. In A. M. B. Bock et al. (Orgs.), Mídia e psicologia: Produção de subjetividade e coletividade (2. ed.). Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Oliveira, A., & Silva, L. (2013). Ideologia segundo John Thompson: Reflexões da Política de educação no período da ditadura militar brasileira. (1964- 1985). Revista Histedbr, 54, 220-229. doi:10.20396/rho.v13i54.8640179

Paulilo, M. (1999). A pesquisa qualitativa e a história de vida. Serviço Social em Revista, 2(1), 135-145.

Santos, K. & Amanajás, A. (2012). Democracia e corrupção no Brasil: A face tirana do poder político. Estação Científica, 2(1), 11-24.

Souza, M. (2002). O conceito de autonomia moral no referencial curricular nacional para a educação infantil. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, São Paulo.

Stürmer, G. (2015, abril 20). Falência das Instituições?. Zero hora. Recuperado de http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/2015/04/20/artigo-falencia-dasinstituicoes/

Tanzi, V. (1998). Corrupção: Atividades governamentais e mercados. Finanças e Desenvolvimento, 15(4), 24-26.

Tavares, F. (2015, março 28). Quem embarca nesse voo?. Zero Hora. Recuperado de http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/2015/03/28/artigoquem-embarca-nesse-voo/

Torres, J. C. de O. (1973). Introdução à teoria do “jeito”. In J. C. de O. Torre (Org.), Interpretação da realidade brasileira: Introdução à história das ideias políticas no Brasil (2. ed.). Rio de Janeiro, RJ: José Olympio.

Thompson, J. (1998). A mídia e a modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Thompson, J. (2009). Ideologia e cultura moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Weber, M. (1999). Economia e sociedade: Fundamentos de sociologia compreensiva. Brasília, DF: UnB.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)