Percepções sobre adoecimento para caminhoneiros afastados pelo sistema de previdência social

Livia Guimarães Delfino, Thiago Drumond Moraes

Resumo


Objetiva-se compreender o afastamento do trabalho de caminhoneiros de rota longa em benefício previdenciário e com indicação de reabilitação profissional pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) visando conhecer como percebiam seu trabalho e os fatores ligados a seu processo de adoecimento. Em pesquisa de abordagem qualitativa, entrevistou-se individualmente 13 caminhoneiros, homens, com idades entre 30 e 58 anos. Dos relatos identificaram-se categorias como características e condições do trabalho, expectativas e ganhos profissionais e adiamento do cuidado. Os dados demonstram percepção do afastamento por doenças relacionado à atual organização do transporte rodoviário de cargas e que esse afastamento tem ocorrido tardiamente com o agravamento das morbidades, ficando evidente a influência dos modos de lidar com o adoecer destes trabalhadores. O estudo demonstra necessidade de aprimoramento constante das ações da Previdência Social principalmente no que se refere às especificidades de determinados grupos profissionais no serviço de reabilitação profissional do INSS.

Palavras-chave


seguridade social; saúde ocupacional; aposentadoria; condições de trabalho; transportes

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes, R. (2015). Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho (16 ed.). São Paulo, SP: Cortez Editora.

Bardin, L. (2015). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70. Boltanski, L. (1979). As classes sociais e o corpo. Rio de Janeiro: Graal.

Botelho, L. J., Diesel, L. E., Adamczyk, J. F., & Zeferino, M. T. (2011). Profissão motorista de caminhão: uma visão (im)parcial. Saúde e transformação social, 2(1), 108-113.

Bregalda, M. M., & Lopes, R. E. (2011). O Programa de Reabilitação Profissional do INSS: apontamentos iniciais a partir de uma experiência. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 19(2), 249-262.

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: Ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614. doi: 10.1590/S0034-71672004000500019

Canguilhem, G. (2011). O normal e o patológico (11 ed.). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

Cerqueira, G. S., Siqueira, R. M. P., Fragoso, F. A. P., Leiros, W. d. S. B., Freitas, R. M., Sivla, R. C., & Fragoso, L. d. M. (2011). Uso de anfetaminas entre caminhoneiros: Um estudo transversal. RevInter Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, 4(2), 76-86. doi: 10.1590/S0034-89102007000200017

Clot, Y. (2010). Poder de agir. Belo Horizonte, MG: FabreFactum.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo (Vol. 1 e 2). Brasília, DF: Paralelo 15. Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho (5. ed.). São Paulo, SP: Cortez-Oboré.

Falzon, P. (Ed.). (2007). Ergonomia. São Paulo, SP: Edgar Blucher Fogaça, L. F., Santos, C. S., Souza, E. D., & Morais, R. T. P. (2011). Identificação de caminhoneiros hipertensos da campanha de saúde na boleia de uma concessionária do interior de São Paulo. Nursing (São Paulo), 13(155), 204- 208.

Forzy, J.-F. (2007). Condução de automóveis e concepção ergonômica. In P. Falzon (Ed.), Ergonomia (pp. 557-571). São Paulo, SP: Blucher.

Franco, M. L. P. B. (2012). Análise de Conteúdo (4 ed. Vol. 6). Brasília, DF: Líber Livro. Gaskell, G. (2008). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (pp. 64-89). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Hirata, H. (2002). Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo, SP: Boitempo Editorial.

Januzzi, P. M. (2002). Mobilidade Social no Contexto de Adversidades Crescentes do Mercado de Trabalho Brasileiro dos Anos 1990. Economia e Sociedade, 11(2), 255-278.

Kapron, R. A. (2012). História do trabalho dos caminhoneiros no Brasil: profissão, jornada e ações políticas. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Pelotas, Pelotas/RS.

Knauth, D. R., Pilecco, F. B., Leal, A. F., Seffner, F., & Teixeira, A. M. F. B. (2012). Staying awake: Truck drivers' vulnerability in Rio Grande do Sul, Southern Brazil. Revista de Saúde Pública, 46(5), 886-893.

Maeno, M., & Vilela, R. A. G. (2010). Reabilitação Profissional no Brasil: Elementos para a construção de uma política pública. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(121), 87-99. doi: 10.1590/S0303- 76572010000100010

Marqueze, E. C., Ulhôa, M. A., & Moreno, C. R. C. (2012). Irregular working times and metabolic disorders among truck drivers: A review. Work, 41(0), 3718-3725. doi: 10.3233/WOR-2012-0085-3718

Molinié, A. F. (2002). Âge et Conditions de Travail dans l’Union Européenne. Dublin. Paris: Fondation européenne pour l’amélioration des conditions de vie et de travail.

Moraes, T. D., & Athayde, M. (2014). Dimensões do coletivo na atividade de trabalho dos motoboys. Fractal, 26(2), 327-348. doi: 10.1590/1984- 0292/906

Moraes, T. D., Rohr, R. V., & Athayde, M. (2015). Ingresso, permanência e abandono na profissão de motoboys: Constituição de si e da profissão. Laboreal, 11(1), 69-83.

Nascimento, E. C., Nascimento, E., & Silva, J. d. P. (2007). Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada. Revista de Saúde Pública, 41(2), 290-293. doi: 10.1590/S0034-89102007000200017

Nunes, I. (2011). Acumulação de capitais e sistemas de transportes terrestres no Brasil. In A. G. Filho & P. R. C. Queiroz (Eds.), Transportes e formação regional contribuições à história dos transportes no Brasil (pp. 11-39). Dourados, MS: UFGD Editora.

Pope, C., & Mays, N. (2009). Métodos qualitativos na pesquisa em saúde. In C. Pope & N. Mays (Eds.), Pesquisa qualitativa na atenção à saúde (pp. 11- 19). Porto Alegre, RS: Artmed.

Ramos, S., & Lacomblez, M. (2005). Envelhecimento, trabalho e cognição: 80 anos de investigação. Laboreal, 1(1), 52-60.

Rosa, I. (2006). Trilhando caminhos e perseguindo sonhos: histórias e memórias de caminhoneiros. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Ruiz, V. R., & Araújo, A. L. L. (2012). Saúde e segurança e a subjetividade no trabalho: Os riscos psicossociais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 37(125), 170-180. doi: 10.1590/S0303-76572012000100020

Santos, G. S. H. (2015). O programa de reabilitação profissional do Instituto Nacional do Seguro Social e a reinserção do trabalhador no mercado de trabalho. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Santos, M. M. (2007). Transporte rodoviário de cargas no Brasil: transportadores e sindicalismo a partir dos anos 1990. (Dissertação de Mestrado), Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Scaramella, M. L. (2004). Nessa longa estrada da vida: um estudo sobre as experiências dos caminhoneiros. (Dissertação de Mestrado), Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: O direito de ser dono de si mesmo. São Paulo, SP: Cortez.

Simonelli, A. P., Camarotto, J. A., Bravo, E. S., & Vilela, R. A. G. (2010). Proposta de articulação entre abordagens metodológicas para melhoria do processo de reabilitação profissional. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(121), 64-73. doi: 10.1590/S0303-76572010000100008

Souza, J. C., Paiva, T., & Reimão, R. (2008). Sono, qualidade de vida e acidentes em caminhoneiros brasileiros e portugueses. Psicologia em Estudo, 13(3), 429-436. doi: 10.1590/S1413-73722008000300003

Takahashi, M. A. C., Kato, M., & Leite, R. A. O. (2010). Incapacidade e reabilitação profissional e saúde do trabalhador: Velhas questões, novas abordagens. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(121), 7-9. doi: 10.1590/S0303-76572010000100002

Trindade, Z., Menandro, M. C. S., & Giarnórdoli-Nascimento, I. (2007). Organização e interpretação de entrevistas: Uma proposta de procedimento a partir da perspectiva fenomenológica. In M. M. P. Rodrigues & P. R. M. Menandro (Eds.), Lógicas metodológicas: Trajetos de pesquisa em psicologia (pp. 71-92). Vitória, ES: GM Gráfica Editora.

Ulhoa, M. A., Marqueze, E. C., Lemos, L. C., Silva, L. G. d., Silva, A. A., Nehme, P., . . . Moreno, C. R. d. C. (2010). Distúrbios psíquicos menores e condições de trabalho em motoristas de caminhão. Revista de Saúde Pública, 44(6), 1130-1136. doi: 10.1590/S0034-89102010000600019

Veronese, A. M. (2004). Moto-boys de Porto Alegre: Convivendo com os riscos de acidentes. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Vogel, L. (2001). La dimensión de género en salud laboral–Primeras conclusiones de una encuesta europea La dimensión de género en salud laboral: Primeras conclusiones de una encuesta europea. Retrieved from www.etuc.org/tutb/fr/femmes




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n2p113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)