Testes projetivos na avaliação psicológica da esquizofrenia: Uma revisão da literatura

Ana Carolina Zuanazzi, Rafaela Larsen Ribeiro

Resumo


Objetivou-se investigar o que se tem produzido no Brasil sobre a temática do uso de instrumentos projetivos/expressivos na avaliação psicológica de pacientes com esquizofrenia. Para tanto, fez-se uma revisão da literatura brasileira nas bases de dados Scielo, Lilacs, Medline, Pepsic e Index Psicologia a partir dos descritores “avaliação e esquizofrenia” e um dos seguintes termos: Rorschach, TAT, HTP, Pfister, Zulliger, Palográfico ou PMK. Foram selecionados dez artigos a partir dos critérios de inclusão e exclusão. Nos últimos dez anos foram publicados 80% dos artigos encontrados, sendo o Rorschach o instrumento mais utilizado nesse contexto. Não foram encontrados estudos com os instrumentos HTP, Palográfico, PMK e Zulliger. Apesar do baixo número de estudos na literatura brasileira, considera-se que o uso de instrumentos projetivos na avaliação psicológica de pessoas com esquizofrenia enriquece o diagnóstico e a verificação de potencialidades e dificuldades emocionais e da percepção da realidade nessa população.


Palavras-chave


técnicas projetivas; avaliação psicológica; esquizofrenia; revisão de literatura; teste de Rorschach

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, N., Rivero, T. S., Coutinho, G, & Bueno, O. F. A. (2014). Neuropsicologia da aprendizagem e memória. In D. Fuentes (Ed.), Neuropsicologia: Teoria e prática. (pp. 103-114). Porto Alegre: Artmed.

Adad, M. A., Castro, R., & Mattos, P. (2000). Aspectos neuropsicológicos da esquizofrenia. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(1 Supl.), 31-34. doi: 10.1590/S1516-44462000000500011

Alves, I. C. B., & Esteves, C. (2004). O teste palográfico na avaliação da personalidade. São Paulo: Vetor.

Anastasi, A., & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica. Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul.

Araújo, A. C. & Lotufo Neto, F. (2014). A nova classificação americana para os transtornos mentais – O DMS-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 16(1), 67-82.

Bereta, F. A. (2008). Subtipos de esquizofrenia e indicadores do psicodiagnóstico de Rorschach. (Monografia). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Bouvet, C., & Cleach, C. (2011). Les ruptures de prise en charge chez des patients d’un centre de soin de réadaptation psychiatrique et leus liens avec les capacites relationnelles, les relations d’objets intériorisées et l’intensité des troubles. L’Encéphale, 37, 19-26. doi: 10.1016/j.encep.2010.03.008

Camargo, C. H. P., Bolognani, S. A. P., & Zuccolo, P. F. (2014). O exame neuropsicológico e os diferentes contextos de aplicação. In D. Fuentes (Ed.), Neuropsicologia: Teoria e prática. (pp. 77-92). Porto Alegre, RS: Artmed.

Carnio, E. C. & Loureiro, S. R. (1993). Caracterizações da percepção real, de pacientes esquizofrênicos, avaliados através das técnicas das Pirâmides Coloridas de Pfister.

Psico, 24(1), 35-47. Chabert, C. (2004). Psicanálise de métodos projetivos. São Paulo, SP: Vetor. Cheniaux, E. (2015). Psicopatologia e diagnóstico da esquizofrenia. In A. E. Nardi, J. Quevedo, & A. G. Silva (Eds.), Esquizofrenia: Teoria e clínica (pp. 37-44). Porto Alegre, RS: Artmed.

Conselho Federal de Psicologia. SATEPSI. Recuperado de: http://satepsi.cfp.org.br Conselho Federal de Psicologia. (2003). Resolução no 02/2003. Brasília: Conselho Federal de Psicologia. Recuperado de: http://site.cfp.org.br/resolucoes/resolucao-n-2-2003/

Dzamonja-Ignjatovic, T., Smith, B. L., Jocic, D. D., & Milanovic, M. (2013). A comparison of new and revised Rorschach measures of schizophrenic functioning in a Serbian clinical sample. Journal of Personality Assessment, 95(5), 471-478. doi: 10.1080/00223891.2013.810153

Exner Jr., E. & Sendín, C. (1999). Manual de interpretação do Rorschach para o sistema compreensivo. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Exner Jr. (1999). Manual de classificação do Rorschach para o sistema compreensivo. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Freud, S. (2006). Totem e tabu. In Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Edição standard brasileira (pp. 11-163). Vol. 13. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1913).

Galland de Mira, A. M. (2002). PMK: Psicodiagnóstico Miocinético. São Paulo: Vetor.

Gama, C. S., Souza, C. M., Lobato, M. I., & Belmonte-de-Abreu, P. S. (2004). Relato do uso de clozapina em 56 pacientes atendidos pelo programa de atenção à esquizofrenia refratária da secretaria da saúde e do meio ambiente do estado do Rio Grande do Sul. Revista Psiquiatria, 26(1), 21-28. doi: 10.1590/S0101-81082004000100004

Godoy, S. L. & Noronha, A. P. P. (2005). Instrumentos psicológicos utilizados em seleção profissional. Revista do Departamento de Psicologia, 17(1), 139- 159. doi: 10.1590/S0104-80232005000100011

Gooding, D. C., Coleman, M. J., Roberts, S. A., Shenton, M. E., Levy, D. L., & Erlenmeyer-Kimling, L. (2012). Thought disorder in offspring of schizophrenic parentes: Findings from the New York High-Risk Project. Schizophrenia Bulletin, 38(2), 263-271. doi: 10.1093/schbul/sbq061

Henriques-Calado, J., & Duarte-Silva, M. E. (2011). A esquizofrenia e a demência no teste de apercepção temática: Uma análise da angústia e da relação de objeto. Contextos Clínicos, 4(2), 67-79. doi: 10.4013/ctc.2011.42.01

Johann, R. V. O., & Vaz, C. E. (2006a). Avaliação de aspectos cognitivos em homens portadores de esquizofrenia em tratamento com haloperidol ou clozapina. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 55(3), 202-207. doi: 10.1590/S0047-20852006000300005

Johann, R. V. O., & Vaz, C. E. (2006b). Condições afetivas e de relacionamento interpessoal em homens portadores de esquizofrenia em tratamento com haloperidol ou clozapina. Interação em Psicologia, 10(1), 151-156. doi: 10.5380/psi.v10i1.5708

Keefe, R. S. R., & Eesley, C. E. (2012). Déficits neurocognitivos. In J. A. Lieberman, T. S. Stroup, & D. O. Perkins, Fundamentos da esquizofrenia (pp. 89-108). Porto Alegre, RS: Artmed.

Kimhy, D., Corcoran, C., Harkavy-Friedman, J. M., Ritzler, B., Javitt, D. C., & Malaspina, D. (2007). Visual form perception: A comparison of individuals at high risk for psychosis, recent onset schizophrenia and chronic schizophrenia. Schizophrenia Research, 97(1-3), 25-34. doi: 10.1016/j.schres.2007.08.022

Londere, M. D. B., Massuda, R., & Gama, C. S. (2015). Neurobiologia da esquizofrenia. In A. E. Nardi, J. Quevedo, & A. G. Silva (Eds.), Esquizofrenia: Teoria e Clínica. Porto Alegre, RS: Artmed.

Lukasova, K., Zanin, L. L., Chucre, M. V., Macedo, G. C., & Macedo, E. C. (2010). Analysis of exploratory eye movements in patients with schizophrenia during scanning of projective tests’ figures. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(2), 119-125. doi: 10.1590/S0047-20852010000200007

Malloy-Diniz, L., Paula, J. J., & Sedó, M. (2014). Neurospicologia das funções executivas e da atenção (pp. 115-138). In D. Fuentes, Neuropsicologia: Teoria e prática. Porto Alegre, RS: Artmed.

Meyer, G. J., Viglione, D. J., MIhura, J. L., Erard, R. E., & Erdberg, P. (2011). Rorschach Perfomance Assessment System: Administration, coding, interpretation, and technical manual. Toledo, Ohio: Rorschach Performance Assessment System. Miguel, F. K. (2014). Mitos e verdades no ensino de técnicas projetivas. PsicoUSF, 19(1), 97-106. doi: 10.1590/1413-82712014019003015

Moore, R. C., Viglione, D. J., Rosenfarb, I. S., Patterson, T. L., & Mausbach, B. T. (2013). Rorschach measures of cognition relate to everyday and social functioning in schizophrenia. Psychological Assessment, 25(1), 253-263. doi: 10.1037/a0030546

Murray, H. A. (2005). TAT: Teste de apercepção temática. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Noto, C., Ortiz, B. B., & Honda, P. H. S. (2015). Esquizofrenia resistente ao tratamento. In A. F. Carvalho, A. E. Nardi, & J. Quevedo (Eds.) Transtornos psiquiátricos resistentes ao tratamento: Diagnóstico e manejo. Porto Alegre, RS: Artmed.

Organização Mundial da Saúde. (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, RS: Artes Médicas

Ortiz, B. & Lacaz, F. S. (2012). Esquizofrenia: Diagnóstico e dimensões clínicas. In C. S. Noto & R. A. Bressan (Eds.) Esquizofrenia: Avanços no tratamento multidisciplinar. Porto Alegre, RS: Artmed.

Pasian, S. R. (2000). O psicodiagnóstico de Rorschach em adultos: Atlas, normas e reflexões. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Pasian, S. R. & Loureio, S. R. (2010). Reflexões sobre princípios e padrões normativos do Rorschach. In S. R. Pasian (Ed.), Avanços do Rorschach no Brasil. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Pegoraro, L. F. L., Ceará, A. T., & Fuentes, D. (2014). Neuropsicologia das psicoses (pp. 215-222). In D. Fuentes, Neuropsicologia: Teoria e prática. Porto Alegre, RS: Artmed.

Pereira, C. & Chehter, E. Z. (2011). Associações entre impulsividade, compulsão alimentar e obesidade em adolescentes. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 63(3), 16-30.

Pereira, R. S. (2011). Transtornos dissociativo e histriônico: contribuições da avaliação psicodiagnóstica. (Monografia). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Primi, R. (2010). Avaliação psicológica no Brasil: Fundamentos, situação atual e direções para o futuro. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(especial), 25-35. doi: 10.1590/S0102-37722010000500003

Rausch de Traubenberg, N. (1975). A prática do Rorschach. São Paulo, SP: Cultrix.

Resende, A. C., & Argimon, I. I. L. (2012). A técnica de Rorschach e os critérios da CID-10 para o diagnóstico da esquizofrenia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(3), 422-434. doi: 10.1590/S0102-79722012000300002

Roisko, R., Wahlberg, K. E., Hakko, H., Wynne, L. & Tienari, P. (2011). Communication deviance in parents of families with adoptees at a high or low risk of schizoprenia-spectrum disordes and its associations with attributes of the adoptee and the adoptive parents. Psychiatry Research, 185, 66-71. doi: 10.1016/j.psychres.2010.04.018

Rosenbaum, B., Andersen, P. B., Knudsen, P. B. & Lorentzen, P. (2012). Rorschach inkblot method data at baseline and after 2 years treatment of consecutively admitted patients with first-episode schizophrenia. Nordic Journal of Psychiatry, 66(2), 79-85. doi: 10.3109/08039488.2011.595500

Rueda, F. J. M., & Lamounier, R. (2006). O psicodiagnóstico miocinético em motoristas: diferenças por gênero, escolaridade e idade. Avaliação Psicológica, 5(2), 179-187.

Salim, J. (1987). Noções de psicofarmacologia na prática. São Paulo, SP: EPU: EDUC.

Santos, M. A. (2000). A representação de si na esquizofrenia através do psicodiagnóstico de Rorschach. Paidéia, 10(19), 67-81. doi: 10.1590/S0103-863X2000000200009

Santos, M. A., & Vaz, C. E. (2006). Representação de objeto e organização psíquica: Integração dinâmica dos dados do Rorschach. Psico, 37(3), 249- 261.

Senden, D. A., Lopes, R. M. F., Lopes do Nascimento, R. F. L., Terroso, L. B., & Argimon, I. I. L. (2013). Análise da personalidade de profissionais da área da saúde: Um estudo pelo teste Palográfico. Aletheia, 42, 62-70.

Sisto, F. F. (2010). Uma análise das evidências de validade brasileiras do PMK. Psico-USF, 15(2), 141-149. doi: 10.1590/S1413-82712010000200002

Stroup, T. S., Marder, S. R., & Lieberman, J. A. (2012). Tratamento farmacológico (pp. 189-224). In J. A. Lieberman, T. S. Stroup, & D. O. Perkins (Eds.), Fundamentos da esquizofrenia. Porto Alegre, RS: Artmed.

Tardivo, R. C. (2003). Casa-Árvore-Pessoa (HTP): Manual e guia de interpretação. São Paulo, SP: Vetor.

Urbina, S. (2007). Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre, RS: Artmed.

Valença, A. M., & Nardi, A. E. (2015). Histórico do conceito de esquizofrenia. In A. E. Nardi, J. Quevedo, & A. G. Silva, (Eds.), Esquizofrenia: Teoria e Clínica (pp. 17-24). Porto Alegre: Artmed.

Vasconcelos, A. G., Do Nascimento, E., & Sampaio, J. R. (2011). PMK: Validade preditiva do PMK em relação à presença de sintomas psicopatológicos. Psico-USF, 16(2), 143-149. doi: 10.1590/S1413-82712011000200003

Vasconcelos, A. G., Sampaio, J. R., & Do Nascimento, E. (2013). PMK: Medidas válidas para a predição do desempenho no trabalho? Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(2), 251-260. doi: 10.1590/S0102-79722013000200005

Vaz, C. E. (1997). O Rorschach: Teoria e desempenho. São Paulo, SP: Manole Ltda.

Vieira, C., Fay, E. S. M., & Neiva-Silva, L. (2007). Avaliação psicológica, neuropsicológica e recursos em neuroimagem: Novas perspectivas em saúde mental. Aletheia, 26, 181-195.

Vieira, P. G., & Villemor-Amaral, A. E. (2015). Evidências de validade do Rorschach Performance Assessment System no diagnóstico da esquizofrenia. Avaliação Psicológica, 14(1), 53-62. doi: 10.15689/ap.2015.1401.06

Villemor-Amaral, A. E. (2012). As pirâmides coloridas de Pfister. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Villemor-Amaral, A. E., & Machado, M. A. S. (2011). Indicadores de depressão do Zulliger no Sistema Compreensivo (ZSC). Paidéia, 21(48), 21-27. doi: 10.1590/S0103-863X2011000100004

Villemor-Amaral, A. E., & Primi, R. (2012). Teste de Zulliger no sistema compreensivo, ZSC: Forma individual. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Villemor-Amaral, A. E., Primi, R., Franco, R. R. C., Farah, F. H. Z., Cardoso, L. M., & Silva, T. C. (2005). O teste de Pfister e sua contribuição para o diagnóstico da esquizofrenia. Revista do Departamento de Psicologia – UFF, 17(2), 89-98. doi: 10.1590/S0104-80232005000200008

Zimmer, M., Jou, G. I., Sebastiany, C. M., Guimarães, E. R., Boechat, L. C., Soares, T., & Belmonte-de-Abreu, P. S. (2008). Avaliação neuropsicológica na esquizofrenia: revisão sistemática. Revista de Psiquiatria, 30(1 Supl.). doi: 10.1590/S0101-81082008000200005




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n2p71

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)