Possíveis contribuições da psicologia na Estratégia de Saúde da Família: Interdisciplinaridade entre fazeres e saberes

Ana Alice Dalla Valle Marques, Rafael Wolski de Oliveira

Resumo


A Psicologia mostra-se na atualidade como um amplo campo de atuação que abrange diferentes áreas de conhecimento. Entender possíveis contribuições da Psicologia na Estratégia da Saúde da Família e como se dá a operacionalização dos trabalhos interdisciplinares em equipe, propicia ampliar e desenvolver conhecimento, contribuir com a transformação social e para uma atuação mais ativa na ampliação da rede de cuidado em saúde mental e no Sistema Único de Saúde (SUS). Esse estudo de natureza qualitativa, utilizou a análise de conteúdo, a partir da observação participante e entrevistas semiestruturadas. O estudo aponta para necessidade de desenvolver constantemente novas formas de promover saúde, capazes de contemplar os sujeitos na sua integralidade. O papel da Psicologia na ESF vai além de ações simplistas de avaliação, encaminhamento e tratamento. Trata-se de ampliar possibilidades para promover atuações e serviços que se mostrem resolutivos e satisfatórios para usuários e equipe de saúde.

Palavras-chave


Psicologia; Saúde; Interdisciplinaridade; Família

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, L., Barreto, I., & Bezerra, R. (2006). Atenção primária à saúde e estratégia saúde da família. In G. Campos (Ed.), Tratado de saúde coletiva. (pp. 783-836). São Paulo, SP: Hucitec.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. Beuren, I. M. (2009). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: Teoria e prática (3. ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Bernal, A. (2010). Psicologia do trabalho em um mundo globalizado: Como enfrentar o assédio psicológico e o estresse no trabalho. Porto Alegre: Artmed.

Brandão, I. R. & Bonfim, Z. A. (1999). Os jardins da psicologia comunitária: Escritos sobre a trajetória de um modelo teórico e vivencial. Fortaleza: Pró- Reitoria de Extensão da UFC.

Conselho Federal de Psicologia. Entrevista com Fábio Porto. Diálogos, 7.7 (2010): 7-11. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2012/03/OK_-_Dixlogos_ed_7_FINAL_-_BAIXA.pdf

Dimenstein, M. (1998). O psicólogo nas unidades básicas de saúde: Desafios para a formação e atuação profissionais. Estudos de psicologia (Natal), 3(1), 53-81.

Dimenstein, M. (2001). O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicologia em Estudo, 6(2), 57-63. doi: 10.1590/S1413- 73722001000200008

Ferreira, M., Schimith, M., & Cáceres, N., (2010). Necessidades de capacitação e aperfeiçoamento dos profissionais das Equipes de Saúde da Família da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 15(5), 2611-2620. doi: 10.1590/S1413- 81232010000500035

Ferreira, N. (2011). Psicologia, Políticas Públicas e o SUS. Belo Horizonte: Autêntica/FAPEMIG.

Giacomozzi, A. (2012). A Inserção do psicólogo na Estratégia de Saúde da Família e a transição de paradigma em saúde. Psico, 43(3), 298-308.

Madeira, K. H. (2009). Práticas do Trabalho Interdisciplinar na Saúde da Família: Um estudo de caso. (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC.

Martins, J. J., Nascimento, E. R. P., Geremias, C. K., Schneider, D. G., Schweitzer, G., & Matiioli, N. H. (2008). O acolhimento à família na Unidade de Terapia Intensiva: conhecimento de uma equipe multiprofissional. Revista Eletrônica de Enfermagem, 10(4), 91-101.

Menossi, M., Oliveira, M. M., Coimbra, V. C. C., Palha, P. F., & Almeida, M. C. P. (2005). Interdisciplinaridade: um instrumento para a construção de um modelo assistencial fundamentado na promoção de saúde. Revista Enfermagem UERJ, 13, 252-256.

Ministério da Saúde. (2000). Sistema Único de Saúde (SUS). Princípios e conquistas. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_principios.pdf

Ministério da Saúde. (2000). Cadernos de atenção básica: Programa de saúde da família. Caderno 1. A Implantação da Unidade de Saúde da Família. Brasília: Brasil: Autor. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/implantacao_unidade_saude_fa milia_cab1.pdf

Ministério da Saúde. (2006). Portaria nº 648 de 28 de março de 2006. In Ministério da Saúde, Política nacional de educação básica (pp. 9-54). Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pacto_saude_v4_4ed.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Caderno de atenção básica: Saúde mental. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_34.pdf

Moreno, G. M. B., Soares, M. T. Q. S., Pagani, R., Farias, A. M., Scorsafava, A. T., Simão, V. S., & Brandão, I. R. (2004). A Inserção da Psicologia na Estratégia da Saúde da Família em Sobral/CE (Relato de experiência). Revista Sanare, 5(1), 77-84.

Moura, R. F. S. & Silva, C. R. C. (2015). Saúde Mental na Atenção Básica: Sentidos Atribuídos pelos Agentes Comunitários de Saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 15(1), 199-210. doi: 10.1590/1982-3703001832013

Nepomuceno, L. B. & Brandão, I. R. (2011). Psicólogos na estratégia saúde da família: Caminhos percorridos e desafios a superar. Psicologia Ciência e Profissão, 31(4), 762-777. doi: 10.1590/s1414-98932011000400008

Oliveira, E., Lopes, L. J., Gomes, M. J., Coelho, S. O., Fiorin, B. H., & Morra, J. S. (2011). Interdisciplinaridade, trabalho em equipe e multiprofissionalismo: Concepções dos acadêmicos de enfermagem. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 13(4), 28-34.

Peduzzi, M. (1998). Equipe multiprofissional de saúde: A interface entre o trabalho e interação. (Tese de doutorado não publicada). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Queiroz, D. T., Vall, J., Souza, A. M. A., & Vieira, N. F. C. (2007). Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área da saúde. Revista de Enfermagem, UFRJ, 15(2), 276-283.

Richardson, R. J. (1999) Pesquisa Social: Métodos e técnicas. (3. Ed). São Paulo, SP: Atlas.

Saito, R. X. S. (2008). Políticas de Saúde: Princípios, Diretrizes e Estratégias para a estruturação de um Sistema Único de Saúde. In E. C. C. Ohara & R. X. S. Saito (Eds.) Saúde da família: Considerações teóricas e aplicabilidade, (pp. 21-60). São Paulo, SP: Martinari.

Vasconcelos. E. M. (1999). Educação popular e atenção à saúde da família. São Paulo, SP: Hucitec.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n2p39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)