Adoção de crianças maiores: sobre aspectos legais e construção do vínculo afetivo

Letícia Víer Machado, Rodrigo Ramires Ferreira, Paulo César Seron

Resumo


O tema da adoção de crianças maiores faz parte de um contexto de mudanças profundas na concepção de família. A adoção de crianças maiores refere-se à adoção de crianças acima de dois anos e ainda é preterida pelos adotantes brasileiros. Utilizando-se da metodologia de pesquisa documental teórica, analisamos a produção da legislação brasileira em termos de “adoção tardia”. Discutimos os impasses que emergem na construção do vínculo entre pais e filhos maiores adotados e algumas contribuições teóricas sobre o estabelecimento dessa relação.

Palavras-chave


adoção tardia; família; estatuto da criança e do adolescente; psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


Ariès, P. (1973). História Social da Infância e da família. Rio de Janeiro: Zahar.

Bion, W.R. (1971). Aprendendo com a experiência. Rio de Janeiro: Imago.

Campos, N. (2010). Reflexões a partir do grupo de preparação para adoção: as angústias da espera e suas implicações na tarefa de luto pela infertilidade e pelo filho idealizado. Recuperado em 13 de junho de 2015 de: https://bit.ly/2OXM5KT.

Conselho Federal de Psicologia. (2012). Mudança de foco nos processos de adoção reforça papel do psicólogo. Revista Diálogos, 9 (8), 36-39. Recuperado em 30 de janeiro de 2013 de https://bit.ly/32Yu4UN

Costa, N. R. do A. & Rossetti-Ferreira, M. C. (2007). Tornar-se pai e mãe em um processo de adoção tardia. Psicologia Reflexão e Crítica, 20 (13), 425-434. Recuperado em 30 de janeiro de 2013 de: https://bit.ly/3g6gOBm.

De Conti, C. A. M. (2010). O papel do outro na constituição do psiquismo: um tema e duas abordagens em dialogia. Tese de Doutorado Programa de Pósgraduação em Educação da UNIMEP. Piracicaba – SP.

Insituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. (2014). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Síntese de Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 14 de junho de 2015 de: https://bit.ly/39Bwpqe

Lei 12.010, de 03 de agosto de 2009. (2009, 03 de agosto). Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n o 5.452, de 1o de maio de 1943; e dá outras providências. Recuperado em 30 de janeiro de 2013, de https://bit.ly/3jUZFgm.

Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990, 13 de julho). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado em 30 de janeiro de 2013 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm.

Levy, L., Pinho, P. G. R., & Faria, M. M. (2009) “Família é muito sofrimento”: um estudo de casos de devolução de crianças. Psico, Rio de Janeiro, 1 (40), 59- 63. Recuperado em 30 de janeiro de 2013 de https://bit.ly/3hIeqBe.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. (2006). Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília-DF.

Roudinesco, E. & Plon, M. (1998). Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. Winnicott, D. W. (1987). Privação e Delinquência. São Paulo: Martins Fontes




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n1p65

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)