Discurso universitário e função do estágio na clínica-escola: contribuições da psicanálise

Rosane Zétola Lustoza, Nadja Nara Barbosa Pinheiro

Resumo


A transmissão da Psicanálise na universidade é questionável, pois existe uma tensão entre as normas que regulam o discurso universitário e o discurso analítico. Pretende-se assinalar alguns limites e possibilidades do trabalho com a Psicanálise na universidade. Inicialmente, apresentam-se aqueles dois discursos com base na teoria lacaniana. A seguir investiga-se o modelo de avaliação como uma versão contemporânea do discurso universitário, no qual as questões da subjetividade são silenciadas em proveito da valorização da quantidade de saber. Por último, elege-se o estágio supervisionado como momento privilegiado para pensar a questão da transmissão da Psicanálise na universidade. Conclui-se que, apesar das dificuldades experimentadas no trabalho, a práxis na clínica-escola tem uma função positiva, pois requer do estagiário maior responsabilidade com sua prática.


Palavras-chave


Psicanálise; Universidade; Estágio supervisionado

Texto completo:

PDF

Referências


Freud, S. (1986). Novas recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. Sobre o início do tratamento (J. Salomão, Trad.). In: J. Salomão (Org.), Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp.164-192). Rio de Janeiro: Imago.

(Original publicado em 1913). Freud, S. (2006). Observações sobre o amor transferencial (Novas recomendações sobre a técnica da Psicanálise III) (J. Salomão, Trad.). In: J. Salomão (Org.), Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp.177-188). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1915[1914]).

Hadot, Pierre (2004). O que é a filosofia antiga? São Paulo: Edições Loyola. Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano (Vera Ribeiro, Trad.). In: J. Lacan (Org.). Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1960).

Lacan, J. (1992). O seminário, livro XVII: O avesso da psicanálise (Ari Roitman, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1969).

Miller, J. A., & Milner, J. C. (2006). Você quer mesmo ser avaliado? Entrevistas sobre uma máquina de impostura (Vera Besset, Trad.). Barueri: Manole.

Pinheiro, N., & Darriba, V. (2010). A clínica psicanalítica na universidade: reflexões a partir do trabalho de supervisão. Psicologia Clínica, 22, 45-55.

Récanati, F. (1979). La transparence et l'énonciation. Paris: Éditions du Seuil.

Tarré de Oliveira, G.F., & Barros, R.M.M. (2003). Efeitos analíticos da supervisão na universidade. Publicação da Escola Letra Freudiana, 32, 175-180.

Zizek, S. (2009). Violência: seis notas à margem. Lisboa: Relógio d`Água Editores.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n2p2

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)