Formação profissional: as vivências dos jovens em um programa de aprendizagem

Manuella Castelo Branco Pessoa, Maria de Fatima Pereira Alberto

Resumo


Este artigo objetiva analisar as vivências de um grupo de jovens participantes de uma experiência de formação profissional no Programa Jovem Aprendiz (PJA). Utilizou-se metodologia qualitativa e entrevista semiestruturada, analisada através da análise de conteúdo temática. Participaram 20 jovens com idades entre 15 e 22 anos. Os dados mostram que, apesar de não demandarem a inserção no PJA, os jovens aliaram suas necessidades financeiras e das famílias ao discurso do mercado de que é necessário ter experiência para se conseguir um emprego. As vivências no PJA fizeram com que percebessem que tiveram oportunidade de: ter formação profissional; adquirir experiência; aprender técnicas bancárias; conseguir o primeiro emprego. Interpretam que precisam agarrar essa oportunidade e, diante disso, reagem, com sofrimento, ao peso da responsabilidade de que não podem falhar.


Palavras-chave


formação profissional; política pública; juventude

Texto completo:

PDF

Referências


Alberto, M. F. P., Santos, D. P., Leite, F. M., Lima, J. W., & Wanderley, J. C. V. (2011). O trabalho infantil doméstico e o processo de escolarização. Psicologia & Sociedade, 23(2), 293-302. doi: 10.1590/S0102- 71822011000200010

Amazarray, M. R.; Thomé, L. D., Souza, A.P.L., Poletto, M., & Koller, S. H. (2009). Aprendiz versus trabalhador: Adolescentes em processo de aprendizagem. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 329-338. doi: 10.1590/S0102-37722009000300006

Bardin, L. (2007). Análise de conteúdo. Lisboa: Portugal: Edições 70.

Dias, R. S. (2006). O Impacto da formação desenvolvida pela parceria ONG Pia Sociedade com o Banco do Brasil na vida dos adolescentes do Programa de Aprendizagem- JP/PB. (Trabalho de Conclusão de Curso) Programa de PósGraduação em Serviço Social, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Frigotto, G. (2008). Educação profissional e capitalismo dependente: o enigma da falta e sobra de profissionais qualificados. Trabalho, Educação e Saúde, 5(3), 521-536. doi: 10.1590/S1981-77462007000300011

Macêdo, O. J. V. (2006). O sentido da formação para o trabalho e as expectativas em relação ao futuro por parte dos adolescentes aprendizes. (Dissertação) Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB.

Macêdo, O. J. V. & Alberto, M. F. P. (2012). O sentido da formação profissional no contexto da aprendizagem. Estudos de psicologia (Natal), 17(2), 223- 232. doi: 10.1590/S0100-55022008000300010

Ministério do Trabalho e Emprego (2006). Manual da aprendizagem: O que é que preciso saber para contratar o jovem aprendiz. Brasília: MTE, SIT, SPPE.

Máximo, T. A. C. O. (2012). Significado da formação e inserção profissional para gestores e aprendizes egressos do programa jovem aprendiz. (Tese de Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Novaes, R. (2007). Juventude e Sociedade: jogos de espelhos. Sentimentos, percepções e demandas por direitos e políticas públicas. Revista Sociologia Especial – Ciência e Vida, 1(2), 1-10.

PNAD (2011). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio: síntese de indicadores. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Pochmann, M. (2000). A batalha do primeiro emprego. São Paulo: Publisher Brasil.

Raupp, L. & Milnitsky-Sapiro, C. (2005). Reflexões sobre concepções e práticas contemporâneas das políticas públicas para adolescentes: o caso da drogadição. Saúde e Sociedade, 14(2), 60-68. doi: doi.org/10.1590/S0104- 12902005000200007

Rocha, S. (2008). A inserção dos jovens no mercado de trabalho. Caderno CRH, 21(54), 533-550. doi: 10.1590/S0103-49792008000300009

Santos, D. P. (2006). Relatório de Estágio em Psicologia Social na Delegacia Regional do Trabalho. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Segnini, L. R. P. (2000). Educação e trabalho: uma relação tão necessária quanto insuficiente. São Paulo em Perspectiva, 14(2), 72-81. doi: 10.1590/S0102- 88392000000200011

Silva, R. M. P. (2006). Programa adolescente aprendiz: Mecanismos Efetivos de Inserção dos Jovens no Mercado de Trabalho? (Trabalho de Conclusão de Curso) Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Soares, O. J. (2009). Juventude e trabalho: notas e reflexões sobre a formação profissional mediada pela “Lei do Aprendiz” (Lei 10.097/00). Trabalho necessário, 7(8), 1-16.

Sposito, M. P. & Carrano, P. C. R. (2003). Juventude e políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Educação, (24), 16-39. doi: 10.1590/S1413- 24782003000300003

Sposito, M. P. & Corrochano, M. C. (2005) A face oculta da transferência de renda para jovens no Brasil. Tempo social, 17(2), 141-172. doi: 10.1590/S0103-20702005000200007

Souza. J. S. (2009). Trabalho, juventude e qualificação profissional: A pedagogia da hegemonia das políticas de inclusão de jovens no Brasil. In I Seminário Nacional Sociologia e Política UFPR “Sociedade e Política em Tempos de Incerteza”. Sociologia e Política. Recuperado de www.humanas.ufpr.br/site/evento

Teixeira, E. S. (2003). A questão da periodização do desenvolvimento psicológico em Wallon e em Vigotski: alguns aspectos de duas teorias. Educação e Pesquisa, 29(2), 235-248. doi: 10.1590/S1517-97022003000200003

Toassa, G. (2009). Emoções e vivências em Vigotski: investigação para uma perspectiva histórico-cultural. (Tese de Doutorado) Programa de PósGraduação em Psicologia. Universidade de São Paulo.

Toassa, G. & Souza, M. P. R. (2010). As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de Vigotski. Psicologia USP [online], 21(4), 757-779. doi: 10.1590/S0103-65642010000400007

Thomé, L. D., Telmo, A. Q. & Koller, S. H. (2010). Inserção laboral juvenil: contexto e opinião sobre definições de trabalho. Paidéia, 20(46), 175-185. doi: 10.1590/S0103-863X2010000200005

Vigotski, L. S. (1933-1934/2006). La crisis de los siete años. In: L. S., Vigotski (Org), Obras Escogidas. Tomo IV (pp. 377-386). Madrid: Espanha: Visor y A. Machado Libros.

Vygotsky, L. S. (1989). Pensamento e linguagem. (2ª ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. (2010). Política social e psicologia: Uma trajetória de 25 anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26 (1), 9-24. doi: 10.1590/S0102-37722010000500002




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n1p02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)