Instrumentos aplicados em estudos brasileiros em psicologia do esporte

Andressa Melina Becker da Silva, Gisele Fernandes de Lima Foch, Claudiane Aparecida Guimarães, Sônia Regina Fiorin Enumo

Resumo


A Psicologia do Esporte é uma das áreas de atuação dos psicólogos que faz uso instrumentos de avaliação. Depende, portanto, da construção e validação de instrumentos para essa população. Este estudo analisou os instrumentos validados para a população brasileira, citados em artigos nacionais sobre Psicologia do Esporte, no período de 2002 a 2012. Os descritores “validação”, “teste”, “esporte” e “psicofisiologia” foram cruzados com os descritores “ansiedade”, “estresse”, “depressão”, “motivação”, “liderança”, “agressividade”, “imaginação”, “humor”, “autoestima”, “autoeficácia”, nas bases de dados eletrônicas Periódicos/CAPES, SciELO-Brasil e PubMed em janeiro de 2013. Para 38 modalidades esportivas e outras não competitivas, encontraram-se seis instrumentos traduzidos e validados para o Brasil, mas ainda não avaliados/aprovados pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). Discute-se a inclusão de medidas psicofisiológicas no processo avaliativo e a validação dos instrumentos aplicados à Psicologia do Esporte.


Palavras-chave


avaliação psicológica; psicologia do esporte; psicofisiologia

Texto completo:

PDF

Referências


Brandão, M. R. F. (2000). Fatores de “stress” em jogadores de futebol profissional. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Esporte, Escola de Educação Física, Universidade de Campinas, Campinas, SP.

Brandão, M. R. F., Medina, J. P., & Martinho, W. (1998). Stress factors in professional soccer players. Orlando: FIMS World Congress.

Brandão, M. R. F., & Winterstein, P. (1999). Stress factors in professional soccer players inventory. Procedings of the X European Congress of Sport Psychology, Praga, 128-130.

Coelho, R. W., Keller, B., & Silva, A. M. B. (2010). Effect of pre and post competition emotional state on salivary cortisol in top-ranking wrestlers. Perceptual and Motor Skills, 111(1), 81-86.

Coelho, R. W., Kuczynski, K. M., Keller, B., & Silva, A. M. B. (2010). Multimodal imagery and cortisol concentration levels of volleyball players. Medicine & Science in Sports & Exercise, 42(5), 289.

Coelho, R. W., Kuczynski, K. M., Juliana, M., Paes, D. D. L. G., Santos, P. B., Rosa, A. P. D. S., & Stefanello, J. M. I. (2014). Effect of a mental training program on salivary cortisol in volleyball players. Journal of Exercise Physiology, 17(3), 46-57.

Conselho Federal de Psicologia. (2003). Resolução CFP N.o 002/2003. Recuperado de http://www.crprs.org.br/upload/legislacao/legislacao47.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. (2003). Resolução CFP N.º 007/2003. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2003/06/resolucao2003_7.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. (2007). Cartilha sobre Avaliação Psicológica. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/05/CartilhaAvalia%C3%A7%C3%A3o-Psicol%C3%B3gica.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. (2010). Avaliação psicológica: Diretrizes na regulamentação da profissão. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2010/09/avaliacao_psicologica_web_30-08-10.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. (2010). Resolução N.º 014/2010. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2010/07/resolucao2010_014.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. (2013). Relatório do ano temático da avaliação psicológica 2011/2012. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2013/03/FOLDER_ANO_TEMATICO_CFP_V4.pdf.

Costa, V. T., Albuquerque, M. R., Lopes, M. C., Noce, F. C. I. T., Costa, I. T., Ferreira, R. M., & Samulski, D. M. (2011). Validação da escala de motivação no esporte (SMS) no futebol para a língua portuguesa brasileira. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 25(3), 537-546.

Cruz, R. S., Casa Júnior, A. J., & Vieira, T. C. (2013). Diagnóstico de overtraining em atletas de alto rendimento: Revisão de literatura. Movimenta, 6(1), 421- 432.

De Rose Jr., D. (1998). Lista de sintomas de “Stress” pré-competitivo infantijuvenil: Elaboração e validação de um instrumento. Revista Paulista de Educação Física, 12(2), 126-133.

Duda, J. L. (2005). Motivation in sport: The relevance of competence and achievement goals. In A. J. Elliot, & C. S. Dweck (Eds.), Handbook of competence and motivation (pp. 318-335). New York: The Guilford Press.

Frighetto, M., Brunetto, H. S., Bordignon, J., & Gaio, M. (2012). Variações nas concentrações de cortisol sérico em jogadores de basquetebol levantado no pré, pós e 24 horas após o término de uma partida oficial. UNOESC & Ciência – ACBS, 3(2), 165-172.

George, D., & Mallery, P. (2003). SPSS for Windows step by step: A simple guide and reference. 11.0 update (4th ed.). Boston: Allyn & Bacon.

Gonçalves, M.P., & Alchieri, J. C. (2010). Adaptação e validação da Escala de Motivação à Prática de Atividades Físicas (MPAM-R). Avaliação Psicológica, 19, 129-138.

Gonçalves, M. P., & Belo, R. P. (2007). Ansiedade-traço competitiva: Diferenças quanto ao gênero, faixa etária, experiência em competições e modalidade esportiva em jovens atletas. Psico-USF, 12(2), 301-307.

Hudson, J., Davison, G., & Robinson, P. (2013). Psychophysiological and stress response to competition in team sport coaches: An exploratory study. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, 23(5), 279-285.

Klein, V. C., Putnam, S. P., & Linhares, M. B. M. (2005). Assessment of temperament in children: Translation of instruments to Portuguese (Brazil) language. Interamerican Journal of Psychology, 43(3), 552-557.

Mansoubi, M., Hojjat, S., & Shojaei, M. (2013). Effect of national preparation training on salivary testosterone, cortisol, and some psychological factors on Iranian female rowers. European Journal of Experimental Biology, 3(2), 13-17.

Martens, R. (1977). Sport competition anxiety test. Champaign, Human Kinetics. Martens, R., Vealey, R., & Burton, D. (Eds.). (1990). Competitive anxiety in sport. Champaign, IL: Human Kinetics.

McCullagh, P., & Noble, J. M. (2011). Formação do psicólogo do esporte. In J. L. Van Raalte, & B. W. Brewer (Eds.), Psicologia do Esporte (2ª ed., pp. 439- 457, H. T. Buchup, Trad.). São Paulo: Santos.

McCann, S. C., Jowdy, D. P., & Van Raalte, J. L. (2011). Avaliação em Psicologia do Esporte. In J. L. Van Raalte, & B. W Brewer (Orgs.), Psicologia do Esporte (2ª ed., pp. 291-305, H. T. Buchup, Trad.). São Paulo: Santos.

Noronha, A. P. P, & Alchieri, J. C. (2002). Reflexões sobre os instrumentos de avaliação psicológica. In R. Primi (Org.), Temas em avaliação psicológica (pp. 7-16). Campinas: IBAP/Impressão Digital Brasil.

Papadopoulos, E. (2013). Interaction between stress and immunity during a week leading to competition in young athletes. Master of Science in Applied Health Sciences, Faculty of Applied Health Sciences, Brock University, Ontario, Canada.

Pasquali, L. (2005). A sociedade não aceita mais qualquer coisa. Psicologia: Ciência e Profissão – Debates, 2(3), 6-10.

Peixoto, E. M., & Nakano, T. C. (2014). Problemas e perspectivas na utilização dos testes psicológicos em Psicologia do Esporte. In C. R. Campos, & T. C. Nakano (Org.), Avaliação psicológica: Direcionada a populações específicas (pp. 201-232). São Paulo: Vetor Ed.

Pratti, L. E., Couto, M. C. P. P., Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). Revisando a inserção ecológica: Uma proposta de sistematização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 160-169.

Primi, R., Muniz, M., & Nunes, C. H. S. S. (2009). Definições contemporâneas de validade de testes psicológicos. In C. S. Hutz (Org.), Avanços e polêmicas em avaliação psicológica (pp. 243-265). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Raposo, J. V., & Fernandes, H. (2004). Análise confirmatória do CSAI-2. Lisboa: Editora da Universidade de Tróis-os- Montes e Alto Douro.

Rubio, K. (2007). Da Psicologia do Esporte que temos à Psicologia do Esporte que queremos. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, 1(1), 01-13.

Rubio, K. (2011). A avaliação em Psicologia do Esporte e a busca de indicadores de rendimento. In L. F. Angelo, & K. Rubio (Orgs.), Instrumentos de avaliação em Psicologia do Esporte (pp. 13-26). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ryan, R. M., & Deci, E. L. (2007). Active human nature: Self-determination theory and the promotion and maintenance of sport, exercise, and health. In M. S. Hagger, & N. L. D. Chatzisarantis (Eds.), Intrinsic motivation and self-determination in exercise and sport (pp. 1-19). Champaign, IL: Human Kinetics.

Santos, P. B. (2011). Estresse psicofisiológico em atletas de futebol de campo da categoria Sub-17. Dissertação de Mestrado não publicada. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR.

Silva, A. M. B., Cavalheiro, M. F., Foch, G. F. L., & Enumo, S. R. F. (2014). Opinião dos profissionais de Psicologia do Esporte sobre os instrumentos de avaliação psicológica nesta área: Um estudo-piloto. Efdeportes (Revista Digital), Buenos Aires, 19(194).

Silva, A. M. B., & Enumo, S. R. F. (2014). Estresse em um fio de cabelo: Revisão sistemática sobre cortisol capilar. Avaliação Psicológica, 13(2), 203-211.

Urbina, S. (2007). Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Vieira, J. F., Vissoci, J. R. N., Oliveira, L. P., & Vieira, J. L. L. (2010). Psicologia do Esporte: Uma área emergente da Psicologia. Psicologia em Estudo, 15(2), 391-399.

Weinberg, R. S., & Gould, D. (2001). Fundamentos da Psicologia do Esporte e do Exercício (2ª ed., M. C. Monteiro, Trad.). Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n2p77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)