Psicodiagnóstico interventivo psicanalítico

Rute Grossi Milani, Mercês Maria Tomael, Bruna Rafaele Milhorini Greinert

Resumo


O psicodiagnóstico interventivo trouxe modificações no processo de avaliação clínica, principalmente no que se refere à atitude e às intervenções do profissional durante o procedimento. O objetivo deste artigo é, a partir de um estudo teórico psicanalítico, descrever os resultados obtidos em pesquisas com pacientes submetidos ao psicodiagnóstico interventivo, tendo em vista a necessidade de conhecer as especificidades práticas e teóricas da aplicação deste método. Os estudos foram selecionados por meio de bases de dados eletrônicas, tais como: LILACS, Scielo e BVS-PSI, e bibliotecas universitárias. Na análise dos artigos verificou-se que os pacientes atendidos se beneficiaram com o psicodiagnóstico interventivo, possibilitando-lhes pensar o seu trajeto enquanto sujeito de sua história. Constatou-se que o psicodiagnóstico interventivo psicanalítico é um método que permite a compreensão intuitiva do inconsciente, em que o paciente tem a possibilidade de, a partir de um holding bem estabelecido, num ambiente suficientemente bom, diminuir seu sofrimento mental.

Palavras-chave


avaliação da personalidade; processo psicoterapêutico; psicologia clínica; clínica psicanalítica

Texto completo:

PDF

Referências


Ancona-Lopez, M. (1998). Psicodiagnóstico: Processo de intervenção. São Paulo: Cortez.

Barbieri, V. (2008). Por uma ciência-profissão: O psicodiagnóstico interventivo como método de investigação científica. Psicologia em Estudo, 13(3), 575- 584.

Barbieri, V. (2009). O psicodiagnóstico interventivo psicanalítico na pesquisa acadêmica: Fundamentos teóricos, científicos e éticos. Boletim de Psicologia, 59(131), 209-222.

Barbieri, V. (2010). Psicodiagnóstico tradicional e interventivo: Confronto de paradigmas? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 505-513.

Barbieri, V., & Pavelqueires, J. G. (2012). Personalidade paterna como fator prognóstico no tratamento da tendência antissocial. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(51), 101-110.

Barbieri, V., Jacquemin, A., & Alves, Z. M. M. B. (2004). Alcances e limites do psicodiagnóstico interventivo no tratamento de crianças anti-sociais. Paidéia (Ribeirão Preto), 14(28), 153-167.

Barbieri, V., Jacquemin, A., & Alves, Z. M. M. B. (2005). Personalidade materna e resultados de crianças no psicodiagnóstico interventivo: O que significa ‘mãe suficientemente boa’? Psico, (Porto Alegre), 36(2), 117-125.

Barbieri, V., Jacquemin, A., & Alves, Z. M. M. B. (2007). O psicodiagnóstico interventivo como método terapêutico no tratamento infantil: Fundamentos teóricos e prática clínica. Psico (Porto Alegre), 38(2), 174-181.

Becker, E. (2002). Os bastidores de uma história: A expressão criativa de estagiários na prática do psicodiagnóstico interventivo. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lescovar, G. Z. (2004). As consultas terapêuticas e a psicanálise de D. W. Winnicott. Estudos de Psicologia (Campinas), 21(2), 43-61.

Mishima, F. K. T.; Barbieri, V. (2009). Saúde feminina: Considerações sobre o psicodiagnóstico interventivo na obesidade. Mudanças-Psicologia da Saúde, 17(2), 92-100.

Outeiral, J. (1997). Sobre a concepção de pai na obra de D. W. Winnicott. In I. F. M. Catafesta (Org.). A clínica e a pesquisa no final do século: Winnicott e a universidade (p. 91-104). São Paulo: Lemos.

Paulo, M. S. L. L. (2006). Psicodiagnóstico interventivo em pacientes adultos com depressão. Boletim de Psicologia, 56(125), 153-170.

Paulo, M. S. L. L. (2009). A importância da possibilidade de intervenção na hora do jogo diagnóstica. In Anais do I Congresso Brasileiro de Ludodiagnóstico (p.131-133). São Paulo: Escola Paulista de Psicologia Avançada.

Santiago, M. D. E. (1998). Psicodiagnóstico: Uma prática em crise ou uma prática na crise? In: M. Ancona-Lopez. Psicodiagnóstico: Processo de intervenção. São Paulo: Cortez.

Silva, M. C. P. (2010). A consulta terapêutica: Um espaço potencial para a construção da parentalidade. Jornal de Psicanálise, 43(79), 143-154

Tardivo, L. S. P. C. (2007). Psicodiagnóstico interventivo: Uma proposta de ensino em Atendimento Clínico. Mudanças – Psicologia da Saúde, 15(2), 128-134.

Trinca, W. (1998). Processo diagnóstico de tipo compreensivo. In: W. Trinca. Diagnóstico psicológico: A prática clínica. São Paulo: Cortez.

Winnicott, D. W. (1984). Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil. Rio de Janeiro: Imago.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n1p80

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)