Atribuições de causalidade à violência para pessoas em situação de rua

Mariana Luíza Becker da Silva, Andréa Barbará da Silva Bousfield, Andréia Isabel Giacomozzi, Maiara Leandro

Resumo


No Brasil muitas pessoas em situação de rua morrem por violência. Diversos fatores influenciam para que a violência ocorra, tornando-se relevante a Teoria de Atribuição de Causalidade para a compreensão desta temática, pois viabiliza o estudo das explicações espontâneas fornecidas aos acontecimentos sociais. Assim, este estudo tem objetivo de compreender os aspectos influenciadores da violência para pessoas em situação de rua. Trata-se de um estudo qualitativo, exploratório e descritivo. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 91 pessoas em situação de rua. Para análise das entrevistas, foi realizado a análise categorial temática, a qual foram analisadas as categorias: Contexto Social, Contexto Intrínseco, Álcool e outras drogas e Reprodução da Violência. Por fim, verificou-se que os participantes atribuíram a violência perpetuada pelo outro como causalidade interna, e quando perpetuada por si próprio foram por motivos externos.


Palavras-chave


violência; situação de rua; causalidade; morador de rua

Texto completo:

PDF

Referências


Alcantara, S. C., Abreu, D. P., & Farias, A. A. (2015). Pessoas em situação de rua: Das trajetórias de exclusão social aos processos emancipatórios de formação de consciência, identidade e sentimento de pertença. Revista Colombiana de Psicología, 24(1), 129-143. doi:10.15446/rcp.v24n1.40659.

Alles, N. L. (2010). Boca de rua: Representações sociais sobre população de rua em um jornal comunitário. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Porto Alegre, Brasil.

Allport, G. W. (1954). The nature of prejudice. Reading, MA: Addison-Wesley.

Almeida, D. A. C. (2011). Morador de rua: Da questão social para a questão midiática. Puçá: Revista de Comunicação e Cultura na Amazônia, 1(1), 77- 102.

Amazarray, M. R., & Koller, S. H. (1998). Alguns aspectos observados no desenvolvimento de crianças vítimas de abuso sexual. Psicologia Reflexão e Crítica, 11(3), 559-578. doi:10.1590/S0102-79721998000300014.

Andrade, L. P., Costa, S. L., & Marquetti, F. C. (2014). A rua tem um ímã, acho que é a liberdade: Potência, sofrimento e estratégias de vida entre moradores de rua na cidade de Santos, no litoral do Estado de São Paulo. Saúde e Sociedade, 23(4), 1248-1261. doi:10.1590/S0104-12902014000400011.

Antoni, C., & Munhós, A. A. R. (2016). As violências institucional e estrutural vivenciadas por moradoras de rua. Psicologia em Estudo, 21(4), 641-651. doi:10.4025/psicolestud.v21i4.31840.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. (Ed. revista e actualizada). Lisboa: Edições 70.

Bee, H. (2003). A criança em desenvolvimento. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Biscotto, P. R. (2015). Viver em situação de rua: Experiência de mulheres que utilizam o albergue para pernoitar. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bourdieu, P. (1983). Questões de Sociologia. Rio de Janeiro, RJ: Marco Zero.

Campos, D. A. (2016). Os efeitos das relações de gênero nas trajetórias dos moradores de rua do município de Florianópolis (SC). (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Carvalho, D. W, Freire. M. T., & Vilar G. (2012). Mídia e violência: Um olhar sobre o Brasil. Revista Panamericana de Salud Publica, 31(5), 435–8.

Cerqueira, D., Lima, R. S., Bueno, S., Neme, C., Ferreira, H., Coelho, D., & Merian, F. (2018). Atlas da violência. Rio de Janeiro, RJ: Ipea e FBSP.

Delfin, L., Almeida, L. A. M., & Imbrizi, J. M. (2017). A rua como palco: Arte e (in)visibilidade social. Psicologia & Sociedade, 29, e158583. doi:10.1590/1807-0310/2017v29158583.

Ferreira, F. V., & Alves, M. P. (2015). Representações sociais dos moradores de rua no jornal correio braziliense: Exclusão, dessemelhança e violência. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 9(3), 35-56.

Fiorati, R. C., Xavier, J. J. S., Lobato, B. C., Carretta, R. Y. D., & Kebbe, L. M. (2015). Iniquidade e exclusão social: Estudo com pessoas em situação de rua em Ribeirão Preto/SP. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, 3, 2120-2135. doi:10.18673/gs.v0i0.22440.

Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre, RS: Artmed.

Gil, A. C. (2009). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo, SP: Ed. Atlas S. A.

Heerde, J. A., & Hemphill, S. A. (2014). A systematic review of associations between perpetration of physically violent behaviors and property offenses, victimization and use of substances among homeless youth. Children and Youth Services Review, 44, 265–277. doi:10.1016/j.childyouth.2014.06.020.

Heider, F. (1958). The Psychology of Interpersonal Relations. New York, NY: John Wiley & Sons.

Hewstone, M. (2001). Representações sociais e causalidade. In D. Jodelet (Ed.), As representações sociais. Rio de Janeiro, RJ: EdUERJ.

Huey, L. (2016). There is no strength in emotions: The role of street enculturation in influencing how victimized homeless women speak about violence. Journal of Interpersonal Violence, 31(10), 1817–1841. doi:10.1177/0886260515570749.

Jodelet, D. (2011). Os processos psicossociais da exclusão. In B. Sawaia (Ed.), As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social. (11a ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.

Jodelet, D. (2017). Representações Sociais e mundos de vida (Ulup, Trad.). São Paulo, SP: Fundação Carlos Chagas.

Kelley, H. H. (1973). The processes of causal attribution. American Psychologist, 28(2), 107-128. doi:10.1037/h0034225.

Krug, E. G, Mercy, J. A., Dahlberg, L. L, & Zwi, A. B. (2002). The World report on violence and health. Geneva: World Health Organization.

Kunz, G. S. (2012). Modos de vida da população em situação de rua: Narrativas de andanças nas ruas de Vitória/ES. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Brasil.

Martinelli, K. C. O., Oliveira, E. M., & Santos, V. P. (2017).

População em situação de rua e a questão da violência. In Anais do 5º Encontro Internacional de Política Social e 12º Encontro Nacional de Política Social. Vitória, ES.

Mattos, R. M., & Ferreira, R. F. (2004). Quem vocês pensam que (elas) são? Representações sobre as pessoas em situação de rua. Psicologia & Sociedade, 16(2), 47-58.

Minayo, M. C. S., & Souza, E. R. (1998). Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. História, Ciências, Saúde, 4(3), 513-531.

Monteiro, F. K. V., & Almeida, L. P. (2015). A exclusão social de mulheres moradoras de rua: Questões de gênero e políticas sociais. In P. C. Silva (Ed.), Territorio(s), Género, Trabajo y Politicas Públicas em América Latina. Votorantim, SP: Editora Provocare.

Moré, C. L. O. O., & Krenkel, S. (2014). Violência no contexto familiar. In E. B. S. Coelho (Ed.), Atenção a homens e mulheres em situação de violência por parceiros íntimos. Florianópolis, SC: UFSC.

Moscovici, S. (1981). On social representation. In J. P. Forgas (Ed.), Social cognition: Perspectives on everyday understanding. London: Academic Press.

Moscovici, S. (2003). Representações sociais: Investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moscovici, S. (2011). Psicologia das minorias ativas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis, RJ: Vozes (Publicado originalmente em 1961).

Moura, J. F., Ximenes, V. M., & Sarriera, J. C. (2013). Práticas de discriminação às pessoas em situação de rua: Histórias de vergonha, de humilhação e de violência em Fortaleza, Brasil. Revista de Psicología, 22(2), 18-28. doi:10.5354/0719-0581.2013.30850.

Nonato, D. N., & Raiol, R. W. G. (2016). Invisíveis sociais: A negação do direito à cidade à população em situação de rua. Revista de Direito Urbanístico, Cidade e Alteridade, 2(2), 81-101. doi:10.26668/IndexLawJournals/2525-989X/2016.v2i2.1321

Oliveira, F. J., & Feitosa, M. Z. S. (2016). Representações sociais e população em situação de rua: A visibilidade construída pela mídia. Revista FSA, 13(2), 226-243. doi:10.12819/2016.13.2.12.

Oliveira, R., Sampaio, S. S., & Saldanha, W. S. (2015). Redução de danos no atendimento a sujeitos em situação de rua. Argumentum, 7(2), 221-234. doi:10.18315/argumentum.v7i2.10440.

Pereira, C. P. (2008). Rua sem Saída: Um estudo entre a relação entre o Estado e a população em situação de rua de Brasília. (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Pizzato, R. M. S. (2012). A trajetória do protagonismo dos grupos e dos movimentos da população em situação de rua. In A. E. Dornelles, J. Obst, & M. B. Silva (Eds.). A rua em movimento: Debates acerca da população adulta em situação de rua na cidade de Porto Alegre (pp. 69-86). Belo Horizonte, MG: Didática Editora do Brasil.

Porto, M. S. G. (2006). Crenças, valores e representações sociais da violência. Sociologias, 8(16), 250-273.

Porto, M. S. G. (2015). A violência, entre práticas e representações sociais: Uma trajetória de pesquisa. Revista Sociedade e Estado, 30(1). doi:10.1590/S0102-69922015000100003.

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos (2009). Decreto Nº 7.053. Institui a política nacional para inclusão social da população em situação de rua e seu comitê intersetorial de acompanhamento e monitoramento, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidente da República. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7053.htm

Resende, V. M. (2016). Discursive representation and violation of homeless people’s rights: Symbolic violence in Brazilian online journalism. Discourse & Communication, 10(6), 596-613. doi:10.1177/1750481316674778.

Resende, V. M., & Santos, A. A. (2012). A representação de pessoas em situação de rua quando vítimas de chacina: Uma análise discursiva crítica. Revista Latinoamericana de Estudios del Discurso, 12(2). doi:10.35956/v.12.n2.2012.p.81-102.

Richardson, R. J. (2009). Pesquisa social: Métodos e técnicas. São Paulo, SP: Atlas.

Rodrigues, P. R. G. (2018). Influência social, minorias ativas e desenvolvimento moral. Psicologia & Sociedade, 30(1). doi:10.1590/1807-0310/2018v30173402.

Rosa A. S, & Brêtas A. C. P. (2015). Violence in the lives of homeless women in the city of São Paulo, Brazil. Interface (Botucatu), 19(53), 275-85. doi:10.1590/1807-57622014.0221.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. São Paulo, SP: McGraw Hill.

Schuck, A. L. (2017). “Nossa fome não é por comida, é por direitos e políticas públicas...” Cartografias de processos de resistência com o Movimento da População em situação de Rua em Santa Catarina. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Silva, S. A. (2013). População em situação de rua no Rio de Janeiro: Novos tempos, velhos métodos. Psicologia Política, 13(27), 337-350.

Silva, L. A. M. (2004). Sociabilidade violenta: Por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, 19(1), 53-84. doi:10.1590/S0102-69922004000100004.

Silva, W. N., & Hüning, S. M. (2015). De morador de rua a criminoso. Athenea Digital, 15(2), 141-165. doi: 10.5565/rev/athenea.1479.

Silva Junior, D. V., & Belloc, M. M. (2018). Habitar invisível: Produção de vida e cuidado na experiência urbana. Interface Comunicação, Saúde, Educação, 22(67), 1065-1075. doi:10.1590/1807-57622017.0452.

Souza, M. S. (2007). Representações sociais, polícia e violência: Um estudo sobre a violência policial. Scientia Plena, 3(5), 75-82.

Techio, E. M. (2011). Estereótipos sociais como preditores das relações intergrupais. In E. M. Techio & M. E. O. Lima. (Eds.), Cultura e produção das diferenças: Estereótipos e preconceito no Brasil, Espanha e Portugal. Brasília, DF: Technopolitik.

Tróccoli, B. T. (2011) Cognição social. In C. V. Torres & E. R. Neiva (Eds.), Psicologia social: Principais temas e vertentes. (pp. 80-99). Porto Alegre, RS: Artmed.

Wagner, W. (1998). Sócio-gênese e características das representações sociais. In A. S. P. Moreira & D. C. de Oliveira (Eds.), Estudos interdisciplinares de representação social (pp. 3-25). Goiânia, GO: AB.

Weiner, B. (2005). Motivation from an attributional perspective and the social psychology of perceived competence. In A. J. Elliot & C. S. Dweck (Eds.), Handbook of competence and Motivation. (pp. 156-172). New York, NY: Guilford Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n2p39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)