Avaliação psicológica: Passado, presente e futuro

Luciana França Cescon

Resumo


O presente artigo tem como objetivo contribuir para a discussão da questão da avaliação psicológica que se faz hoje e a que se deseja realizar no século XXI, tendo como ponto principal as contribuições que a Psicologia Sócio-Histórica tem trazido, bem como os desafios a serem superados para uma prática cada vez mais transformadora dentro do contexto social. Acreditamos que a avaliação psicológica utilizada dentro de um processo que considere em sua análise os fatores sociais e históricos que afetam a vida das pessoas possa contribuir para o fortalecimento das potencialidades e autonomia das mesmas. Utilizando os dados obtidos na avaliação psicológica de forma construtiva, como ferramenta de informação e transformação, os sujeitos atendidos podem ter acesso a instrumentos necessários para o enfrentamento de suas dificuldades, passando a avaliação psicológica a contribuir de forma significativa para a consolidação dos direitos humanos e o respeito à identidade dos indivíduos.

Palavras-chave


avaliação psicológica; psicologia sócio-histórica

Texto completo:

PDF

Referências


Bock, A. M. B. (2001). A psicologia sócio-histórica: Uma perspectiva crítica em psicologia. In A. M. B. Bock, M. G. M. Gonçalves, & O. Furtado (Orgs.) Psicologia sócio-histórica: Uma perspectiva crítica em Psicologia (pp. 15- 35). São Paulo: Cortez.

Brasil (2006). NOB-RHSUAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília: MDSSNAS.

Conselho Federal de Psicologia. (2005). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília.

Conselho Federal de Psicologia. (2007). Resolução no. 007 de 2003. Brasília. Disponível em http://www2.pol.org.br/satepsi/CD_testes/pdf/Resolu%E7%E3o%20CFP%2 0N%BA%20007-2003.pdf.

Conselho Federal de Psicologia (2011). Ano da avaliação psicológica: Textos geradores. Brasília. Disponível em http://www.pol.org.br/pol/cms/pol/publicacoes/publicacoesDocumentos/ano daavaliacaopsicologica_prop8.pdf.

Cunha, J. A. et al (2000). Psicodiagnóstico V. 5ª. edição revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed.

Figueiredo, L. C. M. (2000). Psicologia, uma (nova) introdução. 2ª. Edição. São Paulo: Educ. Lane, S. T. M. (1987). O que é psicologia social. 13ª. Edição. São Paulo: Brasiliense.

Machado, A. M. (2011). Avaliação psicológica e as relações institucionais. In: Conselho Federal de Psicologia. Ano da avaliação psicológica: Textos geradores. Brasília: Conselho Federal de Psicologia. Disponível em https://bit.ly/2DqJQgx.

Noronha, Ana Paula et al (2002). Em defesa da avaliação psicológica. Avaliação psicológica, 1(2), 173-174.

Oliveira, M. K. (1997). Vygotsky – aprendizado e desenvolvimento: Um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione.

Vigotsky, L. S. (1998). A formação social da mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6ª. Edição. São Paulo: Martins Fontes.

Zanella, A. V. (1998). Psicologia Social e Escola. In: Strey, M. N. et al. Psicologia Social contemporânea. (p. 221-229). Petrópolis, RJ: Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n1p99

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)