Brincar como meio de comunicação na psicoterapia de crianças com mutismo seletivo

Lia Keuchguerian Silveira Campos, Sérgio Luiz Saboya Arruda

Resumo


A partir de conceitos da teoria psicanalítica, é feita uma discussão teórico-clínica em que o brincar serve como meio de expressão e de comunicação na psicoterapia psicanalítica de uma menina de nove anos e de um menino de sete anos de idade, ambos com mutismo seletivo, atendidos duas vezes por semana em um hospital público. Trata-se de um estudo qualitativo, que utiliza o método psicanalítico. As discussões teóricas são ilustradas pela história de vida e por vinhetas das sessões nas quais o brincar permitiu o acesso e o trabalho do mundo interno das crianças, possibilitando que começassem a verbalizar e a produzir representações simbólicas.


Palavras-chave


psicologia da criança; ludoterapia; psicanálise; mutismo seletivo

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarez, A. (1994). Companhia viva: psicoterapia psicanalítica com crianças autistas, borderline, carentes e maltratadas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

American Psychiatric Association – APA. (2013). DSM-V, Diagnostic and statistical manual of mental disorders, fifth edition. Arlington: American Psychiatric Association.

American Psychiatric Association – APA. (2000). DSM-IV-TR, Diagnostic and statistical manual of mental disorders (4a ed.). Washington: Author text revision.

Anderson, S. M., & Gedo P. M. (2013). Relational trauma: using play therapy to treat a disrupted attachment. Bulletin of the Menninger Clinic, 77(3), 250- 268.

Bicudo, V. L. (2003). Comunicação não-verbal como expressão de onipotência e onisciência. Revista Brasileira de Psicanálise, 37 (4), 983-992.

Bion, W. (1990) Notas sobre memória e desejo. In Spillius, E. B. Melanie Klein hoje: desenvolvimento da teoria e da técnica. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1967).

Diatkine, R. (2007). As linguagens da criança e a psicanálise. Ide, 30 (45), 35- 44. Freud, S. (1996). As perspectivas futuras da terapêutica psicanalítica. In Freud, S. Obras completas (Vol. 11, pp. 17-75). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1910).

Freud, S. (1996). História de uma neurose infantil. In Freud, S. Obras completas (Vol. 17, pp. 15-129). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1918).

Freud, S. (1996). Além do princípio de prazer. In Freud, S. Obras completas (Vol. 18, pp. 17-75). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1920).

Garcia, A. M., Freeman, J. B., Francis, G., Miller, L. M., & Leonard, H. L. (2004). Selective Mutism. In Ollendick, T. H., & March, J. S. (Eds.). Phobic and anxiety disorders in children and adolescents: a clinician’s guide to effective psychosocial and pharmacological interventions. New York: Oxford University Press.

Heimann, P. (1950). On countertransference. International Journal of PsychoAnalysis,31, 81-84.

Herrmann, F. (2004). Pesquisando com o método psicanalítico. In Herrmann, F. (Org.) Pesquisando com o método psicanalítico (pp. 43-83). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Klein, M. (1981). Fundamentos psicológicos da análise infantil. In Klein, M. Psicanálise da criança (pp. 25-39). São Paulo: Mestre Jou. (Original publicada em 1926).

Klein, M. (1996). Princípios psicológicos da análise de crianças pequenas. In Klein, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos (1921-1945) (pp. 152- 163). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1926).

Klein, M. (1996). Simpósio sobre a análise de crianças. In Klein, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos (1921-1945) (pp. 164-196). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1927).

Klein, M. (1991). A técnica psicanalítica através do brincar: sua história e significado. In Klein, M. Inveja e gratidão e outros trabalhos (1946-1963) (pp. 149-168). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1955).

Kristensen, H. (2000). Selective mutism and comorbidity with developmental disorder/delay, anxiety disorder, and elimination disorder. Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry, 39(2), 249-256.

Mello, J. P., Sei, M. B., & Zanetti, S. A. S. (2013). Quando o brincar inaugura um espaço de construção de uma nova possibilidade de ser: o relato de um caso clínico infantil. Omnia Saúde, 10(2), 49-58.

Menezes, M., López, M., & Delvan, J. S. (2010). Psicoterapia de criança com alopecia areata universal: desenvolvendo a resiliência. Paidéia, 20(46), 261-267.

Oon, P. P. (2010). Playing with gladys: A case study integrating drama therapy with behavioural interventions for the treatment of selective mutism. Clinical Child Psychology and Psychiatry, 15(2), 215-230.

Parsons, M. (2001). A lógica do brincar em psicanálise. In Parsons, M. Livro anual de psicanálise (Vol. 15, 89-102) São Paulo: Escuta.

Peres, R. S., & Santos, M. A. (2005). Considerações gerais e orientações práticas acerca do emprego de estudos de caso na pesquisa científica em psicologia. Interações, 10(20), 109-126.

Racker, H. (1977). La neurosis de contratransferencia. In Racker, H. Estudios sobre técnica psicoanalítica (pp. 182-221). Buenos Aires: Paidós. (Original publicada em 1948).

Rodrigues, F. P. H., Sei, M. B. & Arruda, S. L. S. (2013). Ludoterapia de criança com síndrome de asperger: estudo de caso. Paidéia, 23(54), 121-127.

Schwartz, R. H., Feedy, A. S., & Sheridan, M. J. (2006). Selective mutism: are primary care physicians missing the silence? Clinical Pediatrics, 45(1), 43- 48.

Sei, M. B. (2008). Abrindo espaço para o ser: Winnicott e a ludoterapia no contexto da violência familiar. Psychê, 12(22), 199-214.

Turato, E. R. (2011). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. (5a ed.). Petrópolis: Vozes.

Turkiewicz, G., Castro, L. L., Morikawa, M., Costa, C. Z. G., & Asbahr, F. R. (2008). Selective mutism and the anxiety spectrum: a long-term case report. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(2), 172-173.

Viana, A. G., Beidel, D. C., & Rabian, B. (2009). Selective mutism: a review and integration of the last 15 years. Clinical Psychology Review, 29, 57-67.

Weininger, O. (1987). Electively mute children: A therapeutic approach. Journal of the Melanie Klein society, 5(1), 25-42.

Welkom, J. S., Gabrielsen, T. P., & Robins, P. M. (2013). Treatment of comorbid selective mutism and procedural anxiety in a child with pediatric common variable immunodeficiency disease: a case study. Clinical Practice in Pediatric Psychology, 1(2), 129-136.

Winnicott, D. W. (1971). Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1994). O brincar e a cultura. In Winnicott, D. W. Explorações psicanalíticas (pp. 160-162). Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Winnicott, D. W. (2000). O ódio na contratransferência. In Winnicott, D. W. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas (pp. 277-287). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicada em 1947).

Yanof, J. A. (1996). Language, communication and transference in child analysis. I. Selective mutism: The medium is the message. II. Is child analysis really analysis? Journal of the American Psychoanalytic Association, 44(1), 79- 116.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n2p15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)