Notas para a história da psicologia da saúde

Cassiano Ricardo Rumin

Resumo


A história da Psicologia da Saúde pode ser abordada pela necessidade dos serviços hospitalares compreenderem elementos psicodinâmicos oriundos das condições de adoecer e dos processos de cuidado. Mais tarde, o direcionamento das práticas em Psicologia da Saúde para a atenção primária ampliou o conjunto de conhecimentos e de referências de atuação dos profissionais de psicologia. Esta história segue ampliando suas áreas de abrangência e passando por redefinições derivadas de processos reflexivos das entidades de formação profissional e de políticas públicas. Objetivou-se neste artigo caracterizar componentes teóricos e técnicos que se apresentam no momento de comemoração dos 50 anos de reconhecimento da profissão no Brasil. Os resultados indicam a ascendente participação da profissão nas políticas públicas sociais e a retomada de práticas dirigidas a comunidade que experimentaram retrocessos. Conclui-se afirmando que a posição ocupada pela profissão nas políticas de saúde coletiva são movimentos de afirmação de direitos que historicamente foram enfraquecidos.

Palavras-chave


psicologia da saúde; história da psicologia; políticas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


Almirall, P.J.H; Hernández, J.S.R. (2010). Investigación científica en el Instituto Nacional de Salud de los trabajadores de Cuba (1998-2008). Algunas reflexiones y proyecciones. Revista Cubana de Salud y Trabajo, 11(1), 59- 70.

iplinares em Psicologia, Londrina, v. 4, n. 1, p. 30-45, jun. 2013 41 Alves, R.R.N.; Alves, H.N.; Barboza, R.R.D.; Souto, W.M.S. (2010) The influence of religiosity on health. Ciência e Saúde Coletiva, 15(4), 2105-2111.

Associação Brasileira de Ensino em Psicologia (ABEP). (2006) A presença qualificada no SUS como um desafio para a Psicologia: Proposta da oficina nacional da ABEP. Ministério da Saúde/Ministério da Educação/Organização Panamericana de Saúde: Brasília.

Ávila, L. A. (2004). Grupo e corpo, no enfoque do modelo de Cambridge. Vínculo, 1(1), 23-29.

Ávila, L. A. (2006). A secreta simetria: Grupo e corpo na compreensão psicanalítica. Revista SPAGESP, 7(1), 17-27.

Bernardes, A. G., & Guareschi, N. M. F. (2010). Práticas psicológicas: enfrentamentos entre saúde pública e saúde coletiva. Estudos de Psicologia, 15(3), 269-276.

Bittencourt, R. A. A.; Mateus, M. L. F. (2006). Possibilidades de atuação do psicólogo no programa saúde da família: A experiência de Bonito-MS. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(2), 328-343.

Boal, A. (1975). Teatro do Oprimido e outras Poéticas Políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Brasil. (2006). Acolhimento nas práticas de produção de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2011). Decreto nº 7.602, de 7 de novembro de 2011. Presidência da República: Brasília.

Brito, A. J. R. (2005). Consórcio Social da Juventude de São Paulo: Tecendo considerações sobre as escolhas e as perspectivas de inserção no mundo do trabalho das juventudes. Imaginário, 11(11), 161-187.

Bucher, J. S. N. F. (2003). Psicologia da Saúde no contexto da saúde pública: Uma complexidade crescente. In: Yamamoto, O. H.; Gouveia, V. V. Construindo a psicologia brasileira: Desafios da ciência e prática psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 213-240.

Calatayud, F. M. (2011). La investigación en Psicología de la Salud en Cuba: Experiencias y potencialidades. Estudos de Psicologia, 16(1), 23-30.

Calvetti, P.U.; Muller, M.C.; Nunes, M. L. T. (2007). Psicologia da Saúde e Psicologia Positiva: perspectivas e desafios. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(4), 706-717.

Camargo-Borges, C.; Cardoso, C. L. (2005). A Psicologia e a estratégia saúde da família: Compondo saberes e fazeres. Psicologia & Sociedade, 17(2), 26-32.

Castro, E.K.; Bornholdt, E. (2004). Psicologia da Saúde x Psicologia Hospitalar: definições e possibilidades de inserção Profissional. Psicologia: Ciência e Profissão, 24(3), 48-57.

Codo, W. (2006). Precisamos de trabalho, não de força de trabalho. In: Codo, W. (Org.). Por uma Psicologia do Trabalho: Ensaios recolhidos. São Paulo: Casa do Psicólogo, p.61-74.

Conselho Federal de Psicologia. (2011). Como os psicólogos e as psicólogas podem contribuir para avançar o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) – informações para gestores e gestoras. Brasília: CFP.

Costa, F. L.; Brandão, N. S. (2005). Abordagem Clinica no Contexto Comunitário: uma perspectiva integradora. Psicologia & Sociedade, 17(2), 33-41.

Dimenstein, M. (2000). A cultura profissional do Psicólogo e o ideário individualista: Implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologia, 5(1), 95-121.

Duarte, L. C. S.; Rumin, C. R. (2008). Práticas assistenciais e Psicologia da Saúde: Enlaces e proposições técnicas. Omnia Saúde, 5(supl.), 29-44.

Dunn, A.S.; Julian, T.; Formolo, L.R.; Green, B.N.; Chicoine, D.R. (2011). Preliminary analysis of posttraumatic stress disorder screening within specialty clinic setting for OIF/OEF veterans seeking care for neck or back pain. Journal of Rehabilitation Research & Development, 48(5), 493-502.

Ferreira, M.C.; Alves, L.; Tostes, N. (2009). Gestão de qualidade de vida no trabalho (QVT) no serviço público federal: O descompasso entre problemas e práticas gerenciais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 319-327.

Flórez-Alarcón, L. (2006). La Psicología de la Salud en Colombia. Universitas Psychologica, 5(3), 681-693. Furtado. O. (2012). O trabalho na perspectiva das políticas públicas. In: Jacó- Vilela, A.M.; Sato, L. Diálogos em Psicologia Social. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social, p.462-474.

Gascon, M.R.P.; Bonfim, M.C.; Pedroso, T.G.; Campos T.R.; Benute, G.R.G.; Aoki, V.; Takaoka, R.; Leão, R.O.; Lúcia, M.C.S.; Festa Neto, C. (2012). Avaliação psicológica de crianças com dermatite atópica por meio do teste das fábulas de Düss. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 3(2), 182- 195.

Gidron, Y. (2002). Psicologia da Saúde baseada na evidência: racional e suporte. Psicologia, Saúde e Doenças, Lisboa, 3(1), 03-10.

Gorayeb, R. (2010). Psicologia da Saúde no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(especial), 115-122.

Grilo, A. M.; Pedro, H. (2005). Contributos da Psicologia para as profissões da saúde. Psicologia, Saúde e Doenças, Lisboa, 6(1), 60-89.

Guareschi, N.M.F.; Dhein, G.; Reis, C.; Machry, D.S.; Bennemann, T. (2009). A formação em Psicologia e o profissional da Saúde para o SUS (Sistema Único de Saúde). Arquivos Brasileiros de Psicologia, 61(3), 35-45.

Guirado, M. (2004). Instituição e relações afetivas: O vínculo com o abandono. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Hinkel, J.; Maheirie, K. (2007). RAP – Rimas Afetivas da Periferia: Reflexões na perspectiva sócio-histórica. Psicologia & Sociedade, 19(esp. 2), 90-99.

Jacques, M. G. (2007). O nexo causal em saúde/doença mental no trabalho: Uma demanda para a psicologia. Psicologia & Sociedade, 19(supl), 112-119.

Jin, S.G.; Xiang, B.; Yan, L.N.; Chen, Z.Y.; Yang, J.Y.; Xu, M.Q., Wang, W.T. (2012). Quality of life and psychological outcome of donors after living donor liver transplantation. World Journal of Gastroenterology, 18(2), 182- 187.

Jovchelovitch, S. (2008). Os contextos do saber: Representações, comunidade e cultura. Petrópolis: Vozes.

Käes, R. (2005). Os espaços psíquicos comuns e partilhados: Transmissão e negatividade. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Miyazaki, M.; Cristina, O. S.; Domingos, N. A. M.; Valerio, N. I.; Santos, A. R. R.; Rosa, L. T. B. (2002). Psicologia da saúde: Extensão de serviços à comunidade, ensino e pesquisa. Psicologia USP, 13(1), 29-53.

Nery, M. P.; Costa, L. F. (2008). A pesquisa em psicologia clínica: Do indivíduo ao grupo. Estudos de Psicologia, 25(2), 241-250.

Péres-Pareja, J.; Sesé, A.; González-ordi, H.; Palmer, A. (2010). Fibromyalgia and chronic pain: Are there discriminating patterns by using the Minnesota Multiphasic Personality Inventory-2 (MMPI-2)? International Journal of Clinical and Health Psychology, 10(1), 41-56.

Perez, D. K.; Constantino, E.P.; Silva, C.M.R. (2010). O psicólogo nas políticas públicas sociais: Reflexões sobre as práticas Psi. In: CONSTANTINO, E.P. Psicologia, Estado e Políticas Públicas. Assis: UNESP, p. 87-108.

Santos, E.; Kirschbaum, D. (2008). A trajetória histórica da visita domiciliária no Brasil: Uma revisão bibliográfica. Revista Eletrônica de Enfermagem, 10(1), 220-227.

Sarriera, J. C.; Freitas, M. De F. Q.; & Scarparo, H. (2003). Para onde caminha a Psicologia (Social) Comunitária no Brasil? Um balanço a partir dos frutos da sua trajetória. In: Yamamoto, O.H.; Gouveia,V.V. (Org.). Construindo a Psicologia Brasileira: Desafios da ciência e prática psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sato, L.; Lacaz, F.A.C.; Bernardo, M.H. (2006). Psicologia e saúde do trabalhador: Práticas e investigações na saúde pública de São Paulo. Estudos de Psicologia, 11(3), 281-288.

Sawaia, B.B. (2004). As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes.

Scarparo, H.B.K.; Guareschi, N.M.F. (2007). Psicologia social comunitária profissional. Psicologia e Sociedade, 19(supl.2), 100-108.

Sebastiani, R.W.; Maia, E.M.C. (2006). Análisis de la evolución de la producción científica presentada en eventos académicos de Psicología da la Salud en América Latina (1985-2003). Acta Colombina de Psicología, 9(1), 05-24.

Silva, R.C. (2002). Metodologias participativas para trabalhos de promoção de saúde e cidadania. São Paulo: Vetor.

Silveira, D.P.; Vieira, A.L.S. (2009). Saúde mental e atenção básica em saúde: Análise de uma experiência no nível local. Ciência e Saúde Coletiva, 14(1), 139-148.

Soares, T. C. (2005). A vida é mais forte do que as teorias: O psicólogo nos serviços de atenção primária à saúde. Psicologia Ciência e Profissão, 25(4), 590-601.

Sousa, V.D.; Cury, V. E. (2009). Psicologia e atenção básica: vivências de estagiários na Estratégia de Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva, 14(supl.1), 1429-1438.

Spink, M. J. P. (2007). Sobre a possibilidade de conciliação do ideal da integralidade nos cuidados à saúde e a cacofonia da demanda. Saúde e Sociedade, 16(1), 18-27.

Spink, M. J. P. (2003). Psicologia social e saúde: Práticas, saberes e sentidos. Petrópolis: Vozes.

Tolfo, S.R.; Piccinini, V.C. (2001). As melhores empresas para trabalhar no Brasil e a qualidade de vida no trabalho: Disjunções entre a teoria e a prática. Revista de Administração Contemporânea, 5(1), 165-193.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n1p30

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)