Avaliação da qualidade de vida e vulnerabilidade ao estresse no contexto hospitalar

Fernanda Ottati, Vanessa Freitas

Resumo


O conceito de Qualidade de Vida é usado para medir as condições de vida de um ser humano, já a palavra vulnerabilidade refere-se à chance das pessoas estarem expostas ao adoecer. Objetivou-se analisar possíveis relações entre percepção de qualidade de vida e a vulnerabilidade ao estresse no trabalho em enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem que atuam na UTI e no setor de emergência de um hospital público. Utilizou-se o instrumento de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde, WHOQOL-Bref e a Escala de Vulnerabilidade ao Estresse no Trabalho. Encontrou-se, em relação ao setor de trabalho, diferença significativa apenas para Qualidade de vida total. Portanto pode-se afirmar que os profissionais que atuam na UTI possuem maior percepção de qualidade de vida quando comparados aos do SUS. Na correlação entre os dois instrumentos, o domínio meio ambiente do WHOQOL-Bref correlacionou-se negativa e significativamente com todos os fatores da EVENT, indicando que a percepção da pessoa em relação aos diversos aspectos do meio em que vive tem relação com a vulnerabilidade ao estresse.

Palavras-chave


enfermagem; hospital; qualidade de vida; estresse

Texto completo:

PDF

Referências


Camon, V. A. A. (2001). Psicologia hospitalar: Teoria e prática. São Paulo: Pioneira Psicologia.

Corrêa, R. Z. A. (2008). Estresse laboral e qualidade de vida na equipe de enfermagem: Evidências de validade. Dissertação de Mestrado, Universidade São Francisco, Itatiba.

Fleck, M. P. A. (1998). Versão em português dos instrumentos de avaliação de qualidade de vida (WHOQOL). Disponível em: http://www.ufrgs.br/psiq/whoqol.html. Acessado em 06 de Setembro de 2011.

Fleck, M. P. A. (2000). O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): Características e perspectivas. Ciência e Saúde Coletiva, 5(1).

Fleck, M. P. A. (2008). A avaliação de qualidade de vida: Guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed.

Furlan, A. (2011). Vulnerabilidade ao estresse laboral e qualidade de vida em trabalhadores. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Itatiba.

Guerrer, L. F. J., & Bianchi, F. E. R. (2011). Estresse dos enfermeiros atuantes em UTI nas regiões do Brasil. Revista Eletrônica Trimestral de Enfermagem, 22.

Harbs, T. C.; Rodrigues, S. T. & Quadros, V. A. S. (2008). Estresse da equipe de enfermagem em um centro de Urgência e emergência. Boletim de Enfermagem, 2(1), 41-56.

Lipp, M. E. N. (1996). Pesquisas sobre estresse no Brasil: Saúde, ocupações e grupos de risco. Campinas, SP: Papirus.

Lipp, M. E. N. (2010a). Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: Teoria e aplicações clínicas. 3° ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lipp, M. E. N. (2010b). O Tratamento Psicológico do Stress. Em: Lipp, M. E. N. (2010). Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: Teoria e aplicações clínicas. 3° ed. (pp. 187-192). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Luz, M. M.; Tosta, T. B. C. K. & Milaneze, C. (2009). Qualidade de Vida no Trabalho: O Caso dos Servidores do Ambulatório do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: http://www.inpeau.ufsc.br/wp/v1/detalhe-artigos.php?id=1137. Acessado em 25 de Outubro de 2011.

Macedo, S. B. M. (2010). Estudo correlacional entre vulnerabilidade ao estresse no trabalho e traços de personalidade. Dissertação de Pós Graduação, Universidade São Francisco, Itatiba.

Miguel, F. K., & Noronha, A. P. P. (2007). Estudo dos Parâmetros Psicométricos da Escala de Vulnerabilidade ao Estresse no Trabalho. Evaluar, 7, 1-18.

Oliveira, P. M., & França, A. C. L. (2005). Avaliação da gestão de programas de qualidade de vida no trabalho. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/raeel/v4n1/v4n1a05.pdf. Acessado dia 25 de Outubro de 2011.

Oswaldo, Y. C. (2009). Vulnerabilidade ao estresse no trabalho, Coping, depressão e qualidade de vida: Evidências de validade. Defesa apresentada ao Programa de Pós-Graduação, Universidade São Francisco, Itatiba.

Pereira, M. M. B., & Tricoli, V. A. C. (2010). A influência do meio ambiente e de práticas parentais na vulnerabilidade ao stress. Em: Lipp, M. E. N. (2010). Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: Teoria e aplicações clínicas. 3° ed. (pp. 67-70). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Priel, M. R., & Pessini, L. (2009). O conceito de vulnerabilidade no contexto das pesquisas envolvendo seres humanos. Revista Brasília Médica, 46(1), 51- 54.

Salles, E. P. (2005). Qualidade de vida do auxiliar e técnico de enfermagem em UTI’s. Dissertação de Mestrado em Enfermagem. Universidade Federal de Goiás – Goiânia.

Sisto, F. F.; Baptista, M. N; Noronha, A. P. P. & Santos, A. A. A. (2007). Escala de Vulnerabilidade ao Estresse no Trabalho (EVENT). São Paulo: Vetor.

Sisto, F. F. (2007). Delineamento correlacional. Em Baptista, M. N. & Campos, D. C. (orgs.), Metodologias de pesquisa em ciências. (pp.90-101). Rio de Janeiro: LTC.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n1p15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.