Agressividade e inteligência na adolescência

Juliana Munique de Souza Siqueira, Claudette Maria Medeiros Vendramini

Resumo


Este estudo objetivou analisar a agressividade e a inteligência na adolescência e verificar se existe associação entre essas variáveis. A agressividade é inerente à natureza humana e colabora no processo de construção da personalidade influenciando os comportamentos de forma positiva ou negativa. A inteligência se refere à habilidade cognitiva que cada indivíduo possui e contribui para o estabelecimento de relações sociais. Na adolescência tanto a agressividade quanto a inteligência se tornam mais evidentes devido às transformações desta fase do desenvolvimento. Participaram desta pesquisa 35 adolescentes de ambos os sexos. Os instrumentos utilizados foram a Bateria de Provas de Raciocínio BPR-5 e a Escala de Agressividade para Crianças e Jovens. Os resultados indicaram que não existe relação entre agressividade e inteligência. No entanto, com base na literatura essas variáveis se inter-relacionam. Sendo assim, sugere-se que esta pesquisa seja ampliada com a utilização de outros instrumentos psicológicos.

Palavras-chave


adolescente; desenvolvimento cognitivo; interação social

Texto completo:

PDF

Referências


Aberastury, A. (1986). Adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas.

Almeida, L. S., & Primi, R. (2004). Perfis de capacidades cognitivas na bateria de provas de raciocínio (BPR-5). Psicologia Escolar e Educacional, 8(2), 135- 144.

Almeida, L. S., Lemos, G., Guisande, M. A., & Primi, R. (2008). Inteligência, escolarização e idade: Normas por idade ou série escolar? Avaliação Psicológica, 7(2), 117-125.

Anastasi, A., & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas.

Atkinson, R. L., Atkinson. R. C, Smith, E. E., Bem, D. J., & Nolem-Hoehsema, S. (2002). Introdução à Psicologia de Hilgard. Porto Alegre: Artmed.

Bierman, K. L., Smoot, D. L., & Aumiller, K. (1993). Characteristics of aggressive-rejected, aggressive (nonrejected), and rejected (nonaggressive) boys. Child Development, 64, 139-151.

Coelho, L. M. S. (1980). Epilepsia e personalidade. (2ª ed.). São Paulo: Ática. Dalgalorrondo, P. (2008). Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. (2ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dias, E. O. (2000). Winnicott: Agressividade e teoria do amadurecimento. Natureza Humana, 2(1), 9-48.

Erickson, E. (1998). O ciclo de vida completo. Porto Alegre: Artes Médicas. Freud, S. (1930). O mal-estar na civilização. In: Obras Completas, (vol. XXI). Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago: (1996).

Galvão, I. (1995). Henry Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Gonçalves, A. C. F. (2001). Conflitos de relacionamento entre pais e filhos: adolescentes no contexto familiar. Trabalho de Conclusão de Curso em Serviço Social, Universidade da Amazônia.

Guimarães, N. M., & Pasian, S. R. (2006). Agressividade na adolescência: experiência e expressão da raiva. Psicologia em Estudo, 11(1), 89-97.

Hall, C. S., Lindzey, G., & Campbell, J. B. (2000). Teorias da personalidade. Porto Alegre: Artmed.

Keppe, R. L. D. (2005). Tendência anti-social: A compreensão dos pais sobre a agressividade dos filhos. São Paulo: Centro Universitário Paulistano.

Joly, M. C. R. A., Dias, A. S., & Marini, J. A. S. (2009). Avaliação da agressividade na família e escola de ensino fundamental. Psico-USF, 14(1) 83-93.

Oliveira, K. S. (2006). Avaliação do exame nacional de desempenho do estudante pela teoria de resposta ao item. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Universidade São Francisco, Itatiba.

Oliveira, D. M. (2009). Contribuições para o estudo da adolescência sob a ótica de winnicott para a educação. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica, Campinas.

Papalia, D. E., & Olds, S. W. (2000). Desenvolvimento humano. (7ª ed.). Porto Alegre: Artemed.

Pasquali, L. (2003). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. in Chiodi, M. G. (2007). Escala de inteligência weschesler para crianças e bateria de habilidades cognitivas Woodcok Johson-III: Comparação de instrumentos. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Primi, R., & Almeida, L. S. (2000). BPR-5: Bateria de provas de raciocínio: Manual técnico. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pródocimo, E., & Recco, K. V. (2008). Recreio escolar: Uma análise quantitativa sobre a agressividade entre os estudantes de ensino fundamental I. In: Congresso Nacional de Educação – Educere Educação Internacional. Curitiba: Champagnat, p. 10565-10575.

Sisto, F. F., & Bazi, G. A. P. (2000). Escala de agressividade para crianças e jovens. Faculdade de Educação. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Sisto, F. F. (2005). Aceitação-rejeição para estudar a agressividade na escola. Psicologia em Estudo, 10(1), 117-125.

Sisto, F. F., & Oliveira, A. F. (2007). Traços de personalidade e agressividade: Um estudo de evidência de validade. Revista de Psicologia, 8(1), 89-99.

Spielberger, C. D. (1992). Inventário de Expressão de Raiva como Estado e Traço (S.T.A.X.I): Manual Técnico. Porto Alegre: Vetor.

Sternberg, R. J. (2000). Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1987). Privação e delinquência. São Paulo: Martins Fontes. Winnicott, D. W. (2000). Da pediatria a psicanálise. Rio de Janeiro: Imago.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2012v3n2p215

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)