Incidência e definição do assédio moral entre trabalhadores do transporte coletivo urbano

Júlia Gonçalves, Suzana da Rosa Tolfo, Leonor María Cantera Espinosa, Thiago Soares Nunes

Resumo


O estudo identificou a ocorrência e o conhecimento sobre Assédio Moral no Trabalho (AMT) para trabalhadores do transporte coletivo urbano de uma capital do Brasil. Foi realizado um estudo como misto, com 382 trabalhadores, que responderam um questionário de dados sociodemográficos, a Escala Laboral de Assédio Moral e a questões relacionadas ao conhecimento sobre essa violência. Os resultados demonstraram diferença entre o quantitativo de trabalhadores identificados como alvos de AMT pelos itens da escala (48,69%) e aqueles que se reconhecem como assediados (36,34%). A dimensão “condições de trabalho” foi a mais frequentemente citada na amostra. As definições de AMT relacionaram-se com humilhação, desrespeito e constrangimento. Apesar de terem conformidades conceituais com a literatura, estas categorias demonstraram um conhecimento simplificado, salientando elementos objetivos. Conclui-se que essa violência só poderá ser eficazmente com sua definição clara e distinta de outras formas de sofrimento decorrente do trabalho.


Palavras-chave


assédio moral no trabalho; transporte coletivo urbano; condições de trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. S., & Paula, P. S. (2009). Violência no trabalho: Possíveis relações entre assaltos e TEPT em rodoviários de uma empresa de transporte coletivo. Cadernos Psicologia Social do Trabalho, 12(1), 35-46. doi:10.11606/issn.1981-0490.v12i1p35-46

Assunção, A. A., & Medeiros, A. M. de. (2015). Violência a motoristas e cobradores de ônibus metropolitanos. Revista de Saúde Pública, 49(11), 1-10. doi:10.1590/S0034-8910.2015049005380

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (7a ed.). São Paulo, SP: Edições 70.

Barreto, M. M. S. (2000). Uma jornada de humilhações (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Barreto, M. (2006). Violência, saúde e trabalho: Uma jornada de humilhações. São Paulo: Educ.

Barreto, M., & Heloani, R. (2014). O assédio moral como instrumento de gerenciamento. In C. G. Bottega, A. R. C. Merlo, & K. V. Perez (Eds.), Atenção à saúde mental do trabalhador: Sofrimento e transtornos relacionados ao trabalho (pp. 52-74). Porto Alegre: Evangraf.

Barreto, M., & Heloani, R. (2015). Violência, saúde e trabalho: A intolerância e o assédio moral nas relações laborais. Serviço Social & Sociedade, (123), 544-61. doi:10.1590/0101-6628.036

Battiston, M., Cruz, R. M., & Hoffmann, M. H. (2006). Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano. Estudos de Psicologia, 11(3), 333-43. doi:10.1590/s1413-294x2006000300011

Benfatti, X. D., & Dantas, L. M. R. (2017). A intensificação e precarização do trabalho: Um estudo bibliográfico sobre seu sentido na contemporaneidade. Revista Humanidades, 32(1), 82-93. doi:10.5020/23180714.2017.32.1.82-93

Blanch Ribas, J. M. (2003). Trabajar en la modernidad. In J. M. Blanch Ribas, M. J. E. Tomaz, & C. G. Dorán. (Eds.). Teoría de las relaciones laborales fundamentos. Barcelona: UOC.

Borges, L. O., & Yamamoto, O. H. (2014). Mundo do trabalho: Construção histórica e desafios contemporâneos. In J. C. Zanelli, J. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Eds.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 25-72). (2a ed.). Porto Alegre, RS: ArtMed.

Chappell, D., & Di Martino, V. (2006). Violence at work (3a ed.). Geneva: ILO.

Couto, M. T., Lawoko, S, & Svanstrom, L. (2009). Violence against drivers and conductors in the road passenger transport sector in Maputo, Mozambique. African Safety Promotion: A Journal of Injury and Violence Prevention, 7(2), 17–36. doi:10.4314/asp.v7i2.70414

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. (7a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. (2011). Bullying and harassment in the workplace: Developments in theory, research, and practice (2a ed.). Boca Ratón: CRC Press.

Espinosa, L. M. C., Cantera, F. M., & Pallarès, S. P. (2015). Violência no trabalho: Alguns aportes relacionados ao assédio moral no trabalho. In M. L. Emmendoerfer, S. da R. Tolfo, & T. S. Nunes (Eds.), Assédio moral em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 19-30). Curitiba, PR: CRV.

Freitas, L. G. de (2013). Centralidade do trabalho. In F. de O. Vieira, A. M. Mendes, & Á. R. C. Merlo (Eds.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 77-81). Curitiba, PR: Juruá.

Freitas, M. E. de. (2001). Assédio moral e assédio sexual: Faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas, 41(2), 8-19. doi:10.1590/S0034-75902001000200002

Freitas, M. E., Heloani, R., & Barreto, M. (2008). Assédio moral no trabalho. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Gaulejac, V. de. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo, SP: Ideias e Letras.

Geoffrion, S., Goncalves, J., Sader, J., Boyer, R., Marchand, A., & Guay, S. (2017). Workplace aggression against healthcare workers, law enforcement officials, and bus drivers: Differences in prevalence, perceptions, and psychological consequences. Journal of Workplace Behavioral Health, 32(3), 172-89. doi:10.1080/15555240.2017.1349611

Glasø, L., Bele, E., Nielsen, M. B., & Einarsen, S. (2011). Bus drivers’ exposure to bullying at work: An occupation-specific approach. Scandinavian Journal of Psychology, 52(5), 484-93. doi:10.1111/j.1467-9450.2011.00895.x

Gonçalves, J., & Oliveira, R. T. de. (2017). Assédio moral no trabalho: Aspectos fundamentais de entendimento e enfrentamento. In R. T. de Oliveira, S. da R. Tolfo, L. A. Künzle, F. da C. Zanin, & C. M. F. Prisco (Eds.) Assédio moral no trabalho: Fundamentos e ações (pp. 23-49). Florianópolis, SC: Lagoa.

Heloani, R., & Barreto, M. (2018). Assédio moral: gestão por humilhação. Curitiba, PR: Juruá.

Hirigoyen, M. F. (2004). Lugar de trabajo. In J. Sanmartín (Ed.), El labirinto de la violência: Causas, tipos y efectos (pp. 111-22). Barcelona: Ariel.

Hirigoyen, M. F. (2008). Assédio moral: A violência perversa no cotidiano (10a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Hirigoyen, M. F. (2015). Mal-estar no trabalho: Redefinindo o assédio moral. (8a ed). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Jacoby, A. R., & Monteiro, J. K. (2014). Mobbing of working students. Paidéia, 24(57), 39-47. doi:10.1590/1982-43272457201406

Kornig, C., Chanut-Guieu, C., Domette, L., Louit-Martinod, N., & Méhaut, P. (2017). How french bus drivers, managers and unions talk about incivility and physical and verbal assaults at work. Psychosocial Health, Work and Language: International Perspectives Towards Their Categorizations at Work (pp. 1-197). doi:10.1007/978-3-319-50545-9

Leymann, H. (1990). Mobbing and psychological terrors at work. Violence and Victims. 5(2), 119-26.

Leymann, H. (1996). The content and development of mobbing at work. European Journal of Work and Organizational Psychology, 5(2), 165-84. doi:10.1080/13594329608414853

Lincoln, R., & Gregory, A. (2015). Moving violations: A study of incivility and violence against urban bus drivers in Australia. International Journal of Education and Social Science, 2(1), 118-127.

Martins, M. do C., & Ferraz, A.M. S. (2014). Assédio moral no trabalho. In M. M. M. Siqueira (Ed.). Novas medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão (pp. 25-37). Porto Alegre, RS: Artmed.

Nogueira, R. M., Nunes, T. S., Carvalho Neto, A., & Ferreira, R. R. (2019) sistematização legislativa do assédio moral no trabalho no âmbito das administrações públicas estaduais no Brasil. Revista Ciências Administrativas, 25(4), 1-19. doi:10.5020/2318-0722.2019.8011

Nunes, T. S. (2016). A influência da cultura organizacional na ocorrência do assédio moral no trabalho na Universidade Federal de Santa Catarina. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Nunes, T. S., Tolfo, S. da R., & Espinosa, L. M. C. (2018). Assédio moral no trabalho: A compreensão dos trabalhadores sobre a violência. Revista de Gestão e Secretariado, 9(2), 205-219. doi:10.7769/gesec.v9i2.629

Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Nunes, L. S. (2014). Assédio moral no trabalho em universidade sob a perspectiva dos observadores da violência. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe), 4(2), 166-176.

Nunes, T., & Tolfo, S. (2013). A dinâmica e os fatores organizacionais propiciadores à ocorrência do assédio moral no trabalho. Revista de Gestão e Secretariado, 4(2), 90-113. doi:10.7769/gesec.v4i2.161

Organização Internacional do Trabalho. (2017). Informe V. Acabar con la violencia y el acoso contra las mujeres y los hombres en el mundo del trabajo. Disponível em: https://www.ilo.org

Organização Internacional do Trabalho. (2019). Informe Violence and Harassment Convention, (No. 190). Disponível: https://www.ilo.org

Organização Mundial da Saúde. (2017). Hoja informativa: Salud mental en el lugar de trabajo. Disponível em: https://www.who.int

Paes-Machado. E., & Levenstein, C. (2002). Assaltantes a bordo: Violência, insegurança e saúde no trabalho em transporte coletivo de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 18(5), 1215-27.

Pooli, A. M., & Monteiro, J. K. (2018). Assédio moral no judiciário: Prevalência e repercussões na saúde dos trabalhadores. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 18(2), 346-53. doi:10.17652/rpot/2018.1.13516

Rai, A., & Agarwal, U. A. (2018). A review of literature on mediators and moderators of workplace bullying: Agenda for future research. Management Research Review, 41(7), 822-59. doi:10.1108/MRR-05-2016-0111.

Rigotto, R. M., Maciel, R. H., & Borsoi, I. C. F. (2010). Produtividade, pressão e humilhação no trabalho: Os trabalhadores e as novas fábricas de calçados no Ceará. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 217-28. doi:10.1590/s0303-76572010000200005

Rodrigues, M., & Freitas, M. E. de. (2014). Assédio moral nas instituições de ensino superior: Um estudo sobre as condições organizacionais que favorecem sua ocorrência. Cadernos EBAPE.BR, 12(2), 284-301.

Rueda, F. J. M., Baptista, M. N., & Cardoso, H. F. (2015). Construção e estudos psicométricos iniciais da Escala Laboral de Assédio Moral (ELAM). Avaliação Psicológica, 14(1), 33-40.

Sampaio, R. F., Coelho, C. M., Barbosa, F. B., Mancini, M. C., & Parreira, V. F. (2009). Work ability and stress in a bus transportation company in Belo Horizonte, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 287-96. doi:10.1590/S1413-81232009000100035

Silveira, L. S. da, Abreu, C. C. de, & Santos, E. M. dos. (2014). Análise da situação de trabalho de motoristas em uma empresa de ônibus urbano da cidade de Natal/RN. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, 34(1), 158-79. doi:10.1590/s1414-98932014000100012

Soboll, L. A. P. (2015). Assédio moral no trabalho. In P. F. Bendassolli, & J. E. Borges-Andrade (Eds.), Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações (pp. 85-94). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Soboll, L. S. P. (2017). Assédio moral e organizacional na perspectiva psicossocial: Critérios obrigatórios e complementares. In L. S. P. Soboll, Intervenções em assédio moral e organizacional (pp. 13-22). São Paulo, SP: LTr.

Tolfo, S. da R. (2015). Significados e sentidos do trabalho. In P. F. Bendassolli, & J. E. Borges-Andrade (Eds.), Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações (pp. 617-26). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Tolfo, S. R. (2011). O assédio moral como expressão da violência no trabalho. In M. Souza, F. Martins, & J. N. G. Araújo (Eds.), Dimensões da violência: Conhecimento, subjetividade e sofrimento psíquico (pp. 187-206). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Zhou, B., Boyer, R., & Guay, S. (2018). Dangers on the road: A longitudinal examination of passenger-initiated violence against bus drivers. Stress and Health, 34(2), 253-65. doi:10.1002/smi.2779




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n2p153

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)