Avaliação psicológica de crianças com dermatite atópica por meio do teste das fábulas de Düss

Maria Rita Polo Gascon, Mariana Cagnoni Bonfim, Tatiane Guimaraes Pedroso, Tarcila Rodrigues Campos, Glaucia Rosana Guerra Benute, Valéria Aoki, Roberto Takaoka, Raquel Orfali Leão, Mara Cristina Souza de Lúcia, Cyro Festa Neto

Resumo


A Dermatite Atópica (DA) é uma doença inflamatória da pele, de caráter crônico e recorrente, caracterizada por prurido intenso e lesões de pele de distribuição típica. Além do caráter hereditário, a doença pode ser influenciada por fatores ambientais e psicológicos. O objetivo deste estudo foi analisar e refletir sobre o uso do Teste de Fábulas de Düss como um instrumento para compreensão dos aspectos psicodinâmicos de crianças com DA. Foram avaliados 33 pacientes entre 05 e 10 anos, de ambos os sexos com Dermatite Atópica em acompanhamento regular no Ambulatório de Alergia de um Hospital Universitário. Com base nos resultados, foi possível verificar que o teste das Fábulas de Düss se mostra uma técnica que possibilita a expressão dos conflitos emocionais e para a descoberta do funcionamento psíquico destes pacientes.

Palavras-chave


dermatite atópica; técnica projetiva; teste das fábulas de Düss

Texto completo:

PDF

Referências


Addor, F.A.S & Aoki, V. (2010). Barreira cutânea na dermatite atópica. An. Bras. Dermatol., 85(2),184-194. Recuperado em 10 setembro, 2010, de https://bit.ly/2XtIYyK

Angelini L. A; Alves I. C. B; Custódio E. M; Duarte W. F & Duarte J. L. M. (1999) Manual de matrizes progressivas coloridas de Raven, escala especial. São Paulo: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.

Anzieu, D. (1989). O Eu-Pele. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Castro, A. P. M; Solé, D.; Filho, N. A. R.; Jacob, C. M. A; Rizzo, Ma. C. F. V; Fernandes, M. de F. M. & Vale, S. O. R. (2006). Guia Prático para o Manejo da Dermatite Atópica – opinião conjunta de especialistas em alergologia da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia e da Sociedade Brasileira de Pediatria. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 29(6), 268-282. Recuperado em 26 outubro, 2011, de https://bit.ly/39VstAB

Cestari, S. da C. P. (2010). Dermatite Atópica. In: W. Belda Júnior, N. Di Chiacchio & P. R. Criado (Ed.). Tratado de Dematologia (Vol 1, Cap 2, pp. 215-238). São Paulo: Atheneu.

Costa, P. M . C & Nogueira, L. S. C. (2010). Dermatologia Hospitalar. In: W. Belda Júnior, N. Di Chiacchio & P. R. Criado (Ed.). Tratado de Dematologia (Vol 2, Cap 103, pp. 2216-2215). São Paulo: Atheneu.

Cunha J.A & Nunes M. L. T. (1993). Teste das Fábulas: Forma verbal e pictória. São Paulo: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.

Dias, H. Z. J. (2007). Pele e psiquismo, psicossomática e relações objetais: Características relacionais de pacientes portadores de dermatoses. Tese de Doutorado, Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Fontes Neto, P. T. L, Weber M. B, Fortes S. D, & Cestari, T. F. (2006). A dermatite atópica na criança: uma visão psicossomática. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul, 28(1), 78-82. Recuperado em 14 outubro, 2011, de https://bit.ly/3ibdwgR

Fontes Neto, P. T. L. (2005). Avaliação socio-comportamental de crianças portadoras de dermatite atópica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Ocampo, M. L. S. de, Arzeno, M. E. G.? Piccolo, E. G. e col. (2003). O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. (10ª Ed). São Paulo: Martins Fontes.

Mc Dougall (2000). Teatros do corpo: O psicossoma em psicanálise. São Paulo: Martins Fontes. Sampaio, S.A.P & Rivitti, E.A. (2007). Dermatologia. (3ª Ed). São Paulo: Artes Médicas.

Silva Júnior, N. da & Ferraz, F. C. (2001). O psicodiagnóstico entre as incompatibilidades de seus instrumentos e as promessas de uma metodologia psicopatológica. Psicol. USP, 12, 179-202. Recuperado em 7 dezembro, 2011, de https://bit.ly/31h3MuC

Sptiz, R. (2004). O primeiro ano de vida: Um estudo psicanalítico do desenvolvimento normal e anômalo das relações objetais. (3ª Ed). São Paulo: Martins Fontes.

Tardivo, L.S.L.C. (1998) O Teste da apercepção infantil e o teste das Fábulas de Düss: Respostas típicas na população brasileira e aplicações no contexto das técnicas projetivas. São Paulo: Vetor.

Tardivo, L.S.L.C.; Pinto Júnior, A. A. & Santos, M. R. dos. (2005). Avaliação psicológica de crianças vítimas de violência doméstica por meio do teste das fábulas de Düss. Psic. 6(1), 59-66. Recuperado em 2 outubro, 2011, de https://bit.ly/3k9nqkT.

Winnicott, D.W. (1994a). Nota adicional sobre transtornos psicossomático. In: C. Winnicott, R. Shepherd, e M.Davis, (Orgs.) Explorações psicanalíticas: D. W. Winnicott (pp.82-90;J.O.A. Abreu, trad.). Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 1964).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2012v3n2p182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)