Coletivo da Música: Um estudo sobre relações entre arte e saúde mental

José Luiz Dias Siqueira, Angela Maria Chagas Villasuso Lago

Resumo


O objetivo desta pesquisa é buscar uma compreensão a respeito das experiências de usuários da Saúde Mental em atividades musicais. Realizamos entrevistas abertas com 6 participantes do Coletivo da Música, projeto que promove atividades musicais em Campinas. Posteriomente, analisamos as transcrições tendo como referência o método fenomenológico, buscando discriminar algumas unidades de sentido e compreendê-las a partir de uma perspectiva psicológica. A música foi reconhecida pelos sujeitos como algo importante em suas vidas, associada à memória de períodos marcantes. As atividades musicais foram relacionadas a melhoras no estado de humor, ao aprendizado, à expressão e à socialização.


Palavras-chave


música; saúde mental; terapia pela arte

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, L.Q. (2000). Terapias expressivas. São Paulo: Vector. Amatuzzi, M.M. (2008). Por uma psicologia humana. Campinas: Alínea. Benenzon, R.O. (1998). Teoria da Musicoterapia. São Paulo: Summus.

Caldas, M. T. (2009). Psicopatologia, Fenomenologia e Existência. In Morato, H. T. P.; Barreto, C.L.B.T.; Nunes, A. P. (Orgs.). Aconselhamento psicológico numa pespectiva fenomenológica existencial: Uma introdução. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Campbell, J. (1992). As máscaras de Deus, vol. 1, mitologia primitiva. São Paulo: Palas Athena.

Castro, E.K., & Bornholdt, E. (2004). Psicologia da Saúde X Psicologia Hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Psicologia Ciência e Profissão, 24(3), 48-57. Disponível em: https://bit.ly/2XtrhQ2. Acessado em 15/05/2011.

Cupertino, C.M.B. (2006). Criação e formação: a Oficina de Criatividade revisitada. Anais do 6º Simpósio Nacional de Práticas Psicológicas em Instituições. Disponível em https://bit.ly/2XtU1bh. Acessado em 04/06/2011.

Fagalli, E.Q. (2004). Transitando por diferentes mundos. Dançando com diferentes linguagens: oficina educacional e terapêutica integrando arteterapia, musicoterapia, psicodrama, corpo e literatura. In Ciornai, S. Percursos em Arteterapia. São Paulo: Summus.

Galletti, M.C. (2004). Oficina em Saúde Mental: intrumento terapêutico ou intercessor clínico?, São Paulo: Editora Iluminuras.

Harari, A. & Valentini, W. (2001). A reforma psiquiátrica no cotidiano. Campinas: Aderaldo & Rothschild.

Jourdain, R. (1998). Música, cérebro e êxtase: Como a música captura nossa imaginação. Rio de Janeiro: Objetiva.

Levitin, D. (2010). A música no seu cérebro: A ciência de uma obsessão humana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Machado, L. D. & Lavrador, M.C.C. (2007) Subjetividade e loucura: saberes e fazeres em processo Subjetividade e práticas institucionais: a reforma psiquiátrica em foco. Revista Vivência. UFRN/CCHLA, 32, p. 79-95. Disponível em: https://bit.ly/33pAQ6g. Acessado em: 15/10/2011

May, R. (1982). A coragem de criar. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Merrian, A.P. (1964). The Anthropology of music. Evanston: Northwestern University Press.

Minayo, M.C.S. (2008). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis (RJ): Vozes.

Minayo, M.C.S., Campos, G.W.S., & Akerman, M. (2006). Tratado de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Hucitec; Fiocruz.

Morato, H. T. P., Barreto, C.L.B.T., & Nunes, A. P. (2009) Aconselhamento psicológico numa pespectiva fenomenológica existencial: Uma introdução. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan

Moreira, D. A. (2004). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pineira Thomson Learning.

Morin, E. (2007). O método 5: A humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina.

Seidinger, F.M. (2007). Uma reflexão sobre a reabilitação e a clínica ou o que nos ensina o dispositivo do “Convivência e Arte”? In: Merhy, E. E. & Amaral, H. A reforma psiquiátrica no cotidiano II. São Paulo: Aderaldo & Rothschild Editores.

Seki, N. H., & Galheigo, S.M. (2010). O uso da música nos cuidados paliativos: humanizando o cuidado e facilitando o adeus. Comunicação, Saúde e Educação, 14(33), p.273-84. Disponível em https://bit.ly/2PnTGm3. Acessado em 28/05/2011.

Traverso-Yepez, M. (2001). A interface psicologia social e saúde: perspectivas e desafios. Psicologia em Estudo, Maringá, 6(2), Disponível em: https://bit.ly/3ka2jin. Acessado em 10/05/2011.

Wisnik, J.M. (1989). O som e o sentido: Uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras. Yasui, S. (2011). Conhecendo as origens da reforma psiquiátrica brasileira: As experiências francesa e italiana. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 18(2). Disponível em: https://bit.ly/33rR4M3. Acessado em 28/09/2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2012v3n1p93

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.